Clipping 

26/11/2021

Resumo das principais notícias do setor elétrico

Equatorial investirá R$ 400 milhões no AP

A Equatorial Energia planeja investir R$ 400 milhões até 2023 em obras estruturantes para melhorar a qualidade dos serviços da rede de distribuição de energia elétrica no Estado do Amapá. A companhia assumiu, na terça-feira, o controle da Companhia Energética do Amapá (CEA), depois de vencer o leilão de privatização da antiga estatal em junho deste ano.

A empresa iniciou um plano de ação para os primeiros 100 dias para colocar em ação as atividades mais urgentes, entre elas e a construção da nova subestação São José e a ampliação da subestação Macapá II. Também está prevista a construção de uma nova linha de distribuição Serra do Navio, com a implantação de 116 quilômetros de linha.

“Temos experiências muito bem-sucedidas na aquisição e melhoria de companhias que eram estatais. Trabalhamos com uma cultura de resultados e nossos investimentos no Amapá vão garantir maior qualidade da operação, do atendimento e a geração de empregos e renda”, afirmou o presidente do grupo, Augusto Miranda...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=343369&sid=105

Northern Powergrid to pilot smart meter-enabled voltage optimisation tech

The new voltage optimisation technology Box designed to safely optimise the network voltage (BEET) will be tested from August 2022 in Boston Spa, Wetherby and surrounding areas.

The Boston Spa Energy Efficiency Trial is expected to impact some 15,000 consumers, helping them to save £20 ($27) on their annual bills and cut their carbon footprint by 27kg a year – the equivalent of driving 100km.

If deployed on a wide scale, the trial could save £500 million ($665 million) from customers’ energy bills and a potential 200,000 to two million tonnes of greenhouse gas emissions from the UK’s annual carbon footprint.

Northern Grid’s engineering team partnered with Fundamentals, GE Digital, Siemens and the University of Sheffield to develop the BEET technology. The BEET-Box will apply an algorithm, developed by Fundamentals, to local smart meter data every 30 minutes.

The voltage optimisation tech will use data on consumer energy usage from smart meters to turn up or down volts on the network to levels that result in optimal energy efficiency for consumers...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/digitalisation/northern-powergrid-to-pilot-smart-meter-enabled-voltage-optimisation-tech/

Aneel anuncia nova bandeira tarifária de energia elétrica nesta sexta

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anuncia, nesta sexta-feira, 26, a bandeira tarifária de energia elétrica que valerá em dezembro. Desde setembro, está em vigor a bandeira de escassez hídrica, a mais cara do sistema, que acrescenta 14,20 reais a cada 100 kWh consumidos. Ela deve ser mantida até abril de 2022.

Para famílias de baixa renda que recebem o benefício da tarifa social de energia elétrica, a bandeira tarifária passou, em novembro, de vermelha patamar 2 para amarela, o que significa uma redução de 7,62 reais para cada 100 kWh consumidos.

A Aneel aplica o sistema de bandeiras tarifárias às contas de luz quando o custo de produção de energia aumenta, como tem acontecido no país nos últimos meses por conta da crise energética. A solução, nesse caso, tem sido usar usinas termelétricas, que são mais caras, e importar energia de outros países.

O reajuste acumulado neste ano para consumidores residenciais chega a 7,04%, segundo a Aneel. A estimativa da agência é de que, em 2022, o impacto tarifário médio chegue a 21,04%...

Fonte: Exame

Leia mais em:

https://exame.com/brasil/aneel-anuncia-nova-bandeira-tarifaria-de-energia-eletrica-nesta-sexta/

Usina termelétrica no AM busca geração híbrida com energia solar

Visando reduzir o uso de combustíveis fósseis e buscando mais equilíbrio com o meio ambiente, a Oliveira Energia, que possui 42 usinas termelétricas no estado do Amazonas, quer substituir parte da sua matriz por energia solar e tornar suas usinas híbridas. Atualmente, as plantas da companhia são movidas a óleo diesel.

A empresa mandou uma solicitação para a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) e aguarda aprovação para seguir com o projeto de instalação dos painéis fotovoltaicos.

“O projeto ainda está engatinhando. Mas o que nos atrai a concretizá-lo são os benefícios ambientais que ele traz e também a confiabilidade do sistema de geração solar fotovoltaico”, explica Heitor Gomes Cândido, diretor técnico interino da Oliveira Energia.

Uma vez aprovado o projeto pela ANEEL, a intenção da Oliveira Energia é ter em suas usinas 50% de potência fotovoltaica instalada...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/usina-termeletrica-no-am-busca-geracao-hibrida-com-energia-solar/

Enel Green Power inicia operação do parque eólico Morro do Chapéu Sul II na BA

A Enel Green Power Brasil, subsidiária brasileira de energia renovável do Grupo Enel, iniciou a operação do parque eólico Morro do Chapéu Sul II, nos municípios de Morro do Chapéu e Cafarnaum (BA). O investimento foi de aproximadamente R$ 1,92 bilhão.

Com capacidade instalada de 353 MW, o empreendimento está localizado na mesma região onde a Enel Green Power construiu e opera, desde janeiro de 2018, o parque eólico Morro do Chapéu Sul (172 MW). 

Da capacidade instalada total do empreendimento, cerca de metade já está conectada ao SIN (Sistema Interligado Nacional). A expectativa é que o parque esteja em plena operação até janeiro de 2022.

“O início das operações em Morro do Chapéu Sul II reafirma o nosso compromisso de contribuir com a diversificação das fontes renováveis no país, colocando à disposição do sistema elétrico um volume substancial de nova capacidade instalada capaz de auxiliar o país diante da atual escassez hídrica, ressalta Roberta Bonomi, Responsável da Enel Green Power no Brasil...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/enel-green-power-inicia-operacao-do-parque-eolico-morro-do-chapeu-sul-ii-na-bahia/

Brasil deve diminuir dependência de hidrelétricas, destravar burocracia e buscar mais fontes verdes por energia segura, indica estudo

O Brasil vai registrar, até 2040, um crescimento previsto de até 60% no consumo de energia. Para dar conta desta demanda, o país precisará deixar a dependência que possui hoje da hidroeletricidade e ampliar na sua matriz energética a participação de outras fontes renováveis.

Essa é uma das conclusões da 23ª edição do estudo “Observatório de Mercados de Energia Mundial”, produzido pela Capgemini, multinacional francesa especializada em serviços de consultoria e tecnologia.

O relatório analisa as tendências dos mercados e tecnologias de eletricidade e gás entre as maiores economias do planeta e fornece insights sobre o progresso na luta contra o aquecimento global e a transição energética em curso.

O país está impactado, no momento, pela pior crise hídrica dos últimos 91 anos contra os seus reservatórios usados na produção de energia elétrica.

Com as turbinas operando em baixa, o governo Bolsonaro (sem partido) acionou um conjunto de térmicas – mais custosas e poluentes — para não deixar o sistema entrar em colapso e mandou a conta disso ao consumidor, que vai pagar por uma tarifa mais cara até abril de 2022...

Fonte: Infomoney

Leia mais em:

https://www.infomoney.com.br/minhas-financas/brasil-deve-diminuir-dependencia-de-hidreletricas-destravar-burocracia-e-buscar-mais-fontes-verdes-por-energia-segura-indica-estudo/

Enel vai investir 5 bilhões de euros no Brasil nos próximos três anos, diz CEO global

A holding italiana de energia elétrica Enel deve investir 5 bilhões de euros no Brasil nos próximos três anos, como parte do plano global anunciado na manhã desta quarta-feira, que prevê investimentos de 170 bilhões de euros até 2030.

O valor previsto para o Brasil está em linha com o praticado nos últimos planos de investimentos da companhia. O presidente global do grupo, Francesco Starace, ressalvou em entrevista coletiva que os valores podem mudar, dependendo das oportunidades que a empresa encontrar nos países em que atua.

“Os números são puramente indicativos, não são compromissos. Apenas investiremos se tivermos bons retornos”, destacou.

Questionado sobre a crise hídrica que o Brasil enfrentou em 2021 e que afetou os reservatórios das hidrelétricas, Starace disse que os reguladores locais gerenciaram bem a questão e que não espera novos problemas em 2022...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=343351&sid=105

Basf anuncia criação de subsidiária para atividades de energia renovável

A companhia alemã de produtos químicos Basf SE vai agrupar suas atividades de energia renovável sob a Basf Renewable Energy GmbH, uma nova subsidiária, que se concentrará no fornecimento de energia renovável para as instalações europeias da companhia.

A empresa informou que a mudança deve entrar em vigor a partir de janeiro, com o objetivo de abastecer a Basf na Europa com energia renovável e fornecer consultoria no segmento.

A Basf Renewable Energy GmbH lançará novos projetos para gerar energia renovável e fechará contratos de fornecimento de longo prazo com produtores de energia.

"Em virtude da conversão para energia renovável, bem como ao lançamento de novos processos de produção de baixa emissão baseados em eletricidade, nossa demanda aumentará significativamente no futuro", disse Horatio Evers, anteriormente responsável pelo desenvolvimento de energias renováveis na companhia, que dirigirá a nova empresa com sede em Ludwigshafen.

Fonte: Terra

Leia mais em:

https://www.terra.com.br/economia/basf-anuncia-criacao-de-subsidiaria-para-atividades-de-energia-renovavel,31e77bba9480cf31117142d9fb5bd8edh16tv0le.html

Siemens fornece 180 painéis de média tensão para Bracell em SP

A Siemens entregou 180 painéis isolados a gás de média tensão para uma planta de celulose solúvel da Bracell em Lençóis Paulista, interior de São Paulo. Os equipamentos do modelo 8DA10 foram instalados pela empresa, com o projeto envolvendo também o fornecimento de relés de proteção, cabeamento, automação elétrica e sistemas de medições.

Segundo a companhia, o modelo 8DA10 é caracterizado pela robustez, compactação e alta confiabilidade, sendo indicados para ativos de risco e locais remotos visto serem livres de operadores e sem necessidade de manutenção. As subestações instaladas na unidade contam com isolamento integral em SF6 e tecnologia de chaveamento a vácuo, o que resulta em isenção de manutenção e altíssima confiabilidade em um invólucro realmente compacto.

Outro diferencial dos painéis é que possuem dispositivos que permitem que sejam operados remotamente via sistema de proteção e automação da subestação, onde os relés de proteção fazem a interface com o sistema supervisório. Dessa forma, os relés podem ser acionados para abrir e fechar disjuntores e seccionadoras, possibilitando uma gestão remota e automática do sistema...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53194563/siemens-fornece-180-paineis-de-media-tensao-para-bracell-em-sp

Qual é o tempo de retorno do investimento em energia solar residencial no Brasil?

O payback (tempo de retorno do investimento) de um mesmo sistema fotovoltaico residencial no Brasil pode apresentar uma variação quase duas vezes maior dependendo do estado em que for instalado. É o que aponta um levantamento do Canal Solar, realizado com base em dados do último estudo publicado pela Greener, em junho deste ano.

Segundo os números apresentados pela empresa de consultoria, a diferença entre os estados com menor e maior tempo médio de payback – Minas Gerais e Amapá, respectivamente – chega a mais de dois anos.

Nos municípios mineiros, um proprietário leva, em média, três anos para reaver todo o investimento. Enquanto isso, nas cidades amapaenses, a espera leva cerca de cinco anos e meio em sistemas que apresentam as mesmas características e o mesmo aporte inicial.

Apesar da distância e da realidade econômica distinta entre os dois estados, a diferença também é encontrada em regiões vizinhas e que contam com poder aquisitivo semelhante...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/qual-e-o-tempo-de-retorno-do-investimento-em-energia-solar-residencial-no-brasil/

Se quiser receber o nosso clipping, preencha os campos abaixo:

Obrigado!