31/05/2021

Chile já se destaca na AL em energias renováveis

O Chile está despontando como um líder em energia limpa na América Latina. Hoje as principais fontes renováveis não convencionais - solar e éolica - já respondem por 19,6% da geração de eletricidade no país, ante 0,5% de dez anos atrás. Com a entrada em operação da primeira planta termosolar, capaz de fornecer energia de forma contínua, o Chile consolida sua liderança no setor entre as maiores economias da região.

Os dados são referentes ao período de janeiro a abril deste ano e compilados pela Associação Chilena de Energias Renováveis e Armazenamento (Acera).

Em comparação com as principais economias da América Latina, o Chile está à frente nos setores de solar e eólica...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=338950&sid=105

Em 2001, aposta única em térmicas não evitou racionamento

No início de maio de 2001, o presidente Fernando Henrique Cardoso tomou conhecimento da crise que se aproximava. Em 18 de maio, deu o sinal verde para o plano, que reduziu a partir de 1º de junho daquele ano, em média, o consumo em 20% em relação aos meses de maio, junho e julho de 2000.

FHC buscou em seu diário se nas reuniões dos meses anteriores alguém tinha pintado um quadro sombrio. Notou que não escrevera nada que indicasse que o país estava à beira da crise que agora batia à porta. Existia clara descoordenação no setor elétrico. Havia chegado aos seus ouvidos que no Ministério de Minas e Energia não se podia falar de racionamento. O país apostara tudo em térmicas a gás natural, mas elas mal tinham saído do papel. Para evitar um país sem luz, técnicos defendiam cortes rotativos de seis a 12 horas que mergulhariam São Paulo e Rio de Janeiro em caos urbano...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=338949&sid=105

‘Smart grids are vital’ – Schneider Electric’s Gary Lawrence

According to Lawrence, the advent of smart digital grids is the most momentous industry event over the past quarter of a century. He believes the gradual digitalisation of utilities and networks could not have come at a better time to enable a clean energy transition just as we race to save the planet.

“The electric grid is the bloodline of today’s digital world. Electricity possesses near 100% maximum thermal efficiency when it comes to ‘useful energy’ while up to 67% of energy coming from other sources is lost (e.g., a combustion engine).

“The digital grid optimised through Advanced Distributed Management Solutions (ADMS) software and IT-OT platform integration, can support a mix in the decarbonised power generation mix and proactively prevent outages. It is also the backbone of a bi-directional decentralised energy grid...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/smart-grid/smart-grids-are-vital-schneider-electric-gary-lawrence/

Ministro Bento Albuquerque diz que não há risco de racionamento de energia

Em meio ao cenário de preocupação com a possibilidade de o país voltar a racionar energia diante da pior seca nas hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste em 91 anos, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, disse que "não há risco" de que isso aconteça, e que "tudo indica" que a situação está sob "controle". Em entrevista ao jornal O Globo, Bento Albuquerque afirmou que o governo federal está se preparando para tomar medidas a fim de evitar a falta de eletricidade, e que o consumidor precisará fazer uso mais "racional" de energia O ministro disse que o governo não trabalha com a possibilidade de racionar energia, "porque tudo indica que nós temos o controle da situação". "Todos os nossos modelos, nossos acompanhamentos indicam que não há risco de racionamento, de apagão, no ano de 2021", declarou A partir de junho, será acionada a bandeira vermelha nível 2, o que implica em um custo extra de R$ 6,24 a cada 100 quilowatts/hora consumidos. Com o acionamento de outras matrizes energéticas, a exemplo da termelétrica, há o encarecimento da conta da luz, e que, por isso mesmo, o ministro alega que "o consumidor precisa fazer um uso mais racional da energia", pois esse "é um problema da sociedade brasileira"…

Fonte: Economia Uol

Leia mais em:

https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2021/05/31/ministro-bento-albuquerque-diz-que-nao-ha-risco-de-racionamento-de-energia.htm

Mitsubishi Power e Iberdrola firmam parceria para elaboração de soluções de energia renovável

A Mitsubishi Power e a Iberdrola fecharam uma parceria para a elaboração conjunta de soluções de energia renovável, impulsionando a descarbonização do setor industrial mundialmente. Conforme o comunicado divulgado pelas duas empresas, o acordo viabilizará projetos de eletrificação de processos térmicos, geração de hidrogênio verde e sistemas de armazenamento por baterias.

Assinado por Ken Kawai, CEO da Mitsubishi Power, e por Aitor Moso, diretor do negócio liberalizado da Iberdrola, o acordo culminará no desenvolvimento de equipes formadas por especialistas das duas companhias, com objetivo de reconhecer oportunidades em empreendimentos de geração renovável e de armazenamento em larga escala para o setor industrial, um dos segmentos mais árduos de ser descarbonizado…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/empresas-de-energia-solar/mitsubishi-power-e-iberdrola-firmam-parceria-para-elaboracao-de-solucoes-de-energia-renovavel.html

Destinado à ampliação da capacidade instalada de geração solar, Cemig SIM receberá aporte de R$ 1 bilhão

Até 2025, a Cemig SIM deverá contar com aportes de cerca de R$ 1 bilhão. A companhia, que opera nos mercados de soluções em eficiência energética e de energia solar por assinatura, aponta que o investimento será destinado a possibilidades de aquisição de ativos que impulsionem a oferta e a elaboração de novos empreendimentos de fazendas solares, utilizando as capacidades de engenharia já disponíveis. A estimativa é, nos próximos quatro anos, expandir a capacidade atual instalada para 275 MWp.

 “Nós acreditamos que o futuro do setor elétrico passa por um aumento do volume de recursos distribuídos e sistemas inteligentes. Portanto, é estratégico para a companhia fortalecer a atuação no segmento de geração distribuída (GD), ou energia solar por assinatura”, afirmou Danilo Gusmão, CEO da Cemig SIM. Hoje em dia, a companhia tem um parque de 11 fazendas solares e, ainda no primeiro semestre deste ano, estima a entrada de outras 7…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/empresas-de-energia-solar/destinado-a-ampliacao-da-capacidade-instalada-de-geracao-solar-cemig-sim-recebera-aporte-de-r-1-bilhao.html

Geração distribuída de energia deve atrair R$16,7 bilhões em investimentos

Popularizar a geração distribuída de energia. Este é o objetivo do projeto de lei PL 5829/19 que propõe a criação de um marco legal para essa modalidade de produção de energia próxima da fonte de consumo – especialmente com a fonte solar fotovoltaica. A proposta tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados, ainda sem previsão de chegar ao plenário.''

A geração distribuída é a geração de energia que não é centralizada, como a produzida pelas grandes usinas hidrelétricas que abastecem vastas regiões. A geração distribuída gera energia para uso em um local próximo ao ponto de consumo.

O potencial é imenso. De acordo com o relator do projeto, o deputado federal Lafayette de Andrada (Republicanos-MG), a mini ou microgeração distribuída (GD) deverá atrair ainda neste ano um total estimado de R$ 16,7 bilhões em investimentos…

Fonte: Exame

Leia mais em:

https://exame.com/bussola/geracao-distribuida-de-energia-deve-atrair-r167-bilhoes-em-investimentos/

Para se adaptar à transição energética, petroleira Total agora se chama TotalEnergies

Os acionistas da Total aprovaram em Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de Acionistas a resolução de alterar o nome da empresa de Total para TotalEnergies. O objetivo é ampliar a atuação da companhia para outros mercados de energia.

“Hoje, para contribuir com o desenvolvimento sustentável do planeta diante dos desafios climáticos, estamos avançando, juntos, em direção às novas energias. A energia está se reinventando e essa jornada energética é nossa. Nossa ambição é ser protagonista mundial na transição energética. É por isso que a Total está se transformando e se tornando TotalEnergies”, disse em nota Patrick Pouyanné, presidente e CEO da TotalEnergies.

A empresa disse em nota que o novo nome e a nova identidade visual incorporam a trajetória que a TotalEnergies traçou para si mesma: o de ser uma empresa de energia ampla, comprometida em produzir e fornecer energias cada vez mais acessíveis, confiáveis e limpas.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53174673/para-se-adaptar-a-transicao-energetica-petroleira-total-agora-se-chama-totalenergies

Acionada bandeira vermelha patamar 2 para o mês de junho

A bandeira tarifária em junho de 2021 será vermelha, patamar 2, com custo de R$6,243 para cada 100kWh consumidos. Maio foi o primeiro mês da estação seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN), registrando condições hidrológicas desfavoráveis. Junho inicia-se com os principais reservatórios do SIN em níveis mais baixos para essa época do ano, o que aponta para um horizonte com reduzida geração hidrelétrica e aumento da produção termelétricas. Essa conjuntura pressiona os custos relacionados ao risco hidrológico (GSF) e o preço da energia no mercado de curto de prazo (PLD), levando à necessidade de acionamento do patamar 2 da Bandeira Vermelha. O PLD e o GSF são as duas variáveis que determinam a cor da bandeira a ser acionada.

Criado pela ANEEL, o sistema de bandeiras tarifárias sinaliza o custo real da energia gerada, possibilitando aos consumidores o bom uso da energia elétrica. O funcionamento das bandeiras tarifárias é simples: as cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração…

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://bit.ly/3fOih0a