29/09/2021

Linhão de Tucuruí

Com 720 km, linha de transmissão de energia entre Manaus (AM) e Boa Vista (RR), que vai cortar reserva indígena, obteve sinal verde do Ibama. Funai apoia projeto.

Dez anos depois de ter sido leiloado pelo governo federal, o linhão de transmissão de energia previsto para ligar Manaus (AM) a Boa Vista (RR) obteve autorização para ter suas obras iniciadas. O ‘Estadão’ apurou que a licença de instalação do projeto, documento que autoriza o início efetivo da construção, foi liberada pelo Ibama, após o órgão ambiental receber sinal verde da Fundação Nacional do Índio (Funai) sobre os impactos do empreendimento em reservas indígenas.

Com a decisão, a concessionária Transnorte Energia, formada pela estatal Eletronorte e pela empresa Alupar, poderá dar início imediato à construção, que tem prazo total de 36 meses para ser concluída e início de operação no primeiro semestre de 2024...

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=342066&sid=105

Temor de crise energética global preocupa mercados

O risco de uma crise global de energia entrou ontem de vez no radar dos investidores, ampliando as preocupações com a redução dos estímulos monetários nos EUA. A combinação derrubou as bolsas - o índice Nasdaq recuou 2,83% e o Dow Jones, 1,63%. Por aqui, o Ibovespa fechou em baixa de 3,05%, enquanto o dólar subiu 0,88%, para R$ 5,4254.

Os preços de commodities energéticas têm avançado com força. As cotações dos contratos futuros de gás natural fecharam no maior nível desde 2014, enquanto o petróleo Brent chegou a superar o nível de US$ 80 por barril, o mais alto em três anos. O movimento é explicado em parte pelo aumento do consumo desses produtos acima do esperado nas principais economias do mundo. Em meio a temores de que a inflação global não ceda, a alta da energia pressiona os juros, como os dos títulos de longo prazo do Tesouro americano.

Especialistas apontam que a pressão nos preços do petróleo e do gás tem razões econômicas, geopolíticas e ambientais...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=342064&sid=105

China raciona energia com apagões e busca mais carvão

A China começou a promover nesta semana apagões programados em Pequim e Xangai, metrópoles onde vivem 48 milhões de pessoas, em meio à escassez de energia que vem afetando seu importante setor industrial, em mais uma ameaça à economia. Em um esforço para conter a crise, o governo chinês já sinalizou que está disposta a pagar o preço que for para obter mais carvão nos mercados.

A China vai expandir a aquisição de carvão a “qualquer preço para garantir aquecimento e geração de energia no inverno”, disse o Conselho de Eletricidade da China em comunicado divulgado na segunda-feira. Embora mais de 90% do combustível usado seja extraído localmente, seu suprimento não tem sido suficiente para atender à demanda vertiginosa.

A geração de energia térmica no ano até agosto é 14% maior do que no ano passado, enquanto a produção de carvão cresceu apenas 4,4%, em grande parte por causa das medidas de segurança após uma série de acidentes fatais. As importações subiram mais de 20% desde o início de junho, mas a China ainda precisa de mais para preencher essa lacuna...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=342063&sid=105

Distributed intelligence and secure grid connectivity – The next phase of grid development

Tufts said this in a session The future of the grid: What next in grid development?, held during the first day of the Enlit Asia Digital Festival 2021. The session focused on the stage at which utilities are in developing smart grids and the technologies they should deploy to create reliable energy networks.

According to Cisco representative, distributed intelligence is when decisions are made at the grid edge, for instance at substations and reclosure stages. It means full automation.

However, he said it is still “early days in most of the world. Most utilities are still at the stage of digitising substations and integrating renewables with grids to get a consistent flow of data from distributed assets.”

He noted that utilities are still struggling with “including renewables deeply into the grid” and the “challenge of dealing with the distributed assets”…

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/digitalisation/distributed-intelligence-and-secure-grid-connectivity-the-next-phase-of-grid-development/

Landis+Gyr acquires Turkish smart metering business

The acquisition of Luna Elektrik Elektronik Sanayi ve Ticaret is expected to expand Landis+Gyr’s smart metering business in Africa, Asia, Europe and South America where the company has a footprint.

The acquisition will enable Landis+Gyr to capitalise on opportunities within the Turkish smart meter market as the country transitions to advanced metering infrastructure.

Next to low-cost solutions for markets, where Landis+Gyr currently has a limited presence, Luna also offers electricity meters in Germany, where it has established a foreign sales entity, according to a statement.

Luna has its headquarters in Izmir, with revenues of around $60 million and more than 850 employees. The company has a strong position in the engineering, certification, and manufacturing of metering solutions...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/finance-investment/landisgyr-acquires-turkish-smart-metering-business/

ANEEL assinará 12 outorgas para instalação de novas usinas solares na Paraíba

O diretor-geral da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), André Pepitone, assinará a aprovação de 12 outorgas para instalação de novas usinas fotovoltaicas na região de Santa Luzia, no estado da Paraíba. A informação foi divulgada pelo deputado federal Efraim Filho (DEM-PB), coordenador da bancada paraibana, em suas redes sociais.

O investimento estimado para a construção dos empreendimentos é de R$ 2,4 bilhões em recursos privados, que deverão gerar mais de 28 mil empregos. As novas usinas atuarão como produtoras independentes de energia e cada uma possuirá 50 MW de potência instalada, totalizando 600 MW em todo o complexo.

Serão convidados para a assinatura do documento representantes do Governo Federal, o governador da Paraíba, João Azevêdo (Cidadania), e a bancada federal, além de deputados, prefeitos da região, vereadores, reitores das universidades e autoridades do poder judiciário local.

Em junho deste ano, o governo da Paraíba já havia anunciado a construção de dois grandes investimentos no setor de energia solar, que foram a construção de um parque solar e a instalação de uma fábrica de painéis...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/aneel-assinara-12-outorgas-para-instalacao-de-novas-usinas-solares-na-paraiba/

GreenYellow conecta usinas solares a distribuidoras de energia elétrica

A empresa especializada em energia solar, eficiência energética, gestão de energia e comercialização, GreenYellow, conectou duas usinas fotovoltaicas a duas distribuidoras de energia do Mato Grosso e Goiás, as usinas irão gerar para a telecom Oi 22,3 GWh por ano.

O contrato foi estabelecido há cerca de doze meses para fornecer 29,5 GWh por ano com outra usina que está sendo construída no Distrito Federal e 4,6 GWh de uma planta da empresa que está em funcionamento no estado de Minas Gerais, desde outubro de 2020.

As usinas novas foram conectadas a distribuidoras em Padre Bernardo, no estado de Goiás, e Nova Xavantina, no Mato Grosso. A usina de Goiás tem capacidade de 5,54 MWp, isto é, 17.050 painéis instalados; e a unidade do Mato Grosso conta com 16.550 painéis e capacidade instalada de 5,38 MWp.

Apenas como demonstrativo, as duas usinas teriam capacidade de suprir o consumo de mais de 15.100 casas com energia solar em um ano, o que pouparia aproximadamente 3.700 toneladas de CO2. Até o final deste ano, será conectada a quarta usina do contrato, que irá contribuir com 1,26 MWp a partir de 3.800 painéis instalados…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/usinas-de-energia-solar/greenyellow-conecta-usinas-solares-a-distribuidoras-de-energia-eletrica.html

Unigel e Casa dos Ventos fazem negócio de R$ 1 bilhão

A Unigel, maior produtora de acrílicos, estirênicos e fertilizantes nitrogenados da América Latina, e a Casa dos Ventos acabam de firmar um contrato de compra e venda de energia renovável avaliado em mais de R$ 1 bilhão, com prazo de 20 anos. O PPA (do inglês power purchase agreement) corresponde ao primeiro acordo da petroquímica brasileira em energia eólica e viabiliza a construção do projeto Babilônia Sul, com 360 megawatts (MW) de potência, na Bahia.

Em entrevista ao Valor, o presidente da Unigel, Roberto Noronha, disse que o contrato vai assegurar que “parte importante” da energia consumida pelo grupo, cujo foco é reduzir a pegada de carbono, venha de fonte renovável. A estimativa é que 200 mil toneladas por ano de carbono deixarão de ser emitidas. “Sustentabilidade virou uma pré-condição quando formos avaliar todo e qualquer projeto”, disse o executivo...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=342018&sid=105

Como a crise mundial de energia pode agravar o problema no Brasil

Racionamento de usinas térmicas na China, falta de gás no Reino Unido às portas do inverno no Hemisfério Norte, alta do petróleo e risco hídrico no Brasil - o que fenômenos tão distintos têm em comum em meio ao caos energético que assusta o mundo?

Depois da pandemia e do chamado “apagão de insumos”, a economia global se depara agora com uma ameaça crescente de escassez de energia que lembra a crise do petróleo dos anos 1970 e que pode impulsionar ainda mais a inflação e a desorganização das cadeias produtivas.

-Investimentos decrescentes nas matrizes mais sujas de combustíveis fósseis, como carvão e petróleo encarecem os preços de energia da China ao Brasil

-Também pesam problemas pontuais de suprimento derivados de mudanças climáticas, como o impacto do furacão Ida na produção de combustíveis no sul dos EUA e as enchentes na Alemanha e na Ásia

-Na Europa, a crise de energia sem precedentes é com suprimento limitado de gás vindo da Rússia e da Noruega, que tende a se agravar com a chegada do inverno…

Fonte: Investing

Leia mais em:

https://br.investing.com/news/commodities-news/como-a-crise-mundial-de-energia-pode-agravar-o-problema-no-brasil-922316