29/07/2022

Com nova tecnologia, CGT Eletrosul inova com subestações digitais

O Projeto Piloto em Subestações Digitais da CGT Eletrosul chega à etapa de operação monitorada. A instalação em campo na Subestação Palhoça (525 MVA) no vão da Linha de Transmissão Palhoça – Tubarão Sul (138 kV), em Santa Catarina, foi concluída no dia 5 de julho. A iniciativa está sendo conduzida pelo Grupo de Trabalho de Subestações Digitais e envolve profissionais dos Departamentos de Automação, Proteção e Telemática, de Engenharia do Sistema e de Operação, além da Regional de Manutenção de Santa Catarina.

A partir de agora, a nova tecnologia funcionará paralelamente ao sistema tradicional para acompanhamento das funcionalidades. Com o objetivo de preparar a empresa para a aplicação de subestações digitais, a iniciativa posiciona a CGT Eletrosul enquanto corporação inovadora e referência na implantação das tecnologias mais atuais do mercado de energia.

De acordo com a companhia, o avanço tecnológico implica na digitalização de todos os sinais de pátio de uma subestação, aplicando as mesmas funções e requisitos de Proteção, Automação e Controle (PAC). Assim, equipamentos eletrônicos conectados através de fibra ótica à Ethernet (rede de comunicação compartilhada por um único cabo) encaminham dados à casa de controle, onde dispositivos de proteção recebem os sinais, processam e controlam o sistema de potência, comandando digitalmente disjuntores, seccionadoras e outros equipamentos de pátio...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53220143/com-nova-tecnologia-cgt-eletrosul-inova-com-subestacoes-digitais

Asia-Pacific forecast to reach 1 billion smart electricity meters by 2026 – study

The report, Smart Metering in Asia-Pacific, analyses the development of smart metering technology in China, Japan, South Korea, India, Bangladesh, Indonesia, the Philippines, Thailand, Vietnam, Australia and New Zealand.

According to the study, the installed base of smart electricity meters in Asia-Pacific will grow at a compound annual growth rate (CAGR) of 6.2% from 757.7 million units in 2021 to 1.1 billion units in 2027. At this pace, the milestone of 1 billion installed devices will be reached in 2026.

The penetration rate of smart electricity meters in Asia-Pacific will at the same time grow from 59 % in 2021 to 74% in 2027 while cumulative shipments during the forecast period will amount to a total of 934.6 million units.

According to Berg Insights, East Asia, including China, Japan and South Korea, has led the adoption of smart metering technology in Asia-Pacific with ambitious nationwide rollouts...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/news/asia-pacific-forecast-to-reach-1-billion-smart-electricity-meters-by-2026-study/

O número de golpes aplicados no setor de energia solar tem se tornado uma prática cada vez mais comum no Brasil. Muitos criminosos vêm se aproveitando da popularização dos sistemas e da falta de conhecimento da grande maioria dos consumidores e até de algumas empresas para praticarem os golpes.

Nesta quarta-feira (27), a Polícia Civil do Distrito Federal, por exemplo, deflagrou operação para desarticular um esquema que aplicava um golpe milionário em idosos. Os bandidos simulavam a venda de painéis fotovoltaicos e eram minuciosos no momento de escolherem os alvos.

O dinheiro era arrecadado por meio do site da empresa. O grupo também realizava visitas técnicas a fim de dar mais credibilidade ao golpe e enganar os clientes com maior facilidade, sem que eles pudessem desconfiar da ação fraudulenta.

Nas investigações, foram identificadas sete vítimas pelo país nos estados do Espírito Santo, Pará, Rio de Janeiro, Goiás e DF. Uma das vítimas, que mora em Asa Norte (DF), por exemplo, amargou sozinha um prejuízo de R$ 484 mil. O valor total arrecadado ultrapassa a barreira dos R$ 2 milhões, segundo a Polícia…

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/crimes-no-setor-solar-tem-sido-cada-vez-mais-frequentes-em-2022/

Frete marítimo internacional só deve voltar à normalidade em meados de 2023

O mercado de navegação internacional ainda apresenta grande instabilidade e deve retornar à normalidade apenas em meados de 2023, indica avaliação da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Perspectiva é de que serão necessários vários meses até que os níveis de congestionamentos, atrasos e demanda por transporte se estabilizem.

“O risco de uma recessão global pode atenuar a demanda pelo transporte marítimo”, explica o especialista em Infraestrutura da CNI, Matheus de Castro. “No entanto, novas rupturas na logística global, em função da Guerra na Ucrânia, surtos de Covid-19 na China ou qualquer outra eventualidade, vão estender a crise logística, já que não há capacidade ociosa no mercado para acomodar pressões adicionais na oferta de serviços de transporte.”

Um levantamento da entidade sobre os efeitos da crise logística internacional desencadeada pela Covid-19 no Brasil e nas principais rotas da navegação do mundo mostra que o custo médio do transporte de um contêiner no mercado marítimo global permaneceu próximo à US$ 10 mil em vários momentos nos últimos meses, valor sete vezes mais elevado que o verificado antes da pandemia…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/mercado/internacional/frete-maritimo-internacional-so-deve-voltar-a-normalidade-em-meados-de-2023

Por mais que o cenário no médio e longo prazo seja promissor - o plano decenal de energia (2021-2031) prevê que a oferta energética via microgeração distribuída (MMGD) vai chegar aos 37,2 GW no Brasil em uma década - o presente, também, já é empolgante. Os números relacionados à potência instalada de unidades com até 75 kW, definição formal para o projeto ser classificado como de microgeração desde que também use algum tipo de fonte renovável, não param de crescer.

No dia 10 de junho de 2021, conforme dados compilados pela Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD), a potência instalada nacional na geração distribuída, considerando todas as fontes e não apenas as de microgeração, estava em 6 GW. Dado que passou para 9 GW na virada do ano e está rondando os 12 GW. “Apesar de ainda existir um potencial pela frente, a geração distribuída é uma super realidade”, afirma Guilherme Chrispim, presidente da ABGD...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=347847&sid=105

Incertezas marcam desfecho de leilão emergencial

A cinco dias do prazo final para a entrada em operação comercial das usinas que venceram o leilão emergencial realizado em outubro, ainda não há certeza de qual será a decisão a ser tomada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) sobre o destino dessas térmicas. Pelas regras do certame e pelo contrato de energia de reserva assinado pelas vencedoras, após o dia 1º de agosto, as usinas que não começaram a operar devem ter rescindido o contrato com o governo. Das 17 termelétricas que venceram o certame, apenas seis entraram em operação até o momento, sendo uma delas no prazo, que era até 1º de maio. As que entraram em operação entre junho e agosto ficaram sujeitas a penalidades.

Uma das incertezas do processo está no fato de que a Aneel ainda não julgou pedidos de excludente de responsabilidade de empreendimentos que alegaram problemas que impedem o início das operações no prazo. Hoje a Aneel deve divulgar a pauta da reunião semanal da diretoria, que acontece na terça-feira (2 de agosto), portanto, após o prazo do certame. Até o fechamento da reportagem, não havia no site da Aneel pauta de eventual reunião extraordinária, hoje ou amanhã, para debater tais pedidos…

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=347849&sid=105

Revolução na rede

Na terça-feira, 26 de julho, o Ministério de Minas e Energia lançou a consulta pública nº 131/2022, para ampliar a abertura do mercado de energia elétrica no Brasil. A proposta viabiliza que todos os consumidores atendidos em alta tensão possam optar pela compra de energia elétrica de qualquer supridor a partir de 1º janeiro de 2024. Ela poderá ser o ponto de partida da maior ampliação do mercado livre desde sua criação em 1995 - aproximadamente 106 mil consumidores adicionais teriam a alternativa de aderir ao ambiente de livre comercialização. Hoje o Brasil possui cerca de 10 mil consumidores livres. Ou seja, com a abertura do mercado livre para toda a alta tensão (contas superiores a R$ 20 mil), ele poderá ser ampliado em dez vezes em menos de dois anos.

“A publicação da portaria foi uma conquista para pouco mais de 100 mil consumidores adicionais, que vão ganhar o direito de escolher o fornecedor de energia elétrica. Abrir o mercado para toda a alta tensão é um primeiro passo para a verdadeira reforma estrutural que o setor de energia precisa”, diz Rodrigo Ferreira, presidente da Associação Brasileira das Comercializadoras de Energia Elétrica (Abraceel). “Esse grupo da alta tensão já trabalha com medidores eletrônicos, paga demanda diferenciada e tem maior facilidade para migrar”, diz Rogerio Jorge, vice-presidente comercial da AES Brasil…

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=347844&sid=105

Adolfo Sachsida, ministro de Minas e Energia, disse que entregará 10 projetos de lei no dia 10 de novembro e destacou que o compromisso será cumprido “seja ele (governo) quem for”.

“Espero ter, no dia 10 de novembro, 10 projetos de lei a serem entregues ao próprio governo, seja ele quem for”, disse o ministro.

Sachsida ainda destacou que o Ministério deve priorizar o fortalecimento do marco legal através de “aprimoramentos infralegais, decretos, resoluções e portarias”.

Iniciativa de Mercado de Minas e Energia

A fala ocorreu nesta quarta-feira (27/7), durante o discurso de abertura do evento Iniciativa de Mercado de Minas e Energia, que contou com a presença de Paulo Guedes, ministro da Economia, e de Joaquim Leite, ministro do Meio Ambiente.

O programa foi inspirado na Iniciativa Mercado de Capitais, ação liderada pelo Ministério da Economia junto a outros agentes de governo e da iniciativa privada para o desenvolvimento do mercado de capitais brasileiro.

Segundo o MME, o programa tem por princípios aprimorar marcos legais; fortalecer a segurança jurídica; aumentar a previsibilidade e a transparência; estimular a competição, a redução da burocracia e o respeito aos contratos; além de fortalecer o investimento privado no setor.

Fonte: Abinee - Correio Braziliense

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=347853&sid=105

Taesa e Isa Cteep energizam interligação entre Nordeste e Sudeste

As transmissoras Taesa e Isa Cteep iniciaram a operação da Interligação Elétrica Paraguaçu, formada pela linha de transmissão em 500 kV Poções III – Padre Paraíso 2, com 338 km entre a Bahia e Minas Gerais. O investimento foi superior a R$ 680 milhões, com a Receita Anual Permitida (RAP) ficando em aproximadamente R$ 143 milhões no ciclo tarifário 2022/2023.

O empreendimento se conecta à linha de transmissão da Interligação Elétrica Aimorés, energizada em maio pelo mesmo consórcio, e terá importante participação na distribuição da energia eólica e solar gerada no Nordeste para o Sudeste, região de maior consumo de carga. Juntos, os projetos totalizam 546 km de extensão.

A Interligação foi arrematada no Lote 3 do leilão de transmissão realizado em 2016, tendo sido construída pela Aliança Interligação Elétrica (AIE), um consórcio envolvendo as duas empresas, na proporção igualitária de 50%.

Durante a obra foram instaladas quase 600 torres, interligando 14 municípios baianos e mineiros, o que levou a contratação de 1.320 profissionais com expressiva mão de obra local. Em locais com muita vegetação, os cabos da LT foram lançados com o uso de drones, evitando o corte de mata nativa...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53220112/taesa-e-isa-cteep-energizam-interligacao-entre-nordeste-e-sudeste

EDP lucra R$ 381 milhões no 2º tri e pretende ampliar participação no segmento solar

A EDP registrou um lucro líquido de R$ 381,1 milhões no segundo trimestre de 2022, um aumento de 10,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. O EBITDA (lucro antes de taxas, impostos, depreciação e amortização) foi de R$ 1,1 bilhão, aumento de 40,7% em relação ao segundo trimestre de 2021. “O resultado da EDP nesse trimestre demonstra que a empresa foi capaz de entregar ótimos resultados. Três palavras definem esses meses, entrega, eficiência e crescimento”, disse o CEO da EDP, João Marques da Cruz.

Em geração solar, a empresa dá andamento à estratégia de ampliar a sua participação nesse segmento, com o objetivo de chegar a 1 GW de capacidade instalada até 2025. Nesse sentido, anunciou, em abril, o projeto Novo Oriente, em parceria com a EDP Renováveis. Localizado no município de Ilha Solteira (SP), o novo empreendimento terá capacidade instalada de 254 MWac, com previsão de início de operação em 2024.

Em teleconferência com investidores, Cruz declarou que o segmento solar faz parte da estratégia da companhia e querem aumentar a participação. “O anúncio de investimento no solar para nós é muito importante e reforça a nossa parceria da EDP Renováveis. Queremos aumentar nossa participação nesse segmento e visamos ser, no grosso modo, uma empresa 100% verde”, ressaltou…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53220071/edp-lucra-r-381-milhoes-no-2o-tri-e-pretende-ampliar-participacao-no-segmento-solar

Spic Brasil fecha acordo para construção de dois parques solares no NE

A Spic Brasil e a Canadian Solar fecharam um acordo para construção e operação dos parques solares do tipo greenfield Marangatu (PI) e Panati-Sitiá (CE).  A conclusão do negócio acontece pouco mais de um mês após as duas companhias anunciarem a parceria. A multinacional chinesa possui participação majoritária de 70% nos dois empreendimentos, que receberão investimentos de mais de R$ 2 bilhões.

Quando estiverem em operação, prevista para o final do ano que vem, as duas plantas terão capacidade de gerar 738 MW, figurando entre os maiores projetos fotovoltaicos do país. A energia gerada será comercializada no mercado livre, com a maior parte já firmada em contratos de longo prazo.

A projeção é de que as usinas vão somar cerca de 12% à receita líquida operacional da companhia no Brasil, que almeja estar entre os três principais players privados de geração de energia no Brasil até 2025, por meio das fontes renováveis.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53220027/spic-brasil-fecha-acordo-para-construcao-de-dois-parques-solares-no-ne

Abrir mercado livre de energia para alta tensão é primeiro passo para reforma estrutural

Abrir o mercado livre de energia para toda a alta tensão é um primeiro passo para a reforma estrutural do setor, avalia o presidente executivo da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), Rodrigo Ferreira.

O posicionamento ocorre após publicação de uma portaria do Ministério de Minas e Energia (MME), na segunda-feira (26/07), abrindo consulta pública acerca da proposta que viabiliza que todos os consumidores atendidos em alta tensão possam optar pela compra de energia elétrica de qualquer supridor a partir de 1º janeiro de 2024.

Para a Abraceel, a portaria sinaliza uma evolução histórica e, quando concretizada, será um passo importante para a redução estrutural da conta de luz dos consumidores brasileiros. A entidade afirma que irá participar da consulta pública e oferecer contribuições.

“Abrir o mercado para toda a alta tensão é um primeiro passo para a verdadeira reforma estrutural no setor de energia. Sinaliza com mais investimentos e uma energia mais competitiva para o Brasil″, afirmou Ferreira…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/mercado/mercado-livre/abrir-mercado-livre-de-energia-para-alta-tensao-e-primeiro-passo-para-reforma-estrutural