29/06/2022

Adoção de fontes de energias renováveis e as “smart cities

Se antes fontes de energia como a solar e a eólica eram muito caras para serem adotadas em larga escala, hoje elas são uma saída, inclusive, para desacelerar o processo de aquecimento global. No último mês, o secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), António Guterres, propôs 5 ações para impulsionar a transição energética para uma matriz mais limpa. A 1ª medida sugerida pelo representante da entidade é a de tratar as tecnologias de energia renovável como bens públicos globais essenciais. Isso significa facilitar o compartilhamento de conhecimento e transferência de tecnologia, incluindo as restrições de propriedade intelectual. A proposta pode parecer ousada, mas quando enxergamos o contexto mundial, a ideia de transformar as fontes renováveis em um patrimônio essencial da humanidade faz todo sentido. Temos as fontes fósseis mais caras, que produzem concentrações de gases de efeito estufa, a elevação do nível do mar, o aquecimento e acidificação dos oceanos –que bateram um novo recorde em 2021, de acordo com o último relatório da OMM (Organização Meteorológica Mundial)....

Fonte: Poder 360

Leia mais em:

https://www.poder360.com.br/opiniao/thomas-law-adocao-de-fontes-de-energias-renovaveis-e-as-smart-cities/

Leilão de Transmissão n° 1/2022: ordem de licitação dos lotes é definida

A agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL definiu, em Comunicado Relevante publicado nesta terça-feira (28/6), a ordem de negociação dos 13 lotes do Leilão de Transmissão n° 1/2022, que será promovido nesta quinta-feira (30/6), a partir das 10h, na sede da B3 em São Paulo. O certame será transmitido ao vivo em http://tvB3.com.br e pelo Canal da B3 no YouTube.

Serão licitados na ocasião 13 lotes para a construção e a manutenção de 5.425 quilômetros de linhas de transmissão e de 6.180 mega-volt-ampéres (MVA) em capacidade de transformação de subestações. Os empreendimentos, com prazo de conclusão de 42 a 60 meses, contemplarão os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe. A expectativa de investimento é de R$ 15,3 bilhões. São previstos 31.697 empregos diretos durante o período de construção das instalações...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.gov.br/aneel/pt-br/assuntos/noticias/2022/leilao-de-transmissao-ndeg-1-2022-ordem-de-licitacao-dos-lotes-e-definida

A fabricante de implementos rodoviários Randon apresentou um plano de investimentos em geração de energias renováveis para abastecer as operações industriais da empresa no Brasil e em outros países. A companhia projeta investimento de cerca de R$ 100 milhões até 2030 na iniciativa.

A primeira entrega no Brasil é a instalação de uma usina fotovoltaica no Centro Tecnológico Randon (CTR), em Farroupilha (RS). A planta está recebendo aportes de R$ 7,2 milhões e deverá ser concluída até dezembro.

O projeto ainda busca garantir a capacidade instalada no local para o desenvolvimento de projetos voltados para a mobilidade elétrica, possibilitando que todos os veículos desenvolvidos e testados no Centro Tecnológico utilizem energia limpa.

Além disso, cerca de 30% da energia gerada também atenderá a área de Expedição da Randon Implementos, localizada no complexo industrial do grupo em Caxias do Sul (RS)…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/negocios/empresas/randon-anuncia-investimento-de-r-100-milhoes-em-projetos-de-energia-renovavel

Caio Mário Paes de Andrade toma posse na Petrobras

A Petrobras informou nesta terça-feira, 28 de junho, que Caio Mário Paes de Andrade tomou posse como Conselheiro de Administração e como Presidente da Petrobras, na sede da companhia, no Rio de Janeiro.

O Diário Oficial da União da última segunda-feira, 27, trouxe, em edição extra, a exoneração de Caio Mário do cargo de Secretário Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia. O decreto foi assinado pelo presidente da república Jair Bolsonaro e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53216603/caio-mario-paes-de-andrade-toma-posse-na-petrobras

A Cotesa Engenharia anunciou que irá substituir 1421 cadeias de isoladores de vidros, entre suspensão e ancoragem, em ativos de Furnas até 2025. Serão 12 Linhas de Transmissão de 138kV a 345kV, entre as regiões de Petrópolis (RJ) a Viana (ES). As trocas começaram em 18 de abril, a partir de métodos ao potencial e à distância, realizadas por uma equipe de nove eletricistas, um supervisor e um técnico em Segurança do Trabalho.

Antes de iniciar os trabalhos, a empresa passou pela etapa de validação das instruções e procedimentos de trabalho em Linha Viva, tanto na teoria quanto na prática. Foram duas semanas de validação no centro de treinamento da estatal em Fronteira (MG), tornando-se a primeira companhia contratada e apta a realizar trabalhos em LV nos ativos de Furnas.

À distância os eletricistas realizam as manobras sem contato direto com as partes energizadas, utilizando bastões isolantes e trabalhando fora do potencial dos cabos condutores. Já no método ao potencial, o eletricista tem contato direto com o condutor em manutenção, devendo utilizar roupa condutiva e o acesso sendo realizado através de materiais isolantes, como cesto aéreo, escada ou andaime para que se mantenha isolado do potencial de terra.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53216452/cotesa-fecha-contrato-para-cadeias-de-isoladores-em-lts-de-furnas

Procura por sistemas de geração distribuída explode e revela gargalos

As contas de luz mais caras neste ano levaram a procura por sistemas de geração própria de energia explodir, e os integradores já começam a enfrentar dificuldades para atender os pedidos por novas instalações, disse ao Broadcast Energia o presidente da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD), Guilherme Chrispim.

Embora o setor comemore a demanda crescente pela modalidade, a entidade vê com cautela a capacidade de adicionar os 8 gigawatts (GW) em potência instalada almejados para este ano. Hoje, o setor tem 10,9 GW em operação no País, quase o mesmo montante que a hidrelétrica de Belo Monte, a maior usina 100% brasileira.

Conexão na rede das distribuidoras é um das dificuldades

Outra dificuldade do setor é a conexão na rede das distribuidoras de energia. Segundo Chrispim, há ao menos 370 megawatts (MW) em projetos que estão finalizados e aguardam parecer da concessionária local para serem ligados. No fim do ano passado, eram aproximadamente 240 MW…

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=347198&sid=105

O setor elétrico está dividido em relação à proposta da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) de abertura da terceira fase de consulta pública nº 39/2021. Tecnicamente trata da mudança de metodologia do cálculo das Tarifas de Uso do Sistema de Transmissão (TUST) e das Tarifas de Uso do Sistema de Distribuição para centrais de geração conectadas em 88 kV e 138 kV (TUSDg). Na prática, significa redistribuir os custos com a transmissão de energia, o que coloca em campos opostos geradores do Nordeste e do Sudeste.

A proposta dos que defendem mudanças na metodologia para o ciclo 2022-23 é assegurar maiores encargos para os agentes que mais onerem o sistema de transmissão, no caso os que estão no Nordeste. Isto porque os centros consumidores de energia estão principalmente no Sudeste, a energia produzida no Norte e Nordeste precisa percorrer milhares de quilômetros de linhas até os consumidores...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=347195&sid=105