27/11/2020

BR Distribuidora anuncia compra na área de energia

Privatizada em julho do ano passado, a BR Distribuidora, antigo braço de distribuição de combustíveis da Petrobras, fez ontem sua primeira aquisição como empresa privada, marcando a entrada da companhia no mercado de comercialização de energia elétrica. Ela estreia em um setor onde já estão suas principais concorrentes, como a Raízen.

Por R$ 62,1 milhões, a BR comprou a comercializadora Targus, consolidando a ideia de se tornar uma empresa que vende energia, “seja ela qual for”, nas palavras do presidente da BR, Rafa Grisolia. “Depois da privatização, a gente começou a solidificar melhor a visão da BR, que é entender que tudo o que a gente faz é entregar energia para a sociedade”, disse Grisolia ao Broadcast/Estadão, acrescentando que também pretende entrar na comercialização de gás natural e etanol.

Apesar de estimar que o uso de combustíveis fósseis no Brasil ainda vai durar por décadas, Grisolia disse querer estar preparado para as mudanças futuras na área de energia, como a chegada dos carros elétricos e o crescimento do mercado de gás natural no País...

Fonte: Isto É Dinheiro

Leia mais em:

https://www.istoedinheiro.com.br/br-distribuidora-anuncia-compra-na-area-de-energia-2/

5G – an emerging energy challenge

5G appears set to join other 21st century technologies that are transformative, such as bitcoin mining, artificial intelligence and cloud computing/data centres, but also energy hungry.

In the case of 5G, it is not that the technology itself is energy inefficient. Over time, each successive generation of mobile technology has become more energy efficient measured in terms of kilowatthours per gigabyte.

The challenge is the growth in use cases, which is set to increase the energy use and costs for operators, according to a new study from GSMA Intelligence, the intelligence arm of the global mobile operators association GSMA.

Currently energy use accounts for the majority of network costs, almost a quarter of the total behind ‘selling, general and administrative’ (SGA). In turn this usage accounts for the majority of operators’ overall energy usage, approaching 90% or more in the case of the largest operators.

“New 5G use cases and the adoption of mmWave will require more sites and antennas. This leads to the prospect of a more efficient network that could paradoxically result in higher emissions without active intervention,” the report says...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/energy-efficiency/5g-an-emerging-energy-challenge/

Repsol planeja quintuplicar capacidade de energias renováveis

A Repsol vai reduzir o dividendo no próximo ano após definir planos para desacelerar a busca de petróleo e quintuplicar a capacidade de energias renováveis durante a próxima década.

A empresa espanhola, que foi a primeira grande petrolífera a estabelecer uma meta para zerar as emissões líquidas um ano atrás, colocará seus projetos em “fase de colheita”, com foco na produção de petróleo de maior valor em menos países.

Embora o dividendo seja menor em 2021, será pago inteiramente em dinheiro, ao contrário da distribuição atual, em sua maior parte com novas ações. A Repsol espera começar a aumentar o pagamento novamente a partir de 2023.

A decisão da Repsol de registrar perdas contábeis de 4,8 bilhões de euros (US$ 5,7 bilhões) com ativos de petróleo e a promessa de eliminar as emissões líquidas de gases de efeito estufa de suas operações até 2050 foi o primeiro passo de uma drástica mudança para o setor de petróleo. A empresa planeja canalizar recursos do segmento de petróleo para a expansão da capacidade de energia renovável para 15 gigawatts – incluindo eólica e solar – em relação aos atuais 2,95 gigawatts...

Fonte: Money Times

Leia mais em:

https://www.moneytimes.com.br/repsol-planeja-quintuplicar-capacidade-de-energias-renovaveis/

A Canadian Solar, uma das três maiores empresas de energia solar do mundo em receita, com mais de 13.000 pessoas e atuação em 6 continentes, firmou parceria com o BTG Pactual em projetos em energia solar. A empresa foi vencedora em dois empreendimentos em leilão privado realizado por Furnas, com as duas transações somando 862 MWp.

Pelo contrato de 12 anos com o BTG, que administra um dos maiores negócios de comercialização de energia no Brasil, a Canadian Solar fornecerá energia solar de um cluster de 170 MWp localizado no Estado de Minas Gerais, e os empreendimentos começarão a ser construídos em 2021 e deverão entrar em operação comercial até o final de 2022.

No acordo com Furnas, a subsidiária da Eletrobras (ELET6) comprará energia solar de dois projetos da Canadian Solar por meio de um contrato de 15 anos.  A Canadian Solar desenvolverá e construirá os dois projetos de Furnas, totalizando 692 MWp.

Um deles será construído no Ceará e terá capacidade de 260 MWp, e o segundo projeto será no Piuaí, com capacidade de 432 MWp. Ambos começarão a ser construídos em 2022 e deverão entrar em operação comercial no final de 2023…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-solar/btg-pactual-e-furnas-firmam-parceria-com-canadian-solar-para-projetos-de-energia-fotovoltaica.html

ANEEL abre consulta pública para edital do leilão de sistemas isolados 2021

A ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) abriu, nesta quinta-feira (26), a Consulta Pública n.º 070/2020 para debater a minuta do Leilão para Suprimento aos Sistemas Isolados, previsto para 26 de março de 2021.

Ao total, são cinco lotes, destinados a soluções de suprimento para mercados consumidores dos sistemas isolados.

Segundo a agência, espera-se atender 23 municípios de cinco estados brasileiros: Acre, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima. No total, a potência requerida pelos empreendimentos é de 93,7 MW.

O início de suprimento de todos os lotes está previsto para 1º de abril de 2023. O período varia de 28 meses a 60 ou 180 meses, a depender da previsão de interligação e da fonte. No caso das renováveis, o período é de até 60 meses.

A ANEEL afirmou ainda que as soluções de suprimento poderão considerar o uso misto de fontes e tecnologias, inclusive de armazenamento de energia.

A consulta pública estará disponível para contribuições entre o dia 26 de novembro e 11 de janeiro do ano que vem. A minuta de edital e demais documentos relacionados poderão ser acessados na página da ANEEL na internet.

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/noticias/item/1278-aneel-abre-consulta-publica-para-edital-do-leilao-de-sistemas-isolados-2021

Statkraft prevê domínio da fonte solar em 2035

A quinta edição do relatório internacional Statkraft Baixas Emissões – Cenário 2020 mostra que embora a pandemia do Covid-19 tenha causado uma queda no consumo de energia em todo o mundo, o segmento de energias renováveis conseguiu manter o crescimento no ano, ainda que menor do que o previsto. O relatório destaca as tendências no mercado global de Energia para uma transição energética até 2050, e faz análises tendo como base modelos internos e estudos aprofundados de fontes externas. Segundo previsões do estudo, a partir de 2035, em todo o mundo, a energia solar será a maior tecnologia utilizada para a geração, ultrapassando a eólica, hidrelétrica, carvão e gás. Isso se deve principalmente à redução de custos de produção neste segmento, mas também à flexibilidade das usinas solares fotovoltaicas em termos de localização, além de serem relativamente rápidas e fáceis de construir em comparação com outras tecnologias.

O estudo prevê que a capacidade no setor de energia mundial aumentará três vezes até 2050. Todo este aumento, e mais, será atingido por meio de energias renováveis, que crescerão de forma acelerada até 2050. O relatório prevê um crescimento na geração de energia solar na ordem de 12% ao ano, em média, enquanto a geração de energia eólica aumentará em mais de 8% ao ano. Já a energia hidrelétrica crescerá de forma mais lenta quando comparada a outras fontes, em uma média prevista de 1,5% ao ano…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53155644/statkraft-preve-dominio-da-fonte-solar-em-2035

SPIC Brasil e Cepel assinam parceria para desenvolvimento de projetos

A SPIC Brasil, subsidiária brasileira da State Power Investment Corporation of China (SPIC), assinou um Memorando de Entendimentos com o Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Cepel) e o SNPDRI – o instituto de pesquisa de energia inteligente da SPIC na China. O objetivo é desenvolver um programa de troca de experiências na criação de projetos de energia, além de fortalecer a cooperação entre Brasil e China.

A cerimônia para a assinatura ocorreu de forma remota na manhã desta quinta-feira, 26 de novembro. Os termos estão baseados em três pilares de desenvolvimento e já há a perspectiva de realização de um projeto piloto que será anunciado em breve. O escopo desse projeto visa a integração e gerenciamento de sistemas (gás, aquecimento, água e energia elétrica) sob a ótica da geração e cogeração, armazenamento, gerenciamento do consumo e o uso de equipamentos mais eficientes para criar melhores resultados energéticos, que são os pilares dessa parceria.

Segundo CEO da SPIC Brasil, Adriana Waltrick, o acordo é estimado para durar dois anos e os investimentos previstos estão projetados inicialmente em R$ 20 milhões a fundo perdido…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53155695/spic-brasil-e-cepel-assinam-parceria-para-desenvolvimento-de-projetos

Cemig SIM compra 49% de participação em usinas de GD solar

A Cemig concluiu a aquisição de 49% de participação em sete Sociedades de Propósito Específico (SPEs) voltadas à geração de energia solar para o mercado de Geração Distribuída, totalizando 29,45 MWp de potência instalada para um montante de R$54,92 milhões, informou a companhia em comunicado ao mercado na noite da última quarta-feira, 25 de novembro.

A operação aconteceu por meio da subsidiária Cemig SIM, destinada à participação no mercado de GD, e que passa a deter 49% de participação em ativos que somam 46,27 MWp. Já a produção de energia desses ativos atende aproximadamente 2.100 unidades consumidoras dos segmentos comercial e industrial de baixa tensão e um consumo mensal de cerca de 6,2 GWh, finaliza a nota.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53155635/cemig-sim-compra-49-de-participacao-em-usinas-de-gd-solar

Lideranças pedem mais empenho à reforma do setor elétrico

Os agentes do mercado de energia estão preocupados com o andamento da reforma do setor elétrico, cujos objetivos basilares são construir um ambiente de negócios mais moderno e eficiente e oferecer à população brasileira a possibilidade de escolha do fornecedor de eletricidade.

Demandas urgentes e estruturais caminham em velocidade muito inferior ao desejado pelo mercado de energia. O avanço das pautas estruturais se tornam ainda mais desafiadores após a pandemia de Covid-19 e o apagão do Amapá.

“Estamos caminhando em um ritmo bom, mas ainda temos muito a fazer”, declarou o secretário de Energia Elétrica, Rodrigo Limp, representando o Ministério de Minas e Energia no painel de abertura da 12° edição do Encontro Anual do Mercado Livre, realizado virtualmente a partir desta quarta-feira, 25 de novembro.

Segundo o secretário, tudo que precisa ser feito está devidamente mapeado pelo MME, para que a reforma possa avançar em 2021. “Temos que avançar na conversão da Medida Provisória 998/20 e nos projetos estruturais para que a gente consiga ter um ambiente de negócios mais competitivo e que todos os consumidores possam participar do mercado livre, como já ocorre em diversas parte no mundo, como nos EUA e na Europa”…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53155537/liderancas-pedem-mais-empenho-a-reforma-do-setor-eletrico