top of page

26/06/2024

Brasil e Bolívia negociam acordo para expandir geração das usinas do rio Madeira

Um acordo está sendo costurado entre os governos do Brasil e Bolívia para aumentar a produção de energia das usinas do rio Madeira, localizadas próxima à fronteira entre os países, e exportar o excedente de eletricidade para o país vizinho, fortalecendo ainda mais a integração energética entre ambos.
A ideia é elevar o nível do rio até a cota 90 metros, um pleito antigo da hidrelétrica de Jirau para aumentar o rendimento das unidades geradoras e aumentar o volume de energia que a usina pode entregar ao sistema (garantia física, no jargão do setor). Essa operação possibilitaria um aumento médio anual da produção de Jirau em 330 megawatts-médios.
A medida tem sido encabeçada pelo ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira (PSD/MG), que desde o ano passado vem em tratativas com autoridades do país vizinho para viabilizar o projeto. O Valor apurou que nesta quinta-feira (26) está prevista uma reunião entre ministérios dos dois países para o alinhamento final…

Fonte: Abinee – Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=362105&sid=105

Comércio e residências têm consumo recorde de energia elétrica no 1º trimestre

O consumo de energia elétrica subiu 7,3% no primeiro trimestre de 2024 em relação ao mesmo período do ano passado, com destaque para a alta de 12,3% entre os consumidores residenciais, segundo o Boletim Trimestral da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Também chamou a atenção o comércio, cujo consumo cresceu 8,4% no período; enquanto a indústria, 3,8%.
As classes comercial e residencial atingiram os maiores valores trimestrais da série histórica da EPE, iniciada em 2004, de 26.942 gigawatts-hora (GWh) e 46.242 GWh, respectivamente. Na indústria, o consumo chegou a 46.200 GWh.
De janeiro a março, o mercado livre de energia avançou 8,8%, enquanto o mercado cativo (distribuidoras) subiu 6,4%.O mercado livre ficou com 39,9% do mercado total, com alta de 21,7% no número de consumidores, na comparação com o mesmo período de 2023...

Fonte: Abinee – O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=362088&sid=105

Distribuidoras de energia vão investir R$ 130 bilhões no Brasil até 2027

O segmento de distribuição de energia elétrica brasileiro avançou bastante nos últimos 30 anos. Hoje, 99,8% dos lares do país têm acesso à energia elétrica. E para entregar ainda mais qualidade e disponibilidade aos consumidores, as distribuidoras se comprometeram a investir, até 2027, cerca de R$ 130 bilhões na expansão, robustez e na melhoria de suas redes.
Cerca de 40% desse montante será destinado ao aumento da resistência da rede e à redução das interrupções de energia, especialmente diante dos eventos climáticos extremos que têm se tornado cada vez mais frequentes e intensos.
Universalização dos serviços
Desde 2022, os investimentos em tecnologias que modernizam a rede elétrica, como monitoramento remoto, automação e outras inovações que aumentam a resiliência, praticamente dobraram, atingindo R$ 31 bilhões por ano.
Focando na expansão, os investimentos das distribuidoras aumentaram significativamente, passando de R$ 9 bilhões em 2019 para R$ 19,6 bilhões em 2022, um crescimento de 118%...

Fonte: Exame

Leia mais em:

https://exame.com/negocios/distribuidoras-energia-investir-brasil/

Os planos da State Grid, maior concessionária de energia do mundo, para a CPFL

O comportamento dos preços de energia é que determinará se a CPFL (CPFE3) irá desenvolver projetos greenfield (aquele que começa do zero) de geração e energia renovável. Essa é uma das mensagens que a controladora da companhia, a China State Grid, transmitiu em encontro a analistas e investidores na China.
Para os analistas do Itaú BBA, que participaram do encontro, a controladora, que também é a maior concessionária de serviços públicos do mundo, não quer forçar a CPFL a desenvolver os projetos greenfield sem retorno atrativo. O banco tem recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado, equivalente à compra), com preço-alvo de R$ 39,70, para os ativos CPFE3.
“Nós perguntamos para a gestão se a estratégia da empresa poderia mudar com a entrada da turbina eólica chinesa fabricantes para o Brasil, e eles responderam que a CPFL só desenvolveria novos projetos greenfield e projetos de energias renováveis se as perspectivas de os preços da energia melhorarem”, segundo o relatório do Itaú BBA...

Fonte: Infomoney

Leia mais em:

https://www.infomoney.com.br/mercados/cpfe3-os-planos-da-state-grid-maior-concessionaria-de-energia-do-mundo-para-a-cpfl/

Silveira e Rui articulam investimento de R$ 14 bi em energia na Bahia

O ministro das Minas e Energia, Alexandre Silveira, ouviu na Espanha a promessa da Iberdrola, controladora da Neoenergia Coelba, concessionária de energia da Bahia, que o investimento previsto para os próximos 4 anos no Estado será triplicado. Inicialmente, a empresa pretendia investir R$ 4 bilhões na distribuição de energia. O valor foi ampliado para R$ 14 bilhões.
A ampliação é uma articulação conjunta de Silveira com o ministro Rui Costa (Casa Civil) e com o senador Otto Alencar (PSD-BA). Silveira está na Espanha e reuniu-se com o CEO da empresa, Ignacio Galán. O ministro visitou uma planta de produção de fertilizantes a partir de energia solar. Segundo ele, a ideia é trazer esse modelo para o Brasil. Desde o início da guerra na Ucrânia, o Brasil enfrenta dificuldades para conseguir fertilizantes para a agricultura local.
“Estamos criando condições para que as empresas invistam no Brasil e a nossa pluralidade energética é determinante. Estamos estudando modelos no mundo inteiro para poder produzir plantas industriais no Nordeste brasileiro. E a Iberdrola garantiu que vai participar desses investimentos“, disse Silveira ao Poder360...

Fonte: Poder 360

Leia mais em:

https://www.poder360.com.br/poder-energia/silveira-e-rui-articulam-investimento-de-r-14-bi-em-energia-na-bahia/

Risen Energy Brasil e Cemig fortalecem parceria em visita à China

A Risen Energy recebeu, no dia 11 de junho, uma comitiva da Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) em suas instalações na China. A visita teve como objetivo fortalecer a parceria entre as duas empresas, explorar novas oportunidades de colaboração no setor de energia renovável e conhecer a nova unidade de produção de células e módulos fotovoltaicos com tecnologia HJT (heterojunção), inaugurada recentemente.
A delegação foi composta por Iuri Mendonça, CEO da Cemig SIM; Osias Galantine, diretor de Compras e Logística da Cemig; Mauricio Dall Agnese, diretor de Estratégia, Meio Ambiente e Inovação da Cemig; e Gabriel Furtado, gerente de Planejamento de Materiais da Cemig. 
O encontro começou com uma reunião em que foram discutidas as perspectivas do mercado de energia renovável e apresentados os estudos de tecnologias e processos que envolvem os produtos da Risen Energy para garantir a qualidade na entrega do produto aos seus clientes. Essa troca de informações, conforme a fabricante, foi essencial para alinhar as estratégias de ambas as companhias e identificar sinergias que podem ser exploradas no futuro...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/risen-cemig-fortalecem-parceria-china/

ANEEL atende pedido da ABRADEE e suspende provisoriamente prazo para aporte de capital

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) concedeu nesta terça-feira, 25, uma medida cautelar à Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), prevendo a suspensão provisória do prazo que as empresas devem cumprir para aportes de capital quando há descumprimento do critério de eficiência na gestão econômico-financeira.
O adiamento vale até a decisão de mérito do pedido de reconsideração apresentado também pela Associação sobre o Despacho nº 3.478/2022, que trata justamente dos critérios de eficiência com relação à continuidade do fornecimento e à saúde financeira.
A resolução nº 948/2021 estabelece que o descumprimento do critério de eficiência na gestão econômico-financeira poderá ser revertido mediante aportes de capital que reduzam a dívida líquida das empresas. Esse aporte deverá ser feito em até 180 dias, contados a partir do término do exercício anual.
O critério de eficiência é mensurado, a cada ano civil, com base no balanço entre dívida líquida, geração operacional de caixa (LAJIDA) e a soma da Quota de Reintegração Regulatória (QRR), que considera a depreciação e a amortização dos investimentos realizados...

Fonte: Broadcast

Leia mais em:

http://broadcast.com.br/cadernos/financeiro/?id=MFZRLzFqeXZodGhUR1EyanY1S3RtUT09

Taesa (TAEE11): IBAMA concede licença de instalação para o projeto de Tangará

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) concedeu a Licença de Instalação (LI) para as subestações SE Açailândia e SE Dom Eliseu II, referentes às instalações da Concessão Tangará, de Taesa (TAEE11).
A obtenção da LI permite o início das obras nas subestações correspondentes.
Tangará refere-se ao lote 3 do leilão de transmissão Nº 02/2022, realizado em dezembro de 2022, 100% controlada pela Taesa.
O ativo apresenta uma RAP total de R$ 104,70 milhões para o ciclo 2023‐2024 e um CAPEX-ANEEL de R$ 1.1170 bilhão.
O empreendimento se localiza nos estados de Maranhão (MA) e Pará (PA), com extensão aproximadamente de duzentas e setenta e nove linhas de transmissão, com setenta e dois quilômetros de circuito duplo.
O prazo estipulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para energização de Tangará foi definido para março de 2028.

Fonte: Spacemoney

Leia mais em:

https://www.spacemoney.com.br/investimentos/acoes/taesa-taee11-ibama-concede-licenca-de-instalacao-para-o-projeto-de-tangara/

Governo Federal define condições para prorrogação das concessões de energia elétrica

O Governo Federal publicou, em 21 de junho de 2024, o Decreto n° 12.068, que estabelece regras para a prorrogação de parte das concessões de distribuição de energia elétrica e define diretrizes visando a modernização dessas concessões.
O Decreto n° 12.068/2024 foi editado em um momento importante para definição das novas características que o setor elétrico terá nas próximas décadas, considerando os esforços para a modernização do setor, a abertura do mercado livre de energia, as novas relações de direitos e obrigações entre os agentes e a necessidade de medidas (governamentais e das concessionárias) para enfrentamento das mudanças climáticas.
A prorrogação será permitida para as concessionárias outorgadas após 1995, as quais, se assim desejarem, poderão aderir ao procedimento estabelecido no Decreto e assinar um termo aditivo aos respectivos contratos, a ser elaborado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). O termo aditivo deverá seguir as diretrizes estabelecidas, em especial, nos artigos 4° e 6° do Decreto – analisados a seguir – e será submetido a consulta pública pela Agência...

Fonte: Mattosfilho

Leia mais em:

https://www.mattosfilho.com.br/unico/governo-prorrogacao-energia/

CCEE faz transformação tecnológica visando abertura total do mercado livre de energia

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) começou a operar no mês passado uma nova infraestrutura para processamento e armazenamento de dados, uma das principais frentes de seu plano de transformação tecnológica em preparação para a abertura total do mercado livre de energia brasileiro no futuro.
O novo datacenter, que recebeu cerca de 60 milhões de reais em investimentos, vem trazendo ganhos relevantes para as operações dos agentes, principalmente mais agilidade e estabilidade, e já capacita a instituição a receber um volume ainda maior de dados quando o mercado livre for aberto a milhões de consumidores, inclusive residenciais.
"Ainda falta um caminhar, mas a CCEE está devidamente preparada até o final do ano para que possa ocorrer a abertura do mercado de baixa tensão o quanto antes", disse à Reuters o presidente do conselho de administração da CCEE, Alexandre Ramos.
Uma das principais entidades do setor elétrico, a CCEE é responsável pela gestão e liquidação financeira da compra e venda de energia elétrica, em operações que somam bilhões de reais. A câmara também faz medição de consumo, organiza os leilões de energia do mercado cativo, cuida da cobrança de encargos do setor, entre outras atribuições...

Fonte: Terra

Leia mais em:

https://www.terra.com.br/amp/economia/ccee-faz-transformacao-tecnologica-visando-abertura-total-do-mercado-livre-de-energia,e49cdd51b29531f66b5edbc104017cee4lfdav78.html

bottom of page