25/06/2021

Gargalo verde: a transição para novos formatos de energia livre de carbono

Limpa e renovável, a energia eólica cresce de forma indiscutível no país. Em uma década, a capacidade de geração das usinas instaladas aumentou dezoito vezes, com 686 parques em doze estados, a maioria na Região Nordeste. Graças aos gigantescos moinhos de vento, o Brasil deixou de emitir 21,2 milhões de toneladas de gás carbônico, o equivalente ao volume despejado na atmosfera anualmente por 21 milhões de carros, segundo os dados da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica). É um cenário alvissareiro em meio à crise climática que assola o planeta e indica que alternativas energéticas ao petróleo finalmente deixaram de ser promessas para se tornarem competitivas do ponto de vista econômico. Mas bons ventos também podem trazer turbulência. Os parques eólicos têm provocado no Brasil e mundo afora ávidas disputas por áreas livres para sua instalação e a escalada nos preços de materiais usados na construção de rotores, geradores e hélices. Fenômeno semelhante acontece em outras áreas ligadas à energia limpa, como a de painéis de energia solar e na produção de veículos híbridos e elétricos...

Fonte: Veja

Leia mais em:

https://veja.abril.com.br/agenda-verde/gargalo-verde-a-transicao-para-novos-formatos-de-energia-livre-de-carbono/

Relatório mostra como o uso da energia solar pode ser acelerado pelas cidades

A C40 Cities Finance Facility (CFF) e a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) inauguraram um guia com sugestões para as cidades brasileiras progredirem na elaboração de políticas públicas destinadas ao uso da energia solar. O documento foi entregue a gestores públicos visando incrementar a aplicação da tecnologia nos municípios e estados.

“Nosso principal propósito com esta ação estratégica junto aos parceiros do C40 é apoiar os municípios brasileiros na elaboração, adoção e implementação de políticas públicas, programas e incentivos que acelerem a participação da energia solar fotovoltaica junto à sociedade brasileira, contribuindo para uma recuperação econômica sustentável dos municípios do País”, afirmou Rodrigo Sauaia, presidente executivo da ABSOLAR.

O mercado fotovoltaico nacional gera mais de 275 mil empregos e aproximadamente R$ 48,5 bilhões em investimentos privados, aponta levantamento da ABSOLAR...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-solar-nas-cidades/relatorio-mostra-como-o-uso-da-energia-solar-pode-ser-acelerado-pelas-cidades.html

BV anuncia a emissão de título verde para financiar sistemas fotovoltaicos

No dia 22 de junho, o banco BV divulgou a emissão de R$ 500 milhões em Letras Financeiras Verdes. Esses recursos serão destinados ao financiamento de painéis de energia solar. A operação foi inaugurada no mercado brasileiro com vencimento de seis anos com IPCA + 5,3% e de três anos a taxa de CDI + 1,40% ao ano.

“Há anos as práticas ESG permeiam a cultura do banco e estamos reforçando cada vez mais a agenda de investimentos que consideram os aspectos de sustentabilidade, social e de governança. Temos o compromisso de financiar ou distribuir em mercado de capitais R$ 80 bilhões até 2030”, afirma o diretor de Atacado do banco BV, Rogerio Monori.

Em 2020, o BV foi responsável por emitir US$ 50 milhões em títulos verdes, tornando-se a primeira instituição financeira privada a realizar a emissão de um Green Bond com certificação internacional. Além disso, os recursos foram destinados ao financiamento de energia renovável.

Entre os principais financiadores do setor de geração distribuída está o BV, por meio do Meu Financiamento Solar. O banco não só financia os equipamentos mas também os serviços em até 84 meses, com um prazo de 120 dias para o primeiro pagamento.

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-solar/bv-anuncia-a-emissao-de-titulo-verde-para-financiar-sistemas-fotovoltaicos.html

São Paulo inaugura 1ª estação de trem movida por energia solar

Visando reduzir os impactos ambientais, com novos equipamentos que priorizam energia limpa e renovável, o município de São Paulo inaugurou neste mês a primeira estação de trem da cidade que utiliza módulos solares.

De acordo com a EDP, empresa responsável pelo fornecimento do sistema, a usina localizada na Vila Olímpia produzirá 8,5 MWh por mês. A instalação em telhado metálico ocupa uma área de cerca de 500 m² e tem capacidade de geração de 102 MWh por ano.

Ao total, a planta possui 96,6 kWp – o que corresponde por 234 painéis fotovoltaicos de 400 Wp da Dah Solar e 1 inversor Growatt de 75 kW com 7 MPPTs (rastreamento do ponto de máxima potência).

“Temos como ambição liderar a transição energética no país. Por isso, aceitamos o convite para contribuir com a primeira estação sustentável de São Paulo. Aproveitamos o ambiente da mesma com uma solução de energia solar eficiente e que traz benefícios ao meio ambiente”, destacou André Pereira, diretor da EDP Smart…

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/sao-paulo-inaugura-1a-estacao-de-trem-movida-por-energia-solar/

Nordex vai fornecer turbinas eólicas a projeto da AES Brasil no RN

A Nordex, fabricante alemã de estruturas de energia eólica, anunciou nesta 5ª feira (24.jun.2021) que irá fornecer 55 turbinas eólicas ao projeto da AES Brasil no Rio Grande do Norte. A instalação de 314 MW (megawatts) no parque eólico Cajuína está prevista para o verão de 2022.

A empresa alemã também será a responsável pelo serviço das turbinas pelos próximos 5 anos. Segundo o comunicado da Nordex, o contrato pode ser prorrogado por até 20 anos.

Cada turbina terá um modo de operação de 5,7 MW. A empresa afirma que a capacidade de geração de energia é alta, já que a velocidade média do vento na região é de 9,2 metros por segundo. O complexo deve começar a fornecer energia em 2024.

A Nordex vai construir as pás eólicas e as estruturas de concreto, que devem ter 120 metros de altura, no Brasil. A empresa alemã irá tentar o financiamento com o Finame, linha do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para aquisição de máquinas e equipamentos nacionais.

Fonte: Poder 360

Leia mais em:

https://www.poder360.com.br/economia/nordex-vai-fornecer-turbinas-eolicas-a-projeto-da-aes-brasil-no-rn/

Brasil sobe em índice da EY que mede atratividade em renováveis

A EY anunciou o lançamento da 57ª edição do Índice de Atratividade de Países em Energia Renovável (RECAI), que, apesar do cenário econômico impactado pela pandemia, mostra o quanto as metas de meio ambiente, sustentabilidade e governança estão cada vez mais presentes na agenda dos investidores, ao mesmo tempo em que aumenta o interesse deles sobre energias renováveis. Nesta edição, o Brasil subiu quatro posições em relação ao ano anterior e hoje está no 11º lugar, sendo o primeiro colocado da América Latina. Estados Unidos e a China seguem nas primeiras posições, ao mesmo tempo em que o Leste Asiático surge como destino com alto potencial para investimentos.

Produzido desde 2003, o RECAI classifica os 40 principais mercados do mundo em relação à atratividade de seus investimentos em energia renovável, parte fundamental da transição energética, e às oportunidades de implantação. As classificações refletem as avaliações da EY sobre a atratividade e as tendências do mercado global...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53178255/brasil-sobe-em-indice-da-ey-que-mede-atratividade-em-renovaveis

Aumento das bandeiras será aprovado na próxima terça-feira, 29

A Agência Nacional de Energia Elétrica vai aprovar na próxima terça-feira (29) a revisão dos adicionais e das faixas de acionamento das bandeiras tarifárias para o período 2021/2022. A proposta apresentada em março para consulta pública previa redução de 26% na bandeira amarela e aumentos de 10% na vermelha patamar 1 e de 21% na vermelha patamar 2. Há uma expectativa de que esses valores sejam alterados, em razão do agravamento da crise hídrica.

Com as alterações propostas inicialmente, o adicional tarifário da faixa amarela passaria de R$ 1,343 para R$ 0,996 a cada 100 kWh consumidos. A vermelha patamar 1 aumentaria de R$ 4,169 para R$ 4,599, enquanto na vermelha 2 o valor sairia de R$ 6,243 para R$ 7,571 a cada 100 kWh.

De acordo com a Aneel, a ampliação da diferença entre os valores das bandeiras amarela e vermelha era explicada pelo aumento dos insumos das usinas termelétricas, principalmente derivados de petróleo, que oscila de acordo com cotações internacionais…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53178316/aumento-das-bandeiras-sera-aprovado-na-proxima-terca-feira-29

Neoenergia também vê boas perspectivas para o Brasil com hidrogênio

Após o anúncio do ministro Bento Albuquerque que diretrizes para produção de hidrogênio no país devem sair em breve, a presidente adjunta da Neoenergia, Solange Ribeiro, também prevê que o país tem tudo para ser um player forte na área. De acordo com ela, a avaliação vem ao olhar potenciais brasileiros como o eólico. “Há países como a Alemanha que já estão colocando isso no mercado, existe esse apetite”, explica. Ela participou do painel “Promovendo a descarbonização e a digitalização na América Latina”, dentro da Latin America Energy Week, promovida pela Siemens.

Apesar do otimismo com o energético, a executiva ainda vê o momento como de análise e o preço como fator preponderante para o deslanche. A executiva vê metas globais de descarbonização e acesso universal sustentável a energia longe de serem cumpridas, mas comemora os que já foi alcançado até aqui na fonte eólica e solar. “Isso é um bom caminho que pode trazer uma parte das economias que a gene precisa”, avisa. O alto grau de competitividade no Brasil dessas fontes também foi destacado por Solange Ribeiro...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53178128/neoenergia-tambem-ve-boas-perspectivas-para-o-brasil-com-hidrogenio

Absolar: Brasil passa de meio milhão de conexões de GD solar

A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica realizou um levantamento onde foi possível constatar que o Brasil ultrapassou a marca de meio milhão de conexões de geração própria de energia a partir da fonte solar fotovoltaica.

Segundo a Absolar, em comunicado enviado à imprensa, desde 2012, a modalidade instalou cerca de 5,8 GW de potência operacional, sendo responsável pela atração de mais de R$ 29 bilhões em novos investimentos ao País. Embora tenha avançado nos últimos anos, continua atrasado no uso da geração própria de energia solar. Dos mais de 87 milhões de consumidores de energia elétrica do País, menos de 0,7% já faz uso do sol para produzir eletricidade, limpa, renovável e competitiva.

Para a entidade, o maior incentivo à geração própria de energia renovável, como proposto no Projeto de Lei (PL) nº 5.829/2019, que cria um marco legal para a modalidade, fortalecerá a segurança de suprimento elétrico em tempos de crise hídrica, bandeira vermelha na conta de luz pelo uso de termelétricas fósseis e risco de racionamento. A geração própria de energia solar já está presente em 5.257 municípios e em todos os estados brasileiros. Entre os cinco municípios líderes estão Cuiabá (MT), Brasília (DF), Teresina (PI), Uberlândia (MG) e Rio de Janeiro (RJ), respectivamente.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53178118/absolar-brasil-passa-de-meio-milhao-de-conexoes-de-gd-solar