25/03/2022

Linhas de transmissão superaram projeções em mais de 300%

De 2011 a 2020, os investimentos em linhas de transmissão no Brasil superaram em mais de 300% o que havia sido previsto pela EPE (Empresa de Pesquisa Energética) no Plano Decenal referente ao período. Em relação à extensão das linhas, o total ultrapassou em 13% o projetado pela empresa. Os dados podem, a princípio, parecer animadores. No entanto, a maior parte dessa infraestrutura foi para transmitir energia das fontes eólica e solar (que são intermitentes), como reconhece o próprio Ministério de Minas e Energia.

O crescimento das linhas de transmissão de fontes intermitentes de energia atende à expansão da produção, mas não resolve um problema fundamental: garantir  segurança energética. O sistema elétrico nacional precisa ter capacidade para conseguir atender à demanda principalmente nos horários de pico. As usinas eólica e solar são chamadas de intermitentes por não serem capazes de fornecer energia ao sistema a qualquer momento, de forma imediata...

Fonte: Poder 360

Leia mais em:

https://www.poder360.com.br/energia/linhas-de-transmissao-superaram-projecoes-em-mais-de-300/

Casa dos Ventos ganha força com contratos de R$ 6,4 bilhões

Pioneira e líder no desenvolvimento de projetos eólicos desde 2007, quando foi criada pelo empresário Mário Araripe (ex-dono da Troller), a Casa dos Ventos vive uma nova fase. No ano passado, a empresa criou a própria comercializadora para vender a energia produzida em suas usinas no mercado livre. Só no primeiro ano de operação, faturou R$ 1 bilhão e negociou uma série de outros acordos. No total, a empresa tem R$ 6,4 bilhões em contratos negociados até 2025.

O bom resultado foi decorrente do início das atividades de algumas usinas da empresa, como a primeira fase do Complexo Eólico Rio do Vento (RN), de 504 megawatts (MW). Outros 900 MW devem entrar em operação neste e no próximo ano, reforçando ainda mais o caixa da companhia.

“Nosso objetivo é que a empresa se torne líder em geração renovável no Brasil”, diz o diretor de novos negócios da companhia, Lucas Araripe, filho do fundador. Segundo ele, até 2026, a Casa dos Ventos terá cerca de 6 mil MW de capacidade instalada – ou seja, quase um Complexo do Rio Madeira em energia eólica e solar...

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=345415&sid=105

Argentina se associa à agência global de energia; discute integração com Brasil

O governo argentino assinou sua adesão como membro associado da Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês), informou oficialmente o país nesta quinta-feira, em um momento de aceleração de projetos no setor por motivos produtivos e macroeconômicos.

O ministro da Economia, Martín Guzmán, foi quem formalizou o procedimento em solo francês, para onde viajou no início desta semana para reprogramar o vencimento da dívida argentina com o Clube de Paris.

"Temos o prazer de ingressar na AIE como membro associado. Esperamos trabalhar juntos de maneira articulada", disse. "É um bom momento para a Argentina aderir à AIE, porque a aceleração do desenvolvimento do setor energético é uma prioridade para nosso governo."

A AIE é uma organização global, criada pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) após a crise do petróleo de 1973.

Na Argentina, destaca-se a chamada formação Vaca Muerta, quarta reserva mundial de óleo e segunda de gás não convencionais...

Fonte: Terra

Leia mais em:

https://www.terra.com.br/economia/argentina-se-associa-a-agencia-global-de-energia-discute-integracao-com-brasil,e4824395e268bd9471871773cb8d1edb2i93uf9y.html

Copel-D anuncia R$ 1,6 bi em subestações, redes e inovação para 2022

O plano de investimentos na área de distribuição de energia da Copel para 2022 já está entregando obras que reforçam o sistema elétrico e o atendimento aos paranaenses. Novas subestações, como a Sapopema, na região Norte, redes de distribuição e os programas Paraná Trifásico e Rede Elétrica Inteligente concentram a maior parte dos aportes recordes previstos pela companhia para o segmento no ano, totalizando R$ 1,634 bilhão.

Até então foram concluídas três subestações: uma em Mandirituba e outra na Lapa, região Metropolitana de Curitiba, e uma em Sapopema, no norte do estado. As novas unidades, que serão energizadas em breve, somam R$ 15 milhões em investimentos para fortalecer a rede elétrica nas localidades.

As unidades adicionam capacidade de transformação ao sistema, o que na prática prepara a rede elétrica para um crescimento de demanda na região. Conectadas por novas linhas de distribuição, elas aumentam as fontes de fornecimento energia. Se uma linha apresentar problemas, por exemplo, o atendimento por ser realizado por outra. A estratégia é conhecida como redundância…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53206216/copel-d-anuncia-r-16-bi-em-subestacoes-redes-e-inovacao-para-2022

(re)energisa quer ser 25% do Ebitda do grupo em 2026

A (re)energisa, nova unidade de negócios do Grupo Energisa que integrou os negócios não regulados, quer sair dos atuais 8% para 25% de participação no Ebitda em 2026. Em entrevista ao CanalEnergia Live nesta quinta-feira, 24 de março, a líder da (re)energisa, Roberta Godoi, revelou ainda que dos R$ 30 bilhões de investimentos previstos pelo Grupo até 2026, cerca de  47% do total ou R$14 bilhões deverá ser alocado nos negócios não regulados. Em 2021, o percentual ficou em 16%. “Isso deixa bastante claro o novo direcionamento da Energisa, muito focado na diversificação dos negócios para seguir crescendo”, afirma.

Para a Geração Distribuída Fotovoltaica estão previstos R$ 2,3 bilhões até 2026. A executiva conta que em 2021 foram construídas 15 usinas de GD e o número salta para 150 em 2026. Em janeiro, a Alsol, que foi integrada pela (re)energisa comprou 41 projetos que somam 136 MW de usinas solares para GD da Vision Sistemas por R$ 75,6 milhões. A meta é até 2026 ter adicionados 460 MW de potência aos 78 MW existentes até 2021…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53206206/reenergisa-quer-ser-25-do-ebitda-do-grupo-em-2026

Cesp deixa de existir e é criada a Auren Energia

As ações da Cesp deixarão de ser negociadas na B3 e passará de categoria A para B ante a Comissão de Valores Mobiliários. Passam a ser substituídas pela controladora VTRM que teve sua razão social alterada para Auren Energia. Conforme deliberação da AGE, ocorrerá a saída da companhia do Nível 1 de governança corporativa da B3. Enquanto os papeis da VTRM passarão a ser negociadas no Novo Mercado a partir do dia 28 de março de 2022.

Com a aprovação final da reorganização societária, a composição final da VTRM será de 37,7% das ações ON de titularidade da Votorantim S.A., outros 32% estão sob o poder do Canada Pension Plan Investiment Board e o restante é classificado como Outros, com 30,2%.

Serão incorporadas pela VTRM 7.050.066 ações ordinárias,7.301.808 preferenciais classe A e 182.017.689 classe B de emissão da CESP, correspondente à totalidade de ações, excluídas as que são de titularidade da VTRM e que estão na tesouraria da geradora...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53206147/cesp-deixa-de-existir-e-e-criada-a-auren-energia

Cepel e CGT Eletrosul realizam testes elétricos em máquinas da UHE São Domingos

O Cepel e a CGT Eletrosul avaliaram as condições do isolamento elétrico das duas unidades geradoras da Usina Hidrelétrica São Domingos, de propriedade da empresa. Localizada entre os munícipios de Água Clara e Ribas do Rio Pardo, no Mato Grosso do Sul, a UHE tem potência total instalada de 48 MW, energia suficiente para atender a cerca de 270 mil consumidores. As avaliações, que aconteceram entre os dias 07 e 10 de março, visam assegurar as condições de operação das máquinas e evitar paradas não programadas, tendo sido executadas através dos sistemas IMA-DP e IMA-CTD, soluções Cepel voltadas à gestão de ativos.

“Em geral, as falhas nos equipamentos estão associadas ao aumento do nível de descargas parciais (DPs) em sua isolação elétrica, indicando fragilidade na suportabilidade dielétrica, o que pode evoluir e gerar sérios danos aos equipamentos, comprometendo sua confiabilidade”, explicou o pesquisador Hélio Amorim, gerente do Projeto IMA e responsável pelo trabalho em campo na UHE São Domingos...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53206054/cepel-e-cgt-eletrosul-realizam-testes-eletricos-nas-unidades-geradoras-da-uhe-sao-domingos

Smart electricity meters market to surge to $15.2 billion by 2026

The prediction comes courtesy of market research publisher GIA’s latest report, Smart Electricity Meters – Global Market Trajectory & Analytics.

Covid-19 and its market repercussions

Amid the COVID-19 crisis, the meters’ global market – currently estimated at $11.4 billion – is projected to reach a revised size of $15.2 billion by 2026, growing at a compound annual growth rate (CAGR) of 6.7% over the analysis period.

Single-phase meters, one of the segments analysed in the report, is projected to record 6.2% CAGR and reach $11.9 billion.

The global market for three-phase smart meters – estimated at $3 billion in 2022 – is projected to reach $4.1 billion by 2026. After an analysis of the pandemic’s business implications, growth in the three-phase segment was readjusted to a revised 7.9% CAGR for the next seven year period…

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/smart-meters/smart-electricity-meters-market-to-surge-to-15-2-billion-by-2026/

Brasil tem potencial para aumentar em 347% a geração de energia por PCHs e CGHs

O Brasil possui recursos para oferecer energia limpa e renovável, com baixa emissão de carbono, se utilizar o potencial disponível de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e Centrais Geradoras de Hidráulica (CGH). Atualmente, as PCHs e CGHs somam juntas 5.560 megawatts (MW) de energia gerada, com a possibilidade de chegar a 19.328 megawatts, segundo dados da Associação Brasileira de PCHs e CGHs (Abrapch).

A provocação é do presidente da Abrapch, Paulo Arbex, para quem a modernização do setor elétrico brasileiro (SEB) é prioridade no debate sobre energia elétrica. “Este é o desafio da nova década, como levar a termo a necessária modernização do SEB, pós-pandemia, aliado ao crescimento das fontes renováveis, a necessidade de viabilização das PCHs no mercado, a ampliação do mercado livre, entre outros aspectos”, afirma Arbex…

Fonte: Abinee - Correio Braziliense

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=345380&sid=105

Marco legal da GD: vetos aguardam apreciação do Congresso há quase três meses

A Lei 14.300, que estabelece o marco legal da geração distribuída (GD), foi sancionada com dois vetos pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e entrou em vigor em 7 de janeiro. Desde então, os dois pontos vetados aguardam apreciação pelo Congresso Nacional. A discussão chegou a ser incluída na ordem do dia em 17 de março, mas foi retirada da pauta. A expectativa do setor solar é que um dos vetos seja mantido e o outro derrubado pelos parlamentares.

O especialista da área de energia e sócio do Cescon Barrieu Advogados, Alexandre Leite, acredita o Congresso irá manter o veto ao parágrafo 3 do artigo 11, que excluía unidades flutuantes de geração fotovoltaica de uma restrição para dividir centrais geradores em unidades de menor porte para se enquadrar nos limites de potência para microgeração ou minigeração distribuída...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/politica/legislativo/marco-legal-da-gd-vetos-aguardam-apreciacao-do-congresso-ha-quase-tres-meses

GreenYellow estima investimentos de R$ 500 milhões no Brasil em 2022

A GreenYellow estima investimentos de R$ 500 milhões no Brasil em 2022. Conforme a empresa, que atua nas áreas de energia solar, comercialização, gestão de energia e eficiência energética, os aportes devem ser destinados a ampliar o portfólio de soluções. Companhia ainda prevê trazer para o País oferta de aplicações de mobilidade elétrica.

Entre as iniciativas para 2022, está parceria local com a NewCharge, empresa brasileira de engenharia e desenvolvimento de projetos de armazenamento de energia elétrica. Assinada em janeiro passado, o acordo entre as duas empresas visa unir forças para o desenvolvimento de oportunidades em armazenamento de energia on-grid e off-grid.

“Buscamos um parceiro na área de armazenamento de energia que trouxesse o background de regulação e entendesse as demandas de clientes e da estrutura tarifária local. Vemos essa iniciativa como algo complementar ao portfólio de eficiência energética e geração solar, auxiliando as empresas a reduzirem a conta de energia e a ter maior independência energética da rede, respectivamente”, detalhou o presidente da GreenYellow no Brasil, Roberto Zerkowski…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/negocios/empresas/greenyellow-estima-investimentos-de-r-500-milhoes-no-brasil-em-2022

Abertura total do mercado livre de energia pode gerar redução média de 15% na conta de luz

A abertura gradual do mercado de energia para todos os consumidores poderá permitir uma diminuição média de 15% na conta de luz, aponta pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comercializadores de Energia Elétrica (Abraceel). Conforme o estudo, cenário contribuiria para desacelerar em 0,61 ponto percentual o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

O levantamento buscou identificar se a abertura gradual do mercado de energia para todos os consumidores, a partir de janeiro de 2024 para toda a alta tensão e a partir de janeiro de 2026 para toda a baixa tensão, inclusive residenciais, traria impactos positivos ou negativos aos consumidores cativos e livres e às distribuidoras de energia.

A entidade avalia que a medida traz perspectiva de redução de R$ 210 bilhões em gastos com energia elétrica e geração de 642 mil empregos até 2035...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/mercado/mercado-livre/abertura-total-do-mercado-livre-de-energia-pode-gerar-reducao-media-de-15-na-conta-de-luz