24/06/2022

CPFL Paulista inaugura nova subestação em Guapiaçu

A CPFL Paulista concluiu as obras da nova Subestação Guapiaçu, que já está em operação. A inauguração ocorreu na última quinta-feira, 23 de junho. A obra teve duração de 2 anos e contou com investimento de R$ 21,8 milhões.

A companhia informou que na subestação, especificamente, foram investidos R$ 12 milhões para a execução das obras, que lhe dão capacidade inicial de 26 MVA, podendo chegar a 80 MVA. Já as novas redes de distribuição, que se conectam à subestação, tiveram aporte de R$ 9,8 milhões. Ao todo, serão 82 km de alimentadores construídos, criando novos caminhos por onde a energia pode passar para chegar aos clientes.

A subestação, que fica na Rodovia Francisco Polici, e as novas linhas beneficiam, diretamente, os cerca de 21 mil moradores de Guapiaçu, mas também servem para reforçar o sistema de distribuição de energia da região. Por isso, de maneira indireta, esses investimentos também trazem benefícios aos clientes da CPFL em São José do Rio Preto e Cedral. O último trecho das redes será concluído em 2022...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53216175/cpfl-paulista-inaugura-nova-subestacao-em-guapiacu

Brasil deve ganhar quase 250 usinas eólicas e fazendas solares até 2026, aponta CCEE

Um levantamento da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) aponta que 241 grandes usinas solares e parques eólicos devem entrar em operação comercial no Brasil até janeiro de 2026, injetando quase 6 GW de potência no sistema elétrico, o equivalente a quase metade da capacidade da Usina Hidrelétrica de Itaipu.

Os dados são de projetos já contratados em leilões de energia nova realizados nos últimos anos pela própria CCEE e pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O investimento destinado à construção desses empreendimentos é da ordem de R$ 34 bilhões e será aplicado por empresas que têm apostado cada vez mais no potencial de geração de energia renovável do Brasil.

Na avaliação do presidente do Conselho de Administração da CCEE, Rui Altieri, além do ganho ambiental e da geração de emprego, o crescimento dessas fontes aumenta a confiabilidade do Sistema Interligado Nacional (SIN)...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/operacao-e-expansao/oem/brasil-deve-ganhar-quase-250-usinas-eolicas-e-fazendas-solares-ate-2026-aponta-ccee

O Japão busca uma fonte "inesgotável" de energia em um dos lugares mais improváveis: as profundezas dos oceanos.

O país asiático anunciou que concluiu de forma bem sucedida a fase de testes (de três anos e meio) de uma superturbina tida como boa alternativa para transformar a produção de energia no Japão e no resto do mundo.

E embora o sol, usado para painéis solares, se ponha e os ventos, usados ​​para turbinas eólicas, variem, as correntes marítimas seguem um fluxo constante de forma quase permanente. E é por isso que as empresas por trás do projeto chamam sua fonte de verdadeiramente "inesgotável".

O grande desafio durante décadas para os japoneses foi como projetar um gerador capaz de suportar as fortes correntes que passam perto de suas costas.

Desde 2017, a IHI Corporation se uniu à New Energy and Industrial Technology Development Organization (Nedo) para testar projetos.

Eles finalmente conseguiram fazer um modelo funcionar por mais de três anos: o Kairyu…

Fonte: G1 - Globo

Leia mais em:

https://g1.globo.com/inovacao/noticia/2022/06/23/a-superturbina-submarina-que-e-aposta-do-japao-para-futuro-da-energia.ghtml

Leilão de Transmissão deve ter maior oferta de investimentos do segmento desde 2019

O maior leilão de transmissão do Governo Federal entre 2019 a 2022 será realizado em 30 de junho, às 10h, na sede da B3 em São Paulo, pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). No Leilão de Transmissão nº 1/2022 serão licitados 13 lotes para a construção e a manutenção de 5.425 km de linhas de transmissão e de 6.180 megavolt-ampéres (MVA) em capacidade de transformação de subestações. A expectativa de investimento é de R$ 15,3 bilhões. São previstos 31.697 empregos diretos durante o período de construção das instalações.

Os empreendimentos, com prazo de conclusão de 42 a 60 meses, contemplarão os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

Dos R$ 15,3 bilhões de investimentos previstos, R$ 12,27 bilhões serão para transmissão de grande porte, capaz de escoar energia renovável fotovoltaica em Minas Gerais (Lotes 1 a 3). Os investimentos em um robusto sistema de transmissão permitirão novos investimentos na geração de energia, principalmente na região Norte de Minas, que possui baixo índice de desenvolvimento humano (IDH), trazendo mais empregos e oportunidades…

Fonte: Governo

Leia mais em:

https://www.gov.br/pt-br/noticias/energia-minerais-e-combustiveis/2022/06/leilao-de-transmissao-deve-ter-maior-oferta-de-investimentos-do-segmento-desde-2019

A Assembleia Legislativa do Amazonas aprovou o Projeto de Lei n° 267/2022, que proíbe a instalação pelas concessionárias de energia e água dos medidores do Sistema de Medição Centralizada (SMC), conhecidos como medidores aéreos.

O PL define que o descumprimento da lei acarreta multa no valor de 35 salários mínimos, mais de R$ 42 mil reais, que deve ser revertida ao Fundo Estadual de Defesa do Consumidor.

O projeto tem autoria conjunta dos deputados estaduais Sinésio Campos (PT), Carlinhos Bessa (PV) e Fausto Júnior (União Brasil), e será encaminhado ao governador Wilson Lima (União Brasil). Ele tem 15 dias para sancionar ou vetar o PL.

Fonte: Amazonas Atual

Leia mais em:

https://amazonasatual.com.br/aprovado-pl-que-proibe-instalacao-de-medidores-aereos-de-energia/

Sofar traz solução all in one para o mercado brasileiro

Com mais de 2,5 GW de equipamentos comercializados no Brasil, a fabricante chinesa Sofar Solar traz uma novidade para o mercado de energia solar brasileiro: sua solução all in one, lançada mês passado na Intersolar Europa.

A solução all in one da Sofar possui compatibilidade com módulos de alta corrente, além de possuir um único botão para o desligamento do sistema e ter um nível baixo de consumo no modo sleep.

Outras características notáveis no equipamento são:

  • A flexibilização de expansão das baterias;

  • Facilidade na instalação e no transporte;

  • Possui um tempo de comutação de cargas críticas de menos de 10 ms e capacidade maior na disponibilidade de energia da bateria, devido a otimização dos pacotes…

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/sofar-traz-solucao-all-in-one-para-o-mercado-brasileiro/

Com aportes recentes em energia solar, mobilidade elétrica e tendo a eólica offshore e o hidrogênio verde no radar, a Shell segue imbuída em sua estratégia de transição energética mas admite um cenário de uso do petróleo e seus derivados por pelo menos dez anos. “Vai haver uma redução dos investimentos mas vamos precisar dos combustíveis fosseis pela demanda de alguns setores como aviação, carga pesada, siderurgia, entre outros”, disse nessa quinta-feira, 23 de junho, a gerente sênior de Relações Corporativas/Regulatório da companhia, Monique Gonçalves, durante um workshop do CEBDS e da PSR sobre a adaptação do setor energético às mudanças climáticas.

A executiva referiu que a exploração nesse período não se dará por “qualquer petróleo ou gás”, mas a um menor custo e menor intensidade de carbono, de olho nas metas estabelecidas no Acordo de Paris, eficiência energética e novas tecnologias. Hoje a empresa trabalha com foco estratégico em nove países, sendo o Brasil um deles, vendo diferenciais competitivos para os biocombustíveis e as fontes de energia de baixo impacto ambiental, frentes que a petroleira seguirá incorporando e investindo, assim como no novo mercado do gás, conforme o plano de diversificação lançado no ano passado...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53216126/shell-mira-equilibrio-entre-petroleo-gas-e-renovaveis-no-brasil

Lemon Energia capta R$ 60 milhões para expandir acesso à energia sustentável no Brasil

A Lemon Energia capta R$ 60 milhões em uma rodada Series A e pretende utilizar os recursos para expandir ainda mais o acesso ao consumo de energias sustentáveis. O aporte foi liderado pelo fundo Kaszek, Lowercarbon Capital, Kevin Efrusy e Sergio Furio.

Rafael Vignoli, CEO e sócio fundador da Lemon Energia e Luciano Pereira, cofundador e diretor de tecnologia, enxergaram no mercado de Geração Distribuída a oportunidade de tornar a sustentabilidade acessível para pequenos e médios negócios, enquanto contribuem para a transição energética no país. Em menos de dois anos, a Lemon se tornou uma das empresas com a maior capilaridade no mercado e com o atual investimento espera aumentar ainda mais a sua presença no país.

“A Lemon nasceu com a missão de tornar a energia 100% verde no Brasil, deixando um legado de harmonia entre a natureza e a tecnologia para as próximas gerações. Queremos mostrar que reduzir a nossa dependência das velhas formas de produzir energia é possível, simples e economicamente viável para todos”, disse Rafael Vignoli, CEO e sócio fundador da Lemon Energia…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53216002/lemon-energia-capta-r-60-milhoes-para-expandir-acesso-a-energia-sustentavel-no-brasil

O investimento global em energia deve aumentar 8% em 2022 para atingir US$ 2,4 trilhões. Segundo relatório divulgado pela Agência Internacional de Energia, intitulado World Energy Investment 2022 (disponível para download, em inglês) esse volume deve-se ao aumento previsto principalmente em energia limpa. Apesar desse avanço, diz a entidade, o investimento ainda está longe de ser suficiente para enfrentar as múltiplas dimensões da atual crise energética e abrir caminho para um futuro energético mais limpo e seguro.

Segundo os dados apresentados, o crescimento mais rápido vem principalmente em energias renováveis ​​e redes, bem como eficiência energética. No entanto, o aumento dos gastos com energia limpa não é distribuído uniformemente, com a maior parte ocorrendo nas economias avançadas e na China. Em alguns mercados há preocupações com a segurança energética e altos preços que estão levando a um maior investimento no fornecimento de combustíveis fósseis, com destaque para o carvão...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53215985/investimento-em-energia-deve-aumentar-8-em-2022-aponta-aie