top of page

24/06/2024

Usinas solares igualam capacidade da hidrelétrica de Itaipu

As usinas solares de maior porte no país ultrapassaram em junho a marca de 14 GW (gigawatts) de potência operacional, informou a Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica). A potência iguala a capacidade instalada de Itaipu, a 2ª maior usina hidrelétrica do planeta.
Hoje, todas as unidades da federação têm usinas solares de grande porte. Na divisão por regiões, o Nordeste ocupa a liderança, com 59,8% de potência instalada. Em seguida, vêm o Sudeste, com 39,1%, e o Sul, com 0,5%. Completam a lista o Norte e o Centro-Oeste, com 0,3% cada.
Segundo a Absolar, mesmo com a dependência da luz solar, é plenamente possível aumentar significativamente a participação das fontes renováveis na matriz elétrica brasileira. A ampliação, afirma a entidade, pode assegurar a confiabilidade, a segurança e a estabilidade do sistema elétrico do país, mantendo o equilíbrio técnico e econômico dos contratos de todos os produtores de energia…

Fonte: Poder 360

Leia mais em:

https://www.poder360.com.br/poder-energia/usinas-solares-igualam-capacidade-da-hidreletrica-de-itaipu/

CCEE faz transformação tecnológica visando abertura total do mercado livre de energia

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) começou a operar no mês passado uma nova infraestrutura para processamento e armazenamento de dados, uma das principais frentes de seu plano de transformação tecnológica em preparação para a abertura total do mercado livre de energia brasileiro no futuro.
O novo datacenter, que recebeu cerca de 60 milhões de reais em investimentos, vem trazendo ganhos relevantes para as operações dos agentes, principalmente mais agilidade e estabilidade, e já capacita a instituição a receber um volume ainda maior de dados quando o mercado livre for aberto a milhões de consumidores, inclusive residenciais.
"Ainda falta um caminhar, mas a CCEE está devidamente preparada até o final do ano para que possa ocorrer a abertura do mercado de baixa tensão o quanto antes", disse à Reuters o presidente do conselho de administração da CCEE, Alexandre Ramos.
Uma das principais entidades do setor elétrico, a CCEE é responsável pela gestão e liquidação financeira da compra e venda de energia elétrica, em operações que somam bilhões de reais. A câmara também faz medição de consumo, organiza os leilões de energia do mercado cativo, cuida da cobrança de encargos do setor, entre outras atribuições...

Fonte: Terra

Leia mais em:

https://www.terra.com.br/economia/ccee-faz-transformacao-tecnologica-visando-abertura-total-do-mercado-livre-de-energia,e49cdd51b29531f66b5edbc104017cee4lfdav78.html

EDP deve investir R$ 4,5 bilhões em distribuição de energia no Brasil em 2024-2026

A companhia elétrica portuguesa EDP deverá investir 4,5 bilhões de reais no segmento de distribuição de energia no Brasil no período de 2024 e 2026, disse a empresa nesta segunda-feira.
Em comunicado ao mercado, a EDP informou sobre a publicação do decreto pelo governo brasileiro que permitirá a renovação dos contratos de suas duas concessionárias de distribuição de energia, a EDP Espírito Santo e a EDP São Paulo, que somam uma base regulatória de ativos de 7,9 bilhões de reais e atendem mais de 3,8 milhões de consumidores.
“Ambas as concessões apresentam indicadores de qualidade dos serviços e de solidez financeira compatíveis com os critérios estabelecidos pelo decreto, sendo empresas referência em qualidade de serviço no setor de distribuição brasileiro, principalmente em termos de baixa frequência (FEC) e duração média (DEC) da interrupção do serviço de distribuição de energia elétrica…”
A EDP Espírito Santo é a primeira de 20 distribuidoras a ter seu contrato vencendo, em 2025, e o decreto permite antecipar a renovação da concessão, disse a companhia portuguesa...

Fonte: Infomoney

Leia mais em:

https://www.infomoney.com.br/business/edp-deve-investir-r-45-bilhoes-em-distribuicao-de-energia-no-brasil-em-2024-2026/

Publicado decreto que obriga cessão onerosa de postes por elétricas

Foi publicado no Diário Oficial da União desta sexta, 21, o Decreto 12.068/2024, que trata das condições para a renovação das outorgas das empresas distribuidoras de energia. Como esperado, o decreto estabelece a obrigatoriedade, para todas as distribuidoras (e não apenas aquelas que estão em processo de renovação), da cessão obrigatória dos direitos de exploração dos postes para uma terceira empresa, nas condições da regulamentação conjunta estabelecida entre Aneel e Anatel. Diz o decreto:
Art. 16. As concessionárias de distribuição de energia elétrica deverão ceder a pessoa jurídica distinta o espaço em infraestrutura de distribuição, as faixas de ocupação e os pontos de fixação dos postes das redes aéreas de distribuição destinados ao compartilhamento com o setor de telecomunicações.
§ 1º A cessão de que trata o caput será onerosa e orientada a custos.
§ 2º O compartilhamento de que trata o caput será objeto de exploração comercial por meio de oferta de referência de espaço de infraestrutura, conforme regulação conjunta da Aneel e da Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel, quanto ao preço, ao uso da faixa, dentre outros...

Fonte: Abinee – Teletime

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=362034&sid=105

Para distribuidoras, novas regras vão gerar mais custo

A Abradee, associação que representa as distribuidoras de energia, emitiu comunicado, na sexta-feira (21), dizendo que a publicação do decreto com diretrizes para a prorrogação dos contratos de concessão gera estabilidade regulatória e segurança jurídica. Entretanto, a entidade ressalta que o texto traz preocupações para o setor, com “critérios desafiadores, que demandarão mais investimentos e custos adicionais”. 
O decreto reúne 17 diretrizes e afeta diretamente 20 distribuidoras de energia que atendem a 57 milhões de consumidores, com encerramentos de contratos previstos para o período de 2025 a 2030. As concessões são controladas por sete grandes grupos do setor - Neoenergia, Enel, CPFL, Equatorial, Energisa, Light e EDP - e respondem a cerca de 60% do segmento de distribuição. 
Segundo a associação, temas relevantes como os eventos climáticos extremos, que interferem diretamente na operação de distribuição de energia, entre outros serviços básicos para a sociedade, devem receber uma atenção especial durante a regulação técnica da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)...

Fonte: Abinee – Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=362060&sid=105

CPFL Paulista inaugura subestação de energia no Pinheiros

A CPFL Paulista inaugurou oficialmente a nova subestação de energia de Araçatuba, chamada de "Subestação Araçatuba 5 - Pinheiros", pois é a quinta da companhia no município. Com investimento de R$ 35 milhões, ela funcionará como um complemento às demais estruturas já em operação na cidade. 
A inauguração oficial aconteceu na quinta-feira (20), com a presença do diretor-presidente da CPFL Paulista, Roberto Sartori, e de autoridades locais, entre elas a comandante do CPI-10 (Comando de Policiamento do Interior), coronel Adriana Roledo Belluzo; e o prefeito Dilador Borges (PSDB).
Segundo o que foi informado, a nova subestação é equipada com tecnologias de alta performance e projetada para levar energia de qualidade a mais de 22 mil clientes da cidade e dar suporte ao crescimento socioeconômico do município.
Ela está posicionada estrategicamente na estrada Artista Quatrocentos e Cinquenta, no bairro Santa Luzia, e beneficiará hospitais e unidades de saúde do munícipio, instituições de ensino e bases policiais...

Fonte: Hoje Mais

Leia mais em:

https://www.hojemais.com.br/aracatuba/noticia/economia/cpfl-paulista-inaugura-subestacao-de-energia-no-pinheiros

TSEA energia anuncia mais de R$30 milhões em investimentos na fábrica em Contagem até 2025

Empresa de reguladores de tensão visa à excelência operacional e à redução de custos a partir da implementação de tecnologias avançadas e qualificação da equipe.
Em um movimento estratégico, a TSEA energia, reconhecida pela excelência dos produtos e serviços e liderança no setor de reguladores de tensão na América Latina, anunciou um plano de investimentos para 2024 e 2025. As ações serão direcionadas para inovação, pesquisa, desenvolvimento e capacitação profissional na fábrica de reguladores em Contagem.
—Alinhados com a estratégia da empresa, esses investimentos visam aprimorar a qualidade dos produtos e serviços oferecidos aos clientes, além de promover uma redução de custos e melhorar a performance operacional dos negócios— afirma o diretor da Unidade de Reguladores da TSEA energia, Maurício Machado. A expectativa é de aplicar um volume de R$ 30 milhões em iniciativas diversas.
No primeiro semestre de 2024, mais de R$20 milhões já foram aplicados no plano, com destaque para a aquisição dos robôs Automated Guided Vehicles (AGV) e dos sistemas Supervisórios nas Estufas, tecnologias capazes de aprimorar os processos internos. —No segundo semestre, o foco será a qualificação dos nossos colaboradores. Vamos prepará-los para operar com as novas tecnologias e manter o nosso padrão de qualidade— explica Machado...

Fonte: Revista Fator Brasil

Leia mais em:

https://www.revistafatorbrasil.com.br/2024/06/22/tsea-energia-anuncia-mais-de-r30-milhoes-em-investimentos-na-fabrica-em-contagem-ate-2025/

Ranking aponta o Brasil como o terceiro maior mercado mundial de energia solar

Recém-divulgado, o relatório “Global Market Outlook For Solar Power 2024 – 2028”, elaborado pela SolarPower Europe, aponta o Brasil como o terceiro maior mercado mundial de energia solar no último ano, atrás apenas da China e dos Estados Unidos.
O Brasil adicionou, em 2023, 15,4 gigawatts (GW) de potência pico da fonte solar fotovoltaica, representando cerca de 4% de todo o mercado mundial no período, segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).
Os dados levam em consideração a somatória das grandes usinas solares e dos sistemas de geração própria solar de pequeno e médio portes, em telhados e fachadas de edifícios e em pequenos terrenos, com base na potência total adicionada ao longo de 2023.
Metodologia
Ainda segundo explicação da Absolar, o estudo da SolarPower Europe está padronizado para a unidade de potência pico (GWp) e não a potência nominal instalada (GWac), que é o modelo mais utilizado nos dados divulgados publicamente pelos órgãos oficiais brasileiros. Segundo balanço da Absolar, no ano passado, foram adicionados cerca de 12 GWac da fonte solar, que representam os 15,4 GWp descritos no relatório da entidade europeia...

Fonte: Exame

Leia mais em:

https://exame.com/esg/ranking-aponta-o-brasil-como-o-terceiro-maior-mercado-mundial-de-energia-solar/

bottom of page