24/03/2021

Shell leads investment in smart energy platform provider NET2GRID

The Series B funding has been led by Shell’s VC arm Shell Ventures, Netherlands headquartered investor APG Asset Management and EDP’s VC arm EDP Ventures.

NET2GRID’s platform uses artificial intelligence and machine learning technologies to engage customers with insights on their energy consumption based on real-time analysis and disaggregation of their metering data.

The solution is provided as a service with clients including E.ON, Dutch green supplier Pure Energie and Italian energy companies ENI and NEN Energia.

With this funding, NET2GRID intends to further optimise the customer journey and data analytics capabilities and boost the development of its peer-to-peer energy community solution as well as its residential virtual power plant platform.

The company also plans to accelerate its international expansion outside Europe, with a particular focus on the Australian and North American markets.

”We are proud to add these respected partners, and their long term commitment to NET2GRID’s success, to our investor base,” says Bert Lutje Berenbroek, NET2GRID’s founder and CEO...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/energy-grid-management/shell-leads-investment-in-smart-energy-platform-provider-net2grid/

STJ derruba liminar que suspendia privatização da distribuidora gaúcha CEEE-D

O governo gaúcho conseguiu derrubar, nesta terça-feira (23), no Superior Tribunal de Justiça (STJ) a decisão liminar que havia suspendido a venda da distribuidora de energia da estatal CEEE, afastando as incertezas que surgiram na reta final do processo. Com isso, abriu caminho para receber propostas de empresas interessadas no ativo nesta sexta-feira (26), e realizar o leilão no próximo dia 31, na B3.

O Estado corria contra o tempo para retomar o andamento da licitação, que vem sendo conduzida pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) desde 2019 e enfrenta forte resistência local por parte de entidades de classe, sindicatos e partidos. O processo é alvo de várias contestações na Justiça — pelo menos três ações diretas de inconstitucionalidade (ADI’s) sobre o tema chegaram a ser ajuizadas no Supremo Tribunal Federal (STF).

Na semana passada, um desses movimentos no Judiciário teve sucesso: a venda foi paralisada por decisão da desembargadora Laura Louzada Jaccottet, da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, tomada no âmbito de uma ação popular movida por dirigentes da União Gaúcha em Defesa da Previdência Social e Pública...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=337287&sid=105

XP Investimentos prepara criação de comercializadora de energia elétrica

A corretora XP Investimentos tem preparado a criação de uma unidade de comercialização de energia elétrica, de olho na entrada em um segmento que tem crescido rapidamente no Brasil nos últimos anos e passou a atrair cada vez mais atenção de investidores do setor financeiro.

O movimento veio a público por meio do site da XP, que divulgou vagas em busca de profissionais para "montar uma das melhores comercializadoras de energia do Brasil", segundo anúncios vistos pela Reuters.

As comercializadoras atuam no mercado livre de eletricidade, onde grandes clientes como indústrias podem negociar diretamente contratos de suprimento e preços, em acordos com geradores ou com essas "tradings" de energia.

Atualmente, existem mais de 400 companhias de comercialização de energia ativas no mercado, segundo informações da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), incluindo unidades dos bancos BTG Pactual, Santander Brasil, Itaú Unibanco, ABC Brasil, Daycoval e o australiano Macquarie...

Fonte: Época Negócios

Leia mais em:

https://epocanegocios.globo.com/Empresa/noticia/2021/03/epoca-negocios-xp-investimentos-prepara-criacao-de-comercializadora-de-energia-eletrica.html

Aneel aprova edital de leilão dos sistemas isolados

O edital do leilão destinado à contratação de energia e potência para atendimento aos consumidores dos Sistemas Isolados foi aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica nesta terça-feira, 23 de março. O certame será realizado no dia 30 de abril.

Serão ofertados cinco lotes em 23 localidades nos estados do Acre, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima, com potência total de 97,3 MW e início de suprimento em 1º de abril de 2023. O leilão terá os seguintes preços-teto: R$ 1.293,00 para o Lote 1(AC); R$ 1.308,00 para o Lote 2 (AM); R$ 1.438,00 para o Lote 3 (PA); R$ 1.393,00 para o Lote 4 (RO) e R$ 1.253,00 para o Lote 5 (RR).

Foram cadastradas na Empresa de Pesquisa Energética 69 soluções de suprimento, com potência total de 1.361 MW.  Estão previstos três tipos de contrato: para usinas a óleo diesel, a gás natural ou fontes renováveis. A solução de suprimento será composta por receita fixa, calculada em reais por ano por central geradora, e pelo custo variável, em reais por megawatt/hora…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53167277/aneel-aprova-edital-de-leilao-dos-sistemas-isolados

Governo qualifica leilões de transmissão e de sistemas isolados ao PPI

O governo federal qualificou dois leilões de transmissão de energia elétrica previstos para esse ano ao Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), sinalizando que vai retomar a realização de dois certames por ano para o segmento. Em 2020, por causa da pandemia, foi realizado apenas um, em dezembro. Pelo decreto, publicado na última segunda-feira, 22 de março, ficam qualificados o primeiro e o segundo certame de 2021, além do leilão para suprimento aos sistemas isolados.

O edital do primeiro, previsto para 30 de junho, foi aprovado pela Aneel no início de fevereiro e servirá para a construção e manutenção de 515 quilômetros de linhas de transmissão, sendo dividido em cinco lotes entre os estados do Acre, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo e Tocantins, com um prazo de conclusão de 36 a 60 meses e expectativa de investimentos de R$ 1,3 bilhão.

Segundo a página do PPI na internet, o segundo leilão ainda está em fase de estudos, mas a expectativa é que seja destinado para construção, operação e manutenção de instalações de transmissão na Bahia, Paraná e Pernambuco, totalizando 866 quilômetros em novas linhas, em contratos de 30 anos…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53167228/governo-qualifica-leiloes-de-transmissao-e-de-sistemas-isolados-ao-ppi

Distribuidoras são avaliadas pela qualidade do serviço e gestão econômico e financeira

A diretoria da ANEEL deliberou hoje (23/3), em reunião pública, a avaliação do cumprimento das cláusulas sobre qualidade do serviço prestado e eficiência da gestão econômico-financeira, pelas distribuidoras que tiveram os contratos de concessão de distribuição prorrogados nos termos da Lei nº 12.783/2013 e do Decreto nº 8.461/2015.

Visando à melhoria do serviço, os contratos de concessão prorrogados trouxeram métricas de melhoria contínua a serem avaliadas ao longo dos 5 primeiros anos do contrato. O descumprimento dessas métricas por dois anos consecutivos, ao longo dos 5 anos, ou no 5º ano, acarretará a instauração de processo administrativo que pode resultar na extinção da concessão, resguardado o direito à ampla defesa e ao contraditório.

Sobre as cláusulas de qualidade, a ANEEL reconheceu o cumprimento, por parte das distribuidoras, Celesc-DIS, Chesp, Cocel, COOPERALIANÇA, Copel-Dis, CPFL Jaguari, DEMEI, DMED, EFLJC, EFLUL, Eletrocar, ELFSM, EMG, ENF, ESS, Forcel, Hidropan, DCELT, Muxenergia, Sulgipe e UHENPAL, dos limites de Duração Equivalente de Interrupção de Origem Interna por Unidade Consumidora (DECi) e de Frequência Equivalente de Interrupção de Origem Interna por Unidade Consumidora (FECi), referentes ao ano de 2019…

Fonte: Aneel

Leia mais em:

http://bit.ly/3d1eGKF

Ilha artificial para captação de energia limpa ajuda Dinamarca a alcançar meta

A demanda mundial por energia limpa levou a Dinamarca a anunciar, nesta terça-feira, a construção de uma ilha artificial, que se somará à matriz energética do país, como centro de geração de energia limpa. Em pleno funcionamento, a ilha fornecerá energia limpa para residências e hidrogênio verde para uso em navios, aviação, indústria e transporte pesado.

O início do processo ocorre no momento em que a União Europeia (UE) divulgou planos para transformar o fornecimento de eletricidade do bloco. A UE pretende usar energia renovável, majoritariamente, dentro de uma década, enquanto aumenta a capacidade de energia eólica offshore em cerca de 25 vezes até a metade do século.

A agência britânica de notícias British Broadcasting Company (BBC) afirma que “a primeira ilha de energia do mundo terá o tamanho de 18 campos de futebol (120.000 m²), mas há esperança de torná-la três vezes maior. Ela servirá como um hub para 200 turbinas eólicas offshore gigantes. É o maior projeto de construção da história dinamarquesa, custando cerca de US$ 34 bilhões”...

Fonte: Correio do Brasil

Leia mais em:

https://www.correiodobrasil.com.br/ilha-artificial-captacao-energia-limpa-ajuda-dinamarca-alcancar-meta/

Módulos bifaciais dominam setor fotovoltaico em 2020 no Brasil

Os módulos bifaciais se tornaram um padrão em grandes empreendimentos no Brasil. Segundo o novo estudo estratégico da Greener, 100% dos contratos mapeados em 2020 no ACR (Ambiente de Contratação Regulada) e ACL (Ambiente de Contratação Livre) irão utilizar tecnologia de dupla face.

A consultoria levantou que 3,9 GW de usinas fotovoltaicas, tanto do ambiente livre como do regulado, já estão utilizando ou irão usar painéis bifaciais, o que corresponde a 54,4% do total de empreendimentos mapeados.

De acordo com o levantamento, que compilou os dados até janeiro de 2021, a tecnologia policristalina monofacial representou 44,4%, seguido do filme fino, com 1,0%, e monocristalino monofacial, com 0,1%.

“Os painéis que utilizam tecnologias de dupla face produzem mais energia e, por isso, apresentam melhor custo-benefício para usinas de solo, comparando-se com os modelos de face única”, disse Felipe Santos, gerente de vendas da Canadian Solar.

“Tal tecnologia reduz o LCOE (Custo Nivelado de Energia), que é a somatória do investimento total da usina e seu custo de operação (CAPEX + OPEX) dividido pela quantidade de energia gerada durante sua vida útil”, completou Santos…

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/modulos-bifaciais-dominam-setor-fotovoltaico-em-2020-no-brasil/

Atlas Renewable Energy lança programa voltado para capacitação profissional de mulheres no México, Chile e Brasil

Visando promover a qualificação profissional de mulheres no Brasil, México e Chile, a Atlas Renewable Energy anunciou o programa “Somos Parte da Mesma Energia”, que já treinou mais de 700 mulheres. Segundo a empresa, a intenção é capacitar as profissionais por meio de treinamentos especializados para que possam desenvolver competências para conquistarem melhores oportunidades de emprego, abarcando as construções nas quais a companhia está instalando suas plantas solares.

A companhia também estima que o programa será capaz de fortalecer a representação feminina nas obras solares, que, no geral, é de apenas 2%. Com a ação, pretende-se alcançar 15% de presença de mulheres nesse segmento. “O programa surgiu com a ideia de promover a agenda de gênero no setor de energia por meio do impulsionamento do poder econômico das mulheres”, disse Raquel Azevedo, coordenadora de Inovação Social para América Latina…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/empresas-de-energia-solar/atlas-renewable-energy-lanca-programa-voltado-para-capacitacao-profissional-de-mulheres-no-mexico-chile-e-brasil.html

Eletrobras quer investir mais de R$ 8 bilhões em 2021, diz CEO

A Eletrobras acelerou investimentos na usina nuclear de Angra 3 no final de 2020, em movimento que ganhará ainda mais intensidade em 2021, disseram executivos da estatal nesta segunda-feira, enquanto o governo do presidente Jair Bolsonaro prevê efetivar em 2022 seu plano de privatização da companhia.

Paralisada desde o final de 2015, após uma crise financeira da Eletrobras e envolvimento de fornecedores nas investigações da Operação Lava Jato, a usina de Angra 3 tem sido alvo de um trabalho do BNDES, que busca definir um modelo de negócios que permita viabilizar a conclusão do empreendimento.

Enquanto isso, no entanto, a Eletrobras já voltou a injetar recursos nas obras, de forma a antecipar ao menos etapas mais críticas antes da contratação efetiva da empreiteira que deverá terminar o projeto…

Fonte: Exame

Leia mais em:

https://exame.com/negocios/eletrobras-quer-investir-mais-de-r-8-bilhoes-em-2021-diz-ceo/