23/07/2021

Soluções de IA acopladas às operações, acelerando a Transformação Digital em Utilities

A Inteligência Artificial não é algo novo. Ela tem sua origem na década de 50, com os primeiros conceitos e experimentos. Mas, nas últimas duas décadas, com o crescimento e popularização das comunicações, bem como o avanço do potencial de processamento paralelo e distribuído, permitiu-se uma evolução exponencial dos modelos de aprendizado profundo (deep learning), que são utilizados em aplicação em várias soluções inovadoras pelo mundo, desde a classificação de uma simples imagem até a condução de carros e drones autônomos. Tudo isso aliado aos serviços e soluções providas em cloud. Podemos concluir que estamos no momento adequado para colocarmos em prática mais e mais soluções de IA acopladas às operações das empresas.

Muitas tarefas com IA já estão popularizadas no nosso dia a dia, como, por exemplo, quando usamos nossos celulares e nem percebemos que já agilizam nossas tarefas. Mas agora é o momento de levarmos isso para os processos da empresa, fazendo uma crescente aplicação da tão necessária transformação digital...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53181319/solucoes-de-ia-acopladas-as-operacoes-acelerando-a-transformacao-digital-em-utilities

ONS vê piora no cenário hídrico e esgotamento em novembro

Uma nota técnica concluída ontem pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) traça um cenário ainda mais desafiador para o fornecimento de energia no fim deste ano por conta da crise hídrica que atinge as hidrelétricas do país. O texto prevê “o esgotamento de praticamente todos os recursos no mês de novembro” para o sistema nacional de energia elétrica.

O sistema opera com sobras de potência para garantir o fornecimento de energia elétrica. São essas sobras que serão consumidas até novembro. O penúltimo mês do ano marca o fim do período seco. Por isso, não há previsões a partir daí.

O ONS já considera em sua avaliação medidas já adotadas e o aumento do PIB para 4,5% no ano, em vez dos 3% que até então era usado como parâmetro. O crescimento econômico é o principal parâmetro para a alta do consumo de energia, estimada em 7% este ano...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=340317&sid=105

O Ministério de Minas Energia (MME) aprovou 88 projetos de energia elétrica como prioritários para os próximos seis meses, visando o enfrentamento da fase mais crítica da crise hídrica, esperada para o último trimestre de 2021. A definição como prioridade é necessária para fins de emissão de debêntures — títulos de crédito representativos de empréstimos — para a infraestrutura. Do total, 59 projetos são de geração, oito, de transmissão, e 21, de distribuição de energia elétrica.

De acordo com informações do MME, as concessionárias e autorizatárias titulares de projetos de energia elétrica, constituídas sob a forma de sociedade por ações, “têm buscado utilizar a emissão de debêntures incentivadas de infraestrutura para financiar seus projetos de investimento, tendo em vista a boa aceitação desses títulos no mercado”. Segundo o órgão, dos sete setores de infraestrutura que podem ser aprovados como prioritários para investimentos, “o setor de energia elétrica é o que apresenta maior quantidade de emissões e de volume de recursos captados via debêntures incentivadas de infraestrutura”...

Fonte: Abinee - Correio Braziliense

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=340298&sid=105

Proposta estimula consumidor a produzir energia

A Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD) enviou um ofício ao Ministério de Minas e Energia (MME) com cinco propostas para estimular os consumidores a gerarem a própria energia, além de defender a aprovação de um marco legal para dar segurança aos investimentos no setor.

O cálculo da associação é de que o estímulo à geração distribuída pode contribuir para implementação de novos 10 gigawatts (GW) de capacidade nos próximos dois anos, com projetos de energia renovável, o que ajudaria a recuperação do nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas em 15%, em termos de armazenamento.

O Projeto de Lei 5.829/19, que institui o marco regulatório da minigeração e microgeração distribuída, está aguardando votação no Congresso. Entre as propostas adicionais levadas pela ABGD ao MME em meio à crise estão a implementação de usinas solares flutuantes de geração distribuída nas hidrelétricas, de modo a reduzir a evaporação nos reservatórios e a aproveitar a infraestrutura existente…

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=340294&sid=105

Energia solar ganha espaço no Brasil e WEG está bem posicionada para capturar ganhos, avalia BofA

Na busca por novas alternativas de energia no Brasil, em meio à crise hídrica, o segmento de energia solar vem ganhando tração no país e companhias como a WEG (WEGE3) estão bem posicionadas para capturar esse movimento de expansão. A avaliação é do Bank of America (BofA).

Em relatório publicado na quarta-feira (21), o BofA destaca que a capacidade solar instalada no Brasil aumentou 55% no primeiro semestre de 2021 na comparação anual, e que a divisão solar tem sido um dos negócios da WEG que mais cresceu nos últimos anos, com uma taxa de crescimento anual composta de 160% entre 2017 e 2020.

“Assim, estimamos que o segmento solar já represente 45% das vendas da empresa hoje, ante 5% em 2017. Mais importante ainda, acreditamos que a WEG está bem posicionada para se manter uma empresa líder no segmento de energia solar, devido à sua rede nacional e ao perfil de geração distribuída”, escrevem os analistas...

Fonte: Infomoney

Leia mais em:

https://www.infomoney.com.br/mercados/energia-solar-ganha-espaco-no-brasil-e-weg-esta-bem-posicionada-para-capturar-ganhos-avalia-bofa/

Ceará terá primeira torre de energia eólica no mar próxima ao Pecém

Está em fase de licenciamento ambiental a primeira turbina para geração de energia eólica dentro do mar no Ceará. De acordo com o Governo do Estado, a torre piloto terá 15MW de potência e será construída próximo ao Porto do Pecém, no distrito de São Gonçalo do Amarante, na Grande Fortaleza.

O cronograma com as tratativas de obtenção das licenças, e podem levar até 12 meses, já foi iniciado. Depois que as licenças forem concedidas, ainda segundo o governo, serão necessários mais seis meses para a implantação da torre e início de operação da turbina.

Dependendo das condições de obtenção das licenças, venda da energia gerada e outros resultados favoráveis, poderão ser instaladas outras duas turbinas de potência variada para testar diferentes modelos de aerogeradores dentro do mar.

Para o secretário Maia Junior, o acordo representa um passo importante para o desenvolvimento do Ceará. “Atualmente temos vários projetos de energia offshore atraídos em processo de licenciamento no Ibama que somam mais de 6 GW. Esses projetos serão os grandes produtores de energia que será utilizada na produção do Hidrogênio Verde”, disse...

Fonte: G1

Leia mais em:

https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2021/07/22/ceara-tera-primeira-torre-de-energia-eolica-no-mar-proxima-ao-pecem.ghtml

Amazon e EDP Renováveis fecham acordo voltado para tecnologia e energia renovável

A EDP Renováveis firmou um acordo de colaboração estratégica com a Amazon Web Services (AWS), que compreende a prestação de serviços tecnológicos e digitais e a contratação de energia de futuros empreendimentos fotovoltaicos e eólicos.

Com a parceria, as companhias irão explorar oportunidades em dois segmentos principais: a colaboração na prestação de serviços tecnológicos, de nuvem e de transformação digital da AWS como fornecedora preferencial da EDP Renováveis; e a elaboração de empreendimentos de energia renovável, com previsão para início das atividades entre 2025 e 2030 nos Estados Unidos, América Latina e Europa.

“Esta colaboração reforça as relações comerciais sólidas já existentes entre a EDPR e a Amazon, ao mesmo tempo que proporciona uma visibilidade acrescida à execução do plano de crescimento da EDPR para 2021-25, bem como uma parceria sólida para a transformação tecnológica e digital contínua que está ocorrendo na EDPR. Com efeito, este acordo poderá potencialmente somar-se a um total de 475 megawatts (MW) de CAE [Contratos de Aquisição de Energia] já contratados entre as partes”, pontua a nota à imprensa.

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/empresas-de-energia-solar/amazon-e-edp-renovaveis-fecham-acordo-voltado-para-tecnologia-e-energia-renovavel.html

Joining the ‘independent, neutral and impartial member-based international energy network’ will enable the US to share its expertise to enhance the global energy industry, as well as to access best practices from council members on how to, for instance, optimise its adoption of digital solutions and renewable energy as the digital transformation and decarbonisation of energy intensifies.

The World Energy Council has more than 3,000 members from over 90 countries and hosts its congress every three years to network and promote communication and collaboration amongst its members.

Commenting on the development, Dr Angela Wilkinson, Secretary-General of the World Energy Council, said: “We are very happy to welcome back the United States to the World Energy Council community. The US was a founding member of the World Energy Council back in 1923 and has been, throughout the past century, a very active and important member of our worldwide network...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/regional-news/north-america/the-us-rejoins-the-world-energy-council/

Neoenergia foca em brownfields para o fim do ano e 2022

Depois de ficar de fora dos certames no meio do ano e outros processos de licitação recentes, como na compra de parte da CEEE-T, a Neoenergia analisa sua participação no leilão de transmissão marcado para dezembro, ao mesmo passo que avança com seu pipeline de projetos de energias renováveis e as eólicas offshore no longo prazo, assim como possivelmente o desenvolvimento do hidrogênio verde.

Em teleconferência ao mercado na manhã desta quarta-feira, 21 de julho, o presidente do grupo, Mário Ruiz-Tagle, disse que a companhia não identificou sinergias suficientes para os últimos ativos colocados no mercado e que 2021 é um ano de entrega e execução de projetos, ainda que admitindo oportunidades mais à frente.

“Estamos estudando as alternativas de transmissão apresentadas para dezembro e algumas linhas a serem ofertadas em 2022 que podem servir para garantir o suprimento em algumas áreas de concessão”, comentou o presidente durante o evento…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53181175/neoenergia-foca-em-brownfields-para-o-fim-do-ano-e-2022