22/11/2021

Com escalada da energia, empresas buscam ajuda de consultorias para reduzir conta de luz

A escalada das tarifas de energia provocada pela maior crise hídrica dos últimos 91 anos está ampliando um mercado para as empresas do setor elétrico além do abastecimento e da venda de equipamentos.

Grandes companhias e start-ups estão criando áreas dedicadas à gestão do consumo de energia para ajudar outras empresas a amenizar o impacto da conta de luz nos custos.

O serviço é uma espécie de personal organizer energético, que envolve consultoria, aplicativos e sensores para encontrar formas de elevar a eficiência no uso da eletricidade e baixar a fatura.

Essa nova área de negócios tende a ganhar relevância nos próximos anos para consumidores empresariais de todos os portes, de padarias e oficinas a shoppings e grandes indústrias, já que as previsões indicam energia em alta até pelo menos 2025, a depender da recuperação dos reservatórios das hidrelétricas.

Com maior geração térmica, que é mais cara, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prevê alta de até 21,04% só em 2022. Neste ano, a alta já chega a 19,13% na energia elétrica residencial. Em 12 meses (até outubro), acumula 30,27%...

Fonte: Abinee - O Globo

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=343269&sid=105

Importação de energia cresce 63% com crise hídrica no país

A crise hídrica fez as importações de energia elétrica dispararem. A falta de chuvas levou o Brasil a comprar mais energia de vizinhos como Argentina e Uruguai, em contraste com menos importações do Paraguai, cuja usina binacional de Itaipu também sofre com a escassez hidrológica. Especialistas creem, contudo, que esse ritmo tende a diminuir com a perspectiva de mais chuvas, aumento do nível dos reservatórios, e maior geração de usinas hidrelétricas.

Dados do Ministério da Economia mostram que de janeiro a outubro de 2021 as compras de energia elétrica cresceram 63,8%, na comparação com o mesmo período do ano passado.

O cenário deste ano contrasta com o do ano passado, quando as importações de energia elétrica caíram 4,8% de janeiro a outubro, na comparação com o mesmo período de 2019. No ano pré-pandemia, as importações de energia elétrica haviam caído 11%.

O recorde de importação de energia elétrica ocorreu em outubro deste ano, quando o Brasil comprou US$ 344 milhões de seus vizinhos, ultrapassando o pico anterior de fevereiro, quando havia comprado US$ 311 milhões...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=343268&sid=105

Agenda Regulatória 2022/2023 é tema de audiência pública

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) promoveu, nessa sexta-feira (19/11), audiência pública para discutir com a sociedade a elaboração da Agenda Regulatória para o biênio 2022/2023. A sessão virtual, que contou com 36 contribuições, foi transmitida ao vivo pelo canal da ANEEL no YouTube e acompanhada por mais de 65 pessoas.

A Agenda Regulatória proposta para o biênio 2022/2023 contém 80 atividades com entregas para 2022 e ainda 17 atividades indicativas previstas para o ano de 2023. A expectativa que sejam publicadas 40 novas resoluções normativas em 2022.

A ANEEL incorporou as contribuições recebidas na Tomada de Subsídios nº 013/2021, promovida pela Agência no período de 2 a 29/9/2021, que recebeu 518 contribuições de 37 participantes, das quais 65% foram aceitas total ou parcialmente.

Prática institucional reconhecida por conferir transparência e previsibilidade ao processo regulatório, a Agenda Regulatória apresenta a relação dos temas passíveis de regulamentação ou estudo por parte da ANEEL no período de dois anos.

A aprovação da Agenda Regulatória está prevista para ser deliberada em dezembro, após a análise das contribuições recebidas na Audiência Pública. Mais informações sobre a AP 30/2021 podem ser encontradas aqui. (Audiências Públicas - ANEEL).

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://bit.ly/3CGsC7C

IBM e a Amazon fecham parceria para atender setores de energia, petróleo e gás

A Amazon e a IBM anunciaram que combinarão vantagens do IBM Open Data for Industries para o AWS Cloud e o IBM Ckloud Oark for data para atender clientes dos setores de energia, petróleo e gás. O objetivo é simplificar a capacidade dos clientes de gerenciar cargas de trabalho. As duas empresas também pretendem atuar juntas na criação de funcionalidades futuras para fornecer uma maior flexibilidade e opções de onde executar o OSDU, um outro aplicativo.

O setor de energia está sofrendo uma pressão para que as emissões de gases de efeito estufa sejam reduzidas, à medida que a necessidade por energia acessível continua aumentando. As empresas necessitam de soluções que contribuam com o aumento de eficiência, tempo e recursos para investir na descoberta de novas fontes de energias renováveis.

Tecnologias e dados digitais tem a capacidade de ajudar a navegar em tal mudança, mas a IBM realizou um estudo e descobriu que cerca de metade dos executivos do setor de petróleo e gás estão utilizando dados para que a inovação seja fomentada. Isso ocorre em parte, pois a maioria dos esforços de digitalização tem sido em sistemas proprietários fechados, impossibilitando o potencial de maximizar e combinar o valor dos dados.

A colaboração entre a IBM e a Amazon deseja impulsionar a redução de barreiras de dados na indústria. O IBM Open Data for Industries é uma solução de código aberto que usa o OSDU para auxiliar o setor de energia, petróleo e gás…

Fonte: Click Petróleo e Gás

Leia mais em:

https://clickpetroleoegas.com.br/ibm-e-a-amazon-fecham-parceria-para-atender-setores-de-energia-petroleo-e-gas/

Experiência portuguesa com transição energética, digitalização e hidrogênio verde é apresentada à ANEEL

A ANEEL realizou nos dias 18 e 19/11 visitas técnicas às instalações da EDP e ao centro de controle da E-Redes, empresa de distribuição do mesmo grupo, em Lisboa, Portugal. O propósito da iniciativa foi conhecer a experiência do país com a transição energética e a digitalização – com foco nas boas práticas adotadas pelo país diante dos desafios de conexão de fontes intermitentes de energia à rede de distribuição, incluindo as geradas pelo próprio consumidor. “A transição energética já é realidade, com geração de energia cada vez mais sustentável e renovável, e isso demanda que a operação das redes incorpore a conexão de fontes intermitentes que já se consolidam na matriz elétrica, como a eólica e a solar”, diz o diretor-geral da ANEEL, André Pepitone.

Além disso, Pepitone apresentou aos dirigentes europeus nesta sexta-feira (19/11) um balanço das ações e resultados recentes da atuação da agência brasileira. “Agradecemos à oportunidade de compartilhar a experiência regulatória da ANEEL na criação de um ambiente de negócios seguro no setor elétrico, com atuação técnica pautada na transparência, na previsibilidade e no respeito aos contratos”, comentou. Participaram das atividades Miguel Stilwell, CEO mundial do Grupo EDP, João Marques da Cruz, CEO brasileiro, e Luiz Otavio Assis Henriques, Diretor Vice-Presidente de Geração e Comercialização...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://bit.ly/3HO0qUq

E1 Energia e GDSolar irão atuar juntas a partir de janeiro de 2022

A E1 Energia assinou contrato de acionistas e de investimentos com os fundadores da GDSolar com o objetivo de criar uma nova empresa para atuar no setor de geração distribuída, as atividades da nova empresa devem ter início em janeiro de 2022.

O valor do investimento não foi divulgado. Os fundadores da GDSolar deverão estar na gestão e condução das operações da nova empresa.

A sede da E1 Energia se localiza em Fortaleza (CE), e desde 2018 a companhia atua no mercado, na integração, comercialização, operação, construção e manutenção de usinas e parques de energia solar. A empresa possui 102 usinas construídas ou em desenvolvimento e, aproximadamente, R$ 380 milhões em investimentos realizados.

“A nova operação vem reforçar um corpo empresarial consolidado e muito experiente no setor. Estamos bastante felizes com a chegada da GDSolar para o nosso grupo”, diz Edinardo Barros, sócio e CEO da E1 Energia.

O CEO da nova empresa, Alexandre Gomes, da GDSolar, está animado com as novas oportunidades de atuação.

“Construímos essa operação durante um ano, e essa união de competências vai agregar mais valor para nossos parceiros e clientes”, afirma Gomes...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/empresas-de-energia-solar/e1-energia-e-gdsolar-irao-atuar-juntas-a-partir-de-janeiro-de-2022.html

Light começa obras em túnel que interliga reservatórios no Sul Fluminense

A  Light (RJ) inicia nesta sexta-feira, 19 de novembro, as obras de construção do túnel de interligação dos reservatórios de Vigário e Ponte Coberta, no município de Piraí, na região Sul Fluminense. Serão investidos cerca de R$ 400 milhões no projeto, que irá gerar aproximadamente mil empregos diretos e indiretos. O túnel permitirá realizar paradas mais prolongadas para a manutenção do sistema de geração de energia sem comprometer o sistema de abastecimento de água da Cedae, contribuindo com a segurança hídrica do Sistema Guandu. A obra foi autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica e a Light obteve do Instituto Estadual do Ambiente a licença ambiental necessária para iniciar a construção. A previsão é que o túnel esteja pronto para operar em 2023.

As águas do Rio Paraíba do Sul, que passam pelas usinas da Light no Complexo de Lajes por meio de uma transposição realizada nos anos 1950, são utilizadas para gerar energia. Ao longo das décadas, a Light vem assegurando a geração de energia por meio de suas usinas hidrelétricas instaladas na Serra das Araras com continuidade e segurança para todo o Sistema Interligado Nacional. Estruturas desse porte requerem manutenção constante e, muitas vezes, precisam ser paralisadas para verificação integral das condições de operação dos equipamentos e sistemas...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53194095/light-comeca-obras-em-tunel-que-interliga-reservatorios-no-sul-fluminense

ENEL, ERICSSON E TIM TESTAM O 5G “PURO” NA DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

A TIM realiza desde 2 agosto um projeto piloto em parceria com a empresa de distribuição Enel na cidade de São Paulo. Também participam Ericsson, Qualcomm e Motorola.

A iniciativa conecta com 5G Standalone, na faixa de 3,5 GHz, uma subestação elétrica no bairro da Vila Olímpia. As antenas são dos modelos Ericsson AIR 6449, AIR3227, e AIR 6488. Já a Qualcomm forneceu um CPE 5G Fixed

Wireless Access (FWA) gen 2 com o Modem Snapdragon X62 5G -Sistema RF. A Motorola cedeu smartphones  Edge, Moto G 5G e Moto G100.

Como explicou Leonardo Capdeville ao Tele.Síntese, o 5G funcionou como ligação de backhaul para o CPE da Qualcomm, que irradiou pela subestação de energia o sinal WiFi. Sensores instalados pela Enel na subestação permitem o controle remoto da estrutura e identificam em tempo real se há falhas ou necessidade de manutenção.

Outra aplicação testada é relacionada ao time de campo. Os técnicos da Enel utilizam os smartphones conectados diretamente ao 5G. Estes trazem programas de realidade aumentada que permitem o acesso instantâneo a dados da subestação e detalham como executar a manutenção apenas apontando a câmera para o equipamento.

Este foi o primeiro piloto a utilizar 5G na distribuição elétrica na América Latina, segundo as empresas...

Fonte: Tele Síntese

Leia mais em:

https://www.telesintese.com.br/enel-e-tim-testam-uso-do-5g-puro-na-distribuicao-de-energia/

Light anuncia projeto de energia solar para regiões de baixa renda

A Light, uma das maiores concessionárias de energia do Brasil, que atualmente não tem mais qualquer participação estatal em seu capital social, ganhou recentemente uma competição internacional promovida pelo Programa de Energia para o Brasil (BEP, na sigla em inglês) do governo britânico. A iniciativa deve fornecer tecnologias inovadoras de energia limpa e testar modelos de negócios em comunidades de baixa renda.

Como parte do esforço para uma transição energética do Brasil para uma economia de baixo carbono, a empresa de energia está lançando um projeto-piloto na comunidade Pilar, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, para a instalação de tecnologias de geração de energia solar. O gerente de relacionamento com comunidades e eficientização da Light, Raimundo Santa Rosa, explicou o projeto ao jornal Valor Econômico no início deste mês...

Fonte: Tec Mundo

Leia mais em:

https://www.tecmundo.com.br/ciencia/228904-light-anuncia-projeto-energia-solar-regioes-baixa-renda.htm