22/09/2021

Governo antecipa operação de usinas elétricas

Na corrida para evitar um apagão de energia no País, como ocorreu em 2001, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) está, desde agosto, tentando acelerar a entrada em operação de usinas de energia e linhas de transmissão.

Na corrida para evitar um racionamento nos moldes daquele de 2001, o governo federal está acelerando a entrada em operação de algumas usinas e linhas de transmissão. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) tem rodado o setor para tentar antecipar o funcionamento do máximo possível de usinas e linhas de transmissão no sistema elétrico brasileiro. Em agosto e setembro, foram autorizados 2.354 MW de potência instalada. Para evitar um apagão, o País precisará de algo entre 4 mil e 5 mil MW de energia, além do volume previsto inicialmente...

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=341840&sid=105

Aval para eólicas no mar depende de regulação específica

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) analisa os pedidos de autorização para instalação de duas usinas eólicas em alto mar (offshore) no Ceará, mas deve aguardar o amadurecimento de uma regulação específica para o setor, o que deve acontecer em 2022.

A informação foi dada pelo assessor da diretoria da Aneel, Daniel Vieira, em seminário online sobre a regulação do setor organizado ontem pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Segundo Vieira, o maior dos projetos em questão é a usina eólica marítima de Asa Branca I com capacidade de 720 MW. O empreendimento, da Eólica do Brasil, chegou a obter uma primeira autorização da Aneel, mas com base no regras válidas para eólicas em terra, o que não deve bastar.

Aneel leva em conta peculiaridades como definição de área e maior custo para a conexão com a rede...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=341834&sid=105

5G aumentará geração de energia renovável, diz CPFL

A conectividade 5G permitirá às empresas distribuidoras de energia elétrica inserir em sua rede diferentes meios de geração de energia, como eólica e painel solar. Mas, como elas levam muito mais instabilidade para a rede – quando uma nuvem passa o painel solar para e quando há pouco vento ou nenhum a eólica também para – é preciso ter um bom controle dos dados. É o que diz Renato Povia, diretor de estratégia e inovação da CPFL, concessionária do setor de energia elétrica que atua em São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais. O executivo, que participou do segundo dia do Painel Telebrasil 2021 nesta terça-feira, 21, acredita que as fontes de energia renováveis vão aumentar quando o 5G chegar, tecnologia que permitirá a inserção de muitos dispositivos à rede elétrica.

“O número de controles e de dispositivos de equilíbrio que são necessários ter na rede são muito maiores do que uma hidrelétrica ou uma termo onde se tem praticamente um botão de liga e desliga”, comparou o executivo...

Fonte: Abinee - Mobile Time

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=341848&sid=105

Italy’s SET Distribuzione launches second-generation smart meter programme

The initiative will see the rollout of the second generation SmartEcoMeter as a replacement for the first-generation smart meters, which were installed between 2008 and 2011 and are now reaching end of life.

It envisages the deployment of a total of almost 480,000 meters in two phases. In the first mass phase from 2022 to 2025, 393,000 smart meters, primarily replacements, are planned in the municipalities served by SET Distribuzione. A second phase is scheduled over the subsequent ten years to 2036 for management, maintenance and new installations.

The cost is estimated at €44 million ($51.6 million) for the first phase and to total €65 million ($76 million) by 2036.

The initiative should bring significant benefits to customers and open the possibility for retailers and distributors to offer innovative services, a statement reads…

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/smart-meters/italys-set-distribuzione-launches-second-generation-smart-meter-programme/

China’s State Grid to pilot renewable trading on blockchain

The Commission, the state body overseeing economic development, is partnering with State Grid Corporation as well as the Southern Power Grid Corporation and the two power trading exchanges in Beijing and Guangzhou to develop a renewable platform and market rules for green energy trading.

In a statement, the Commission points to the several reasons that emerged in its investigations that indicate the time is ripe for the initiative. One is a demand from enterprises, with some indicating a willingness to pay more for green power.

Another is a willingness to build a renewable trading marketplace. Others are the availability of the blockchain technology and the demonstration that trading can be organised.

In addition, there is a consensus on all sides that renewables trading is important both to meet carbon emission targets – peaking before 2030 and neutrality before 2060 – and to integrate the growing penetration of renewable energies that will comprise the majority of the future power system...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/new-technology/chinas-state-grid-to-pilot-renewable-trading-on-blockchain/

Tesla eyes energy trading market opportunity

The move, the latest in what appears to be the company’s ambition to deepen its involvement in the energy sector, is intended to drive performance of the global fleet of battery and renewable projects as well as to build expertise in wholesale energy markets and support the development of its automated energy trading platform Autobidder.

The announcement from Julian Lamy, Senior Optimisation Software Engineer at Tesla who is leading the initiative, is looking for a Senior Energy Trading Analyst, who will use Autobidder to bid batteries into multiple wholesale energy markets and ensure the assets meet contractual obligations and comply with market rules.

Expertise is required in at least one of the markets or similar where Tesla has deployments, i.e. ERCOT, CAISO or ISO-NE in the US, the UK or Australian wholesale electricity markets...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/storage/tesla-eyes-energy-trading-market-opportunity/

Shell Energy vai investir R$ 3 bi em energia renovável

O Grupo Shell lançou nesta terça-feira (21) a Shell Energy, um segmento próprio voltado para a transição energética e descarbonização.

O objetivo da iniciativa, anunciada durante coletiva à imprensa, é oferecer ao mercado brasileiro produtos com menor impacto ambiental e comercializar energia elétrica por meio de fontes renováveis (usinas solares e eólicas) e energia de baixo carbono (térmicas a partir do gás).

Em nota, a Shell destacou que tem como meta zerar as emissões de carbono até 2050, além de oferecer produtos ambientais, como certificados de energia renovável e compensações de carbono.

Desde 2017, o grupo comercializa energia elétrica, gás e produtos ambientais e a perspectiva é investir mais de R$ 3 bilhões até o final de 2025. Atualmente, a Shell conta com investimentos de mais de US$ 2 bilhões em projetos de energia limpa, além de produzir 6 GW de energia por meio de fontes renováveis…

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/shell-energy-vai-investir-r-3-bi-em-energia-renovavel/

Medidor inteligente empodera o cliente

A crise hídrica e seus reflexos sobre o setor elétrico criam interrogações sobre o futuro das redes inteligentes de energia. Hoje a maioria desses projetos ainda está atrelado ao programa de pesquisa & desenvolvimento (P&D) da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em que as concessionárias investem 0,5% de sua receita operacional líquida em inovação.

Se por um lado há pressões sobre o caixa das distribuidoras, seja por possível queda do consumo seja pela indefinição de quanto tempo a crise irá durar e seu consequente impacto sobre a inadimplência, por outro crescerá a importância de sistemas de medição mais eficientes e aumenta a tendência de empoderamento do consumidor, com o avanço da geração distribuída. Investir nas redes poderia reduzir perdas.

O maior projeto do país é desenvolvido no Paraná pela Copel. Em abril, os habitantes de Pato Branco começaram a receber uma novidade: a instalação dos primeiros medidores inteligentes dentro do programa Rede Elétrica Inteligente, um investimento total de R$ 820 milhões que vai modernizar a gestão e a distribuição de energia elétrica no Paraná...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=341811&sid=105

Após Europa, China também corre risco de crise energética

A China corre o risco de sofrer o mesmo caos causado pela crise energética observado na Europa. As usinas a carvão no país terão dificuldades para manter as luzes acesas no inverno, no fim do ano.

O jornal estatal “China Energy News” noticiou em 18 de setembro que os produtores locais de energia a carvão, que respondem por mais de 70% da geração de eletricidade do país, não conseguem mais comprar combustível suficiente após os preços dispararem. Segundo ele, muitas usinas dizem que têm pouco carvão em estoque e é “quase impossível comprá-lo” neste momento. O jornal relata que muitas empresas enfrentam dificuldades com grandes perdas operacionais e algumas até desligaram geradores para cortar custos.

Os mercados de energia pelo mundo foram sacudidos pela disparada dos preços dos combustíveis, e as empresas energéticas lutam para obter insumos, de carvão a gás e óleos combustíveis. O maior impacto da crise tem sido sobre a Europa, mas os EUA também não foram poupados. Os preços da eletricidade para os próximos meses estão no maior nível em sete anos...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=341814&sid=105