22/06/2022

Brasil começa a tratar energia e sustentabilidade como temas prioritários

A energia elétrica tem sido, cada vez mais, vista pelo mercado como um assunto interligado com a sustentabilidade. Principalmente, por sua relação direta com as mudanças climáticas. Os processos de geração e consumo elétrico são responsáveis por 36% das emissões globais de gases de efeito estufa e, além disso, dependem de recursos naturais em boa parte dos casos, como as usinas hidrelétricas e eólicas. O dado faz parte da pesquisa "Global Energy Review: CO2 Emissions in 2021", feita pela International Energy Agency (IEA).

Segundo o recém publicado relatório do Painel Intergovernamental sobre o Clima (IPCC), da ONU, o Brasil terá fases de estiagem cada vez mais frequentes nos próximos anos, sobretudo no Nordeste. A região sofreu ao menos um mês de seca a mais entre 2010 e 2019, em comparação com o período de 1950 a 1959, o que afeta a questão energética nacional...

Fonte: Terra

Leia mais em:

https://www.terra.com.br/noticias/brasil-comeca-a-tratar-energia-e-sustentabilidade-como-temas-prioritarios,fa0fe723ca16db267d7aac33759925a2hc3qe3ih.html

Neoenergia moderniza redes elétricas do Nordeste

Com investimentos de R$ 1,3 bilhão, a Neoenergia está investindo na modernização das redes elétricas nos estados da Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte. A companhia vem ampliando a instalação de equipamentos que utilizam sistemas de self healing, tecnologia que restabelece o fornecimento de forma automatizada com rapidez e segurança. A recomposição da rede também está sendo realizada por meio de obras para tornar a prestação de serviço mais segura e eficiente.

A companhia informou que a automação da rede faz parte de sua estratégia para melhorar a qualidade do fornecimento de energia. O self healing é uma tecnologia que automatiza operações em casos de ocorrências como quedas de árvores, descargas atmosféricas ou ações de animais. A área atingida pelo problema é isolada e o maior número de consumidores pode ter a energia restabelecida em até 60 segundos...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53215825/neoenergia-moderniza-redes-eletricas-do-nordeste

Visando apoiar a construção de um mundo sustentável, com respeito às pessoas e ao meio ambiente, com ações pautadas pela ética e a transparência, a Statkraft tem como valor a responsabilidade nos negócios enraizadas em sua cultura. Por esse motivo é conhecida mundialmente pelos investimentos em geração e comercialização de diferentes fontes renováveis, bem como por desenvolver diversos projetos sustentáveis. Um desses investimentos mais recentes é a criação de uma linha de negócios voltada ao hidrogênio verde.

Com esse intuito, a Statkraft e a Aker Horizons, por meio de sua empresa de portfólio Aker Clean Hydrogen, assinaram recentemente acordos de colaboração para explorar conjuntamente oportunidades de produção de hidrogênio verde e amônia no Brasil.

No Brasil, a Aker Clean Hydrogen, a Statkraft e a Sowitec, empresa especializada no desenvolvimento de ativos eólicos renováveis e solares, desenvolverão conjuntamente projetos Power-to-X (P2X) no estado da Bahia. A primeira oportunidade de projeto a ser perseguida é um projeto híbrido em larga escala, que combina geração de energia renovável, e produção de hidrogênio e amônia para a indústria local de fertilizantes…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53215708/statkraft-mira-no-brasil-e-aposta-no-hidrogenio-verde-como-diferencial-competitivo

Nordex tem prejuízo de 150 milhões de euros no primeiro trimestre

O Grupo Nordex registrou perdas de 150,5 milhões de euros no primeiro trimestre de 2022. O resultado é quase 100 milhões de euros pior que o reportado no mesmo período do ano passado. O resultado Ebitda ficou em negativo em 88,9 milhões de euros ante os 10,4 milhões positivos de 2021.

Essa redução deve-se à reconfiguração da produção. Ajustado por esses custos não recorrentes, o Ebitda foi de 52 milhões de euros e a margem ajustada foi de 5,6% negativos ante 0,8% de 2021. A Nordex explica que a rentabilidade foi impactada por maiores custos de matéria-prima e logística.

A companhia gerou vendas de 933 milhões de euros contra 1,2 bilhão de 2021. Segundo a empresa, a tendência nas vendas é atribuída a uma mudança planejada na produção para diferentes pás e menor produção de instalação relacionada ao clima.

O Grupo Nordex instalou 197 aerogeradores em 12 países com uma potência agregada de 867 MW no primeiro trimestre de 2022. No trimestre do ano anterior foram 381 aerogeradores com potência agregada de 1.453 MW em 19 países…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53215834/nordex-tem-prejuizo-de-150-milhoes-de-euros-no-primeiro-trimestre

O Ministério de Minas e Energia extinguiu a equiparação à Concessionária de Serviço Público de Transmissão, promovida por meio da Portaria nº 624/GM/MME, de 24 de novembro de 2014, das instalações que foram necessárias aos Intercâmbios Internacionais de Energia Elétrica autorizadas por meio das Portarias DNAEE nº 179, de 19 de setembro de 1983, e nº 324, de 5 de abril de 1994, de propriedade da CGT Eletrosul, com o respectivo descomissionamento desses ativos.

Ficou estabelecido ainda o valor de indenização referente a bens reversíveis não amortizados durante a vigência da equiparação, no valor de R$ 19,2 milhões a valores de junho de 2021, conforme calculado pela Agência Nacional de Energia Elétrica – Aneel.

Mas deverão ser descontados do valor da indenização, segundo a Aneel, os montantes de R$ 2,3 milhões, com data base de junho de 2019, em decorrência da existência de Parcela de Ajuste – PA a ser devolvida pela CGT Eletrosul aos usuários do Sistema Interligado Nacional e mais R$ 32.690,46, a ser acrescido da correspondente atualização legal, em decorrência de multa imposta no Auto de Infração nº 0010/2021-SFF, caso a empresa não tenha ainda efetuado seu pagamento até a data do efetivo pagamento da indenização...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53215810/mme-extingue-concessionaria-de-transmissao-da-eletrobras

Proposta de norma sobre compartilhamento de instalações de transmissão entra em consulta pública

A regulamentação relacionada ao compartilhamento de instalações de transmissão, atualmente dispersa em variados instrumentos, será consolidada em breve pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL. Uma proposta de norma reunindo as determinações da Agência sobre o tema será avaliada por meio de consulta pública, aberta para sugestões a partir de quarta-feira, 22 de junho, até 5 de agosto.

As questões associadas aos Contratos de Compartilhamento de Instalações (CCI) hoje são tratadas, de modo fragmentado, em contratos de concessão, Regras de Transmissão, resoluções normativas, Procedimentos de Rede e nos próprios CCI celebrados pelos agentes. A complexidade no cumprimento de comandos levou as áreas técnicas da Agência a realizar duas tomadas de subsídio em 2021 para unificar e simplificar a regulação. Entre os pontos a serem condensados, estão o planejamento e a operação das instalações compartilhadas, as responsabilidades de cada participante no compartilhamento e as regras para compartilhamentos múltiplos…

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.gov.br/aneel/pt-br/assuntos/noticias/2022/proposta-de-norma-sobre-compartilhamento-de-instalacoes-de-transmissao-entra-em-consulta-publica

Os valores das bandeiras tarifárias para o período de julho de 2022 a junho de 2023, assim como os critérios para o acionamento delas, foram aprovados nesta terça-feira (21/6) pela Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL. A bandeira tarifária de julho será anunciada pela Agência na sexta-feira, 24/6, já com os novos valores.

A bandeira verde, assim como em anos anteriores, não terá custo para o consumidor e servirá para sinalizar condições favoráveis de geração de energia. A bandeira amarela passa a ser de R$ 2,989 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos no mês. A bandeira tarifária vermelha patamar 1 foi atualizada para R$ 6,50 a cada 100 kWh. No caso da bandeira vermelha patamar 2, o valor aprovado pela ANEEL é de R$ 9,795 a cada 100 kWh.

O recálculo retorna à metodologia seguida pelas bandeiras tarifárias desde 2016, na qual a bandeira vermelha patamar 2 cobre 95% dos eventos históricos conhecidos (e não 100% como no segundo semestre de 2021). O acréscimo verificado nos valores se deve, entre outros, os dados do mercado de compra de energia durante o período de escassez hídrica em 2021, o custo do despacho térmico em razão da alta do custo dos combustíveis e a correção monetária pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que fechou 2021 com aumento de 10,06%...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.gov.br/aneel/pt-br/assuntos/noticias/2022/valores-das-bandeiras-tarifarias-sao-atualizados-para-o-periodo-2022-2023