top of page

21/06/2024

Leia a íntegra do decreto com regras de renovação das concessões de energia

O Palácio do Planalto publicou nesta 6ª feira (21.jun.2024) as diretrizes que as distribuidoras de energia deverão seguir para conseguir a renovação antecipada das concessões. Leia a íntegra do decreto divulgado no Diário Oficial da União (PDF – 256 kB).
Na 5ª feira (20.jun), o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, apresentou, em entrevista a jornalistas, 17 pontos que as empresas precisarão atender para garantir a manutenção de seus contratos.
Entre os pontos apresentados por Silveira está a limitação da distribuição de dividendos em 25%– mínimo legal– para empresas que descumprirem critérios técnicos e econômicos na prestação do serviço. Esse era o ponto de maior tensão entre as propostas do governo para endurecer as regras de distribuição.
A inserção do mecanismo já havia sido sinalizada pelo governo e as distribuidoras tentaram retirá-lo do texto final. A Abradee (Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica) entende que a limitação pode ser prejudicial aos consumidores de energia, pois a perspectiva de dividendos é o motor para captação de recursos para investimento…

Fonte: Poder 360

Leia mais em:

https://www.poder360.com.br/poder-energia/eia-a-integra-do-decreto-com-regras-de-renovacao-das-concessoes-de-energia/

Com 160 empresas, nova bolsa N5X começa a operar no mercado livre de energia

A N5X, nova bolsa de energia brasileira, começa a operar sua plataforma de negociações no mercado livre de energia a partir desta quinta-feira (20). Com mais de 160 empresas registradas, o sistema passa a permitir a compra e venda no mercado local para contratos com entrega física.
A N5X é voltada para grandes geradores de energia, grandes consumidores, instituições financeiras e comercializadoras, habilitadas na CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) para operar no mercado livre. Entre as empresas já cadastradas, estão Casa dos Ventos, Copel, Raízen, Danske e Assaí Atacadista.
A meta da nova bolsa é aumentar o giro atual do mercado de 4,27 vezes, em 2022, para 10 vezes nos próximos anos. Hoje, o mercado de trading de energia brasileiro é majoritariamente físico e representado por negociações e formalizações bilaterais em 71% dos casos.
“Temos uma operação com nível internacional alinhada à expertise de infraestrutura local. A partir da abertura do mercado livre de energia e, consequentemente, com uma competição mais ampla, acreditamos que o nível de serviços, inovação e volume de negociações irá evoluir significativamente”, declarou por nota a CEO da N5X, Dri Barbosa...

Fonte: Infomoney

Leia mais em:

https://www.infomoney.com.br/business/com-160-empresas-nova-bolsa-n5x-comeca-a-operar-no-mercado-livre-de-energia/

Schneider Electric reforça atuação no segmento varejista do mercado livre de energia

A Schneider Electric, empresa que atua com transformação digital da gestão de energia e automação, anunciou a ampliação da sua atuação para o mercado varejista de energia por meio de consultoria e suporte especializado na migração para o Mercado Livre de Energia.
Com mais de dez anos de experiência em consultoria de sustentabilidade e energia no Brasil e 30 anos de atuação mundial, o Sustainability Business da Schneider Electric tem uma equipe dedicada à compra de energia no Mercado Livre de Energia atendendo inicialmente clientes na modalidade atacadista. Na iminência da abertura do mercado, a empresa criou um laboratório de inovação para estudar as oportunidades e estratégias de atendimento aos clientes do segmento varejista.
“O mercado passou por reestruturações significativas e nos adaptamos para acompanhar essas mudanças, explorando novas possibilidades para nossos clientes e para aqueles que anteriormente não tinham acesso ao mercado livre”, explica Mathieu Piccin, diretor LATAM do Sustainability Business da Schneider Electric. “Temos colaboradores dedicados a atender as demandas relacionadas ao segmento varejista, independentemente do porte do cliente"...

Fonte: Datacenterdynamics

Leia mais em:

https://www.datacenterdynamics.com/br/not%C3%ADcias/schneider-electric-reforca-atuacao-no-segmento-varejista-do-mercado-livre-de-energia/

Tesla lança Powerwall 3 e revela planos para o Brasil

A Tesla trouxe uma grande novidade na Intersolar Europe deste ano ao revelar seu mais recente lançamento, a Powerwall 3. Esta nova geração representa um avanço significativo em relação à sua antecessora, a Powerwall 2, que está no mercado por cerca de uma década.
Ao Canal Solar, a empresa informou que o destaque da Powerwall 3 é a incorporação de um inversor híbrido diretamente no sistema, uma melhoria substancial que elimina a necessidade de um dispositivo externo, como era na versão anterior.
De acordo com a fabricante, esta integração promete simplificar significativamente a instalação e operação do sistema de armazenamento de energia residencial da Tesla. O inversor integrado da Powerwall 3 é equipado com três MPPTs (Maximum Power Point Trackers).
Com uma capacidade de 13,5 kWh e uma potência de até 11,04 kW na versão monofásica , a Powerwall 3 é adequada para atender às necessidades energéticas das residências modernas. A Tesla também já está focada no desenvolvimento de uma versão trifásica do produto para expandir ainda mais seu portfólio.
Além de suas capacidades técnicas avançadas, o equipamento mantém um compromisso com a facilidade de uso, pesando 130 kg e projetado para instalação e manutenção simplificadas...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/tesla-powerwall-3-planos-para-brasil/

Equinor construirá no Brasil seu primeiro projeto híbrido em energias renováveis

A norueguesa Equinor anunciou nesta quinta-feira (20) a decisão final de investimento de um complexo solar na Bahia que será construído na mesma área de usinas eólicas da empresa, configurando o primeiro projeto híbrido de geração renovável da petroleira no mundo.
O complexo solar Serra da Babilônia, de 140 megawatts-pico (MWp), será desenvolvido na área do Serra da Babilônia I, conjunto de eólicas com 223 MW de capacidade já operadas pela subsidiária da Equinor, a Rio Energy, adquirida no ano passado.
O início da construção do novo complexo solar está previsto para setembro, e a operação comercial é esperada até o final de 2025. O valor dos investimentos não foi divulgado.
O modelo híbrido permite uma geração complementar de energia eólica e solar: o complexo solar utilizará o sistema de interconexão existente, já instalado para as eólicas, e não exigirá capacidade adicional da rede.
As solares injetarão energia na rede quando as eólicas não estiverem utilizando sua capacidade, otimizando a produção total de energia.
A energia produzida pelo novo parque será comercializada pela trading da Equinor, Danske Commodities, que já é responsável pela venda da energia de outros ativos da empresa no Brasil...

Fonte: Infomoney

Leia mais em:

https://www.infomoney.com.br/business/equinor-construira-no-brasil-seu-primeiro-projeto-hibrido-em-energias-renovaveis/#:~:text=A%20norueguesa%20Equinor%20anunciou%20nesta,renov%C3%A1vel%20da%20petroleira%20no%20mundo.

Eneva quer incluir expansão de térmica em leilão

A Eneva pretende incluir no leilão de reserva de capacidade, que será realizado no dia 30 de agosto, projeto de expansão da térmica Porto do Sergipe, de 1,6 gigawatts (GW), e mais duas termelétricas que estão em operação. O certame é visto como uma oportunidade para que usinas com contratos de energia perto do fim nos próximos anos possam negociar potência por longo prazo, assegurando receita fixa. No caso da Eneva, o projeto de expansão de Porto do Sergipe sairá do papel se vencer a licitação. 
A Eneva tem no gás natural uma atividade-chave, com negócios na exploração e produção, comercialização e geração de energia. A companhia tem campos de gás no Maranhão (Bacia do Parnaíba) e Amazonas (Amazonas e Solimões), além das recém-compradas áreas na Bacia do Paraná, no leilão realizado no fim de 2023. No Maranhão e no Amazonas, os campos são dedicados para atender as termelétricas do grupo.
De acordo com o presidente da Eneva, Lino Cançado, Porto do Sergipe tem licenciamento ambiental para expandir a usina em mais 3,2 GW, de forma modular. Adquirida pela Eneva em meados de 2022 por R$ 6,1 bilhões, a usina é movida a gás natural liquefeito (GNL) e conta com um navio que armazena e regaseifica o GNL, com capacidade de fornecimento de até 21 milhões de metros cúblicos por dia (m3 /dia). A térmica consome 6 milhões de m3 /dia...

Fonte: Abinee – Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=361943&sid=105

Isa Cteep investirá R$ 36 milhões para renovar subestação de Itapeva, no interior de SP

A Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista(Isa Cteep) vai investir R$ 36 milhões para renovar e modernizar a Subestação Itapeva, localizada no interior de São Paulo. A subestação é responsável pelo abastecimento de energia elétrica de mais 120 mil habitantes dos municípios de Itapeva, Itaberá, Nova Campina e Taquarivaí. 
“A modernização da Subestação Itapeva reflete o compromisso da Isa Cteep com a população, pois vai elevar a confiabilidade e a eficiência do sistema elétrico, contribuindo com o bem-estar social e o crescimento econômico na região, que reúne consumidores rurais e empresas mineradoras”, afirma Dayron Urrego, diretor-executivo de projetos. 
A previsão de conclusão das obras é para o segundo semestre de 2025 e devem gerar 30 empregos durante o período, segundo estimativa da companhia. 
Projeto faz parte do plano de renovação da empresa, que, no primeiro trimestre de 2024, investiu R$ 243,1 milhões na renovação de ativos, em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Fonte: Abinee – Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=361941&sid=105

G7 adotará medidas para proteger setor de energia

Os líderes do G7, que se encontraram na Itália na semana passada, decidiram “tomar medidas críticas para fortalecer a segurança cibernética da cadeia de fornecimento global das tecnologias-chave utilizadas para gerir e operar sistemas de eletricidade, petróleo e gás natural em todo o mundo”. A informação foi prestada pelo Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan.
A iniciativa servirá para combater os contínuos ataques cibernéticos que visam sistemas energéticos em todo o mundo, que são “vulneráveis a perturbações. À medida que novas tecnologias digitais de energia limpa são integradas, devemos garantir que sejam ciberseguras para evitar a destruição ou interrupção dos serviços”, disse Sullivan. 
Tais ataques a empresas de energia — como o ataque de ransomware à Colonial Pipeline nos EUA ou outros incidentes envolvendo empresas de energia na Europa — continuaram a perturbar governos em todo o mundo e a gerar regulamentações. O G7 – composto por Itália, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Canadá e Japão – discutiu uma série de questões relacionadas com a segurança cibernética, incluindo ransomware, ataques cibernéticos do governo chinês e ataques russos na Ucrânia...

Fonte: Cisoadvisor

Leia mais em:

https://www.cisoadvisor.com.br/g7-adotara-medidas-para-proteger-setor-de-energia/

Silveira nega participação da Pasta em negociações privadas de venda de térmicas da Eletrobras

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, negou a participação da pasta no processo de venda de térmicas da Eletrobras para a Âmbar, do grupo J&F, ou possível negociação para a compra da Amazonas Energia. Ele lembrou que, a partir da transferência de controle societário, prevista em medida provisória editada na semana passada, a novo controlador da concessão precisará cumprir "requisitos objetivos", sobretudo no equilíbrio econômico-financeiro.
"Nós não participamos das negociações privadas. A Eletrobras, infelizmente, é uma empresa privada hoje. A única coisa que nós tivemos conhecimento durante esse processo é de que tinham quatro ou cinco grupos disputando não só a questão das térmicas, mas também da due diligence (investigação de uma oportunidade de negócio) na distribuidora", declarou Silveira, em conversa com jornalistas.
No dia 10 de junho, a Eletrobras comunicou ao mercado a venda de 13 usinas termelétricas para Âmbar por R$ 4,7 bilhões. Além da empresa dos irmãos Batista, outros interessados, como o banco BTG em associação com a Eneva, e fundos estrangeiros, fizeram ofertas pelos ativos...

Fonte: Uol

Leia mais em:

https://economia.uol.com.br/noticias/estadao-conteudo/2024/06/19/silveira-nega-participacao-da-pasta-em-negociacoes-privadas-de-venda-de-termicas-da-eletrobras.htm

Primeiro dia do Encontro Nacional do Setor Elétrico tem participação da ANEEL e debates sobre inovações no setor

Substituição da utilização de combustíveis fósseis por energia limpa, armazenamento de energia, transição energética e empoderamento do consumidor por meio da utilização de novas tecnologias. Esses foram alguns dos assuntos abordados nesta quarta-feira (19) pelo Diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), Ricardo Tili, durante abertura oficial do Encontro Nacional do Setor Elétrico (Enase), que está sendo realizado até amanhã (20) no Hotel Windsor Oceânico, no Rio de Janeiro.
Em sua fala, Tili destacou que a ampliação das redes de transmissão para a exportação de energia de limpa contribui para o desenvolvimento da matriz renovável. Outro vetor de expansão da matriz renovável, segundo o Diretor, é o armazenamento de energia, que deve se dar através da bateria e da energia reversível. Sobre esse tópico, Tili ressaltou que é o relator do tema na ANEEL e que a previsão é de aprovação da norma até dezembro deste ano. Quando o assunto é transição energética, o Diretor reiterou o protagonismo do consumidor. “A transição energética não acontecerá sem o empoderamento do consumidor; a transparência da composição tarifária e a liberdade de escolha. O processo já vem acontecendo por meio da geração descentralizada, em que o consumidor gera a sua própria energia, porém ele precisa ser mais rápido e contínuo. O consumidor deve ter a liberdade de fazer as suas escolhas e de ser atendido da melhor forma”, pontuou Tili...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.gov.br/aneel/pt-br/assuntos/noticias/2024/primeiro-dia-do-encontro-nacional-do-setor-eletrico-tem-participacao-da-aneel-e-debates-sobre-inovacoes-no-setor-1

Momento de transição energética desacelera em meio ao aumento da volatilidade global, conclui novo relatório do Fórum Econômico Mundial

A transição energética global para um sistema energético mais equitativo, seguro e sustentável ainda está a progredir, mas perdeu impulso face à crescente incerteza a nível mundial, de acordo com um novo relatório do Fórum Económico Mundial, publicado nesta terça-feira, 18.
Embora 107 dos 120 países avaliados no relatório tenham demonstrado progressos nos seus percursos de transição energética na última década, o ritmo global da transição abrandou e o equilíbrio das suas diferentes facetas continua a ser um desafio fundamental. A volatilidade económica, o aumento das tensões geopolíticas e as mudanças tecnológicas tiveram um impacto, complicando a sua velocidade e trajetória. Há, no entanto, alguns motivos para optimismo, com o aumento dos investimentos globais em energias renováveis e o crescimento significativo no desempenho da transição energética na África Subsariana ao longo da última década...

Fonte: Esginside

Leia mais em:

https://esginside.com.br/2024/06/18/momento-de-transicao-energetica-desacelera-em-meio-ao-aumento-da-volatilidade-global-conclui-novo-relatorio-do-fem/

bottom of page