Arquivo 2016

ANEEL aprova tarifa branca, nova opção para os consumidores a partir de 2018

A tarifa branca é uma nova opção de tarifa que sinaliza aos consumidores a variação do valor da energia conforme o dia e o horário do consumo. Ela será oferecida para as unidades consumidoras que são atendidas em baixa tensão (127, 220, 380 ou 440 volts, denominadas de grupo B) e para aquelas pertencentes ao grupo A optantes da tarifa de baixa tensão.  A medida foi aprovada nesta terça-feira (6/9), na reunião pública da Diretoria da ANEEL.

A partir de 1º de janeiro de 2018, todas as distribuidoras do país deverão atender aos pedidos de adesão à tarifa branca das novas ligações e dos consumidores com média mensal superior a 500 kWh. Em 2019, unidades com consumo médio superior a 250 kWh/mês e, em 2020, para os consumidores de baixa tensão, qualquer que seja o consumo.

 

A tarifa branca não se aplica aos consumidores residenciais classificados como baixa renda, beneficiários de descontos previstos em Lei, e à iluminação pública.

 

A possibilidade de optar pela tarifa branca amplia os direitos dos consumidores de energia elétrica. Da mesma forma que é possível aderir, se o consumidor perder a vantagem oferecida pela tarifa branca ele pode solicitar sua volta ao sistema tarifário anterior (tarifa convencional).

 

Controle do consumo. Com a tarifa branca, o consumidor passa a ter a possibilidade de pagar valores diferentes em função da hora e do dia da semana em que consome a energia elétrica.

 

Se o consumidor adotar hábitos que priorizem o uso da energia fora do período de ponta, diminuindo fortemente o consumo no horário de ponta (aquele com maior demanda de energia na área de concessão) e no intermediário, a opção pela tarifa branca oferece a oportunidade de reduzir o valor pago pela energia consumida.

 

Nos dias úteis, o valor tarifa branca varia em três horários: ponta, intermediário e fora de ponta. Na ponta e no intermediário, a energia é mais cara. Fora de ponta, é mais barata. Nos feriados nacionais e nos finais de semana, o valor é sempre fora de ponta.

 

Os períodos horários de ponta, intermediário e fora ponta são homologados pela ANEEL nas revisões tarifárias periódicas de cada distribuidora, que ocorrem em média a cada quatro anos. As distribuidoras deverão divulgar todas essas informações para possibilitar a opção dos consumidores pela tarifa branca.

 

Antes da criação da tarifa branca, havia apenas uma tarifa, a convencional, que tem um valor único (em R$/kWh) cobrado pela energia consumida e é igual em todos os dias, em todas as horas.

 

A tarifa branca cria condições que incentivam alguns consumidores a deslocarem o consumo dos períodos de ponta para aqueles em que a rede de distribuição de energia elétrica tem capacidade ociosa.

 

É importante que o consumidor, antes de optar pela tarifa branca, conheça seu perfil de consumo e a relação entre a tarifa branca e a convencional, que varia segundo a distribuidora. Quanto mais o consumidor deslocar seu consumo para o período fora de ponta e quanto maior for a diferença entre essas duas tarifas, maiores são os benefícios da tarifa branca.

 

A tarifa branca não é recomendada se o consumo for maior nos períodos de ponta e intermediário e não houver possibilidade de transferência do uso dessa energia elétrica para o período fora de ponta.

 

Para ter certeza do seu perfil, o consumidor deve comparar suas contas com a aplicação das duas tarifas. Isso é possível por meio de simulação com base nos hábitos de consumo e equipamentos do consumidor ou com o uso de um medidor, aprovado pelo Inmetro, que consiga registrar o consumo conforme os horários em que a energia elétrica é utilizada.

 

Para aderir à tarifa branca, os consumidores precisam formalizar sua opção junto à distribuidora. Quem não optar por essa modalidade continuará sendo faturado pelo sistema atual.

 

Fonte: http://www.aneel.gov.br/sala-de-imprensa-exibicao/-/asset_publisher/XGPXSqdMFHrE/content/aneel-aprova-tarifa-branca-nova-opcao-para-os-consumidores-a-partir-de-2018/656877?inheritRedirect=false

Chinesa State Grid quer comprar fatia da Previ na CPFL

A estatal chinesa State Grid deseja comprar a participação de outros acionistas da CPFL, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

Previ, maior fundo de pensão da América Latina, possui uma participação de 29,4% na CPFL, e disse em comunicado que avalia a oferta. Além disso, segundo as fontes ouvidas, outros que detêm participações na CPFL têm sido cortejados pela companhia asiática.

Maior fornecedora de eletricidade do mundo em receita, a State Grid deseja, de acordo com as fontes, garantir fatias dos grandes controladores da CPFL neste mês, antes de fazer uma oferta completa pelo resto.

Caso se confirme, o acordo seria o maior investimento da China já feito no Brasil e uma dose extra de capital estrangeiro para um país que enfrenta sua pior recessão.

A estatal chinesa State Grid deseja comprar a participação de outros acionistas da CPFL, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

Previ, maior fundo de pensão da América Latina, possui uma participação de 29,4% na CPFL, e disse em comunicado que avalia a oferta. Além disso, segundo as fontes ouvidas, outros que detêm participações na CPFL têm sido cortejados pela companhia asiática.

Maior fornecedora de eletricidade do mundo em receita, a State Grid deseja, de acordo com as fontes, garantir fatias dos grandes controladores da CPFL neste mês, antes de fazer uma oferta completa pelo resto.

Caso se confirme, o acordo seria o maior investimento da China já feito no Brasil e uma dose extra de capital estrangeiro para um país que enfrenta sua pior recessão.

http://exame.abril.com.br/negocios/noticias/estatal-chinesa-state-grid-quer-comprar-fatia-da-previ-na-cpfl

Fonte: Exame, publicado em 09/08/2016.