20/06/2022

Eletrobras (ELET3;ELET6) privatizada: o que muda (ou não) na sua conta de energia e no setor elétrico

Depois de completar de forma bem-sucedida a sua oferta de ações na última semana, a Eletrobras (ELET3;ELET6) é oficialmente uma empresa privada, mas se você acha que a tarifa de luz vai ficar mais barata a partir de agora, é melhor ter calma. Não devem ser encontradas mudanças na conta de energia elétrica tão cedo assim.

Ao longo de todo o processo de privatização, o governo federal reforçou inúmeras vezes que, sem as amarras estatais, espera que a Eletrobras seja capaz de ampliar o seu potencial de investimentos, melhorar a oferta de energia e aliviar o bolso do consumidor final, tornando-se mais eficiente.

Mas esse não é o tipo de coisa que acontece da noite para o dia — e há até mesmo quem duvide que seja possível alcançar todos esses objetivos.

Para Victor Rhein Schirato, sócio-fundador da Daemon e especialista em Direito Regulatório, e Everton Henriques, diretor de infraestrutura do Banco Fator, a privatização foi, sem dúvida, um grande evento para o mercado de capitais e investidores. Mas pouco — ou quase nada — deve mudar nos primeiros meses e anos após a capitalização...

Fonte: Seu Dinheiro

Leia mais em:

https://www.seudinheiro.com/2022/eletrobras/eletrobras-elet3-elet6-privatizada-o-que-muda-ou-nao-na-sua-conta-de-energia-e-no-setor-eletrico-jsmn/

Alta nos preços de terras encarece projetos de linhas de transmissão

A disparada recente no preço das terras em polos agrícolas - uma consequência direta da valorização de commodities no mercado internacional - está afetando novos projetos de linhas de transmissão de energia e tornou-se um fator monitorado de perto pelas empresas interessadas no próximo leilão do setor.

Segundo executivos de uma das maiores transmissoras locais, que pediram anonimato, o custo fundiário deve chegar a mais de 10% do custo de implantação dos novos “linhões” e pode atingir até 15% no caso de alguns dos lotes oferecidos. As indenizações pagas aos donos de terras onde são instaladas as torres costumavam ficar, normalmente, em cerca de 5% do investimento total nos projetos.

Os preços têm subido mais aceleradamente em áreas de grãos (soja e milho) no Centro-Oeste, de café em Minas Gerais, de arroz e aves ou suínos no Sul, além de áreas de pastagem em todo o país...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=347049&sid=105

Assim como a Tesla vem renovando a mentalidade do mercado sobre automóveis, a empresa alemã Tree Energy Solutions (TES) quer se tornar referência em energia verde, construindo o maior portfólio mundial de projetos de hidrogênio até 2030, à medida que busca mudar “a maneira antiga de pensar sobre energia”.

Com o apoio da AtlasInvest, uma companhia de investimento privado da Bélgica focada no setor de energia, a TES está adotando novas tecnologias que envolvem o uso de hidrogênio para produzir metano sintético, mais fácil de transferir para a infraestrutura da empresa que será construída na Europa e foi projetada para não produzir emissões, com vazamento zero.

Segundo a TES, uma rede de fornecimento de hidrogênio poderia aumentar a segurança energética da Europa em um momento em que o bloco busca reduzir sua dependência do gás natural da Rússia após a invasão da Ucrânia por Moscou…

Fonte: Olhar Digital

Leia mais em:

https://olhardigital.com.br/2022/06/17/pro/empresa-verde-da-alemanha-anuncia-novas-tecnologias-para-uso-de-energia-renovavel/

ADS Energias Renováveis planeja expandir atuação em geração

A ADS Energias Renováveis (ADS ER) anunciou que vai expandir a atuação no mercado com o lançamento de um edital para compra de projetos de geração de energia eólica, solar e hidrelétrica. Atualmente, a ADS ER é capaz de gerar energia suficiente para abastecer uma população de aproximadamente 650 mil habitantes, com possibilidade de expansão. A meta é ampliar a capacidade de produção.

De acordo com a empresa, serão avaliados projetos que façam jus ao desconto de 50% na TUSD/TUST (Tarifa de Uso do Sistema de Transmissão). Atualmente, a ADS é responsável pelo Complexo Eólico Corredor do Senandes (CECS), que é formado pela constituição de quatro SPEs, Sociedades de Propósito Específico, que recebem outorga para explorar a geração de energia elétrica sob a forma de concessão ou de autorização, com capacidade instalada de 108MW de geração de energia a partir da força dos ventos. Dentro dos planos de expansão, a companhia informa que está em processo de licenciamento ambiental do projeto de expansão do CECS, que acrescentará até 90MW na capacidade de geração.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53215452/ads-energias-renovaveis-planeja-expandir-atuacao-em-geracao

A Enel fechou acordos para vender toda a sua participação na Enel Rússia. A transação conclui a venda de ativos de geração que somam 5,6 GW em capacidade instalada na fonte convencional e mais 300 MW de capacidade eólica em diferentes etapas de desenvolvimento.

O valor da transação é de cerca de 137 milhões de euros que serão pagos em dinheiro ao fechamento do negócio. Esse passo representa a continuidade da saída da empresa daquela região, iniciada em 2019 com a venda de uma usina a carvão.

A empresa detém o equivalente a 56,43% do capital social da empresa na qual atuava. Foram dois os acordos assinados, um com a PJSC Lukoil e o Fundo de Investimento Mútuo Gazprombank-Frezia.

Segundo comunicado, a empresa afirmou que essa transação está de acordo com o objetivo estratégico do grupo centrar a sua atividade, principalmente, em países onde uma posição integrada ao longo do cadeia de valor pode impulsionar o crescimento e aumentar a criação de valor a partir das oportunidades oferecidas pela transição energética.

O negócio deverá gerar um efeito positivo na dívida líquida consolidada de cerca de 550 milhões de euros e gerará um impacto no lucro líquido reportado de aproximadamente 1,3 bilhão de euros...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53215426/enel-fecha-acordo-para-sair-da-russia

Brasil é o 5º maior produtor de energia solar em 2021

O Brasil tornou-se o quinto maior produtor de energia solar em 2021, terminando o ano com cerca de 13 GW, segundo dados do relatório REN21. As novas adições (5,5 GW) foram puxadas principalmente pela geração distribuída (4GW), quando os painéis fotovoltaicos são instalados no local em que a energia será consumida. O setor residencial foi responsável pela maior parte das contratações (77,4%).

De acordo com o relatório, a energia solar distribuída cresceu no Brasil impulsionada, principalmente, por um aumento geral dos preços da eletricidade em decorrência da crise hídrica que impactou a capacidade hidrelétrica do país.

O relatório também mostrou que a captação de energia solar fotovoltaica continuou a crescer em toda a América Latina, apesar da lenta recuperação dos impactos da pandemia nos países da região. Os quatro países com melhor desempenho em capacidade recém-instalada foram Brasil (5,5 GW), México (1,8 GW), Chile (1,3 GW) e Argentina (0,2 GW).

No setor eólico, o Brasil está atrás apenas de China e Estados Unidos, um segmento que deve sua expansão em 2021 principalmente ao destravamento de investimentos offshore (em alto mar) em quase todas as geografias, inclusive no Brasil…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53215337/brasil-e-o-5o-pais-maior-produtor-de-energia-solar-em-2021

A Centrais Elétricas de Sergipe (CELSE) e a Transportadora Associada de Gás (TAG) assinaram um contrato para realizar uma conexão de acesso para interligação do terminal de GNL com a rede de gasodutos de transportes. O investimento estimado é de R$ 300 milhões.

O acordo prevê que TAG ficará responsável pela implementação de um gasoduto de aproximadamente 25 km e das infraestruturas de acesso necessárias para conectar o terminal de GNL da CELSE à sua malha de transporte de gás natural. Já a Celse deverá efetuar o pagamento mensal de uma Tarifa de Conexão a partir da entrada em operação do gasoduto, ao longo de 30 anos, para remunerar os investimentos que serão realizados pela TAG.

“Acreditamos no potencial do estado de Sergipe e no apetite dos agentes para desenvolver e atrair novos investimentos para o estado como um novo “hub” de gás natural no país. Com esta conexão de acesso à malha, fortalecendo a competição, liquidez, gestão de flexibilidade dos agentes através da confiabilidade da indústria de rede, o Estado de Sergipe reforça seu papel no cenário nacional promovendo a sustentabilidade econômica da cadeia de gás natural a longo prazo”, disse o diretor-presidente da TAG, Gustavo Labanca...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53215319/celse-e-tag-vao-investir-r-300-milhoes-em-interligacao-do-terminal-de-gnl-em-sergipe