20/03/2020

Novo complexo solar atrai mais de R$ 800 mi em investimentos na Bahia

O estado da Bahia receberá investimentos de R$ 827,8 milhões para projetos dentro do setor de energias renováveis, vindo de quatro empresas. Os protocolos de intenções foram assinados com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) na última terça-feira (17), numa iniciativa que promete gerar 1,4 mil empregos para a região. Segundo o vice-governador João Leão, secretário de Desenvolvimento Econômico, as assinaturas de protocolos são frutos concretos do trabalho de atração que o estado vem desempenhando.

“97,8% dos recursos serão destinados a implantação do complexo solar Sol do Sertão, em Oliveira de Brejinhos. Da terra do chocolate, em Ilhéus, a grande notícia é a ampliação da Mendoá Chocolates. Isso mostra que vale a pena trabalhar pela Bahia e pelos baianos”, informou...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53129871/novo-complexo-solar-atrai-mais-de-r-800-mi-em-investimentos-na-bahia

Geração de Energia Solar no Brasil pode quadruplicar até 2029

Segundo informações do Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2019-2029), divulgada em fevereiro pelo MME (Ministério de Minas e Energia), a capacidade instalada de placas solares no Brasil deverá crescer quatro vezes nos próximos dez anos.

Somente no segmento de geração distribuída, a geração deverá saltar dos atuais 2 GW (Gigawatts) para 11 GW, impulsionado pela queda de preços dos sistemas fotovoltaicos.

Na produção através de grandes usinas, as hidrelétricas, que hoje lideram a matriz brasileira com 58% da sua produção, deverão cair para 42% a sua participação no período.

Outra fonte de energia renovável que deverá crescer nos próximos anos segundo o estudo é a eólica, saltando de 9% para 16% de participação no mix de energia do país.

Por outro lado, o aumento estimado da geração por usinas térmicas a gás, de 7% para 14%, irá resultar na queda da participação das fontes limpas, que pode passar dos atuais 83% para 80% nesse prazo...

Fonte: Eco Debate

Leia mais em:

https://www.ecodebate.com.br/2020/03/20/geracao-de-energia-solar-no-brasil-pode-quadruplicar-ate-2029/

Epidemia já reduz projeção de demanda por eletricidade

O setor elétrico não deverá passar ileso da crise do coronavírus. Com a evolução da pandemia contaminando o ritmo de vários setores da economia, o mercado já começou a reduzir as projeções para a atividade econômica - que, por sua vez, está intimamente ligada ao comportamento da demanda de energia.

Um estudo da consultoria Thymos Energia, obtido pelo Valor, mostra que o consumo de energia pode sofrer uma redução de 1,6% a 14% em 2020, a depender da intensidade dos impactos do coronavírus sobre a economia. Antes de toda essa situação, a Thymos previa um aumento de 3% a 4% para a demanda no ano.

No cenário moderado traçado pela consultoria, o consumo deve cair 4% no ano. Essa estimativa leva em consideração, de um lado, um crescimento de 10% da demanda nas residências devido às orientações de quarentena e home office, e, de outro, uma queda de 30% no comércio e na indústria com a paralisação parcial desses setores...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=326732&sid=105

Elétricas têm mais um dia de desvalorização da B3

O índice de energia elétrica (IEEX) na B3 encerrou o pregão nesta quinta-feira, 19 de março, com queda de 0,32%, aos 55.938,56 pontos. Ontem, o IEEX fechou com desvalorização de 9,73%, aos 56.119,21 pontos. O mercado financeiro mundial segue impactado pelo avanço do coronavírus (Covid-19).

Apesar da queda menor nesta quinta, com exceção da Omega Geração (+0,58%), todas as demais elétricas perderam valor, com destaque para as desvalorizações de Eletrobras (29,44%), Light (27,62%) e Equatorial (14,65%).

Por outro lado, o principal índice da bolsa de valores de São Paulo, o Ibovespa, fechou em alta de 2,15%, aos 68.331,80 pontos.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53129959/eletricas-tem-mais-um-dia-de-desvalorizacao-da-b3