19/05/2021

Piloting 5G in distribution substation monitoring

The pilot, one of two use cases being implemented by Efacec as part of the European 5Growth initiative, was tested first in the lab and subsequently in a substation within the University of Aveiro on Portugal’s west coast.

The aim was to exploit two key features offered by 5G communication, low latency and high data throughput, in order to support real time telemetry and video streaming between a substation geographically dispersed from the control centre.

The pilot was carried out with Efacec equipment including GSmart smart controller and S3 LV sensor, along with an intrusion detector and HD camera in the substation. A 5G CPE in the substation provided connectivity to the University’s 5G stand-alone network to establish an end-to-end network.

Simulation of an intrusion detection via an open door signal at the substation demonstrated an immediate alert on the control centre operator’s interface with simultaneous status updates in other interfaces and records. The operator was then able to track down the source of the event on the line diagram of the substation and initiate video streaming from inside the substation for visual assessment...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/new-technology/piloting-5g-in-distribution-substation-monitoring/

AIE classifica como viável setor de energia neutro em carbono até 2050

O mundo tem um caminho viável para construir um setor de energia global com emissões líquidas zero em 2050, mas o espaço é estreito e requer uma transformação sem precedentes de como a energia é produzida, transportada e usada globalmente. Essa é a conclusão de um relatório especial da Agência Internacional de Energia, lançado hoje.

Segundo a publicação intitulada Net Zero by 2050: a roadmap for the global energy sector (disponível para download em inglês), as promessas climáticas dos governos até o momento ficariam bem aquém do que é necessário para trazer as emissões globais de dióxido de carbono (CO2) relacionadas à energia para zero até 2050.

O relatório trata sobre como fazer a transição para um sistema de energia neutro até 2050, garantindo suprimentos de energia estáveis ​​e acessíveis, fornecendo acesso universal à energia e permitindo um crescimento econômico robusto. E ainda, estabelece um caminho produtivo, resultando em uma economia de energia limpa, dinâmica e resiliente dominada por fontes renováveis ​​como a solar e eólica, em vez de combustíveis fósseis. O relatório também examina as principais incertezas, como os papéis da bioenergia, captura de carbono e mudanças comportamentais para chegar à neutralidade...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53173332/aie-classifica-como-viavel-setor-de-energia-neutro-em-carbono-ate-2050

Brasil pode se tornar o maior hub de energia renovável do mundo

Diante da tendência inevitável de transição energética para uma economia de baixo carbono, especialistas, empresários e acadêmicos convergem que o Brasil pode se tornar o maior hub de energia renovável do mundo.

O debate sobre como o país pode se posicionar mundialmente e atrair investimentos foi promovido pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) e tratou das alternativas do sistema elétrico brasileiro para essa nova economia. Hoje o setor elétrico brasileiro é responsável por apenas 3% das emissões de gases de efeito estufa, enquanto no mundo é de 25%.

Segundo Luiz Barroso, presidente da consultoria PSR, isso garante competitividade em relação ao resto do mundo, já que 85% da energia elétrica no Brasil é renovável. “A matriz elétrica brasileira é muito adaptada para a descarbonização de outros setores da economia. O grande desafio é utilizar esse potencial para descarbonizar o setor de transportes e alavancar novos setores energéticos”, diz.

Nesse mesmo raciocínio, a diretora presidente adjunta da Neoenergia, Solange Ribeiro, acrescenta que eletrificar a economia é a chave para o Brasil surfar nessa onda de transição energética. “Temos condição de ofertar para o resto do mundo renovável, com baixa pegada de carbono e competitividade”, afirma...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53173344/brasil-pode-se-tornar-o-maior-hub-de-energia-renovavel-do-mundo

ANEEL aprova realização de Leilões de Energia A-3 e A-4 em 25 de junho

O edital dos Leilões nº 6/2021-ANEEL e nº 7/2021-ANEEL, também chamados Leilões A-3 e A-4, de 2021, foi aprovado nesta terça-feira (18/5) pela Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL. Os leilões serão realizados em 25 de junho com transmissão ao vivo no portal da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) cadastrou 1.841 projetos para o certame, que totalizam 66.862 megawatts (MW) de potência.

O início de suprimento para o Leilão A-3 é em 1º de janeiro de 2024 e para o Leilão A-4, em 1º de janeiro de 2025.

O período de suprimento depende da fonte energética. Para os projetos eólico e solar fotovoltaico, que totalizam 64.519 MW de potência cadastrados, a possível contratação será na modalidade por quantidade com prazo de suprimento de 20 anos. Os projetos hidrelétricos, com 985 MW de potência cadastrados, também serão contratados por quantidade, com suprimento de 30 anos.

Para a fonte termelétrica à biomassa, com 1.358 MW cadastrados, os contratos serão por disponibilidade com suprimento de 20 anos. Veja neste vídeo como funcionam os leilões de geração da ANEEL…

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://bit.ly/33RwBQ3

Companhia de Energia do Amapá vai a leilão em 18 de junho

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social  (BNDES) lançou, nesta segunda-feira (17/05), o edital do leilão de privatização da Companhia de Energia do Amapá (CEA). O certame será em 18 de junho, na Bolsa de Valores de São Paulo (B3). O aporte mínimo exigido é de R$ 400 milhões.

De acordo com o edital, a desestatização da CEA é necessária para reverter a difícil situação operacional, econômica e financeira da companhia. O documento afirma também que a transferência de controle é fundamental para que a empresa retome a capacidade de investimento, atendendo plenamente os consumidores, e seja alcançada a universalização do serviço público de distribuição de energia elétrica no estado do Amapá.

Em 2020, o Amapá passou por um apagão que deixou vastas áreas do estado, inclusive a capital, Boa Vista, sem energia por vários dias. Mas, bem antes disso, a concessionária não estava conseguindo manter os índices de qualidade no fornecimento de energia.

Na tentativa de amenizar o prejuízo, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) não cobrou multas da companhia. Em 2019, a empresa registrou prejuízo de R$ 3,7 bilhões. A CEA é uma das últimas distribuidoras brasileiras de energia ainda sob controle estatal.

Poderão participar do leilão, como previsto no edital, pessoas jurídicas brasileiras ou estrangeiras, incluindo instituições financeiras, bem como fundos de investimento em participações (FIP) e entidades de previdência complementar, seja atuando isoladamente, seja em consórcio.

Fonte: Abinee - Correio Braziliense

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=338566&sid=105