18/07/2022

O hidrogênio verde virou o futuro para a energia, diz presidente da White Martins

O Brasil tem potencial para ser um grande exportador de energia à base de hidrogênio verde, basta “não fazer nada muito errado”, afirma Gilney Bastos, presidente da White Martins no Brasil e da Linde na América do Sul. A guerra na Ucrânia deu impulso ao desenvolvimento desta nova energia, feita a partir da decomposição da molécula da água, gerando hidrogênio e liberando oxigênio no ar.

Neste processo, é preciso usar outra fonte de energia, e aí está o diferencial do Brasil, com suas hidrelétricas e a geração solar e eólica, garantindo o “verde” da equação com renováveis. Bastos diz que onde houver projeto de hidrogênio no Brasil a White Martins estará.

A fabricante de gases industriais produz os equipamentos, como o eletrolisador, e a tecnologia que viabiliza exportar o hidrogênio verde em versão líquida, cujo custo é o fator-chave para o desenvolvimento em grande escala.

Diz ainda que cabe aos países compradores, como os europeus, subsidiarem a nova solução. Na sexta-feira, dias após a entrevista ao GLOBO ter sido concedida, a União Europeia anunciou um plano de € 5,4 bilhões (cerca de R$ 29 bilhões) para financiar projetos de hidrogênio...

Fonte: Abinee - O Globo

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=347652&sid=105

Solar ultrapassa usinas térmicas e se torna 3º maior fonte do Brasil

A energia solar ultrapassou as termelétricas de gás natural e de biomassa e se tornou a terceira maior fonte da matriz elétrica nacional, ficando atrás somente das hidrelétricas e das usinas eólicas, segundo dados da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica).

O mapeamento da entidade revela que a fonte já corresponde por 8,1% de toda a matriz, com 16,4 GW de potência instalada nos segmentos de geração distribuída (11,31 GW) e centralizada (5,09 GW).

Na comparação com o boletim de janeiro, o crescimento da solar em 2022 chama a atenção: foram exatos 3,4 GW instalados nos primeiros seis meses do ano, sendo quase 90% a partir de residências, fachadas e pequenos terrenos.

O crescimento da solar, assim como a de outras fontes, tem ajudado o Brasil a diversificar a matriz e fazer com que o país seja menos dependente das hidrelétricas. No ano passado, a falta de chuvas e o baixo nível dos reservatórios acendeu um alerta para essa importância...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/solar-ultrapassa-usinas-termicas-e-se-torna-3o-maior-fonte-do-brasil/

A Equatorial Energia anunciou nesta segunda-feira que seu conselho de administração elegeu Karla Bertocco Trindade para compor o colegiado, em substituição a Augusto Miranda, que renunciou à cadeira mas segue como presidente-executivo da companhia de energia elétrica.

Bertocco é atualmente sócia e diretora de infraestrutura e saneamento na Mauá Capital e conselheira da Orizon e da Companhia Rio Grandense de Saneamento (Corsan).

A executiva também já ocupou cargos em várias entidades da administração pública. Foi diretora de governo e infraestrutura do BNDES, presidente-executiva e conselheira da Sabesp, subsecretária de parcerias e inovação do governo de São Paulo e diretora-presidente das agências reguladoras paulistas Artesp e Arsesp.

Fonte: Isto É Dinheiro

Leia mais em:

https://www.istoedinheiro.com.br/equatorial-energia-elege-karla/

Nordeste bate novo recorde de geração de energia eólica, aponta ONS

A energia eólica no Nordeste bateu um novo recorde de geração instantânea (pico de geração), informou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Em 8 de julho, as turbinas eólicas produziram 14.167 megawatts (MW), o equivalente a 123,2% da demanda na região.

Esse montante é suficiente para suprir o consumo de energia de todo o Nordeste por um minuto, sobrando 23,2%. Por um minuto naquele dia, a região tornou-se exportadora de energia eólica para o restante do país.

Os dados ainda estão em fase de validação pelo ONS. Além do recorde eólico, o Nordeste atingiu o recorde de geração instantânea de energia solar. Às 10h28 da última terça-feira (12), a região produziu 2.963 MW solares. Isso equivale a 27,5% da demanda de todo o subsistema Nordeste naquele minuto.

Tradicionalmente, o mês de julho no Nordeste é conhecido como safra dos ventos, com ventos mais fortes no litoral da região impulsionando a produção de energia eólica. Esse foi o primeiro recorde de geração instantânea de energia eólica registrado em 2022.

O ONS não descarta a possibilidade de que outros recordes sejam alcançados nas próximas semanas.

Segundo a versão mais recente do Boletim Mensal de Energia, do Ministério de Minas e Energia, a participação da energia eólica na matriz energética deverá aumentar de 10,6% em 2021 para 11,9% em 2022. A participação da energia solar deverá subir de 2,5% para 3,9% na mesma comparação.

Fonte: CNN Brasil

Leia mais em:

https://www.cnnbrasil.com.br/business/nordeste-bate-novo-recorde-de-geracao-de-energia-eolica-aponta-ons/

O setor de energia solar espera um crescimento acelerado este ano no Brasil, especialmente nos sistemas de geração própria solar, em decorrência do aumento nas tarifas de energia elétrica e da entrada em vigor da Lei n° 14.300/2022, que criou o marco legal da geração própria de energia, conhecida como geração distribuída. Com isso, este mercado espera um aquecimento muito forte para o segundo semestre deste ano e também para 2023, porque a regra vale para acordos firmados até o fim do ano.

Além do período de transição previsto na lei, que garante até 2045 a manutenção das regras atuais aos consumidores que instalarem um sistema solar no telhado até janeiro de 2023, os constantes aumentos no valor da conta de energia elétrica dos brasileiros são indicadores primordiais para o investimento em novas fontes de energia ainda neste ano.

De acordo com dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), nos últimos dez anos, a tarifa residencial aumentou 82%. O custo do megawatt-hora passou de R$ 340,90, em 2011, para R$ 622,20, em 2021...

Fonte: Exame

Leia mais em:

https://exame.com/esg/estamos-no-melhor-momento-para-investir-em-energia-solar/

Sachsida anuncia ações para criação de novo marco legal do setor elétrico

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, anunciou a criação de quatro grupos de trabalho, em conjunto com as entidades e empresas que integram o setor de energia, para a construção de dez projetos de lei com o objetivo de aperfeiçoar o marco legal energético brasileiro.

O anúncio ocorreu durante a abertura do Fórum Energias Limpas, Renováveis e Emissão Zero 2050, promovido pelo INEL (Instituto Nacional de Energia Limpa) na última quarta-feira (13), em Brasília (DF).

O evento reuniu as principais instituições do setor no país para debater estratégias a fim de alcançar uma matriz energética 100% limpa e sustentável.

Hoje, no Brasil, a participação das fontes renováveis na matriz elétrica nacional representa cerca de 80% do total. Durante o seu discurso, o ministro destacou a importância da agenda ambiental para o governo e convidou os participantes do fórum para discutir, por seis meses, as necessidades do setor…

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/sachsida-anuncia-acoes-para-criacao-de-novo-marco-legal-do-setor-eletrico/

Aneel vai analisar impactos da pandemia para sete distribuidoras

A Agência Nacional de Energia Elétrica abriu processo para analisar pedidos de revisão tarifária extraordinária de sete distribuidoras, em razão dos impactos da pandemia do coronavírus. A solicitações que serão avaliadas no mérito pela autarquia foram feitas por Celpe (PE), Coelba (BA), Cosern (RN), Copel (PR), Enel Rio (RJ), Light (RJ) e Neoenergia Brasília (DF).

A admissibilidade da RTE está em despacho publicado pela autarquia no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 15 de julho.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53218660/aneel-vai-analisar-impactos-da-pandemia-para-sete-distribuidoras