17/11/2021

Leilão de Transmissão com investimento de R$ 2,9 bi é confirmado para 17 de dezembro

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL realizou nesta terça-feira (16/11) a aprovação final do edital do Leilão de Transmissão nº 2/2021, para a construção e a manutenção de 902 quilômetros em linhas de transmissão e de 750 megavolt-ampères (MVA) em capacidade de transformação de subestações. A deliberação é o último passo necessário para o certame, após o envio da documentação para verificação do Tribunal de Contas da União (TCU). O leilão será em 17 de dezembro na sede da B3, em São Paulo.

Os cinco lotes no edital possuem expectativa de investimento de R$ 2,9 bilhões, com a previsão de criação de 6.607 empregos diretos. Os empreendimentos, com prazo de conclusão de 36 a 60 meses, contemplarão os estados do Amapá, Bahia, Minas Gerais, Paraná e São Paulo. Um dos destaques do certame é o Lote 5, no Amapá, referente à construção da linha de transmissão Macapá - Macapá III, com 10 km, e à subestação Macapá III, com transformação de 2 x 150 MVA. A inclusão do lote visa a solucionar o atendimento elétrico à região de Macapá, a fim de evitar ocorrências como as registradas em 2020 na região...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://bit.ly/3DrAQSs

Enel amplia em 197% as identificações de fraudes e furtos de energia até setembro de 2021

A Enel Distribuição São Paulo, concessionária de energia elétrica que atua em 24 municípios da Grande São Paulo, realiza constantemente ações de combate às fraudes e furtos de energia em toda a área de concessão. De janeiro a setembro deste ano, a distribuidora realizou 255,7 mil inspeções em sua área de concessão.

Levantamento interno da companhia aponta que com as ações desenvolvidas foi possível identificar 34.456 irregularidades no período, um aumento de 197% em relação às 11.615 fraudes encontradas no mesmo período do ano passado. Com isso, a Enel Distribuição São Paulo conseguiu recuperar 127,1 GWh de energia, o que representa um crescimento de 186% frente aos 44,4 GWh de volume de energia recuperado no mesmo período de 2020.

O volume de energia recuperado pela distribuidora até setembro de 2021 seria suficiente para abastecer cerca de 70,6 mil residências por um ano com consumo médio mensal de 150/kWh. Entre os principais fatores que explicam o aumento do número de fraudes identificadas estão mudanças em procedimentos operacionais internos, a ampliação das inspeções e a piora na condição socioeconômica, agravada pelos impactos negativos da pandemia do novo coronavírus...

Fonte: Abc do Abc

Leia mais em:

https://www.abcdoabc.com.br/abc/noticia/enel-amplia-197-identificacoes-fraudes-furtos-energia-ate-setembro-2021-140262

Aneel aprova edital de leilão para contratar potência e energia de usinas termelétricas

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (16), por unanimidade, o edital do leilão de Reserva de Capacidade de 2021. O certame está marcado para 21 de dezembro e é voltado para a contratação de usinas termelétricas.

Os contratos terão duração de 15 anos e o prazo de fornecimento começa em julho de 2026 (para o produto potência) e janeiro de 2027 (para o produto energia). O edital será publicado pela agência na próxima quinta-feira (18).

Será o primeiro leilão do governo para contratação de reserva de capacidade do produto potência. Essa modalidade foi regulamentada via decreto presidencial em abril deste ano.

O objetivo é aumentar a segurança do sistema elétrico nacional, garantindo o fornecimento de energia em momentos de pico ou de falhas, por exemplo.

Para isso, serão negociados dois tipos produtos no leilão:

  • produto energia - entrega da energia elétrica produzida pela usina, como já acontece em outros leilões. Podem participar usinas termelétricas novas, com inflexibilidade operativa de até 30%;

  • produto potência - entrega de disponibilidade de potência. A usina fica disponível para ser acionada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) imediatamente, sempre que for necessário, como em horários de pico ou momentos de falhas do sistema. Podem participar usinas termelétricas novas ou existentes, com flexibilidade operacional; e usinas termelétricas novas com inflexibilidade operativa de até 30%, desde que vencedoras do produto energia...

Fonte: G1

Leia mais em:

https://g1.globo.com/economia/noticia/2021/11/16/aneel-aprova-edital-de-leilao-para-contratar-potencia-e-energia-de-usinas-termeletricas.ghtml

Setor adota rotinas enquanto discute regulamentação da cibersegurança

A Agência Nacional de Energia Elétrica espera aprovar ainda em 2021 a regulamentação sobre segurança cibernética no setor elétrico. Já existe, no entanto, uma interação da Aneel com o Operador Nacional do Sistema Elétrico, que implantou em julho desse ano uma rotina operacional estabelecendo os requisitos mínimos de segurança cibernética.

Para lidar com o desafio da digitalização do setor, o operador construiu um modelo de jornada digital num contexto de transição energética, explicou o diretor de Tecnologia da Informação do ONS, Marcelo Prais, durante apresentação no Brazil Windpower. Ele disse que a parceria com a agência reguladora tem permitido avançar muito no setor.

Prais destacou que operador tem um papel central nas iniciativas de digitalização e protagonismo nesse ecossistema digital. Em 2019, a instituição apresentou uma primeira proposta à Aneel de requisitos mínimos para a regulação da segurança cibernética.

Além de contribuir na consulta pública da agência, o ONS também subsidiou a resolução do Conselho Nacional de Política Energética com diretrizes sobre o tema. “Já prevemos uma evolução em conjunto com a Aneel daquilo que é necessário no médio e longo prazos.”…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53193787/setor-adota-rotinas-enquanto-discute-regulamentacao-da-ciberseguranca

Resultado da COP26 ficou abaixo das expectativas

Apesar de avanços significativos, os resultados da 26ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre o Clima (COP26) ficaram aquém do esperado por empresários, especialistas e ambientalistas. O texto final publicado após duas semanas de negociações em Glasgow, na Escócia, teve pontos importantes em relação ao tema do uso dos combustíveis fósseis, mas não atende às reivindicações dos países pobres por justiça climática e não garante o objetivo de limitar o aquecimento global a 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais.

Soma-se que o Brasil ficou de fora e as negociações ficaram com a diplomacia, fato que deixou o país enfraquecido em relação ao mundo. O Brasil também foi protagonizou o que especialistas consideram como “pedalada climática”, pois voltou à meta que tinha sido apresentada em 2015 apresentando como ambição ambiental ao mundo.

Entre os avanços conquistados em Glasgow, os ambientalistas destacam duas declarações importantes para a mitigação dos gases de efeito estufa como carbono e metano: a primeira, o Brasil se compromete a zerar e reverter o desmatamento no mundo até 2030; a segunda estipula o corte de emissões globais de metano de 30% em 2030 em relação aos níveis de 2020...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53193776/resultado-da-cop26-ficou-abaixo-das-expectativas

Light comemora redução de perdas e indicadores de qualidade

Executivos da Light comemoraram os resultados positivos relacionados às perdas de energia e aos indicadores de qualidade da distribuidora do grupo, no terceiro trimestre desse ano. Os indicadores DECi e FECi tiveram no período os melhores resultados dos últimos 20 anos, ficando abaixo dos limites estabelecidos pela Agência Nacional de Energia Elétrica.

As perdas totais no trimestre foram reduzidas em 198 GWh, 0,17 ponto porcentual, em relação ao segundo trimestre, e o índice de queda atingiu nos 12 meses finalizados em setembro 26,67%. Já a arrecadação total no mesmo período chegou a 96,2%, com crescimento de 1,3 p.p. de julho a setembro desse ano.

A explicação para a melhoria dos indicadores seria a execução do plano de investimentos, com modernização de redes e subestações, centralização da operação e ações de manutenção.

O diretor presidente da Light, Nonato Castro, disse em teleconferência na sexta-feira passada, 12 de novembro, que a distribuidora avançou no combate ao furto de energia e no aumento da arrecadação, ampliando significativamente o número de regularizações em hotéis, motéis, residências de luxo e também em algumas comunidades, onde a empresa tem procurado maior aproximação com os moradores. Foram no período 219.245 casos envolvendo ligações irregulares para o furto de energia...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53193698/light-comemora-reducao-de-perdas-e-indicadores-de-qualidade

Vestas mira potencial eólico no mar do Brasil

Líder mundial em turbinas eólicas, a dinamarquesa Vestas pretende ser um player importante do mercado brasileiro de energia eólica em alto mar (offshore). Essa nova frente do segmento começou a engatar e deve ganhar uma regulamentação até fim do ano.

Em entrevista ao Valor, o CEO global da companhia, Henrik Andersen, destacou a eólica offshore e o hidrogênio verde como tecnologias fundamentais para o processo de transição energética global e que, em sua avaliação, encontrarão terreno fértil no Brasil.

O executivo esteve há duas semanas com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, na COP26, em Glasglow, antes de desembarcar no Brasil para uma série de reuniões. Segundo Andersen, o governo brasileiro deve lançar um programa “realista” para eólica offshore, tanto em prazos quanto em capacidade instalada. Para ele, os compromissos indicados pelo ministro poderão viabilizar, daqui a alguns anos, a produção local de aerogeradores voltados a esses empreendimentos.

Atualmente, a Vestas tem uma unidade industrial em Aquiraz (CE), onde fabrica aerogeradores de até 4,2 megawatts (MW) de potência para usinas terrestres, modelo que se adaptou bem aos ventos brasileiros. Os equipamentos para offshore, porém, têm outra escala: eles podem atingir até 15 MW. E o diâmetro do rotor supera facilmente 200 metros. Por isso, para fabricá-los, seriam necessários investimentos em novas linhas produtivas...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=343173&sid=105