17/05/2021

Cidades do futuro demandam energia inteligente

A construção de infraestrutura para as cidades do futuro passa pela digitalização da distribuição de energia. Redes inteligentes, as “smart grids”, estão transformando um modelo que vigorou por décadas no setor elétrico, ao viabilizarem gestão automatizada do consumo, geração distribuída e ganhos de eficiência. Aplicações de realidade virtual e aumentada, inteligência artificial, drones subterrâneos e internet as coisas prometem mudar radicalmente a forma como as redes são construídas e operadas.

A Enel Distribuição, em parceria com a Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (Certi), está testando essas novas tecnologias no bairro da Vila Olímpia, em São Paulo, em um projeto que se baseia no conceito de “gêmeos digitais” - a representação virtual de equipamentos, máquinas ou processos do sistema físico.

Em alguns anos, empresas de energia, água, gás e controle de trânsito poderão integrar o uso de seus sistemas de realidade virtual e aumentada. “Óculos especiais vão permitir que o técnico ‘veja’ os cabos embaixo da terra e detecte um vazamento de água perto da rede elétrica, por exemplo”, diz o gerente de negócios da Certi, Marcos Aurélio Izumida Martins...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=338523&sid=105

Cenário crítico indica déficit de oferta de energia no fim do ano

A autorização dada pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) no início do mês para que sejam utilizados todos os recursos disponíveis de geração de energia - sem importar quanto isso custará para o consumidor - considerou os cenários mais críticos de abastecimento do país até o fim do ano. Em ofício obtido pelo Valor, o Operador Nacional do Sistema (ONS) alerta o governo para o risco de déficit na oferta de energia nos últimos meses de 2021, com destaque para o desfalque de 12,7 Gigawatts (GW) de potência em novembro.

No sistema elétrico, a oferta de potência é importante para garantir a segurança do suprimento. Isso geralmente vem das usinas termelétricas, dada a sua capacidade de gerar energia de forma contínua, enquanto tiver combustível, ou mesmo das hidrelétricas, com água no reservatório.

Diante disso, o déficit de potência projetado precisará ser coberto, basicamente, por térmicas - mais poluentes e mais caras. Nessa hora, fontes com oscilação no suprimento, como eólica e solar, ajudam, mas não resolvem...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=338525&sid=105

Privatizações: é dada largada para venda de cia de energia do Amapá

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) lançou nesta segunda, dia 17, o edital do leilão da Companhia de Energia do Amapá (CEA), uma das poucas distribuidoras de energia ainda sob controle estatal. O certame será realizado no dia 18 de junho, na B3, a bolsa de valores, em São Paulo. Como era esperado, o edital prevê um aporte mínimo de capital de 400 milhões de reais. O objetivo é atrair "bons investidores" e afastar os oportunistas, segundo o BNDES.

O leilão da CEA deve representar uma oportunidade para que o grupo vencedor possa explorar  oportunidades no setor de infraestrutura na região, principalmente no que se refere a novos projetos no mercado de saneamento básico, na visão do banco.

O programa de privatização da CEA passou por alguns desafios, como a negociação da dívida da estatal, que chega a 2,3 bilhões de reais. Foi feito um acordo com os credores que definiu um desconto de metade do valor a ser pago...

Fonte: Exame

Leia mais em:

https://exame.com/brasil/privatizacoes-e-dada-largada-para-venda-de-cia-de-energia-do-amapa/

Governo cria empresa pública para coordenar setor de energia nuclear

O Diário Oficial da União desta segunda-feira (17) registra o lançamento de uma nova empresa pública, lançada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. Trata-se da ANSN (Autoridade Nacional de Segurança Nuclear), que tem como finalidade, segundo a MP (Medida Provisória) no 1.049, "monitorar, regular e fiscalizar a segurança nuclear, a proteção radiológica e a das atividades e das instalações nucleares de atividades nucleares, materiais nucleares e fontes de radiação no território nacional".

De acordo com a MP do governo, a autarquia federal, com atuação em todo o país, contará com patrimônio próprio, autonomia administrativa, técnica e financeira e terá sede na cidade do Rio de Janeiro (RJ).

Entre as atribuições da nova empresa estão as de estabelecer normas e requisitos específicos sobre segurança nuclear, proteção radiológica, editar normas e conceder licenças e autorizações para a transferência e o comércio interno e externo de minerais. Caberá a ela ainda permitir ou rejeitar construções de instalações nucleares e criar planos de emergência nuclear e radiológica…

Fonte: R7

Leia mais em:

https://noticias.r7.com/brasil/governo-cria-empresa-publica-para-coordenar-setor-de-energia-nuclear-17052021

Neoenergia concentra gestão de ativos em centro integrado

A Neoenergia está realizando uma série de atualizações no Centro de Gerenciamento de Redes Inteligentes (Cegri). O espaço, que fica na sede da Coelba, em Salvador, centraliza o gerenciamento das operações de telecomunicações e de redes inteligentes das distribuidoras do grupo. Agora, o local passará a concentrar também a gestão e monitoramento dos ativos digitais. Isso significa que todos os equipamentos digitais utilizados nas operações das redes de energia, tais como religadores, medidores, sensores e transformadores inteligentes, vão ser geridos pelo Cegri.

Segundo a Neoenergia, a iniciativa contribui para o controle da performance dos ativos e é integrada ao Centro de Inovação da Iberdrola – controladora da Neoenergia – localizado no Qatar, onde existem supercomputadores que analisam os dados dos equipamentos e contribuem na manutenção preditiva, antecipando possíveis falhas e ocorrências. A atualização do Cegri integra um projeto global da Iberdrola para que todos os centros da companhia ao redor do mundo – Espanha, Reino Unido e Estados Unidos – também passem a monitorar os ativos digitais.

Ainda de acordo com a empresa, o Cegri pode ser operado remotamente a partir da Coelba (BA), Celpe (PE), Cosern (RN), Elektro (SP/MS) e, em breve, passará a contar com integração total ao sistema da nova distribuidora do grupo, a Neoenergia Distribuição Brasília (DF).

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53173078/neoenergia-concentra-gestao-de-ativos-em-centro-integrado

Shell investe forte em energia renovável no Brasil e solicita nove novas usinas de energia solar fotovoltaicas em Minas Gerais

Com grandes investimentos na energia renovável, a Shell registrou, junto a Aneel, o pedido de aquisição de nove usinas de energia solar fotovoltaicas em Minas Gerais, no município de Corinto. A ideia da petroleira é que novos investimentos no mercado de energia renovável possam reduzir os níveis acentuados de CO2 da atmosfera.

O pedido da Shell de energia renovável prevê a instalação do complexo solar Electra, que contará com uma usina de potência instalada de 24,06 MW e outras oito usinas com potência instalada de 48,1 MW. Ao total, são 40 pedidos feitos pela Shell a respeito de instalação de usinas de energia solar fotovoltaicas no país.

Os pedidos somarão, quando prontos, 1,823 GW de potência instalada e só em Minas Gerais serão 1,5 GW de potência instalada, o restante será no estado da Paraíba. Globalmente, a Shell pretende investir US$ 3 bilhões por ano em projetos que envolvem energia renovável a partir deste ano…

Fonte: Click Petróleo e Gás

Leia mais em:

https://clickpetroleoegas.com.br/shell-investe-forte-em-energia-renovavel-no-brasil-e-solicita-nove-novas-usinas-de-energia-solar-fotovoltaicas-em-minas-gerais/

Subsídio a painel de energia solar está na mira do Congresso e abre disputa no setor

A discussão na Câmara do novo marco regulatório da geração distribuída de energia elétrica, modelo em que consumidores instalam painéis solares em suas casas ou empresas integrados à rede local, tem levado a uma guerra de pressões setoriais sobre deputados a respeito de como devem ser tratados os subsídios que beneficiam hoje esse segmento de fonte renovável.

O tema vem ganhando relevância com o rápido crescimento da geração solar no país, que contribui para a predominância das fontes renováveis na matriz energética brasileira.

A potência instalada saltou de 1.160 MW em 2017 para 8.813 MW este ano, sendo que 62% da marca atual são de geração distribuída.

As regras atuais desse tipo de geração, elaboradas em 2012, preveem uma espécie de subsídio cruzado.

A proposta de marco regulatório prevê uma transição para acabar com esse subsídio em um prazo que varia entre um e oito anos, mas estipula que os projetos que entrem em vigor até um ano depois da aprovação da legislação se beneficiem da regra atual…

Fonte: O Globo

Leia mais em:

https://oglobo.globo.com/sociedade/um-so-planeta/subsidio-painel-de-energia-solar-esta-na-mira-do-congresso-abre-disputa-no-setor-25019932

Especialistas afirmam que ausência de ações concretas é um obstáculo para que Brasil receba mais investimentos em economia verde

De acordo com análise realizada por especialistas da consultoria PSR durante workshop proporcionado pelo Canal Energia no dia 10 de maio, a ausência de ações concretas é um obstáculo para que o território brasileiro receba mais investimentos em economia verde. O evento debateu, entre outras temáticas, o objetivo de transformação energética dentro da agenda global de descarbonização e as potenciais oportunidades para o Brasil nessa conjuntura.

“Vemos interesse de diversos setores da economia nessa agenda e os programas de estímulo econômico explicitamente direcionam recursos para uma economia verde. O Brasil tem papel de destaque nesse cenário, mas precisa fazer o dever de casa para ter credibilidade com os investidores internacionais”, assinalou Gabriel Cunha, gerente de projetos na PSR…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-renovavel/especialistas-afirmam-que-ausencia-de-acoes-concretas-e-um-obstaculo-para-que-brasil-receba-mais-investimentos-em-economia-verde.html

Enel Ceará é multada em mais de R$ 22 milhões por interrupções no fornecimento de energia

A Enel Distribuição Ceará foi multada em R$ 22.139.181,58 pela Agência Reguladora do Estado do Ceará (Arce) por irregularidades no fornecimento de energia elétrica. O valor é a maior multa já aplicada pelo órgão, mas ainda cabe recurso.

A decisão, desta quinta-feira (13), foi tomada após fiscalização realizada em janeiro de 2020. Os fiscais constataram que o número de interrupções do fornecimento e a duração delas estavam em desacordo com dois indicadores (DEC e FEC) da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Os índices são estabelecidos para que as concessionárias mantenham um padrão de qualidade na prestação do serviço. O DEC indica o número de horas em média que um consumidor fica sem energia elétrica durante um período, geralmente mensal. Já o FEC mostra quantas vezes, em média, houve interrupção na unidade consumidora…

Fonte: Diário do Nordeste

Leia mais em:

https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/negocios/enel-ceara-e-multada-em-mais-de-r-22-milhoes-por-interrupcoes-no-fornecimento-de-energia-1.3085853