16/11/2020

Geração solar distribuída cresce 172% no Ceará

O número de residências e estabelecimentos comerciais que geram a própria energia com painéis solares (geração distribuída) mais do que dobrou no Ceará nos últimos 12 meses, registrando um crescimento significativamente acima da média nacional. Segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o segmento de geração distribuída aumentou 172% no Estado, enquanto no País o avanço foi de 136% no mesmo período. No Ceará, as residências lideram as unidades consumidoras (70%), o equivalente a 7.867 unidades, o comércio responde por 21%, com 2.365 e o restante está dividido entre consumidores rurais, industriais e pelo setor público.

O Estado conta com 178 municípios com sistemas de geração distribuída, conforme a Aneel somando 11.162 unidades consumidoras com o sistema totalizando uma potência de 135,4 megawatts (MW). 

O Ceará ocupa a 10ª posição no ranking estadual de geração distribuída e o segundo do Nordeste, atrás apenas da Bahia, que conta com 14.776 unidades. Fortaleza abriga quase um terço das unidades consumidoras de geração distribuída fotovoltaica, com 3.234 sistemas. Em seguida aparecem, Juazeiro do Norte, com 593, Eusébio, com 688, Aquiraz, com 207 e Iguatu, com 457 unidades. Com 37 MW de potência instalada, Fortaleza é o quarto município brasileiro com maior capacidade de geração fotovoltaica, atrás apenas de Uberlândia (MG), com 48,6 MW, Cuiabá (MT), com 43,4 MW, e Rio de Janeiro, com 37,1 MW...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-renovavel/geracao-solar-distribuida-cresce-172-no-ceara.html

Energia solar e eólica são as fontes mais acessíveis, aponta estudo

A energia solar fotovoltaica e a eólica são as fontes renováveis mais acessíveis. É o que apontou o último levantamento realizado pela Lazard, empresa internacional de consultoria financeira.

O relatório é composto de análises comparativas de LCOE (custo nivelado de energia) para várias tecnologias de geração em uma base US$/MWh, incluindo sensibilidades para subsídios fiscais federais dos Estados Unidos, preços de combustível, precificação de carbono e custos de capital. 

Segundo a Lazard, o custo não é representado por um preço concreto, mas sim por uma gama de preços estimados nas circunstâncias aplicadas.

Traçando um comparativo, sem considerar subsídios, preços de combustível ou preço de carbono, a fonte fotovoltaica, em escala de utilidade, silício de filme fino e cristalino, bem como a eólica, possuem o LCOE mais baixo de todas as fontes consideradas... 

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/noticias/item/1212-energia-solar-e-eolica-sao-as-fontes-mais-acessiveis-aponta-estudo

Furnas, da Eletrobras, contrata energia de quase 1 GW em usinas solares em leilão

A estatal Furnas, da Eletrobras ELET6.SA>, fechou contratos de longo prazo para a compra da produção futura de novas usinas solares que serão construídas por terceiros e somarão quase 1 gigawatt em capacidade instalada, após um leilão privado realizado pela companhia na semana passada.

O movimento de Furnas segue-se a outras licitações semelhantes de elétricas como Copel, Cemig e Engie, que têm buscado comprar energia renovável para posterior negociação no chamado mercado livre de eletricidade, onde grandes empresas como indústrias negociam diretamente seu suprimento junto a geradores e comercializadores de energia.

A elétrica informou em comunicado no sábado que o leilão, promovido na quinta-feira, selou a compra de energia junto a 15 empreendimentos solares por prazo de 15 anos, para comercialização a partir de 2024...

Fonte: Extra

Leia mais em:

https://extra.globo.com/economia/furnas-da-eletrobras-contrata-energia-de-quase-1-gw-em-usinas-solares-em-leilao-24748897.html

A Eletronorte e a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) começaram, neste final de semana, a instalação de um parque de geração térmica, que pode gerar a carga que falta para restabelecer o fornecimento de 100% de energia em todo o Amapá. A estrutura deve funcionar até que o problema na subestação administrada pela empresa Gemini Energy, onde aconteceu o incêndio que provocou o apagão, seja definitivamente resolvido. De acordo com a Eletronorte, isso será possível após a compra, de forma emergencial, de 45 megawatts (25 megawatts para a subestação de Santana e outros 20 megawatts para a de Santa Rita), após autorização do governo federal. Esta contratação extraordinária corresponde à quantidade necessária para que se atinja a capacidade de 260 megawatts para produção energética final em Macapá.

"Hoje estamos montando toda a infraestrutura para a entrada da geração térmica. Estamos aguardando a chegada desses megawatts que foram contratados, e estamos nessa operação de guerra para tentar normalizar 100% a geração de energia para o estado", afirmou o gerente regional da Eletronorte, Marcos Nascimento Branche…

Fonte: Uol

Leia mais em:

https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2020/11/15/ap-comeca-a-montar-usina-termica-para-tentar-restabelecer-100-da-energia.htm

Blecaute no AP deve por à mostra outras fragilidades

A investigação do acidente que desconectou o Amapá do Sistema Interligado na semana passada pode revelar mais do que a causa aparente do desligamento, ainda em apuração. Além da análise técnica que está sendo conduzida pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico, uma auditoria do Tribunal de Contas da União se propõe a lançar luz sobre “possíveis irregularidades/fragilidades na atuação do Poder Público”, o que inclui o trabalho de fiscalização da Agência Nacional de Energia Elétrica, a atuação do ONS e a responsabilidade do Ministério de Minas e Energia e da Empresa de Pesquisa Energética no planejamento de expansão.

O TCU quer saber, por exemplo, se esses órgãos agiram como deveriam, “tendo em vista a importância das instalações afetadas para o atendimento da carga do Amapá”, se os meios de fiscalização são suficientes para inibir ocorrências desse tipo e se o planejamento e a operação precisam de aprimoramentos para evitar que situações semelhantes voltem a acontecer.

Sem contar a auditoria do tribunal, a ocorrência já está passando por pelo menos três fontes de avaliação de peritos: a do operador junto com a Aneel, uma perícia contratada pela controladora da concessionária Linhas de Macapá Transmissão de Energia e o inquérito da Polícia Civil do estado, que levantou suspeita de superaquecimento de uma peça como causa do incêndio na subestação Macapá…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53154210/blecaute-no-ap-deve-por-a-mostra-outras-fragilidades

Leilão da CEB-D é postergado para 4 de dezembro

A CEB informou que o cronograma do leilão de privatização de sua distribuidora foi alterado. Agora as interessadas na aquisição da concessionária têm até o dia 1 de dezembro para entregas os envelopes estabelecidos pelo edital à B3. A sessão pública de abertura desses volumes está agendada para o dia 4 de dezembro. Com isso, outras datas do cronograma foram postergadas. A publicação do resultado definitivo do leilão ficou para até 14 de janeiro e a assinatura do termo aditivo ao contrato de concessão para até 5 de março de 2021.

A empresa justifica que os resultados financeiros do 3º trimestre, que demonstra os resultados pós período agudo do isolamento social em função da pandemia, são importantes para os investidores avaliarem a resposta da concessionária à situação.

Outra questão que a CEB destacou é que suspendeu a seleção interna para o aproveitamento de cerca de 110 empregados da CEB Distribuição para a subsidiária recém-criada CEB Iluminação Pública e Serviços. Essa decisão decorre de uma representação do STIU-DF junto ao Ministério Público do Trabalho que questiona a seleção interna. Além da transferência, a holding explica que esse processo visaria manter em operação as demais empresas do grupo CEB que permanecem controladas pelo GDF…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53154108/leilao-da-ceb-d-e-postergado-para-4-de-dezembro

Assinado edital do leilão de transmissão que vai gerar R$ 7,34 bi em investimentos

O diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, assinou nesta sexta-feira (13/11) o edital do Leilão de Transmissão nº 1/2020, que será publicado na edição de segunda-feira (16/11) do Diário Oficial da União.

O certame marcará a retomada dos investimentos no pós-pandemia, que devem somar  R$ 7,34 bilhões na construção das instalações, com a geração de cerca de 15 mil empregos diretos.

Previsto para ocorrer em 17 de dezembro, na B3, em São Paulo, o leilão negociará 11 lotes, com a contratação de 1.959 km de linhas de transmissão e 6420 megavolt-ampères (MVA) em capacidade de transformação.

A redação final do edital havia sido aprovada pela diretoria colegiada da ANEEL na última terça-feira (10/11).

Os lotes compreendem investimentos em nove estados: Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Fonte: Aneel

Leia mais em:

bit.ly/35qvok9