16/08/2021

CCEE teme efeitos da crise hídrica sobre mercado

O presidente do conselho de administração da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), Rui Altieri, afirmou que a preocupação maior, hoje, não é com um eventual apagão de energia no país, mas com um possível desequilíbrio do mercado devido ao aumento da exposição dos agentes aos elevados preços de energia de curto prazo.

“A preocupação maior nossa na Câmara de Comercialização não é com o atendimento físico, com o abastecimento de energia elétrica, mas com os rebatimentos comerciais... Quando o preço fica por longos períodos no piso ou no teto, enfrentamos dificuldades comerciais. Nossa expectativa é que desde julho até o fim do ano, o preço fique próximo ou no limite superior da nossa faixa. Isso causa preocupações, são momentos de atenção”, afirmou...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=340891&sid=105

Ministro de Minas e Energia vai aos EUA convencer petroleiras a participar de leilão do pré-sal

Na tentativa de evitar que o leilão de dois grandes campos do pré-sal na Bacia de Santos, no litoral fluminense, em dezembro, volte a fracassar, como ocorreu em 2019, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, faz um road show pelos EUA em busca de investidores.

Acompanhado dos ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) Bruno Dantas e Walton Alencar, de representantes da Agência Nacional de Petróleo (ANP) e da estatal PPSA (que cuida dos contratos do pré-sal), Albuquerque participa da OTC, principal evento mundial do setor de óleo e gás.

Ele diz já ter marcados encontros com quatro petroleiras, a pedido das companhias, para tratar do leilão: a americana ExxonMobil, a colombiana Ecopetrol, a francesa Total e a chinesa CNOOC...

Fonte: O Globo

Leia mais em:

https://oglobo.globo.com/economia/ministro-de-minas-energia-vai-aos-eua-convencer-petroleiras-participar-de-leilao-do-pre-sal-25156671

Hidrogênio "azul" é fonte de energia pior que carvão, afirmam pesquisadores nos EUA

Muitas empresas, associações e governos vêm propondo o uso do hidrogênio como combustível limpo -- esse grupo inclui o Conselho do Hidrogênio, o consórcio HydroGEN nos Estados Unidos e o consórcio Hydrogen Europe. Mas obter o gás requer uso de energia, o que pode tornar o processo poluente.

Defensores desse combustível sugerem que estratégias de transição rumo à economia limpa incluam o "hidrogênio cinza" (obtido com a queima de gás natural, um combustível fóssil, e sem a captura do carbono resultante, liberado na atmosfera) e "hidrogênio azul" -- que, na visão de seus defensores, seria mais limpo que a versão "cinza", por pressupor a captura e armazenagem do carbono, processo conhecido pela sigla em inglês CCS. Dois pesquisadores americanos, porém, publicaram um estudo afirmando que o "hidrogênio azul" é um combustível sujo e será um grande contribuidor da crise climática, em qualquer cenário...

Fonte: Época Negócios

Leia mais em:

https://epocanegocios.globo.com/Tecnologia/noticia/2021/08/hidrogenio-azul-e-fonte-de-energia-pior-que-carvao-afirmam-pesquisadores-nos-eua.html

Unipar quer produzir 70% da energia que consome no país

A Unipar Carbocloro está ganhando musculatura como autoprodutora e pretende gerar 70% da energia que consome no Brasil nos próximos anos, sempre de fonte limpa e renovável. A companhia constituiu joint ventures com a AES Brasil e com a Atlas Renewable Energy, para a construção de um parque eólico e outro solar, e pretende fechar um terceiro projeto até o fim do ano, alcançando a marca de 70%, disse ao

“Estamos acelerando todas as iniciativas que resultem em maior sustentabilidade da empresa”, afirmou. Com os projetos já assinados no Brasil, a Unipar vai produzir 50% de suas necessidades de energia - na Argentina, o percentual está em 50%, mas não renovável.

Maior produtora de cloro e soda da América do Sul e segunda maior fornecedora de PVC, a Unipar tem na energia um insumo estratégico e combinou, na estratégia de autoprodução, o desejo de reduzir sua pegada de carbono e garantir o acesso ao recurso…

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=340840&sid=105

ENGIE firma acordo para acelerar adoção de hidrogênio verde no Brasil

Acelerar a transição para um mundo neutro em carbono por meio de soluções mais sustentáveis. Esse é o objetivo da ENGIE, que anunciou o seu ingresso na ABH2 (Associação Brasileira de Hidrogênio), tornando-se a primeira empresa do setor de energia a se filiar à entidade.

A meta com esse acordo é avançar no segmento de H2V (hidrogênio verde), um dos principais focos de crescimento do grupo no mundo e no Brasil, bem como zerar suas emissões líquidas até 2045 – diversificando a atuação para novos combustíveis renováveis.

“Acreditamos que juntando forças com a ABH2 podemos impulsionar a pesquisa aplicada para o avanço da utilização do hidrogênio verde pela indústria em escala comercial”, afirmou Koen Langie, gerente de Desenvolvimento de Negócios – Hidrogênio Verde da ENGIE Brasil

Outro foco da parceria com a associação é, além da colaboração técnico-científica, a capacitação profissional. “Precisamos criar capital humano no país para realmente nos tornarmos capazes de desenvolver projetos de H2V”, complementou o executivo...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/engie-firma-acordo-para-acelerar-adocao-de-hidrogenio-verde-no-brasil/

RGE investe em melhorias na rede elétrica de dez municípios

A RGE finalizou recentemente importantes obras de modernização na rede elétrica de dez municípios da sua área de concessão, aumentando a robustez e a confiabilidade do sistema de distribuição de energia. A empresa executou as obras nos municípios Faxinalzinho, Anta Gorda, Capão Bonito do Sul, Serafina Corrêa, Protásio Alves, Nova Prata, Tapera, Santo Cristo, Santa Rosa, Horizontina e São José do Inhacorá.

Segundo a distribuidora, estas obras, que tiveram investimento superior a R$ 2,9 milhões, são importantes para as regiões beneficiadas, pois aumentam a necessidade da carga e tornam a rede mais moderna e mais robusta.

Em Faxinalzinho foi executada a construção de 5 quilômetros de rede trifásica, além da instalação de um novo religador telecomandado, oferecendo maior robustez e capacidade operativa do sistema elétrico da região. Em Anta Gorda a RGE reconstruiu 1,56 quilômetro de rede compacta e substitui postes de madeira por unidades de concreto. Já em Capão Bonito do Sul houve a reconstrução de 700 metros de rede compacta e a substituição de postes de madeira...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53183599/rge-investe-em-melhorias-na-rede-eletrica-de-dez-municipios

Copel amplia uso de drones para inspeção de redes de energia

A Copel adquiriu 100 drones para uso em inspeções em linhas de distribuição de média e alta tensão no Paraná. Os equipamentos estão sendo usados em inspeções preventivas e corretivas nos mais de 200 mil quilômetros de linhas de distribuição da companhia. Até então, a Copel tinha 19 drones para inspeções, adquiridos em 2018 basicamente para testes.

De acordo com a Copel, a tecnologia garante mais segurança e agilidade para os eletricistas que todos os dias verificam linhas, chaves, transformadores e demais equipamentos da rede, especialmente em locais de difícil acesso. Uma inspeção comum por terra costumava levar cerca de dez dias por trecho. Esse tempo caiu para três dias em 2020 e deve reduzir ainda mais com o aumento da quantidade de equipamentos...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53183567/copel-amplia-uso-de-drones-para-inspecao-de-redes-de-energia