16/06/2021

Governo testará nova licitação de potência

A perspectiva de baixa demanda no mercado pela contratação de energia gerada por térmicas no longo prazo pode parecer contraintuitiva, especialmente num momento de crise hídrica, em que esses empreendimentos ganharam ainda mais relevância para o sistema elétrico. Esse cenário faz sentido, porém, ao se colocar em perspectiva as diferentes necessidades e questões do setor.

Os próximos certames são voltados ao mercado cativo, atendido pelas distribuidoras, e vão negociar a compra de energia elétrica - que, do ponto de vista contratual, não está em falta para os próximos anos.

Quem dita a demanda dos leilões de energia são as distribuidoras. O governo não decide ou interfere nessa contratação, somente nas licitações que envolvem “energia de reserva”...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=339353&sid=105

Entenda a crise hídrica que ameaça o fornecimento de energia no Brasil

Com a chegada do período de estiagem na maior parte do país, os reservatórios de água que concentram algumas das principais hidrelétricas sofrem esvaziamento, o que torna a produção energética mais difícil e cara. Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a escassez de chuvas no país para a geração de energia é a pior em 91 anos.

Alguns dos principais reservatórios para a produção energética do país, localizados no Centro-Oeste e no Sudeste, estão no pior nível em 22 anos. São eles: Marimbondo e Água Vermelha, em São Paulo e Minas Gerais, na bacia do rio Grande; Nova Ponte (MG); Itumbiara e São Simão, no rio Parnaíba, entre Goiás e Minas Gerais.

Marcelo Seluchi, meteorologista do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), explica sobre esse recorde de escassez. Ele afirma que o nível de chuvas vem diminuindo ano após ano e que outro grande problema que contribui para o baixo nível nos reservatórios é a falta de chuva, especificamente nas bacias dos rios...

Fonte: Abinee - Correio Braziliense

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=339362&sid=105

Maior uso de termelétricas para conter crise hídrica terá custo adicional de R$ 9 bilhões, diz Aneel

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, disse nesta terça-feira que a autorização para o uso de toda disponibilidade de usinas termelétricas no país neste ano terá um custo adicional de R$ 9 bilhões aos consumidores de energia.

Como o GLOBO mostrou, essa conta será paga por meio das bandeiras tarifárias, uma sobretaxa que é cobrada quando o custo da geração de energia sobe. O patamar mais alto desse sistema deve subir mais de 20%. A conta das bandeiras já registra um rombo de R$ 1,5 bilhão neste ano.

— Nós vamos ter um custo adicional de R$ 9 bilhões e, até abril, já se gastou R$ 4 bilhões adicionalmente — afirmou Pepitone, durante audiência pública na Câmara.

A necessidade de acionar todas as térmicas ocorre por conta da pior seca na região das principais hidrelétricas dos últimos 91 anos. Para garantir o suprimento de energia, o governo aciona usinas termelétricas, que são mais caras...

Fonte: Abinee - O Globo

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=339361&sid=105

Global market for intelligent flow meters to hit $9.3 billion by 2027

Revenue generation within the market is expected to reach $9.3 billion by 2027 as the demand for intelligent flow meters spikes owing to the need by various industries such as water and power generation seeking to accurately measure flow rate.

The players in the market are investing aggressively to manufacture innovative solutions and products to measure the flow rate of liquids, gases, and vapors. Technology companies within the market are increasingly integrating their offerings with Internet of Things capabilities, as the race to digitalisation intensifies and as smart metering becomes the standard in the metering segment. Technology firms are launching new and innovative products with new features and capabilities to strengthen their product portfolio or to gain a competitive edge in the market.

Factors such as growing populations, increasing urbanisation and the need to conserve resources are driving technological advancements within the market. Increasing emphasis on real-time data analysis and enhanced visibility is expected to provide major growth opportunities for the meters market…

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/smart-meters/global-market-for-intelligent-flow-meters-to-hit-9-3-billion-by-2027/

WDC, Huawei e HDT fecham parceria para mercado fotovoltaico brasileiro

Focada em Technology as a Service (TaaS) e fabricante de geradores fotovoltaicos com a marca WDC Solar, a WDC Networks anunciou uma parceria estratégica com a multinacional de tecnologia Huawei e com a operadora logística HDT Energy, visando trazer novas soluções nos segmentos de alta-potência e sistemas híbridos on-grid e off-grid com uso de baterias de lítio para expandir sua atuação dentro dos segmentos de residências mais sofisticadas, comércios e indústrias de médio e grande porte no Brasil.

A companhia trabalha com uma linha de produção de geradores de vários tipos de potência, com todos os modelos de estrutura de fixação e inversores para instalação de painéis, apostando no momento em sistemas de maior performance com capacidade de agregar soluções de automação e armazenamento.

“Nessa parceria a ideia é unir os produtos e realizar o contato direto com mais de 12 mil integradores, ampliando o conceito de sustentabilidade e de cidade inteligente a partir do reaproveitamento de energia que possibilita a otimização dos recursos para melhor servir à população”, comenta o diretor da divisão WDC Solar no Brasil, André Luiz de Paula Souza…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53176945/wdc-huawei-e-hdt-fecham-parceria-para-mercado-fotovoltaico-brasileiro

Brasil chega a 19 GW de capacidade instalada de energia eólica

A geração eólica no Brasil bateu a marca de 19 GW de capacidade instalada, o que representa 10% da matriz elétrica nacional. De acordo com dados apresentados pela Associação Brasileira da Energia Eólica (Abeeólica), são 726 parques e mais de 8.500 aerogeradores em operação. Há uma década, o segmento ainda contava com pouco mais de 1,5 GW de capacidade e hoje é a segunda maior, ficando atrás apenas da geração hidrelétrica.

Segundo a previsão da Abeeólica, o Brasil deve ter cerca de 30,2 GW de potência instalada em 2024. Em média, no ano passado, 9,97% de toda a geração injetada no Sistema Interligado Nacional (SIN) veio de eólicas, sendo que elas já chegaram a abastecer 17% do País.

Em 2020, o Brasil manteve a sétima posição no Ranking Mundial do GWEC (Global Wind Energy Council) e, considerando a capacidade nova instalada no ano passado, o Brasil foi o terceiro País que mais instalou energia eólica...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53176883/brasil-chega-a-19-gw-de-capacidade-instalada-de-energia-eolica

Diretor-geral da Aneel diz que bandeira vermelha pode subir mais de 20%

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, disse nesta terça-feira que a autorização para o uso de toda disponibilidade de usinas termelétricas no país neste ano terá um custo adicional de 9 bilhões de reais aos consumidores de energia.

Como O Globo mostrou, essa conta será paga por meio das bandeiras tarifárias, uma sobretaxa que é acionada quando o custo da geração de energia sobe. O patamar mais alto desse sistema deve subir mais de 20%. A conta das bandeiras já registra um rombo de 1,5 bilhão de reais neste ano.

"Nós vamos ter um custo adicional de 9 bilhões de reais e até abril já se gastou 4 bilhões adicionalmente", afirmou Pepitone, durante audiência pública na Câmara.

O diretor da Aneel informou que o sistema elétrico, até abril, recorreu a 15.000 megawatts (MW) de capacidade em geração térmica. Em maio, disse ele, esse montante subiu para 16.000 MW, quando o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) autorizou o uso de todo o parque de termelétricas...

Fonte: Invest - Exame

Leia mais em:

https://invest.exame.com/mf/diretor-geral-da-aneel-diz-que-bandeira-vermelha-pode-subir-mais-de-20

Governo se reúne com grupos empresariais para discutir transição energética

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o Ministério de Minas e Energia (MME) e o Ministério das Relações Exteriores (MRE) se reuniram com associações empresariais brasileiras e dirigentes de 45 grupos privados para anunciar, no Diálogo de Alto Nível das Nações Unidas sobre Energia, as linhas de atuação do Brasil. O debate aconteceu no dia 8 de junho.

Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, aponta que os grupos empresariais que participaram do encontro manifestaram interesse em compreender melhor o processo que está ocorrendo na Organização das Nações Unidas (ONU). “Trata-se de uma plataforma privilegiada para as empresas brasileiras apresentarem suas práticas de ESG e assumirem compromissos voluntários de descarbonização”.

“A meu ver, essa é uma demonstração inequívoca de que o setor privado brasileiro está muito sensível a esses temas e atento para as transformações em curso”, afirmou Albuquerque no dia 9 de junho durante evento on-line realizado pela FGV Energia…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-renovavel/governo-se-reune-com-grupos-empresariais-para-discutir-transicao-energetica.html

EDP Brasil conclui a compra da AES Inova por R$ 101 milhões

A EDP Brasil informou que concluiu a aquisição de 100% da participação da AES Inova e das suas subsidiárias, em transação de R$ 101,1 milhões. A aquisição havia sido anunciada há quatro meses, no dia 25 de fevereiro de 2021, quando foi concluído o Acordo de Investimentos.

O valor da transação é de R$ 101,1 milhões, sendo pago na presente data o valor de R$ 66,6 milhões e os outros R$ 34,5 milhões ficarão retidos até o cumprimento de algumas obrigações pós-fechamento.

A AES Inova é uma plataforma de investimento em geração solar distribuída e detém um portfólio de aproximadamente 34 MWp. Deste total, aproximadamente 16 MWp são empreendimentos contratados e em operação comercial, que representam uma receita de R$ 11,50 milhões. Os demais 18 MWp são caracterizados por projetos ready to build em Minas Gerais.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53176706/edp-brasil-conclui-a-compra-da-aes-inova-por-r-101-milhoes