top of page

12/06/2024

La Niña pode prolongar estiagem e impactar geração de energia hidrelétrica no Brasil

O período de estiagem, que se estende até outubro, promete ser mais seco do que a média histórica, segundo previsões recentes da empresa de meteorologia Tempo OK. A energia natural afluente (ENA), que é crucial para a geração de energia hidrelétrica, pode começar o período úmido com valores em torno de 40% da Média de Longo Termo (MLT) que abrange os anos de 1931 a 2022.
Ao Valor, o CEO da Tempo OK, João Hackerott, explica que existe uma grande probabilidade de que o fenômeno La Niña, cuja principal característica é prolongar os períodos secos do ano, se manifeste no início da primavera, apesar de ainda ser bastante incerto com relação à intensidade e à evolução do fenômeno.
Os efeitos típicos do fenômeno meteorológico podem trazer chuvas acima da média para a região Norte do Brasil, enquanto o Sul do país pode enfrentar um padrão de tempo mais seco. O Sudeste, por sua vez, tende a experimentar temperaturas mais amenas…

Fonte: Abinee – Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=361697&sid=105

Amazonas lidera ranking de furto de energia no país

A Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica divulgou um levantamento, com base em dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mostrando que o volume de energia elétrica roubada no Brasil bateu recorde no ano passado.
E o estado do Amazonas é onde existe o maior número de ligações clandestinas em todo o país, superando em mais de 100% as ligações regulares. A informação foi divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo, nesta terça.
Os famosos “gatos”
Os “gatos”, como são conhecidas as chamadas “perdas não técnicas”, são ligações clandestinas em que um morador faz uma ligação por meio de cabos e fios, diretamente da fiação dos postes da rua, desviando a energia elétrica, sem pagar as concessionárias.
De acordo com nota da Associação, são os consumidores mais pobres os que recebem o maior impacto do roubo de energia elétrica. Isso porque o furto de energia entra no cálculo da tarifa e o aumento é distribuído para todos os consumidores regulares. Com menos recursos, os mais pobres veem as contas aumentarem sem aumentar seu consumo...

Fonte: Portal Unico

Leia mais em:

https://portalunico.com/amazonas-lidera-ranking-de-furto-de-energia-no-pais/#:~:text=Recorde%20em%202023&text=Em%2015%20anos%2C%20o%20acumulado,46%2C2%25)%20foi%20furtada.

Trinity investirá R$ 500 mi em linhas de transmissão

A Trinity Energias Renováveis, geradora de energia renovável, gestora e comercializadora de energia no Mercado Livre de Energia, anunciou sua entrada em novo mercado do setor de energia, o de linhas de transmissão.
Inicialmente, a empresa participará de leilões de lotes pequenos para adquirir experiência, maximizando o retorno sobre o investimento inicial.
De acordo com João Sanches, CEO da Trinity, a ideia é criar aos poucos experiência neste nicho de mercado. “Nossa ideia é participar, já em setembro, do leilão de linhas de transmissão realizado pela Aneel, e focar em lotes pequenos como porta de entrada”, afirma.
Sanches também disse que para concretizar sua visão estratégica, a Trinity planeja investir até R$ 500 milhões nos próximos cinco anos nesse segmento.
“Além disso, já observamos também possíveis parceiros em potencial para colaborar, embora não possa divulgar detalhes neste momento, temos como premissa, participar de lotes pequenos onde não há interesse de grandes players, vislumbrando melhores retornos no investimento”, complementa...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/trinity-investira-linhas-transmissao/

Smart meter penetration surpasses 80% in North America

The number of smart meters in North America reached almost 146 million at the end of 2023 and with ongoing growth is expected to number 182.9 million in 2029.
In a new study, Berg Insight reports that at the end of 2023, the overall penetration in North America surpassed 80% with 130.6 million smart electricity meters in the US and 15.4 million in Canada.
With a compound annual growth rate projected at 3.8% over the period to 2029, the penetration of smart meters in the US should increase to 94% and in Canada to 96% in that year.
Berg Insight states that in the next two years, first-generation projects by utilities such as AEP, PSEG, Xcel Energy, First Energy, PPL, Dominion Energy, National Grid, Ameren, Avangrid, Exelon and AES will contribute to annual first-generation smart electricity meter shipments ranging from 5 to 7 million units...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/smart-meters/smart-meter-penetration-surpasses-80-in-north-america/

Taesa obtém licença para trecho de LT e ampliação de subestações

A Taesa recebeu do Instituto Água e Terra da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Sustentável do governo paranaense a Licença de Instalação para o trecho da linha de transmissão 525 kV Bateias-Curitiba Leste, com extensão aproximada de 79 km em circuito duplo. As obras incluem a ampliação das subestações SE Bateias e SE Curitiba Leste a serem interligadas, referentes às instalações da concessão Ananaí Transmissora de Energia.
Ananaí é fruto do lote 1 do leilão de transmissão nº 02/2021, realizado em dezembro de 2021. O projeto apresenta uma RAP total de R$ 166,2 milhões para o ciclo 2023-2024, adicionado de Pis/Confins, e um Capex de R$ 1,7 bilhões. O empreendimento está localizado nos estados de São Paulo e Paraná e possui extensão aproximada de 363 km. O prazo estipulado pela Aneel para energização é março de 2027.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53280995/taesa-obtem-licenca-para-trecho-de-lt-e-ampliacao-de-subestacoes

Ultragaz compra controle da Witzler por R$ 110 milhões e entra no mercado livre de energia

A Ultragaz, empresa controlada pela Ultrapar, assinou contrato para a aquisição de 51,7% de participação na Witzler, companhia que atua em comercialização no mercado livre e gestão de energia. O investimento será de R$ 110 milhões, pagos no fechamento da transação. Há ainda uma parcela de R$ 40 milhões a ser desembolsada em 12 meses condicionada ao desempenho do negócio. 
O mercado livre de energia é um segmento no qual os consumidores podem escolher seus fornecedores e estabelecer contratos por fonte, prazo ou preço da energia. A aquisição do controle da Witzler ocorre num contexto de ampla liberalização do setor elétrico, fruto da Portaria 50/2022 do Ministério de Minas e Energia (MME). A medida permite que empresas conectadas a redes de média e alta tensão (grupo A) possam escolher seus próprios fornecedores de eletricidade. Na prática, isso significa tirar as distribuidoras do caminho.
Ao Valor, o presidente da Ultragaz, Tabajara Bertelli, conta que a investida habilita a companhia a atender a clientes, sobretudo, de pequenos e médios negócios. Devido à sua atuação no mercado de gás liquefeito de petróleo (GLP), conhecido como gás de cozinha, o executivo vê a oportunidade de usar sua carteira de clientes empresariais para incentivar a migração dos consumidores...

Fonte: Abinee – Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=361639&sid=105

Transição energética e subsídios sujos

Muito se fala da necessidade de promover a transição energética no Brasil e no mundo. Há um esforço global entre as economias mais avançadas em incentivar as energias renováveis e reduzir o uso de combustíveis fósseis neste processo. Porém, causa estranheza a tentativa por parte de alguns agentes públicos e privados de estigmatizar as fontes limpas como as vilãs do alto custo da energia no País.
Na Conta de Desenvolvimento Econômico (CDE), principal encargo pago na conta de luz, a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC) – que financia exclusivamente térmicas fósseis – representa quase um terço (29,58%) dos custos projetados para este ano, segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), num total de mais de R$ 11 bilhões a serem repassados.
Há ainda o peso dos elevados tributos, como a alíquota de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS) sobre a conta de energia, que varia entre 17% e 22%, assim como a alíquota de 9,25% de PIS/Cofins incidente sobre a operação da distribuidora, que é repassada para o consumidor final...

Fonte: Abinee – O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=361640&sid=105

bottom of page