11/12/2019

Agenda Regulatória ANEEL 2020/21 é aprovada

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou nesta terça-feira (10/12) a Agenda Regulatória da Agência para o biênio 2020/2021. A Agenda apresenta a relação dos temas passíveis de regulamentação ou estudo, organizados em atividades regulatórias. Trata-se de uma boa prática conduzida pela ANEEL desde 2010 e que se tornou obrigatória para as agências reguladoras federais após a entrada em vigor da Lei nº 13.848, de 25 de junho de 2019 – mais conhecida como Lei das Agências.
A Agenda Regulatória do próximo biênio contém 34 atividades prioritárias e 46 atividades ordinárias, com entregas em 2020, e ainda 30 atividades indicativas, previstas para início em 2021. Das 80 atividades que serão realizadas em 2020, 52 (65%) estão relacionadas com a continuidade de atividades previstas em Agendas anteriores e 28 (35%) são novas atividades incorporadas a partir desta Agenda. Essas atividades resultarão em 54 novas resoluções normativas a serem publicadas em 2020. Confira aqui a Agenda Regulatória 2020/21...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.aneel.gov.br/sala-de-imprensa-exibicao-2/-/asset_publisher/zXQREz8EVlZ6/content/agenda-regulatoria-aneel-2020-21-e-aprovada/656877?inheritRedirect=false&redirect=https%3A%2F%2Fwww.aneel.gov.br%2Fsala-de-imprensa-exibicao-2%3Fp_p_id%3D101_INSTANCE_zXQREz8EVlZ6%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-2%26p_p_col_pos%3D1%26p_p_col_count%3D3

Aprovada consulta sobre revisão das regras de continuidade do fornecimento de energia

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou nesta terça-feira (10/12) consulta pública para revisar as regras da continuidade do fornecimento de energia elétrica. A proposta em consulta pode ser dividida em quatro aspectos: foco das compensações; formulação das compensações; componente Q do Fator X; e estrutura dos indicadores de continuidade.
Em relação ao foco das compensações, a proposta sugere que as compensações pela violação de limites individuais devem ser direcionadas aos consumidores com piores níveis de serviço, sempre que a qualidade oferecida a esses consumidores extrapolar os limites, resultando em descontos automáticos na fatura de energia elétrica. A medida visa incentivar a distribuidora a melhorar o serviço de distribuição para esses consumidores e reduzir quantidade e duração das interrupções, aumentando a uniformidade na qualidade do serviço. A proposta também possui o mérito de dar sinal econômico às distribuidoras no sentido que o pagamento das compensações na modelagem proposta incentivará as concessionárias a direcionarem recursos para as áreas com pior qualidade do serviço.
..

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.aneel.gov.br/sala-de-imprensa-exibicao-2/-/asset_publisher/zXQREz8EVlZ6/content/aprovada-consulta-sobre-revisao-das-regras-de-continuidade-do-fornecimento-de-energia/656877?inheritRedirect=false&redirect=https%3A%2F%2Fwww.aneel.gov.br%2Fsala-de-imprensa-exibicao-2%3Fp_p_id%3D101_INSTANCE_zXQREz8EVlZ6%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-2%26p_p_col_pos%3D1%26p_p_col_count%3D3

ANEEL aprova novas regras para leitura e medição de energia elétrica

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL aprovou, na Reunião Pública Ordinária desta terça-feira (10/12), a norma que aprimora as condições para medição e leitura do consumo de energia. O novo regulamento, que estava em discussão há dois anos, busca atualizar as regras considerando os recursos tecnológicos disponíveis.
Os diretores da ANEEL destacaram como grande avanço as medidas na nova norma que visam a igualar os requisitos e regras de medição aplicáveis aos mercados livre e cativo, de modo a facilitar a migração do consumidor de um regime a outro. Uma delas é o faturamento dos consumidores de média e alta tensão (Grupo A) considerando o mês civil, mesmo recorte temporal adotado para consumidores no mercado livre.
Quanto à leitura dos medidores, uma das principais novidades é a ampliação da permissão de autoleitura do medidor de energia, ou seja, da leitura do consumo mensal de energia pelo próprio consumidor – que passa a informar diretamente à distribuidora, dispensando a visita de um leiturista. Até o momento, essa possibilidade era aceita apenas para consumidores da área rural...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.aneel.gov.br/sala-de-imprensa-exibicao-2/-/asset_publisher/zXQREz8EVlZ6/content/aneel-aprova-novas-regras-para-leitura-e-medicao-de-energia-eletrica/656877?inheritRedirect=false&redirect=https%3A%2F%2Fwww.aneel.gov.br%2Fsala-de-imprensa-exibicao-2%3Fp_p_id%3D101_INSTANCE_zXQREz8EVlZ6%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-2%26p_p_col_pos%3D1%26p_p_col_count%3D3

Conheça quatro soluções alternativas para gerar e armazenar energia

Diante de uma demanda crescente por energia aliada à necessidade de reduzir impactos ambientais, o setor energético tem buscado soluções alternativas para garantir o suprimento com eficiência.

Não se trata apenas de estabelecer novas fontes. Usar previsões meteorológicas para estimar a geração de usinas fotovoltaicas e eólicas é um exemplo de inovação, de acordo com um relatório técnico da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), que presta serviços ao Ministério de Minas e Energia (MME) na área de estudos e pesquisas.

“Muitas das energias alternativas dependem de fontes interruptas. A energia eólica depende do vento, que em alguns momentos desaparece. A energia solar depende do tempo: quando chove, a incidência solar cai a zero”, explica o engenheiro mecânico Lírio Schaeffer, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) com pesquisas na área de materiais para energias alternativas...

Fonte: G1

Leia mais em:

https://g1.globo.com/especial-publicitario/inovacao/noticia/2019/12/10/conheca-quatro-solucoes-alternativas-para-gerar-e-armazenar-energia.ghtml

Mudança nas regras da energia solar coloca mercado em pé de guerra

Uma das energias mais limpas do país está em risco antes de deslanchar. Produção energética que mais cresce no Brasil, com expansão de 150% entre 2018 e 2019, a Geração Distribuída (GD) está no meio de uma polêmica por conta da revisão de uma norma que pode retirar os subsídios do setor. Conectada diretamente à rede de distribuição, a GD avança, sobretudo, por meio da energia solar fotovoltaica. Desde 2012, a Resolução Normativa (REN) nº 482 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) garante o sistema de compensação, quando a energia excedente gerada por um consumidor pode ser injetada na rede e abatida do consumo mensal. A regulação, no entanto, será modificada até junho de 2020 e está em consulta pública até 30 dezembro...

Fonte: Correio Braziliense

Leia mais em:

https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2019/12/09/internas_economia,812577/mudanca-nas-regras-da-energia-solar-coloca-mercado-em-pe-de-guerra.shtml