11/03/2020

Por que o preço do petróleo não importa para as energias renováveis

As fontes de energia renovável costumavam seguir uma lógica simples. Quando o preço do petróleo subia, o interesse por alternativas ao combustível fóssil crescia. Do contrário, os investimentos minguavam. O avanço das energias limpas, portanto, seguia o sobe e desce da cotação da commodity “suja”.

O cenário mudou. A queda abrupta do preço do petróleo, nesta semana, provocou pânico nos mercados financeiros. Na segunda-feira, o Ibovespa, principal índice da bolsa paulista, registrou queda de 12,7%, a maior desde 1998. Entre os produtores de energia renovável, no entanto, a situação era de absoluta tranquilidade.

“Não muda nada”, afirma Daniel Rossi, fundadora da Zeg, startup brasileira que atua na produção de biometano, combustível produzido a partir de resíduos orgânicos, como a vinhaça de cana-de-açúcar, e pode substituir o gás natural e o diesel, provenientes do petróleo. “Na verdade, vamos intensificar os investimentos”. A Zeg planeja investir 720 milhões de reais, nos próximos cinco anos...

Fonte: Exame

Leia mais em:

https://exame.abril.com.br/economia/por-que-o-preco-do-petroleo-nao-importa-para-as-energias-renovaveis/

Senado aprova novo marco do setor elétrico e texto vai para a Câmara

A Comissão de Infraestrutura (CI) do Senado Federal concluiu nesta terça (10) a votação do novo marco regulatório do setor elétrico (PLS 232/2016). De autoria do ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), o projeto abre caminho para um mercado livre de energia, com a possibilidade de portabilidade da conta de luz entre as distribuidoras. A matéria segue agora para análise da Câmara dos Deputados.

O projeto altera o modelo comercial de energia elétrica com a intenção de, progressivamente, permitir que os pequenos consumidores possam optar por fazer parte do mercado livre, hoje restrito a grandes consumidores de energia. A ideia é que, a longo prazo, ocorra no setor elétrico o mesmo que aconteceu com a telefonia...

Fonte: Congresso em Foco - Uol

Leia mais em:

https://congressoemfoco.uol.com.br/legislativo/senado-aprova-novo-marco-do-setor-eletrico-e-texto-vai-para-a-camara/

Adicional das bandeiras terá redução de até 22% em 2020

O custo dos adicionais de bandeiras tarifárias para o período 2020/2021 serão reduzidos em todas as faixas de acionamento do mecanismo, segundo proposta que a Agência Nacional de Energia Elétrica vai apresentar em consulta pública. Na bandeira amarela, o valor passará de R$ 1,343 para R$ 1,306 a cada 100 kWh consumidos, com redução de 3%; na Vermelha patamar 1, de R$ 4,169 para R$ 3,240, com queda de 22%; e na Vermelha patamar 2 de R$ 6,243 para R$ 5,264 a cada 100 kWh, com diminuição de 16%.

Os valores do próximo período tarifário refletem a incorporação dos prêmios de repactuação do risco hidrológico pagos por geradores hidrelétricos, além de outros parâmetros adotados pela Aneel. A agência informou que a partir de 1º de julho de 2020 a maior parte dos prêmios associados à repactuação do risco passarão a integrar as receitas fixas da Conta Bandeiras, dando um alívio para o consumidor...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53129027/adicional-das-bandeiras-tera-reducao-de-ate-22-em-2020

Total Eren consegue financiamento de R$ 280 milhões para planta solar em SP

A Total Eren anunciou nesta terça-feira, 10 de março, dois novos marcos no Brasil, dando continuidade ao seu desenvolvimento no país. A empresa finalizou com sucesso o financiamento da sua usina fotovoltaica de 90 MW em Dracena e iniciou a construção de projetos de energia eólica de 160 MW. Com 140 MWp em projetos de energia solar já em funcionamento, a empresa possui 300 MW em operação ou em construção no Brasil. A Total Eren garantiu um financiamento de R$ 280 milhões para a sua usina fotovoltaica de Dracena emitindo debêntures de infraestrutura de longo prazo cuja maturidade excede 17 anos.

A Kinea Investimentos adquiriu 100% das debêntures, com avaliação AAA local pela Fitch Ratings. BNP Brasil e a XP Investimentos atuaram como coordenadores da transação. O investimento total foi de R$ 350 milhões. Formado por três unidades de 30 MWp, esse complexo fica na cidade de mesmo nome (SP). Operando desde agosto de 2019, a usina fornece eletricidade suficiente para abastecer 83 mil casas. O projeto foi viabilizado no Leilão de Energia de Reserva de agosto de 2014...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53128984/total-eren-consegue-financiamento-de-r-280-milhoes-para-planta-solar-em-sp