11/02/2022

Com transmissão de energia limitada, governo troca usinas mais baratas por termelétricas mais caras

Não é só a falta de chuvas que explica a disparada nas contas de luz que pesa no bolso dos brasileiros — as contas de luz da Light, por exemplo, podem subir 18% neste ano. Gargalos crônicos do setor elétrico impedem que a energia fique mais barata. Um exemplo gritante disso é o fato de que os consumidores de energia de todo o país poderão pagar, até 2025, pelo menos R$ 128 milhões por mês a mais pela energia gerada em três termelétricas por falta de linhas de transmissão de eletricidade.

A mesma quantidade de energia produzida nessas usinas poderia ser gerada por outras termelétricas mais baratas, de acordo com documentos do ONS e da Aneel aos quais o GLOBO teve acesso. A situação ocorre porque não há linhas de transmissão de energia suficientes para todas as usinas.

O problema começou quando o governo federal realizou em outubro do ano passado um leilão de emergência — chamado de “Processo de Contratação Simplificado”, ou PCS — para contratar usinas termelétricas entre maio de 2022 e dezembro de 2025. O objetivo foi garantir segurança ao sistema elétrico nos próximos anos, depois da da crise hídrica que assolou o país em 2021, a mais severa em 91 anos...

Fonte: Abinee - O Globo

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=344622&sid=105

França quer investir € 50 bi em energia nuclear

O presidente da França, Emmanuel Macron, pretende apresentar hoje um plano de € 50 bilhões para construir novas usinas nucleares, como parte da meta para tornar o país neutro em carbono até 2050. O anúncio ocorre em um momento em que a Europa luta para conter os impactos da alta dos preços do gás natural e do petróleo.

A França precisa substituir algumas usinas nucleares antigas a partir de 2035, uma vez que a transição para deixar de utilizar combustíveis fósseis aumentará o uso de equipamentos movidos a eletricidade, como carros e aquecedores, segundo fontes do governo.

Junto com o anúncio das novas usinas nucleares, Macron também pretende destacar a necessidade de acelerar o desenvolvimento da energia eólica e solar no curto prazo e aumentar os esforços para reduzir o consumo de energia...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=344574&sid=105

Grupo turco investe em navios para geração de energia no Brasil após susto com seca

A Karpowership, empresa do grupo turco Karadeniz, que constrói navios com capacidade de geração de energia suficiente para atender até 100% da demanda em alguns países de menor porte, está se preparando para colocar quatro dessas “usinas flutuantes” na costa do Rio de Janeiro nos próximos meses, segundo informações da companhia e de fontes ao Scoop by Mover.

O peculiar projeto dos turcos é mais um exemplo de como a crise elétrica enfrentada pelo Brasil no ano passado criou oportunidades de negócio para grupos locais e internacionais. A companhia foi uma das vencedoras de um leilão emergencial promovido pelo governo em outubro passado, que visou reforçar o sistema elétrico após meses de seca que geraram preocupações com o suprimento de energia.

A Karpoweship, inclusive, tem faturado alto nos últimos anos ao se dispor a prover soluções rápidas de fornecimento de energia em lugares onde muitos investidores não ousariam pisar. Ela atuou no Iraque por sete anos após a invasão do país pelos Estados Unidos, nos anos 2000, e possui navios em operação em países como Gana, Líbano, Moçambique, Serra Leoa e Sudão...

Fonte: TC

Leia mais em:

https://tc.com.br/noticias/mercados/grupo-turco-investe-em-navios-para-geracao-de-energia-no-brasil-apos-susto-com-seca

Governo Federal inclui expansão do mercado livre entre projetos prioritários de 2022

O Governo Federal divulgou lista com 45 propostas prioritárias para votação na Câmara dos Deputados e no Senado em 2022, por meio de portaria publicada pela Casa Civil no Diário Oficial da União (DOU). Entre os projetos incluídos estão os que tratam sobre a expansão do mercado livre de energia, da política nacional sobre a mudança do clima e do mercado de carbono. 

O PL 6539/2019, que institui a política nacional sobre mudança do clima, o comitê interministerial sobre a mudança do clima e o crescimento verde, tramita na Câmara após ter sido aprovado no plenário do Senado em novembro do ano passado.

O PL 414/2021, que visa aprimorar o modelo regulatório e comercial do setor elétrico com vistas à expansão do mercado livre tramita na Câmara dos Deputados após ter sido remetida pelo Senado. Em outubro, o projeto teve o deputado federal Fernando Coelho Filho (DEM-PE) designado como relator…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/politica/legislativo/governo-federal-inclui-expansao-do-mercado-livre-entre-projetos-prioritarios-de-2022

Energyear Brasil 2022 debateu futuro do setor energético brasileiro

O Sheraton WTC Hotel foi palco, nesta quarta (9) e quinta-feira (10), do Energyear Brasil 2022 – evento que teve como objetivo discutir a atual situação do setor elétrico brasileiro, os nichos de mercado que mais avançam neste período e a forma como as empresas estão se adaptando às adversidades do momento atual para continuar a competir.

O encontro também debateu o futuro do setor energético renovável e as políticas que podem garantir oportunidades na competição com as diferentes tecnologias de geração.

Além da presença do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, o primeiro dia do congresso contou com as participações especiais de Rodrigo Coelho, chefe de gabinete da diretoria-geral da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), e do deputado federal, Lafayette de Andrada (Republicanos/MG).

Em seu discurso, Coelho disse que a transição energética para a descarbonização aponta para investimentos crescentes em energia limpa à medida que consumidores e governos exigem uma maior consciência ambiental. O executivo disse também que “as fontes renováveis se tornam cada dia mais competitivas frente a outras fontes de energia”…

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/energyear-brasil-2022-debateu-futuro-do-setor-energetico-brasileiro/

GD Solar atinge 9 GW em potência instalada desde 2012

A energia solar atingiu a marca de 9 GW de potência instalada em telhados, fachadas e pequenos terrenos de residências, comércios, indústrias, produtores rurais e prédios públicos no Brasil. Os dados são de um mapeamento realizado pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica. De acordo com a entidade, o Brasil possui atualmente mais de 828 mil sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede, trazendo economia e sustentabilidade ambiental para mais de 1 milhão de unidades consumidoras.

Desde 2012, foram mais de R$ 48 bilhões em novos investimentos, que geraram mais 270 mil empregos acumulados no período, espalhados em todas as regiões do Brasil.

Na avaliação da Absolar, embora tenha avançado nos últimos anos, o Brasil continua atrasado no uso da geração própria de energia solar. Dos mais de 89 milhões de consumidores de energia elétrica do País, apenas 1,1% já faz uso do sol para produzir eletricidade. E reforça a estimativa de que 2022 poderá ser o melhor ano da fonte no país. Deverá praticamente dobrar sua potência operacional instalada, impulsionada pelos aumentos nas tarifas de energia elétrica acima da inflação e pela publicação da Lei nº 14.300/2022, o marco legal da GD...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53202151/gd-solar-atinge-9-gw-em-potencia-instalada-desde-2012

Energisa vai aplicar R$ 594,7 mi no Tocantins em 2022

A Energisa anunciou que realizará investimentos de R$ 364,7 milhões este ano para distribuição de energia elétrica no Tocantins. O valor é aproximadamente 50% superior à cifra estimada para 2021, de R$ 243 milhões. Ao somar o aporte para a transmissão nessa região, o montante chega a R$ 594,7 milhões na região em 2022. Já no ano a expectativa é para investimentos na ordem de R$ 5,6 bilhões entre todos os negócios da companhia.

Desse montante, serão R$ 3,8 bilhões destinados às concessionárias de energia e R$ 362 milhões aos empreendimentos de transmissão. Para esse ano a maior parte da alocação dos recursos na distribuição será direcionada aos ativos elétricos, ao combate ao furto de energia, à renovação das frotas e às obras de melhoria da qualidade do fornecimento.

Atualmente a distribuidora no Tocantins atende a aproximadamente 632,8 mil clientes entre 139 municípios. Um dos planos para esse período são diversas obras no estado que irão contribuir para a melhoria e a ampliação do fornecimento de energia, como os novos pontos de conexão com a Rede Básica em Caseara e em Dianópolis, possibilitando maior robustez no atendimento das regiões Centro e Sul do estado…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53202021/energisa-vai-aplicar-r-5947-mi-no-tocantins-em-2022

ANEEL reforça protagonismo do Brasil em fontes renováveis no Energyear 2022

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), representada pelo Chefe de Gabinete do Diretor-Geral, Rodrigo Coelho, participou nesta quarta-feira (9/2) do Energyear 2022 em São Paulo, encontro que debate o futuro do mercado brasileiro de renováveis.

O evento analisa a atual situação do setor elétrico, os nichos de mercado que mais avançam neste período e a forma como as empresas estão se adaptando às adversidades do momento atual para continuar a competir. O Energyear debate como deve ser o futuro do setor energético renovável e as políticas que devem garantir o equilíbrio e a igualdade de oportunidades na competição com as diferentes tecnologias de geração.

Coelho reforçou o papel da Agência para o protagonismo do Brasil em fontes renováveis de energia. “A transição energética para a descarbonização aponta para investimentos crescentes em energia limpa à medida que consumidores e governos exigem uma maior consciência ambiental e as fontes renováveis se tornam cada dia mais competitivas frente a outras fontes de energia. Nesse contexto, estamos com uma Agenda Regulatória bastante focada na transição energética, a regulação da ANEEL proporciona um ambiente de negócio estável, regras atrativas para investimento e um clima de confiança”, destacou o Chefe de Gabinete…

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://bit.ly/3BbJ14Q