top of page

10/04/2024

Novo subsídio para energias eólica e solar põe setor em estado de alerta

Sob críticas no setor elétrico, a medida provisória (MP) que concede o prazo adicional de 36 meses para projetos de energia eólica e solar acessarem subsídios no uso de redes e reduz as tarifas com recursos da privatização da Eletrobras foi assinada na terça-feira (9) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A iniciativa do governo havia colocado o setor em estado de alerta com a possibilidade de aumento de encargos apontados como o grande vilão do custo elevado da energia elétrica no país. 
Na solenidade no Palácio do Planalto, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira (PSD), afirmou que a medida provisória (MP) viabilizará mais de 30 gigawatts (GW) de energia limpa e renovável no Brasil, com a construção de novos projetos de geração de energia eólica e solar. Ao todo, o governo estima que os recursos chegarão a R$ 165 bilhões em investimentos e mais de 400 mil empregos.
Com a MP, o governo reabre o prazo para donos de usinas eólica e solar terem acesso a desconto no uso da rede de elétrica. O prazo original já havia sido encerrado na gestão Jair Bolsonaro, mas havia sido ampliado por ele, na ocasião, com a assinatura da MP 998/20. Isso levou à chamada “corrida ao ouro”, com a avalanche de pedidos de novos projetos com benefícios na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)…

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=360089&sid=105

Usinas de geração da Ibitu são colocadas à venda e avaliadas em até R$ 3 bilhões

A Ibitu Energia, empresa de renováveis controlada pela gestora americana Castlelake, colocou novamente seus ativos de geração de energia elétrica à venda, apurou o Valor. A operação, que envolve projetos operacionais e em pipeline, deve movimentar entre R$ 2 bilhões e R$ 3 bilhões, segundo fontes. 
O BTG Pactual foi mandatado para assessorar o negócio. Não é a primeira vez que a empresa vai ao mercado vender seus empreendimentos. Em 2021, os ativos estavam disponíveis, mas as negociações não vingaram por questões operacionais dos projetos à venda. 
Nos anos seguintes, a disparada dos juros e o baixo preço da energia elétrica colocaram em compasso de espera um conjunto de ativos envolvendo fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês) no Brasil. 
A Ibitu tem ativos eólicos e hidrelétricas no Ceará, Rio Grande do Norte, Piauí, Santa Catarina, Mato Grosso e Minas Gerais com mais de 800 megawatts (MW) de potência instalada, além de um pipeline de 1,2 GW de projetos eólicos, solares e híbridos...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=360088&sid=105

Aneel rejeita alegações da Enel SP e mantém multa de R$ 165,8 milhões por apagão de novembro

A diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) rejeitou as alegações da Enel Distribuição São Paulo (Enel SP) e manteve, nesta terça-feira (9), a multa de R$ 165,8 milhões aplicada à companhia por conta do blecaute de grandes proporções ocorrido no dia 3 de novembro, após forte tempestade que atingiu a região metropolitana do Estado. 
Com a decisão, encerra-se a possibilidade de apresentação de questionamento em âmbito administrativo. 
De acordo com o relator do caso, diretor Ricardo Tili, a Enel SP chegou a pedir a anulação do auto de infração aplicado pela agência e também a redução do valor da penalidade. Os dois pleitos foram negados. 
Na reunião da diretoria, representante da Enel SP alegou que a empresa foi afetada por um “evento climático extremo”, que atingiu 25% do total de 8 milhões de clientes da companhia na região metropolitana de São Paulo, e que, durante a tempestade que atingiu a distribuidora, os ventos alcançaram a velocidade de 105 km/h, que, por mais um pouco, entrariam na classificação de furacão...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=360087&sid=105

Justiça aprova ampliação do período de blindagem da Light

A Light informou que o Juízo da 3ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro confirmou a prorrogação do stay period (período de blindagem) pelo prazo de 90 dias ou até a votação do Plano de Recuperação Judicial. Os efeitos da medida também se estendem para a Light Serviços de Eletricidade e a Light Energia.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53275767/justica-aprova-ampliacao-do-periodo-de-blindagem-da-light

CCS Brasil inicia cadastramento de banco de dados para captura de carbono

A CCS Brasil, associação que visa estimular as atividades ligadas à Captura e Armazenamento de Carbono (CCS) no país, está buscando construir um banco de dados de profissionais, pesquisadores e fornecedores para impulsionar o setor no país. A organização disponibiliza agora um link especial para o cadastro de fornecedores e outro para o cadastro de profissionais.
Além de fornecer dados estratégicos, os cadastrados também poderão disponibilizar informações que poderão ser úteis para a elaboração de futuros projetos e iniciativas de CCS, além de fazer parte de um banco de mão de obra especializada que poderá ser utilizado pelos próprios associados.
Para avançar na sua atuação, que incluem conversas com órgãos governamentais brasileiros, inclusive na contribuição de uma regulação do CCS no Brasil, setores empresariais, políticos e econômicos, órgãos ambientais, universidades e órgãos de pesquisa – e até mesmo autoridades internacionais – a associação afirma que tem buscado ampliar o seu número de associados. As empresas interessadas podem fazer parte do quadro da CCS Brasil com contribuições anuais a depender de seus faturamentos...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53275628/ccs-brasil-inicia-cadastramento-de-banco-de-dados-para-captura-de-carbono

MME define cronograma de 5 leilões de transmissão

O Ministério de Minas e Energia definiu o cronograma dos leilões de transmissão e as datas limites para celebração do Contrato de Uso do Sistema de Transmissão (CUST) até o final de 2026, serão dois por ano nesse período já contando com o primeiro, realizado no mês passado. O segundo a ser realizado nesse ano será em setembro.
No ano que vem os certames devem acontecer em março e setembro, assim como no ano seguinte. A Portaria nº 73, publicada no Diário Oficial da União deste terça-feira, 9 de abril, aponta que em 31 de dezembro de cada ano serão publicadas as datas referentes às licitações para os três anos seguintes. Abaixo o quadro informativo:

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53275609/mme-define-cronograma-de-5-leiloes-de-transmissao

Carga nacional de energia elétrica deve crescer 3,8% em 2024

A carga nacional de energia elétrica deve crescer 3,8% neste ano, atingindo 78.814 MWmed, representando um acréscimo de 368 MWmed em relação à previsão anterior. Este cálculo leva em consideração uma taxa de crescimento econômico de 2% em 2024.
As informações divulgadas na última sexta-feira (05) pela CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica), ONS (Operador Nacional do Sistema) e EPE (Empresa de Pesquisa Energética) fazem parte da 1º revisão quadrimestral das previsões de carga para o planejamento da operação energética entre 2024 e 2028.
Para o próximo ano, estima-se que a carga no SIN (Sistema Interligado Nacional) alcance 81.274 MWmed, o que corresponderá a um crescimento de 3,1%, em linha com um PIB de 2,2%.
Na visão quadrienal da carga, estima-se uma taxa média de crescimento de 3,2%, partindo de 78.814 MWmed em 2024 para 89.257 MWmed em 2028. A taxa de crescimento médio do PIB é de 2,5% no período.
De acordo com essas entidades, as projeções consideram um cenário de maior estímulo aos investimentos, com especial destaque para o setor de infraestrutura. A aprovação da reforma tributária também é esperada para gerar impactos positivos no longo prazo, embora de forma modesta no horizonte analisado...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/carga-nacional-de-energia-eletrica-deve-crescer-38-em-2024/

bottom of page