10/02/2021

Pandemia é citada por atrasos em obras no setor elétrico

O processo de licenciamento ambiental, constantemente citado por empresas como a principal causa de atraso em obras de infraestrutura, perdeu espaço para a pandemia. Hoje, a covid-19 já é apontada como a principal razão para o descumprimento de cronogramas e pedidos de revisão de contratos.

O Estadão teve acesso a um balanço realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que analisou o andamento de 115 obras de transmissão de energia em construção no País. O relatório, que foi concluído em dezembro, mostra que, dessas 115 obras, 18 estão em situação crítica e não entrarão em operação na data contratada. Das atrasadas, 12 já deveriam estar em operação.

A pandemia foi citada 26 vezes pelos empreendedores como a questão mais crítica encarada pelos projetos, sendo a principal causa de atraso em 23% das linhas de transmissão monitoradas. O impacto da covid-19 tem causado problemas como desmobilização dos canteiros de obra e paralisação decorrente de decretos municipais e estaduais, além de comprometer o fornecimento de materiais e a prestação de serviços...

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=336334&sid=105

Aneel propõe devolver R$ 50,1 bi a consumidores em até cinco anos

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propôs ontem a devolução de pelo menos R$ 50,1 bilhões em impostos que foram cobrados acima do patamar correto. A ideia é que o ressarcimento seja feito aos consumidores por meio do abatimento nos reajustes das tarifas em até cinco anos.

O valor é referente à cobrança de Pis/cofins pagos a mais pelos brasileiros nas contas de luz dos últimos anos. Após processos judiciais que se arrastaram por mais de dez anos, a Justiça entendeu que a cobrança dos encargos era feita de forma irregular.

Segundo o diretor da Aneel Efrain Cruz, relator do processo, essa devolução poderá levar a uma redução média de quase 30% nas contas de luz de todo o Brasil. O impacto, no entanto, será diferente para cada distribuidora de energia. A proposta ainda precisa passar por consulta pública, que se encerra no dia 29 de março. Só assim, a Aneel vai bater o martelo sobre o tema...

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=336333&sid=105

Cresce número de empresas dedicadas exclusivamente em energia solar

Segundo estudo realizado pela Greener, empresa de consultoria e pesquisa, o número de empresas integradoras dedicadas exclusivamente em energia solar aumentou em 2020 no Brasil.

Os dados apontaram que 42,3% das companhias apostaram nesta tecnologia limpa e sustentável, um aumento de cerca de 35% frente aos 30,9% que foram contabilizados durante o ano de 2019.

“Isso reflete a maturação do mercado de GD (geração distribuída) fotovoltaica, a medida que o setor começa a ganhar mais corpo e os empreendedores começam a fazer mais volume e a ficarem mais estruturados. Eles enxergam um caminho relevante na energia solar, passando muitas vezes a ser o principal modelo de negócio, o principal produto”, disse Márcio Takata, diretor da Greener...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/cresce-numero-de-empresas-dedicadas-exclusivamente-em-energia-solar/

Cepel realiza primeiro ensaio no Laboratório de Redes Inteligentes

O Cepel realizou o primeiro ensaio para cliente externo em seu Laboratório de Redes Elétricas Inteligentes, que está sendo implementado na Unidade de Adrianópolis, em Nova Iguaçu (RJ), com recursos das empresas Eletrobras, Associadas Fundadoras do Centro e da Petrobras, sua Associada Especial.

Embora a infraestrutura da unidade ainda não esteja operando formalmente, o que deve acontecer até o final do primeiro semestre de 2021, o ensaio em um inversor central fotovoltaico de grande porte, utilizando uma abordagem modular com potência nominal de 200 kW, atendeu à necessidade de uma planta de energia uruguaia.

O país, assim como outros do continente, não dispõe de um laboratório do gênero, principalmente em termos de potência. “Somos os únicos do Brasil e que saibamos da América Latina com a capacidade de potência de 300 kVA para realizar a avaliação de conformidade desse inversor”, comenta o pesquisador Oscar Antonio Solano Rueda, lembrando que a segunda maior unidade em capacidade no país tem uma potência nominal de 100 kVA, localizada no Rio Grande do Sul…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53163189/cepel-realiza-primeiro-ensaio-no-laboratorio-de-redes-inteligentes

Total muda nome com foco na transição energética

A petroleira francesa Total vai propor ao seus acionistas a mudança do nome para Total Energies na assembleia de acionistas que será realizada no dia 28 de maio. O anúncio foi feito em apresentação de resultados nesta terça-feira, 9 de fevereiro. De acordo com a empresa, 2020 é um ano decisivo na estratégia do grupo na intenção de ter emissão líquida zero. A Total quer se transformar em um ampla empresa energética com mais energia e menos emissões. De 2020 a 2030, haverá uma mudança no perfil do grupo: o crescimento da produção de energia será baseado em dois pilares: GNL e Energias Renováveis. no mesmo período, a expectativa é que a venda de petróleo e derivados caia de 30% a 55%.

Ainda de acordo com a Total, em 2020 foram assegurados US$ 2 bilhões de investimentos em renováveis e eletricidade, além da potencialização dessa estratégia, com a adição de 10 GW ao portfólio. No começo de 2021 foram adquiridos 20% de participação na Adani Green Energy Limited, a maior desenvolvedora solar no mundo, além de portfólios de projetos nos Estados Unidos. Com isso, o grupo ficou com uma capacidade instalada bruta total de 35 GW em construção ou desenvolvimento até 2025 com mais de 20 GW já sob contratos de longo prazo.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53163195/total-muda-nome-com-foco-na-transicao-energetica

Edital dos Leilões de Geração A-3 e A-4 entra em audiência

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou nesta terça-feira (9/2) a abertura de consulta pública para subsidiar a elaboração do Edital dos Leilões de Geração nº 6 e nº 7 de 2021, também denominados de A-3 e A-4.

Os certames, destinados a contratar energia elétrica proveniente de novos empreendimentos de geração a partir de fontes hidrelétrica, eólica, solar fotovoltaica e térmica a biomassa, serão realizados em 25 de junho de 2021.

Os editais dos leilões elaborados pela ANEEL contêm – entre outros pontos – o objeto, os prazos e minutas dos contratos de compra e venda de energia elétrica, incluindo a modalidade contratual adotada e as garantias financeiras a serem prestadas pelos agentes de distribuição. Por meio desta consulta, a Agência visa obter contribuições dos agentes setoriais e da sociedade em geral para o aprimoramento da minuta do edital.

A Agência vai receber contribuições dos interessados no período de 46 dias, entre 11 de fevereiro e 29 de março de 2021 por meio do e-mail cp004_2021@aneel.gov.br. A documentação objeto desta consulta pública estará à disposição no site da Agência em www.aneel.gov.br/consultas-publicas.

Fonte: Aneel

Leia mais em:

http://bit.ly/3p4EkCy

Leilão de Transmissão 1/2021, com cinco lotes em seis estados, prevê investimento de R$ 1,3 bilhão

A Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL aprovou nesta terça-feira (9/2) o edital do Leilão de Transmissão nº 1/2021, previsto para 30 de junho na sede da B3, em São Paulo. O leilão apresenta cinco lotes, para a construção e manutenção de 515 quilômetros em linhas de transmissão e de 2.600 megavolt-ampéres (MVA) em capacidade de transformação de subestações. Os empreendimentos, com prazo de conclusão de 36 a 60 meses, contemplarão seis estados – Acre, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Rondônia, São Paulo e Tocantins. A expectativa de investimento é de R$ 1,3 bilhão e estima-se a criação de 3.057 empregos diretos.

A minuta de edital recebeu 109 contribuições de 12 participantes, de 25/11/2020 a 8/1/2021, por meio da Consulta Pública nº 71/2020. Após a aprovação da Diretoria Colegiada da ANEEL, o documento segue para apreciação do Tribunal de Contas da União. Caso o TCU sugira alterações, o edital será avaliado novamente pela Diretoria da ANEEL, possivelmente em 27/05.

Em maio, a ANEEL promoverá um workshop de esclarecimentos técnicos sobre os principais pontos do certame. A Diretoria da Agência autorizou ainda que os representantes de licitantes em potencial requisitem acesso ou visita às subestações nas quais as instalações de transmissão licitadas serão conectadas. Para tanto, será necessário o agendamento junto às respectivas concessionárias titulares dos empreendimentos...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.aneel.gov.br/sala-de-imprensa-exibicao-2/-/asset_publisher/zXQREz8EVlZ6/content/leilao-de-transmissao-1-2021-com-cinco-lotes-em-seis-estados-preve-investimento-de-r-1-3-bilhao/656877?inheritRedirect=false&redirect=https%3A%2F%2Fwww.aneel.gov.br%2Fsala-de-imprensa-exibicao-2%3Fp_p_id%3D101_INSTANCE_zXQREz8EVlZ6%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-2%26p_p_col_pos%3D1%26p_p_col_count%3D3

Para acelerar expansão, Echoenergia entra no segmento de comercialização

Dona de um dos maiores portfólios de usinas eólicas do país, a Echoenergia vai estrear em comercialização de energia, segmento que vem atraindo cada vez mais agentes à medida que o ambiente de contratação livre (ACL) cresce e ganha complexidade.

A companhia, controlada pela gestora britânica Actis, enxerga na nova atividade uma forma de se aproximar de consumidores e da dinâmica do mercado livre de energia. Com mais acesso às operações de mercado, a geradora espera conseguir otimizar a venda de energia de suas usinas, potencializando a estratégia de crescimento do portfólio para os próximos anos. Ao todo, a companhia tem em seu “pipeline” cerca de 2 gigawatts (GW) em projetos, principalmente da fonte eólica.

“Não podemos ficar sentados olhando o quanto de energia minhas usinas geram e vender isso para o cliente, essa era acabou. Agora, a conta é de trás para a frente: começa com quanto [de energia] o cliente precisa, quanto as usinas geram e o quanto falta. Aí entram várias formas de mitigar riscos e evoluir nos negócios, a comercialização é uma delas”, afirma Edgard Corrochano, CEO e membro do conselho de administração da Echoenergia...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.aneel.gov.br/sala-de-imprensa-exibicao-2/-/asset_publisher/zXQREz8EVlZ6/content/leilao-de-transmissao-1-2021-com-cinco-lotes-em-seis-estados-preve-investimento-de-r-1-3-bilhao/656877?inheritRedirect=false&redirect=https%3A%2F%2Fwww.aneel.gov.br%2Fsala-de-imprensa-exibicao-2%3Fp_p_id%3D101_INSTANCE_zXQREz8EVlZ6%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3Dcolumn-2%26p_p_col_pos%3D1%26p_p_col_count%3D3