09/06/2021

ANEEL divulga novo mapa das distribuidoras do Brasil

A ANEEL divulgou na sua página na internet o novo mapa das áreas de atuação das distribuidoras do Brasil. A ferramenta apresenta áreas outorgadas às distribuidoras para a prestação dos serviços públicos de distribuição de energia.

O novo mapa incorpora informações consolidadas dos contratos de concessão e permissão, que será gerido no novo sistema de controle de contratos de distribuição – em fase final de elaboração – e das informações da ferramenta Base de Dados Geográfica das Distribuidoras (BDGD).

Além da página principal da ANEEL, a ferramenta pode ser acessada na área dos contratos de concessão e permissão de distribuição, e por meio do Sistema de Informações Geográficas do Setor Elétrico (SIGEL) – espaço que também conta com o mapa de atuação das distribuidoras por município e por conjuntos de unidades consumidoras.

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://bit.ly/3zeAVXV

AES diversifica para se proteger da hidrologia

Diante do cenário hidrológico bastante adverso para o ano, a AES Brasil vem trabalhando ativamente na gestão de seu portfólio e balanço energético, segundo a presidente da geradora, Clarissa Sadock. “Nosso time comercial vem trabalhando muito bem, estamos ativos no mercado, monitorando preços e quantidades do que está acontecendo, e fechando contratos”, disse ontem, em reunião com analistas e investidores.

Ao comentar o cenário hidrológico para o ano, a executiva observou que, na ausência do fenômeno climático La Niña, a expectativa é de melhores chuvas para a região Sul. “É difícil ter uma previsão de chuvas muito acurada. O que conseguimos é monitorar os grandes fenômenos. No começo do ano, vivenciamos o La Niña, que não está mais acontecendo. Com isso, existe uma expectativa maior de chuvas para o sul do país.”...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=339156&sid=105

Chile inaugura 1ª planta de energia termossolar da América Latina

Deserto do Atacama (Chile), 8 jun (EFE).- Com quase 10.600 helióstatos (espelhos), 392 mil painéis solares e uma torre de 250 metros de altura, a Cerro Dominador, primeira central de energia solar concentrada da América Latina, foi inaugurada nesta terça-feira no norte do Chile, em pleno deserto do Atacama.

A planta termossolar conta com 1.000 hectares de extensão e fica em uma área com um dos mais altos níveis de radiação solar do mundo, a 100 quilômetros da cidade de Calama. O projeto consiste em dois componentes: um sistema fotovoltaico de 100 MW, em operação desde 2017, e um inovador sistema solar térmico, com 110 MW de capacidade instalada, pioneiro na região e inaugurado hoje.

Os dois componentes, juntos, gerarão uma capacidade total de 210 megawatts e fornecerão energia verde para a rede elétrica chilena. "É uma fábrica que se encontra na fronteira do conhecimento e da tecnologia. Não há planta que tenha tecnologia melhor do que esta", disse o presidente do Chile, Sebastián Piñera, durante a inauguração...

Fonte: Uol

Leia mais em:

https://economia.uol.com.br/noticias/efe/2021/06/09/chile-inaugura-1-planta-de-energia-termossolar-da-america-latina.htm

Omega Energia e IBM usam inteligência artificial e cloud para prever a geração de energia renovável em tempo real

As empresas perceberam uma melhoria na precisão das previsões com o uso de AI e dados disponíveis em tempo real

A Omega Energia, empresa líder em energia renovável no Brasil, e a IBM criaram uma plataforma para melhorar a previsão de geração de energia renovável com o uso de inteligência artificial e de análises de dados geoespaciais e meteorológicas, hospedados na nuvem da IBM.

Até o momento, a IBM observou uma melhoria de 30% a 40% na precisão das previsões mundiais em relação aos modelos comerciais. A plataforma utiliza machine learning em vários modelos de previsão e observações que, em última análise, fornecem informações precisas, como a velocidade e direção do vento, com até 10 dias de antecedência, impactando positivamente nas decisões estratégicas de operação da companhia.

Para fornecer as previsões de energia eólica e solar, utiliza-se a plataforma Renewables Forecasting da IBM. A solução é capaz de alcançar previsões mais precisas devido às vantagens fornecidas pelo IBM PAIRS, uma plataforma de análise e dados geoespaciais de grande escala, que seleciona e hospeda mais de seis petabytes de fontes de dados relevantes, incluindo a altura do hub, velocidade do vento e previsões de irradiação solar fornecidas por The Weather Company…

Fonte: Segs

Leia mais em:

https://www.segs.com.br/info-ti/293884-omega-energia-e-ibm-usam-inteligencia-artificial-e-cloud-para-prever-a-geracao-de-energia-renovavel-em-tempo-real

Canada invests in smart grid modernisation and renewables

The programme launched by Minister of Natural Resources Seamus O’Regan Jr is to supports building Canada’s low emissions energy future and a renewable, electrified economy through projects that focus on cleaner energy technologies and modernising of electricity system operations.

SREPs will support projects under three streams, established renewables, emerging technologies and grid modernisation.

Established renewables encompass solar PV, onshore wind and small hydro among others, while examples of emerging technologies include geothermal and energy storage.

The minimum project sizes are 4MW for generation and 1MW for storage.

Technologies that will be considered in the grid modernisation stream, which is open only to utilities and system operators, include microgrids, virtual power plants and hardware/software to enable grid services.

“Our new SREPs programme will increase our grid’s renewable capacity and improve its reliability and resiliency,” says Minister O’Regan.

“This means a cleaner, more reliable electricity supply for Canadians. This is how we get to net zero by 2050.”…

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/smart-grid/canada-invests-in-smart-grid-modernisation-and-renewables/

Com investimento de R$ 30 milhões, EDP ES inicia operação de duas novas subestações

A EDP ES iniciou a operação de duas novas subestações na cidade de Domingos Martins e no distrito de Santa Isabel. Os empreendimentos, que tiveram investimento total de R$ 30 milhões e duplicam a capacidade do sistema energético da região, beneficiam cerca de 24 mil clientes e 40 mil habitantes.

Segundo a companhia, com mais de 18 mil metros quadrados de área construída, a subestação Domingos Martins, que possui três níveis de tensão (138/69/13,2 kV), reforça o abastecimento de dois importantes municípios da região serrana do Espírito Santo: Marechal Floriano e Domingos Martins, que antes dependiam exclusivamente de uma fonte de energia em 69 KV. Com os investimentos realizados, a região passa a contar com uma nova fonte de abastecimento de energia em alta tensão (138 kV), agregando mais segurança energética e recursos operativos ao sistema, beneficiando diretamente toda a região.

Já em Santa Isabel (34,5/13,2 kV) são 116,6 metros quadrados de área construída, com um transformador de 6,67 MVA distribuídos em dois alimentadores de média tensão, através de uma nova fonte em 34,5 kV da Grande Vitória, trazendo maior confiabilidade e qualidade para o distrito…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53175971/com-investimento-de-r-30-milhoes-edp-es-inicia-operacao-de-duas-novas-subestacoes

Solar atinge 9 GW e pode gerar R$ 140 bi em novos aportes no Brasil

O Brasil atingiu a marca histórica de 9 GW de potência operacional em usinas fotovoltaicas de grande porte e pequenos e médios sistemas instalados em telhados, fachadas e terrenos, informa um levantamento da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), indicando que a fonte trouxe mais de R$ 46 bilhões em investimentos e 270 mil empregos ao país.

Segundo análise da Associação, o avanço da energia solar via leilões para grandes centrais ou pela geração própria em residências, pequenos negócios, propriedades rurais e prédios públicos é fundamental para reduzir o chamado “custo Brasil”, trazendo mais competitividade e ajudando a reduzir a ocorrência das bandeiras vermelhas na conta de luz, além de diversificar o suprimento.

O segmento centralizado conta com 3,3 GW de potência instalada em usinas, equivalente a 1,9% da matriz elétrica brasileira, sendo em 2019 a tecnologia mais competitiva entre as fontes renováveis nos dois Leilões de Energia Nova, A-4 e A-6, com preços-médios abaixo dos US$ 21,00/MWh…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53175784/solar-atinge-9-gw-e-pode-gerar-r-140-bi-em-novos-aportes-no-brasil