08/12/2021

Energias eólica e solar viram protagonistas no processo de descarbonização do planeta

A aposta do mundo no hidrogênio verde para substituir o petróleo e limitar o aquecimento global transformou as energias eólica e solar em protagonistas no processo de descarbonização do planeta. Para ganhar o selo verde, o hidrogênio terá de ser produzido com energia totalmente limpa, a exemplo das duas fontes de eletricidade. E, como o processo exige grande quantidade de energia, os investimentos nessas fontes renováveis terão de ser exponenciais.

No Brasil, calcula-se que para atender à demanda – interna e externa – será necessário dobrar a capacidade atual da matriz elétrica brasileira, acrescentando 180 gigawatts (GW) apenas de energia renovável em 20 anos. Hoje, o Brasil é o terceiro país que mais produz energia renovável no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos e da China, segundo estudo da consultoria Mckinsey. Comparado a esses dois países, no entanto, há por aqui uma maior proporção de energia renovável na matriz, de 85%...

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=343548&sid=105

Eletrobras: Processo de privatização enviado pelo governo ao TCU é incompleto e tem falhas, diz procurador

Um parecer do Ministério Público de Contas da União entregue ao relator da privatização da Eletrobras no TCU, Aroldo Cedraz, aponta falhas e omissões do Ministério de Minas e Energia, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) no processo de desestatização.

O documento, assinado pelo procurador Rodrigo de Lima, afirma que o ministério e a Aneel encaminharam o processo incompleto, sem incorporar, como manda a lei, contribuições de consulta pública sobre o tema.

“Causa espécie que o Tribunal tenha sido acionado mediante a oferta de documentação patentemente incompleta (...). A jurisprudência do TCU é clara ao rechaçar a submissão prematura de estudos relativos a desestatizações”, diz o parecer.

O MP ainda questiona o uso supostamente irregular de um recurso de R$ 5 bilhões em ano eleitoral. O montante, solicitado pela Aneel e pela EPE, é para mitigar perdas com o aumento dos custos de energia que virão com a migração de 22 contratos de usinas hidrelétricas do modelo de cotas para preços de mercado...

Fonte: Abinee - O Globo

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=343551&sid=105

Marco legal da GD poderá ser votado no Senado na quarta-feira (8/12)

O projeto de lei que institui o marco legal da geração distribuída (PL 5829/19) foi incluído pelo Senado na ordem do dia da sessão deliberativa semipresencial da próxima quarta-feira (08/12) e poderá ser votado pelos parlamentares.

Em entrevista ao Portal Solar, o relator da matéria, senador Marcos Rogério (DEM-RO), afirmou estar trabalhando em um texto que permita acordo para votação. O PL contabiliza 39 sugestões de emenda até o momento e a expectativa é que algumas mudanças sejam acolhidas.

“Tenho recebido apelos de senadores para acolher algumas sugestões. Tenho conversado com o deputado Lafayette sobre possíveis modificações, de maneira que tenhamos um alinhamento mínimo”, detalhou o Marcos Rogério, mencionando o relator do projeto na Câmara, o deputado federal Lafayette de Andrada (Republicanos-MG)...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/politica/legislativo/marco-legal-da-gd-podera-ser-votado-no-senado-na-quarta-feira-8-12

CCEE atuará como certificadora de hidrogênio verde no Brasil

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) planeja criar uma certificação para assegurar a origem da eletricidade usada para produção de hidrogênio verde no Brasil. A entidade quer atuar para atestar quais usinas fornecem energia elétrica para o processo de produção do combustível.

O hidrogênio é produzido a partir da água e de um processo chamado de eletrólise, que consome eletricidade. Para ser considerado verde, esse procedimento precisa usar insumos originados de fontes limpas, como eólicas e solares.

"O hidrogênio verde abre espaço para a criação de novos mercados no Brasil, ampliando a posição do país como protagonista neste momento de transição energética. Faremos todo o esforço necessário para garantir que esse novo segmento cumpra seu propósito ambiental", afirmou o presidente do Conselho de Administração da CCEE, Rui Altieri…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/tecnologia/armazenamento/ccee-atuara-como-certificadora-de-hidrogenio-verde-no-brasil

Energisa vai investir R$ 29,5 bilhões até 2026

A Energisa anunciou nesta segunda-feira, 6 de dezembro, em encontro para investidores, a estratégia de diversificação dos negócios para os próximos cinco anos. A empresa pretende ampliar suas atividades não relacionadas aos negócios regulados de distribuição de energia elétrica. Até 2026 serão investidos cerca de R$ 29,5 bilhões, o que representa 1,6 vez o volume de aportes de 2017 até este ano. De acordo com o CEO da Energisa, Ricardo Botelho, essa alocação robusta de investimento traz um equilíbrio entre os recursos destinados à distribuição e aos demais negócios. A previsão é de que o segmento de distribuição responda por 53% dos investimentos, enquanto geração, transmissão e outros negócios alcance 47%.

Segundo o executivo, há uma ambição clara de futuro. A empresa quer liderar a agenda de transformação energética no país, conectando pessoas e empresas à melhor solução de energia e construindo um mundo mais sustentável. A decisão estaria apoiada na responsabilidade financeira que garante à Energisa uma sólida posição de caixa e que permite investir em segmentos que possuem boas perspectivas de crescimento. A empresa detalhou a estratégia de expansão para cada um dos seus negócios, com destaque para a introdução do conceito one-stop-shop para oferta de soluções energéticas a clientes…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53195778/energisa-vai-investir-r-295-bilhoes-ate-2026

Cepel inaugura Laboratório de Smart Grid

Foi inaugurado na última sexta-feira, 3 de dezembro, o laboratório de Smart Grid do Centro de Pesquisas de Energia Elétrica. Com investimentos de R$ 20 milhões vindos da Eletrobras, Petrobras e do Projeto META, o laboratório tem cerca de 1.200 m² e fica na unidade de Adrianópolis, em Nova Iguaçu (RJ), onde o Cepel já tem outros laboratórios de ensaios. A unidade de pesquisa vai avaliar de modo experimental os requisitos de conexão que permitam a integração otimizada de Recursos Energéticos Distribuídos em níveis mais altos. Na cerimônia, além do ministro Bento Albuquerque, estiveram presentes  o presidente da Eletobras, Rodrigo Limp, e o diretor de Transmissão da Eletrobras e presidente do Conselho Deliberativo do Cepel, Marcio Szechtman.

Dentre os REDs que serão avaliados estão a geração fotovoltaica distribuída, a geração eólica, o armazenamento com baterias e os veículos elétricos plugáveis. Os ensaios vão garantir mais controle para as redes e manter a confiabilidade e robustez. De acordo com o diretor-geral do Cepel, Amílcar Guerreiro, outros laboratórios no país também pesquisam o tema, mas não na larga escala, como o Cepel irá fazer. Ainda segundo Guerreiro, o laboratório está alinhado com a modernização do setor elétrico, que necessitará de um aparato de pesquisa e de tecnologia. “Essas instalações fazem parte desse aparato, de demandas que virão dessa modernização”, avisa...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53195727/cepel-inaugura-laboratorio-de-smart-grid

Enel Group’s Gridspertise launches Quantum Edge device

This solution leverages edge computing to digitalize and virtualize secondary substations’ physical components, creating a digital twin through virtual applications that can be remotely managed and updated, reducing installation, training, operation and maintenance costs and increasing network reliability.

QEd has been developed to meet the evolving needs of distribution grids, which require higher levels of flexibility, also at the secondary substations level, to keep pace with energy and grid transition, characterized by increasing levels of electrification, higher flows of renewables and larger volumes of distributed energy resources.

Antonio Cammisecra, Head of Enel Global Infrastructure and Networks, commented: “Enel manages more than 1.2 million secondary substations around the world, out of which roughly half a million are remote controlled.

“We are looking forward to reaping the benefits of deploying a technology as innovative as QEd that enhances legacy infrastructure with an all-in-one solution, avoiding costly rebuilds, while minimizing maintenance expenditures and environmental impact.

“We are excited that Gridspertise is launching such an important and revolutionary product at Enlit Europe in Milan and very proud that Enel will drive the field testing of this device at scale, showing once again its leadership in deploying resilient, participatory and sustainable power grids towards a full electric future.”...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/digitalisation/enel-groups-gridspertise-launches-quantum-edge-device/