08/02/2021

Setor elétrico corre atrás de segurança cibernética

Ataques cibernéticos têm se tornado uma dor de cabeça para as empresas do setor de energia, um dos principais na mira dos hackers. As ofensivas dispararam com a pandemia e já fizeram como vítimas grandes elétricas, a exemplo de EDP, Enel, Energisa e Light. Somente na semana passada, mais duas foram alvo de ciberataques: a estatal paranaense Copel e a Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras.

Ataques cibernéticos têm se tornado uma dor de cabeça para as empresas do setor de energia, um dos principais na mira dos hackers. As ofensivas dispararam com a pandemia e já fizeram como vítimas grandes elétricas, a exemplo de EDP, Enel, Energisa e Light. Somente na semana passada, mais duas foram alvo de ciberataques: a estatal paranaense Copel e a Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras.

Ataques dispararam e preocupam grandes grupos; Aneel deve abrir consulta pública sobre o tema neste ano

O grande temor é que algum ataque venha a comprometer a operação de infraestruturas críticas, como linhas de transmissão e de distribuição de energia, o que causaria grandes estragos sociais e econômicos...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=336278&sid=105

Segundo a SolarEdge, inversores e otimizadores voltados aos sistemas fotovoltaicos carregam diferenciais relacionados à energia, segurança e flexibilidade

Mais energia, segurança, flexibilidade e monitoramento avançado. Estes foram os pontos salientados pela SolarEdge em relação aos seus inversores e otimizadores utilizados em sistemas fotovoltaicos. Durante webinar oferecido pela Win Energias Renováveis, a empresa explicou, de maneira aprofundada, as características específicas dos produtos.

Juliano Pereira, representante do time comercial sul da SolarEdge, relata que os otimizadores da fabricante são capazes de extinguir as perdas de produção, como sombreamento, degradação do módulo e mismatch. Isso porque produzem até 5% mais energia em circunstâncias convencionais.

“Os otimizadores de potência são como os MPPTs dos inversores string convencionais, mas em vez de atuar de forma centralizada, estarão em cada módulo ou a cada dois com a solução comercial. Dessa forma, se minimiza o impacto de uma série de pontos de mismatch que atrapalham a performance do sistema”, esclareceu Pereira...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-solar/segundo-a-solaredge-inversores-e-otimizadores-voltados-aos-sistemas-fotovoltaicos-carregam-diferenciais-relacionados-a-energia-seguranca-e-flexibilidade.html

Brasil bate recorde de contratos de energia limpa assinados em 2020

Segundo pesquisa realizada pela BNEF (BloombergNEF), as empresas de setores que vão de petróleo e gás a grandes tecnologias assinaram 1.047 MW em contratos de compra de energia (PPAs) limpa em 2020 no Brasil, estabelecendo um novo um recorde para o país.

Segundo a BNEF, isso ocorreu pois muitas companhias continuaram migrando para o mercado livre do país, onde é possível assinar contratos bilaterais diretamente com os desenvolvedores.

Traçando uma análise global, o relatório apontou que as empresas adquiriram um recorde de 23,7 GW de potência em energia limpa corporativa em 2020, ante 20,1 GW em 2019 e 13,6 GW em 2018.

O aumento aconteceu apesar da crise econômica causada pela pandemia da Covid-19, da recessão global e incerteza sobre a política de energia dos Estados Unidos antes das eleições presidenciais...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/brasil-bate-recorde-de-contratos-de-energia-limpa-assinados-em-2020/

Capitalização da Eletrobras pode terminar em 2022, diz ministro

O processo de capitalização da Eletrobras poderá ficar para 2022, isso representaria um novo prazo para a operação onde o governo deixará de ser o acionista majoritário e que está em gestação desde 2016. Segundo o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, o governo não descartou a substituição do projeto de lei por uma medida provisória para efetuar a operação.

“Estamos conversando com as lideranças políticas para viabilizarmos a capitalização da Eletrobras e não será por meio do projeto apresentado pelo ex-presidente Michel Temer e nem pelo projeto que se encontra na Câmara”, disse ele. “Acreditamos que se o Congresso Nacional permitir nós possamos, no final do ano iniciar o processo de capitalização e terminar no início de 2022”, comentou o ministro.

A ideia é de ter um dispositivo legal que autorize o BNDES realizar os estudos, uma ação que não pode ser tomada atualmente. Albuquerque destacou que é importante que o banco federal possa iniciar os estudos de modelagem, uma vez que a Eletrobras está no Plano Nacional de Desestatização (PND). “A golden share provavelmente fará parte do projeto, ou medida provisória, se houver”, afirmou…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53163011/capitalizacao-da-eletrobras-pode-terminar-em-2022-diz-ministro

Empresas fotovoltaicas projetam grandes investimentos para 2021

Confiantes com a crescente expansão da energia solar no Brasil e o alto potencial deste mercado, empresas de diferentes segmentos fotovoltaicos devem continuar investindo forte no setor em 2021. No ano passado, enquanto a maioria dos setores econômicos encontram dificuldades devido à pandemia, a energia solar atraiu mais de R$ 13 bilhões em investimentos – um aumento de 52% na comparação com os valores acumulados até 2012, segundo dados da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica).

A distribuidora de equipamentos Aldo Solar, que faturou mais de R$ 1,6 bilhão no ano passado, estima agora mais de R$ 4,5 bilhões em investimentos privados entre seus 13 mil revendedores espalhados por todo Brasil. “Nossa meta é crescer 100%. Esperamos fornecer mais de 1GW de potência, com mais de 100 mil geradores de energia solar vendidos para todo Brasil”, destacou Aldo Pereira Teixeira, fundador e presidente da empresa...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/empresas-fotovoltaicas-projetam-grandes-investimentos-para-2021/