07/06/2021

Com crise nos reservatórios, investidor deve ficar atento às empresas de energia

A diminuição no volume de chuvas fez o Sistema Nacional de Meteorologia (SNM) emitir um alerta de emergência hídrica. Agora, o País está em um cenário delicado e incerto para a produção de energia elétrica. A situação também pode causar impactos no mercado financeiro e o investidor deve estar atento aos reflexos nas ações ligadas ao setor.

A energia proveniente das hidrelétricas é responsável por 63,8% da produção no Brasil, segundo o Ministério de Minas e Energia. Estudos de acompanhamento para o setor elétrico realizados pelo SNM alertam que as perspectivas climáticas indicam que a maior parte da região central do Brasil entra em seu período com menor volume de chuvas de maio a setembro.

“As empresas mais expostas a fontes hídricas e as que têm maiores níveis de contratação devem ser as mais afetadas, pois precisam honrar os contratos”, afirma Vitor Sousa, analista de investimentos com ênfase no setores de energia elétrica e saneamento da Genial Investimentos. “Para isso, podem acabar precisando comprar no mercado à vista (operação de troca imediata de produtos entre diferentes empresas de um mesmo setor) que, em geral, é uma energia mais cara, como é o caso da Cesp.”...

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=339094&sid=105

Para reduzir emissões, setor elétrico dá prioridade às fontes renováveis

A descarbonização com investimentos em fontes renováveis é uma das principais tendências do setor elétrico, movimento reforçado pela pandemia em que cresceu a preocupação com a pauta ESG - boas práticas ambientais, sociais e de governança. O Brasil passa a ser centro de investimentos de grandes grupos mundiais, incluindo as petroleiras.

Um exemplo é a Engie. Em geração, a prioridade é investimento em fontes renováveis com baixa emissão de gases de efeito-estufa, que representam cerca de 90% da capacidade instalada da empresa no país, afirma Guilherme Ferrari, diretor de novos negócios, estratégia e inovação. A empresa anunciou mundialmente o seu compromisso de deixar de gerar energia térmica à base de queima de carvão até 2027. No Brasil, a companhia já fechou duas termelétricas e colocou à venda as duas últimas: Jorge Lacerda e Pampa Sul, ambas na região Sul.

Nos últimos três anos, foram adicionados três conjuntos eólicos na Bahia, sendo o mais recente o parque Campo Largo II, localizado em Umburanas (BA), que recebeu autorização para iniciar as operações comerciais no primeiro trimestre de 2021, ultrapassando a marca de 1GW considerando todos os projetos em operação. “Adicionalmente, a Engie continua desenvolvendo e buscando ativamente crescer com a fonte solar”, diz Ferrari...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=339090&sid=105

KPMG: setor elétrico avançou um ano após a pandemia

A KPMG realizou um levantamento analisando os quatro padrões de retomada dos 40 principais setores da economia brasileira após um ano de início da pandemia da covid-19. Segundo o estudo, o setor de energia elétrica avançou do estágio “reiniciar” identificado no início das ações de restrições do governo, quando foi realizada primeira edição do relatório, para “transformar para emergir”. Nessa etapa, estão as indústrias e empresas que se recuperarão, mas ao longo de um caminho prolongado, exigindo reservas de capital para resistir e transformar modelos operacionais e de negócio.

A sócia líder do setor elétrico da KPMG, Franceli Jodas, analisa que com o início das medidas de restrições da Covid-19, as distribuidoras foram impactadas, mas a ação rápida do governo para apoiar as distribuidoras evitou que esses impactos atingissem toda a cadeia, poupando os agentes de transmissão e geração do ambiente regulado. Para ela, um ano depois da última pesquisa, o cenário é diferente, o consumo de energia retomou os índices históricos e mudanças estruturais no marco regulatório têm sido criadas não apenas para corrigir deficiências do modelo, mas para possibilitar a inserção de novas tecnologias e garantir a segurança e a modernização do setor elétrico...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53175494/kpmg-setor-eletrico-avancou-um-ano-apos-a-pandemia

Andrade Gutierrez utiliza tecnologia BIM na construção de parques solares

Visando atender o crescente mercado de energia solar no país, a companhia Andrade Gutierrez está utilizando uma tecnologia inovadora, que em conjunto com outras ferramentas atuais, compõe o Sistema AG de Excelência (SAGE), é o BIM (Building Information Modeling, sigla em inglês para Modelagem da Informação da Construção).

Segundo a companhia, a metodologia com o BIM está sendo aplicada, no parque solar que está sendo construído pela companhia no Ceará. O projeto aproveita os benefícios da tecnologia integrada às rotinas operacionais da Andrade Gutierrez, promovendo uma melhor visualização das grandes áreas do parque em um único modelo digital de projeto.

De acordo com a Andrade Gutierrez, a iniciativa de usar o BIM partiu da própria companhia, que teve como principal objetivo manter as informações concentradas e atualizadas no modelo digital, permitindo o acesso ágil e preciso das informações do projeto nas fases de operação e manutenção. Para garantir uma transformação digital ágil e sustentável na rotina da construção, a AG apresenta uma nova Engenharia 4.0 ao mercado, resultado de implementações-piloto de captura de realidade integrada ao BIM, utilizando soluções de startups aceleradas em seu programa de inovação aberta, o Vetor AG. É o caso da Maply e da SGP+AR, que desenvolveram ferramentas para a digitalização e precisão do processo de atualização do avanço físico da obra…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53175369/andrade-gutierrez-utiliza-tecnologia-bim-na-construcao-de-parques-solares

Entenda o plano do governo para evitar a falta de energia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta semana que o Brasil vive uma das piores crises hídricas da história. O índice de chuvas no país é o menor em 91 anos, segundo o Sistema Interligado Nacional (Sin), responsável pela produção e transmissão de energia elétrica no país.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, negou que há chance de racionamento de energia no país, mas prevê uma série de medidas para evitar apagões, entre as quais acionar o uso de termelétricas para aumentar a capacidade energética e escalonar o uso de energia pelas empresas.

Isso porque alguns dos principais reservatórios do país estão com capacidade reduzida, o que gera preocupação pela aproximação da época de seca e a diminuição das chuvas, aponta Fernando Nakagawa, diretor do CNN Business.

O conjunto de reservatórios do Centro-Sul do país tem atualmente 31,9% da sua capacidade de água. O reservatório de Furnas, em Minas Gerais, está com a sua capacidade em 36,8%, segundo dados do sistema.

Reservatórios da região do Rio Grande, entre os estados de São Paulo e Minas Gerais têm capacidades ainda mais reduzidas.

O reservatório da usina de Água Vermelha, localizado entre Ouroeste (SP) e Iturama (MG), está com 8% de capacidade e o da usina de Marimbondo, entre as cidades de Icém (SP) e Fronteira (MG), com apenas 7%, segundo dados do Sin…

Fonte: CNN Brasil

Leia mais em:

https://www.cnnbrasil.com.br/business/2021/06/04/entenda-o-plano-do-governo-para-evitar-a-falta-de-energia

Energia solar fotovoltaica ou térmica? Entenda as principais diferenças entre as duas modalidades

A posição geográfica do Brasil, com a proximidade da linha do Equador, garante ao país grande incidência de raios solares durante todas as estações do ano, em todo o território nacional. Com esse potencial para gerar eletricidade a partir do Sol, a energia solar é uma alternativa inteligente, sustentável e econômica.

Em agosto do ano passado, o governo brasileiro zerou os impostos de importação de diversos equipamentos de energia solar até o final de 2021, tornando as instalações ainda mais acessíveis. As tarifas de importação para módulos solares eram de 12%, enquanto as de inversores eram de 14%.

O custo de instalação de um sistema fotovoltaico residencial fica, em média, entre R$ 15 mil a R$ 30 mil, com um retorno do investimento para o consumidor em um período de quatro anos a seis anos, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar). As taxas de financiamento variam de acordo com o banco ou instituição financeira escolhida, assim como o prazo de financiamento, que pode ser de 24 meses e chegar até 72 meses…

Fonte: G1

Leia mais em:

https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/especial-publicitario/top-sun/top-sun-energia-solar/noticia/2021/06/04/energia-solar-fotovoltaica-ou-termica-entenda-as-principais-diferencas-entre-as-duas-modalidades.ghtml

BYD Brasil investe no desenvolvimento de novas tecnologias para o mercado FV

Segundo estimativas da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica) está previsto, até o fim de 2021, a adição de cerca de 4,9 GW de potência fotovoltaica instalada no Brasil.

Sabendo disso, a fabricante de painéis fotovoltaicos BYD investiu R$ 3 milhões na modernização dos equipamentos do setor de PD&I (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) no Brasil.

“A BYD sempre investe em inovação e desenvolvimento de novas tecnologias localmente e por aqui não seria diferente. Nossas pesquisas sempre serão o maior ecossistema de inovação em energia solar fotovoltaica presente no país”, destaca Marcelo Taborda, gerente comercial da BYD Energy.

A empresa adquiriu a última geração em equipamentos de Stringer e de Flash Test que serão dedicados para realização de experimentos, estudos e desenvolvimento de amostras e de novas tecnologias de energia solar na área de semicondutores.

O String é um equipamento responsável por aplicar as tecnologias de interconexão elétrica entre as células fotovoltaicas dos módulos. É moderno e flexível, sendo capaz de processar células de diversos tamanhos e tecnologias de interconexões diferentes em ambiente de laboratório, possibilitando a produção de módulos até 650 W.

O Flash Test é um equipamento responsável por realizar a caracterização elétrica (Medição de curva IV) de painéis em ambiente de laboratório com precisão A+A+A+, possui a capacidade de trabalhar com uma diversidade de tamanhos e tecnologias de painéis com alta acuracidade de medição…

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/byd-brasil-investe-no-desenvolvimento-de-novas-tecnologias-para-o-mercado-fv/