06/04/2022

Abertura do mercado livre deve estimular digitalização e gestão do consumo de energia

A abertura do mercado de energia vai estimular a digitalização e a gestão do consumo por parte das empresas, avalia o Grupo Safira. O entendimento é que a energia passará a ser considerado como mais uma matéria-prima do negócio, algo que hoje é reservado apenas a um seleto grupo de grandes consumidores.

O coordenador de gestão e de inteligência de mercado da Safira, Raphael Vasques, afirma que, atualmente, não há qualquer ingerência no que diz respeito ao fornecimento de energia por parte das empresas, mesmo de alta tensão, que estão no mercado cativo, já que elas são atendidas por um único fornecedor, que é a distribuidora concessionária.

“Até por isso, dificilmente possuem uma área especifica interna para cuidar deste insumo. Com a migração para o mercado livre, as possibilidades se abrem, e a energia deverá passar a ser tratada como matéria-prima, com a criação de uma gestão específica e a procura de um fornecedor que oferecerá o melhor custo-benefício”, assinalou o coordenador...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/mercado/mercado-livre/abertura-do-mercado-livre-deve-estimular-digitalizacao-e-gestao-do-consumo-de-energia

PepsiCo e Schneider Electric anunciam o projeto pep+ REnew

A Schneider Electric e a PepsiCo anunciaram o pep+ REnew, uma das primeiras colaborações no setor de alimentos e bebidas, que visa aumentar o acesso dos parceiros da cadeia de valor à eletricidade renovável.

O projeto pep+ REnew também tem objetivo de educar os parceiros da cadeia de valor da PepsiCo sobre suas escolhas de eletricidade renovável e acelerar a transição para a modalidade por meio de contratos de compra de energia (PPAs) e outras opções de aquisição. O programa foi lançado para ajudar a superar os desafios que muitas pequenas e médias empresas enfrentam ao tentar participar do mercado de eletricidade renovável. Algumas organizações talvez não sejam grandes o suficiente para entrar por conta própria e podem precisar de colaboração sobre a mecânica específica das transações de eletricidade renovável ou orientação para navegar pelas complexidades de um PPA.

Como primeira etapa, a PepsiCo está convidando parceiros da cadeia de valor a se inscrever para participar da iniciativa, com o objetivo de conseguir um primeiro comprador de um PPA até o fim deste ano...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53207430/pepsico-e-schneider-electric-anunciam-o-projeto-pep-renew

Autoridade econômica brasileira é forte candidata à liderança da Petrobras, diz fonte

O funcionário do Ministério da Economia brasileiro, Caio Mario Paes de Andrade, surgiu como um forte candidato para liderar a petrolífera estatal Petrobras (PETR4.SA) , depois que o consultor de energia Adriano Pires recusou a indicação do governo, um funcionário do governo disse à Reuters na terça-feira.

A fonte, que pediu anonimato para comentar as discussões privadas, disse que o ministro da Economia, Paulo Guedes, evitou participar ativamente do processo seletivo, mas apoia a indicação de Paes de Andrade por sua defesa de um setor público menor e mais eficiente. Guedes há muito defende a privatização da Petrobras.

Paes de Andrade e o Ministério da Economia não quiseram comentar o assunto.

O Ministério de Minas e Energia disse que está avaliando novos candidatos para liderar a Petrobras...

Fonte: Reuters

Leia mais em:

https://www.reuters.com/world/americas/brazilian-economic-official-strong-candidate-lead-petrobras-says-source-2022-04-05/

Porto do Açu muda comando para acelerar transição energética

A Prumo Logística quer atrair negócios de baixo carbono para o Porto do Açu, em São João da Barra, norte do Estado do Rio de Janeiro. Com a transição energética, a companhia vai aproveitar a experiência no apoio à exploração e produção de petróleo e gás para apoiar o desenvolvimento da geração de energia eólica em alto-mar (offshore), indústria incipiente no Brasil. Para tanto, a partir deste mês, o executivo do setor de petróleo Tadeu Fraga deixa a presidência da Prumo, cargo que será assumido por Rogério Zampronha, com experiência em renováveis.

Dada a localização próxima às bacias de Campos e Santos, responsáveis pela maior parte do volume produzido no Brasil, o Açu hoje concentra atividades do setor de petróleo e gás. Além de contar com fornecedores e prestadores de serviços para exploração e produção, o porto foi responsável por exportar 125 milhões de barris de petróleo em 2021, cerca de 30% do volume exportado pelo país…

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=345603&sid=105

Comissão de Infraestrutura do Senado aprova Sandoval Feitosa para o cargo de Diretor-Geral da ANEEL

A Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) do Senado Federal aprovou a indicação de Sandoval Feitosa para o cargo de Diretor-Geral da ANEEL, após sabatina realizada nesta terça-feira (5/4). A aprovação se deu com 19 votos favoráveis e uma abstenção. Aprovada na CI, a indicação será submetida ao Plenário do Senado.

Diretor da ANEEL desde 2018, Feitosa ressaltou em seu discurso o privilégio de ter conduzido processos relevantes em meio a recentes desafios no setor elétrico brasileiro, tendo o diálogo e a experiência de 18 anos na Agência como alicerces de sua atuação. “Manterei o meu compromisso de bem servir ao nosso País, atuando de forma coordenada e em constante diálogo com a sociedade, com os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, e também com o setor produtivo”, declarou. “Tive o privilégio de vivenciar o amadurecimento do mercado de energia elétrica e o crescimento de todas as instituições que o compõem, em especial o Ministério de Minas e Energia, a própria ANEEL, a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e os segmentos de geração, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica”, acrescentou Sandoval Feitosa, que enalteceu o corpo técnico da instituição: “Temos um valoroso quadro de servidores que estão prontos para continuar servindo ao País para que a energia elétrica chegue a cada um dos brasileiros com qualidade e preços adequados.”…

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.gov.br/aneel/pt-br/assuntos/noticias/2022/comissao-de-infraestrutura-do-senado-aprova-sandoval-feitosa-para-o-cargo-de-diretor-geral-da-aneel

Acciona Energia reforça estrutura na América do Sul para impulsionar crescimento

A Acciona Energia reforçou a sua estrutura na América do Sul com a criação de uma nova sede regional no Brasil e a nomeação de Miguel Arrarás como diretor da Acciona Energia no Chile. De acordo com a empresa, a iniciativa foi tomada para responder ao seu crescimento no país, criando assim uma nova plataforma corporativa no Brasil, contando com uma experiente equipe de desenvolvimento, design e execução de projetos e gestão comercial. Esta estrutura será liderada por Herbert Laier, que acaba de assumir a diretoria da Acciona Energia no país.

Como diretor da Acciona Energia no Brasil, Herbert Laier será o responsável pela estratégia de desenvolvimento e execução de projetos de geração renovável e a gestão da comercialização de energia no país, que emerge como um compromisso estratégico nos planos de crescimento a longo prazo da empresa. Antes de aceitar o desafio na empresa, Herbert Laier construiu uma sólida carreira no segmento, informou a empresa. Na Enerfin Brasil, empresa na qual ingressou em 2006, ocupou, entre outros, o cargo de Diretor de Desenvolvimento de Negócios...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53207269/acciona-energia-reforca-estrutura-na-america-do-sul-para-impulsionar-crescimento

Celepar se torna consumidor varejista

A Celepar (Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná) e a Copel Mercado Livre firmaram um acordo que passou a vigorar na última sexta-feira, 1º de abril, pelo qual a Companhia de Tecnologia passa a integrar a categoria varejista, o que a torna apta a adquirir energia elétrica de fontes renováveis, como a solar e a eólica. O contrato tem vigência até final de 2026 e garante outra vantagem: a economia de aproximadamente R$ 3 milhões ao ano em gasto com energia.

Segundo a Celepar, a iniciativa reforça seu compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, da Organização das Nações Unidas, e contribui para tornar o planeta um lugar melhor e mais sustentável, além de investir em energia limpa e renovável, que será possível reduzir o impacto ambiental. A companhia ressaltou ainda que a empresa conta com uma usina fotovoltaica em funcionamento desde 2018 para a captação de energia solar, o que também demonstra a preocupação com o meio ambiente.

Com essa medida, a Celepar também está apta a buscar o Certificado I-REC, que representa um reconhecimento a nível global de energia limpa e renovável. O documento garante que a energia utilizada por empresas, gerada ou consumida, tem como origem fontes renováveis.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53207274/celepar-se-torna-consumidor-varejista

Brasil sobe para 6º lugar em ranking mundial de eólicas

Com 3,8 GW de nova capacidade adicionada em 2021, o Brasil ultrapassou a França e subiu para a sexta posição no ranking mundial da fonte eólica onshore, segundo levantamento do Global Wind Energy Council (GWEC) divulgado nessa segunda-feira, 4 de abril. A potência atual chega a 21,5 GW entre 795 parques instalados, atrás de países como Índia, Espanha, e à frente de Canadá, Reino Unido e Suécia. Lideram a lista a China, com 310,6 GW, seguida por Estados Unidos e Alemanha, com 134,3 GW e 56,8 GW respectivamente.

O relatório também mostra que o país foi o terceiro país que mais instalou unidades geradoras, repetindo o feito de 2020 e ficando atrás apenas de China e EUA. A presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), Elbia Gannoum, comentou que a indústria tem atuado de forma eficiente e crescendo não apenas no mercado regulado mas com forte expansão no ambiente de contratação livre.

No olhar global o ranking mostra que a capacidade aumentou 93,6 GW em 2022, levando a potência total acumulada para 837 GW, representando um acréscimo ano a ano de 12%. Enquanto os dois maiores mercados, China e EUA, instalaram menor capacidade eólica onshore no ano que passou – 30,7 GW e 12,7 GW, respectivamente – outras regiões tiveram anos recordes...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53207229/brasil-sobe-para-6o-lugar-em-ranking-mundial-de-eolicas

Taesa inicia operação de LTs com um ano de antecipação no RS

A Taesa informou que o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) emitiu os Termos de Liberação para as linhas de transmissão Livramento 3 – Alegrete 2 (C1) e Livramento 3 – Cerro Chato (C1), ambas com tensão de 230 kV, e para parte da subestação Livramento 3, referentes às instalações da concessão Sant’Ana Transmissora de Energia, todas no Rio Grande do Sul.

Em comunicado ao mercado a empresa afirma que os empreendimentos entraram em operação comercial com uma antecipação de quase 12 meses em relação ao prazo da Aneel, passando a adicionar para a companhia uma Receita Anual Permitida (RAP) de mais de 23% do total do empreendimento, retroativa a 28 de março de 2022.

Com aproximadamente 591 km, Sant’Ana é um ativo do lote 12 do leilão de transmissão nº 004/2018 e 100% controlada pela companhia. A RAP total é de R$ 67,1 milhões para o ciclo 2021-2022. O empreendimento está localizado no Estado do Rio Grande do Sul, com extensão aproximadamente de 591 km de linhas de transmissão. O prazo estipulado pela ANEEL para energização de Sant’Ana é março de 2023.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53207223/taesa-inicia-operacao-de-lts-com-um-ano-de-antecipacao-no-rs

CCEE apresenta proposta para regras de comercialização de usinas híbridas no Brasil

A Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) realizou a entrega do pacote de Regras e Procedimentos de Comercialização (PdCs) que devem regulamentar a operação mercadológica das usinas híbridas no Brasil.

A CCEE avalia que as usinas hibridas, modelo de geração que combina duas ou mais fontes, como eólica e solar, em um mesmo local, devem representar um avanço nas alternativas de geração do País, possibilitando ganhos sinérgicos e financeiros para agentes que adentrarem à categoria.

O documento foi apresentado à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), conforme diretrizes da Resolução Normativa nº 954/21, que previa a entrega, pela CCEE, de um pacote com a proposta de aprimoramentos das regras que permita a chegada ao mercado de mais essa possibilidade de negócios no setor elétrico brasileiro…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/politica/regulacao/ccee-apresenta-proposta-para-regras-de-comercializacao-de-usinas-hibridas-no-brasil