05/11/2021

Agência cobra plano de recuperação de distribuidora de energia de Roraima

A crise elétrica vivida pela população de Roraima, que por anos sofreu com o fornecimento caótico que vinha da Venezuela e hoje depende 100% da geração de térmicas a óleo diesel para iluminar suas casas, pressiona agora a distribuidora de energia do Estado. A empresa Roraima Energia, responsável por abastecer Boa Vista e o interior do Estado, dona de dívidas milionárias, corre risco de se inviabilizar financeiramente.

A situação das contas da empresa levou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a enviar, dez dias atrás, um ofício para o presidente da companhia, o ex-ministro de Minas e Energia Márcio Zimmermann, para cobrar um “plano de resultados” sobre as contas da concessão, ao constatar que “a situação econômico-financeira da concessionária é preocupante”.

Até dezembro do ano passado, o endividamento líquido da empresa chegava a R$ 877 milhões. O problema não é a dívida em si, mas como quitála. No fim do ano passado, a empresa fechou com resultado negativo de R$ 68 milhões. O cenário levou a área técnica da agência reguladora a alertar que a situação “pode implicar a perda das condições econômicas” da concessão, que desde 2018 saiu das mãos da Eletrobras e passou a ser comandada pela empresa privada Oliveira Energia...

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=342921&sid=105

Grupo de 48 países promete fim da produção de carvão

Sem a presença do Brasil e com 48 países signatários, foi firmado na Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas (COP-26), que está sendo realizada em Glasgow, na Escócia, um pacto para acabar com a produção de carvão e fortalecer a transição energética para fontes renováveis. A intenção é fazer esse processo até 2030 em nações com economia desenvolvida e até 2040 nas nações em desenvolvimento. “Hoje, acho que podemos dizer que o fim do carvão está próximo”, afirmou Alok Sharma, que preside a conferência de quase 200 países.

Entre os que assinaram o acordo estão Polônia, Reino Unido, Alemanha e França. Já algumas ausências importantes são Estados Unidos, Japão, Índia e China, responsável por metade do consumo de carvão no mundo. Até por ter esse combustível como central em sua cadeia produtiva, os chineses optaram por não entrar no acordo neste momento, mas se comprometeram a não financiar mais minas de carvão em outros países. “O pacto cobre uma parte importante dos países que consomem carvão. A China não entrou e ela precisa viabilizar como fazer essa transição, pois o consumo de carvão lá é muito alto. Não é só na geração direta de energia, mas também tem a ver com a cadeia de produção em um país que exporta produtos para o mundo inteiro. Na pandemia vimos como essa cadeia de suprimento foi muito afetada. Então a questão é sobre como o corte do carvão vai afetar a indústria chinesa e o impacto disso no mundo como um todo”, explica Mercedes Bustamante, professora do departamento de Ecologia da Universidade de Brasília (UnB)...

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=342922&sid=105

Volkswagen lança veículos 100% elétricos da família ID na América Latina

Foram lançados na América Latina os modelos ID.3 e ID.4 da família ID, da Volkswagen. Esses modelos totalmente elétricos já são vendidos nos Estados Unidos, na China e em alguns países da Europa. De acordo com a montadora, as primeiras unidades dos modelos serão recebidas primeiro pela Argentina e pelo Brasil.

Conforme a empresa, o modelo ID tem autonomia de bateria entre 330 km e 550 km e pode entregar de 145 cv a 299 cv de potência máxima. A partir de um sistema de recarga rápida, a bateria pode ser recuperada em até 80% em cerca de 30 minutos, com uma recarga DC (100kW).

Os modelos elétricos, juntamente aos híbridos e flex com etanol, estarão dentro da estratégia de descarbonização seguida pela Volkswagen na região, que tem como objetivo neutralizar as emissões de CO2 até 2050.

“Teremos muitas novidades para a nossa região em termos de eletrificação rumo à mobilidade sustentável”, declara Pablo Di Si, CEO da Volkswagen América Latina.

O lançamento do Golf GTE híbrido plug-in no Brasil deu início à estratégia de eletrificação da empresa na América Latina, em 2019. O segundo passo foi em 2021 com o veículo totalmente elétrico e-up!, sendo apresentado no Uruguai...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-renovavel/volkswagen-lanca-veiculos-100-eletricos-da-familia-id-na-america-latina.html

'Queremos vender energia como vendemos combustíveis', diz CEO da Vibra

Antes de passar pela mudança que a transformou em Vibra Energia (VBBR3), a BR Distribuidora colecionou quase cinco décadas como distribuidora de derivados do petróleo. A virada na gestão da empresa, que começou com a saída da Petrobras (PETR3/PETR4) do controle, pretende mudar radicalmente a atuação da Vibra nas próximas décadas. O objetivo principal é trazer outras fontes de receitas, deixando de depender somente dos combustíveis fósseis.

Para tanto, a companhia começou tomando duas decisões importantes. A primeira foi o estabelecimento de acordos para a entrada no segmento de combustíveis renováveis (uma joint venture com a Copersucar para a comercialização de etanol e uma parceria com a ZEG para o fornecimento de biometano, um tipo de biogás). A segunda decisão estratégica foi a compra de 50% da Comerc, maior empresa do país em comercialização e gestão de energia elétrica.

A última decisão tem as digitais do novo CEO da Vibra, Wilson Ferreira Junior. Antes de assumir a empresa, em março passado, o executivo foi presidente da Eletrobras (ELET3/ELET6) por quase cinco anos e conduziu a estatal de energia por um processo de reestruturação e saneamento de contas, com consequente valorização das ações. Em entrevista à EXAME Invest, Ferreira Junior falou das mudanças na Vibra e dos próximos passos para a empresa…

Fonte: Invest Exame

Leia mais em:

https://invest.exame.com/me/queremos-vender-energia-como-vendemos-combustiveis-diz-ceo-da-vibra

Mobilidade elétrica entra no radar da Hitachi Energy

A multinacional Hitachi ABB Power Grids, especializada em redes elétricas e criada a partir da união da japonesa Hitachi com a suíça ABB, anunciou na última quarta-feira, 3 de novembro, sua evolução para Hitachi Energy. Segundo a companhia, a mudança sinaliza a renovação e ampliação do portfólio de soluções para a transição energética no Brasil.

O nome da marca permitirá à expansão das tecnologias e serviços para clientes atuais e futuros para além da rede, abrindo uma variedade de oportunidades em áreas como a de mobilidade elétrica. O CEO da organização, Claudio Facchin, comentou que a eletrificação global quase dobrará sua demanda até 2050, conforme relatório da IEA sobre Net Zero de maio de 2021, com a eletricidade devendo ser a espinha dorsal de todo o sistema energético.

A empresa registrou formalmente a Hitachi Energy Ltd. em 30 de junho de 2021, e atualmente está realizando o processo formal para a mudança de nomes globalmente, com exceção da China, onde a transição ocorrerá posteriormente. A Hitachi Ltd. possui 80,1% de participação na joint venture que iniciou as operações em 1º de julho de 2020 e a ABB Ltd. detém o restante...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53192429/mobilidade-eletrica-entra-no-radar-da-hitachi-energy

Enel recolhe 30 toneladas de fiação irregular em SP

A Enel recolheu 30 toneladas de cabos irregulares até setembro desse ano na região metropolitana de São Paulo. A informação consta no balanço de inspeção realizado até setembro em postes da área de concessão da distribuidora, com objetivo de identificar as fiações clandestinas e intensificar as notificações para que as empresas de Telecom e de Internet organizem e identifiquem seus ativos.

O trabalho já foi concluído pela concessionária em dez municípios. Atualmente são 289 contratos para ocupar a infraestrutura nos municípios, mas a fiscalização já identificou que há um número muito superior de empresas passando os seus fios pelos postes. Como medida, a Enel Distribuição São Paulo está notificando as operadoras para que regularizem e identifiquem as fiações. Após 45 dias, caso o cabeamento não esteja normalizado, a companhia poderá retirar a fiação sem identificação.

Nos três municípios do ABC Paulista a Enel SP admite um parque de 125.675 mil postes. São Bernardo do Campo lidera o ranking, com 32.406 irregularidades, seguida por Santo André (32.375) e São Caetano do Sul (5.867). A concessionária também já finalizou o levantamento após inspeção em 100% das estruturas em sete importantes municípios da região Oeste. Osasco lidera o ranking com 37.269 irregularidades, seguida por Barueri (20.716), Santana de Parnaíba (15.597), Embu das Artes (14.595), Itapevi (14.251), Cajamar (9.461) e Jandira, com 7.495 irregularidades...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53192414/enel-recolhe-30-toneladas-de-fiacao-irregular-em-sp

Isa Cteep avança na transformação digital e inaugura 1ª subestação digital do SIN

  • Empreendimento representa um marco rumo à Subestação 4.0 e vai duplicar o abastecimento de energia para a região do Vale do Paraíba, que passa a contar com um sistema redundante

  • Aplicação de sistemas digitais com o uso de tecnologias, como “big data” e conexões em fibra ótica, conferem maior disponibilidade e eficiência na prestação de serviços, melhor confiabilidade e coleta de informações para tomada de decisão

  • Projeto reforça comprometimento da companhia com a inovação e a descarbonização da matriz energética

A cidade de Lorena, no interior de São Paulo, recebe a primeira subestação digital da rede básica do Sistema Interligado Nacional (SIN), desenvolvida pela ISA CTEEP, maior transmissora privada de energia elétrica do País. O empreendimento, inaugurado recentemente, é o primeiro a contemplar a aplicação da solução digital no Grupo ISA e faz parte da Interligação Elétrica Itapura. A subestação conta com um banco de autotransformadores com capacidade instalada de 1.200 MVA, capaz de abastecer duas cidades do porte de São José dos Campos (SP). O projeto vai beneficiar a região do Vale do Paraíba, maior polo de tecnologia de São Paulo e, ao todo, mais de 200 profissionais trabalharam durante a obra.

“A subestação Lorena representa um marco na transformação digital da ISA CTEEP rumo à Subestação 4.0, essencial para sistemas de energia cada vez mais descarbonizados, distribuídos e digitalizados. Com este novo empreendimento, contribuiremos significativamente com o aumento da confiabilidade, eficiência e sustentabilidade para o sistema de transmissão brasileiro”, conta Dayron Urrego, diretor executivo de projetos da ISA CTEEP...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53192444/isa-cteep-avanca-na-transformacao-digital-e-inaugura-1a-subestacao-digital-do-sin

Isa Cteep cria diretoria de Gestão da Regulação

A transmissora Isa Cteep anunciou a criação da Diretoria de Gestão da Regulação, área que até então era concebida como gerência. Com o movimento o atual gerente, Cláudio Domingorena, assume a nova posição.

Com mais de 18 anos de atuação e experiência em assuntos regulatórios, o executivo é formado em Engenharia Eletromecânica pela Universidad de Belgrano, na Argentina. Possui ainda MBA pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e especialização em Perícias de Engenharia e Avaliações pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP).

Na transmissora Domingorena iniciou como gerente da base regulatória em 2018 até assumir a Gerência de Gestão da Regulação. “Um dos desafios será contribuir ativamente com discussões junto ao regulador e colaborar com avanços de projetos inovadores que tragam o desenvolvimento para o setor elétrico”, comenta o novo diretor de Gestão da Regulação da companhia.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53192384/isa-cteep-cria-diretoria-de-gestao-da-regulacao

Energisa vai comprar ações dos empregados de distribuidora de Rondônia

A Energisa anunciou em comunicado ao mercado que iniciou no último dia 1º de novembro a oferta pública obrigatória de aquisição de ações de titularidade de empregados e aposentados da Energisa Rondônia. A oferta era uma condição prevista no edital da privatização da distribuidora.

De acordo com o comunicado, a oferta tem por objeto a aquisição, pela Energisa, de até 148.204.719 ações, nominativas e sem valor nominal, que representam 3,54% do capital social total da Energisa Rondônia. O edital está disponível no site da Energisa.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53192379/energisa-vai-comprar-acoes-dos-empregados-de-distribuidora-de-rondonia