05/01/2022

Cepel valida nova solução para monitoramento de ativos

O Cepel acaba de validar em campo o sistema IMA-Acústico, um dos seus mais novos produtos na área de gestão de ativos. A solução é voltada ao monitoramento de equipamentos elétricos de alta tensão pela metodologia de emissão acústica, sendo capaz de registrar, processar e apresentar informações sobre a ocorrência de sinais internos em subestações isoladas a gás – SF6.

Os testes foram realizados com apoio de Furnas na SE Grajaú (RJ), de 500kV. A ferramenta integra a linha de produtos IMA, composta pelo já premiado internacionalmente IMA-DP (medição de descargas parciais), pelo IMA-CTD (medição de capacitância e tangente delta), IMA-DP UHF (medição de sinais elétricos em ultra-alta frequência) e o IMA-Gap (medição de entreferro).

Segundo o pesquisador e gerente do projeto, Hélio Amorim, os equipamentos de alta tensão podem apresentar defeitos internos de origem térmica, mecânica ou elétrica, gerando ondas sonoras que se propagam e vão de encontro à parede do equipamento. Com os sensores e um circuito de processamento de sinais é possível transformar o sinal sonoro em elétrico, possibilitando assim sua aquisição e utilização em monitoramento preditivo do equipamento...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53198745/cepel-valida-nova-solucao-para-monitoramento-de-ativos

Leilão de transmissão expandirá energia elétrica em 10 estados com R$ 8 bi em investimentos

Um leilão de obras de transmissão de energia elétrica está previsto para junho de 2022. De acordo com o MME (Ministério de Minas e Energia), serão 4.810 km de linhas de transmissão, 6.030 MVA de potência a ser instalada e cerca de R$ 8 bilhões no total dos investimentos.

Ao todo, estão previstas obras de expansão de energia elétrica em 10 estados brasileiros. A maior parte do volume será destinado à região norte de Minas Gerais. Ali estão previstos 3.543 km de linhas de transmissão, além de 3.750 MVA em potência a ser instalada em subestações. No total, serão R$ 6 bilhões destinados somente a estes empreendimentos.

Ainda vão compor o leilão obras de transmissão de energia elétrica que têm contratos de concessão em processo de penalidade de caducidade e que estão localizadas nos estados do Amazonas, Pará, Rondônia, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/leilao-de-transmissao-expandira-energia-eletrica-em-10-estados-com-r-8-bi-em-investimentos/

Energia solar bate recorde em 2021 e ultrapassa geração de usinas térmicas

O Brasil acaba de ultrapassar a marca histórica de 13 gigawatts (GW) de potência operacional da fonte solar fotovoltaica em sistemas de médio e pequeno portes instalados em telhados, fachadas e terrenos e em grandes usinas centralizadas, informou a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

De acordo com a entidade, desde 2012, a fonte solar já trouxe ao Brasil mais de 66,3 bilhões de reais em novos investimentos, 17,1 bilhões de reais em arrecadação aos cofres públicos e gerou mais de 390.000 empregos. Com isso, também evitou a emissão de 14,7 milhões de toneladas de CO2 na geração de eletricidade.

Para o presidente da Absolar, Rodrigo Sauaia, o avanço da energia solar no país é fundamental para o desenvolvimento social, econômico e ambiental do Brasil. A fonte ajuda a diversificar o suprimento de energia elétrica, reduzindo a pressão sobre os recursos hídricos e o risco de ainda mais aumentos na conta de luz da população com o uso de termelétricas...

Fonte: Exame

Leia mais em:

https://exame.com/economia/energia-solar-bate-recorde-em-2021-e-ultrapassa-geracao-de-usinas-termicas/

Governo ativa estatal que vai assumir Itaipu e Eletronuclear

Foi ativada nesta terça-feira, 4 de janeiro, em Brasília (DF), a Empresa Brasileira de Participações em Energia Nuclear e Binacional S.A. Vinculada ao Ministério de Minas e Energia, a nova estatal viabilizará a privatização da Eletrobras. A ENBPar vai assumir as atividades da Eletrobras que não podem ser privatizadas, como as empresas Itaipu Binacional e Eletronuclear e a gestão de políticas públicas.

As políticas públicas que ficarão a cargo da ENBPar são a universalização de energia elétrica, Mais Luz para a Amazônia, contratos do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica e ações do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica. A empresa também será responsável por bens da União sob administração da Eletrobras e contratos do Fundo Reserva Global de Reversão, assinados antes de 17 de novembro de 2016, que estavam sob a administração da Eletrobras.

Segundo o CEO da ENBPar, Ney Zanella dos Santos, a estatal trabalhará apenas com energia limpa. De acordo com ele, só será comercializada energia das fontes hídrica e nuclear, sem emissão de carbono. O início das atividades será com uma estrutura enxuta. O objetivo é que a privatização da Eletrobras ocorra sem gerar gastos adicionais no orçamento fiscal e sem que haja interrupções nas atividades que, por lei, não podem ser privatizadas. A lei 14.182/2021, que dispõe sobre a desestatização da Eletrobras, autorizou a União a criar a empresa pública, que não será dependente do Tesouro. A sede da ENBPar será em Brasília, como prevê o Decreto 10.791 de 10/09/2021, que criou a nova estatal. Após a sua estruturação, a empresa poderá atuar em diferentes estados da Federação.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53198723/governo-ativa-estatal-que-vai-assumir-itaipu-e-eletronuclear

Equatorial define novo diretor-presidente da CEEE-D

O Conselho de Administração da Equatorial aprovou na última segunda-feira, 3 de janeiro, a chegada de Raimundo Barretto Bastos para o cargo de Diretor-Presidente da CEEE-D, em substituição a Maurício Velloso, que passará a ocupar a presidência das empresas Equatorial Serviços, Equatorial Telecom e Enova, esta última destinada a Geração Distribuída.

Bastos é formado em Engenharia Elétrica pela Universidade Federal da Bahia e possui especialização em Gestão da Qualidade pelo Centro Educacional de Tecnologia em Administração (CETEAD), além de MBA em Finanças Empresarias pela FGV.

Trabalhou em diversos níveis gerenciais nas distribuidoras do Grupo Neoenergia, tendo atuado como como Diretor-Presidente e Vice-Presidente e Diretor de Desenvolvimento Corporativo da Coelba. Foi também Diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Eletrobras e agora terá o desafio de conduzir a o processo de turnaround da distribuidora gaúcha.

Já Velloso ingressou em 2019, tendo liderado desde 2020 o processo de turnaround da Equatorial Piauí, na condição de Diretor-Presidente, assumindo em julho deste ano o desafio de iniciar o processo da CEEE-D, incluindo a execução do Plano de 100 dias, importante etapa na agenda de geração de valor e aceleração da integração da empresa.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53198683/equatorial-define-novo-diretor-presidente-da-ceee-d

Cade aprova compra de transmissora pela Energisa

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a compra do controle acionário da Geogroup Paranaíta Transmissora de Energia SPE (SPE Paranaíta) pela Energisa Transmissão de Energia (ETE), uma subsidiária integral da Energisa. A informação foi publicada no Diário Oficial da União da última segunda-feira, 3 de janeiro. O valor da operação é de R$ 100,7 milhões.

Segundo comunicado da empresa, a decisão ainda está sujeita a recurso ou avocação do ato de concentração pelo prazo de 15 dias da data de sua publicação no Diário Oficial. Caso não seja interposto recurso nem ocorra a avocação em tal prazo, a decisão ficará como definitiva.

A SPE Paranaíta é detentora de uma subestação de 500/138 kV, 150 MVA, localizada na divisa do Mato Grosso e Pará, fazendo conexão com a Energisa Mato Grosso. A transmissora admite uma receita anual permitida (RAP) de R$ 10,908 milhões, não possuindo dívidas de curto e longo prazo.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53198688/cade-aprova-compra-de-transmissora-pela-energisa

Votorantim e CPP Investment assinam acordo final para reorganização societária

Foi assinado no último dia 30 de dezembro de 2021, de modo definitivo, o acordo de Reorganização Societária e Investimento entre Votorantim e Canada Pension Plan Investment Board e como interveniente anuente, a VTRM, que deverá integrar as participações na Cesp, ativos eólicos, participações acionárias da Votorantim Energia em hidrelétricas e Votorantim Comercializadora, além de projetos de expansão em desenvolvimento. A operação havia sido anunciada em outubro de 2021 e o Cade deu o aval no começo de dezembro.

A reorganização quer consolidar investimentos no setor dos acionistas controladores, incluindo a realização de contribuições de ativos e de caixa para a VTRM. Com a efetivação da operação, a Cesp passará a ser subsidiária integral da VTRM e ocorrerá o resgate das ações preferenciais e a listagem da VTRM no segmento especial de listagem do Novo Mercado da B3.

A nova VTRM nasce com 2,3 GW de capacidade instalada hídrica, com mais de 60% da energia contratada até 2032. Na parte eólica, são 974 MW, com 31 parques e 85% da energia contratada até 2032 em leilões de Aneel. Simulando os resultados das empresas em 2020, a VTRM teria uma receita líquida de R$ 5,8 bilhões em 2020 e um Ebitda de R$ 1,4 bilhão.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53198605/votorantim-e-cpp-investment-assinam-acordo-final-para-reorganizacao-societaria

Alemanha critica plano da UE para reclassificar energia nuclear

Os governos da Alemanha e da Áustria se posicionaram firmemente contra o plano da Comissão Europeia de classificar o gás e a energia nuclear como "fontes verdes" nesta segunda-feira (3). "Há uma posição unânime no governo de Berlim sobre a avaliação de classificação das fontes de energia propostas pela UE", disse o porta-voz do governo, Steffen Hebestreit, ao ser questionado por jornalistas se haviam discordâncias entre os três partidos que formam o novo Executivo.

Hebestreit ainda lembrou que o plano do governo aprovado recentemente pela coalizão destaca que é preciso abandonar a energia atômica por ela ser perigosa e não sustentável no longo prazo enquanto considera o gás uma "tecnologia de passagem" e necessária apenas até chegar a outras formas de energia limpa. Já a Áustria foi mais incisiva e disse que se os planos da Comissão forem adiante "eles serão processados". Segundo a ministra para o Clima, Ambiente e Energia, Leonore Gewessler, "a energia nuclear é perigosa e não representa uma solução para a luta contra as mudanças climáticas"...

Fonte: Uol

Leia mais em:

https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/ansa/2022/01/03/alemanha-critica-plano-da-ue-para-reclassificar-energia-nuclear.htm