04/12/2020

CEB Distribuição é privatizada no DF; lance vencedor é de R$ 2,5 bilhões

A CEB Distribuição – braço da Companhia Energética de Brasília – foi vendida à iniciativa privada na manhã desta sexta-feira (4). O leilão ocorreu na Bolsa de Valores de São Paulo (B3).

O valor mínimo para a venda da estatal era de R$ 1,424 bilhão. A empresa foi vendida R$ 2,515 bilhões. O lance foi dado pela Bahia Geração de Energia, do grupo Neoenergia.

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), comentou que o projeto de privatização nasceu da impossibilidade de recuperar a CEB. "O estado não deve participar de algumas atividades", disse. Segundo o emedebista, a distribuição de energia na capital "ficará melhor a cargo da iniciativa privada"...

Fonte: G1

Leia mais em:

https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/2020/12/04/ceb-distribuicao-e-privatizada-no-df-lance-vencedor-e-de-r-25-bilhoes.ghtml

GreenYellow firma 1° contrato de longo prazo da comercializadora com chinesa CGN

A GreenYellow, empresa francesa controlada pelo grupo Casino, assinou um contrato de longo prazo para comercialização de energia de parques eólicos da CGN Brasil, controlada da China General Nuclear Power Group (CGN).

Segundo a GreenYellow, o acordo prevê fornecimento de energia gerada pelo complexo eólico Lagoa do Barro (PI) pelo período de 15 anos. A energia negociada vai atender mais de 30 unidades de um dos clientes de varejo da GreenYellow.

O negócio acontece pouco mais de um ano depois da entrada da GreenYellow no segmento de comercialização no país. “Este é o primeiro contrato de PPA [venda de energia a longo prazo] que fechamos no Brasil e que abrirá caminho para mais projetos em 2021, também nos setores de serviço e indústria, nos quais vemos muito potencial de crescimento e demanda”, disse Gabriel Vibert, diretor de Estratégia e Inovação da GreenYellow, em nota.

A GreenYellow é especializada em eficiência energética, energia solar, comercialização e gestão de energia. De origem francesa, a empresa tem operações em oito países e um portfólio de eficiência energética com mais de 2 mil projetos implementados em todo o mundo, mais de 1 mil deles no Brasil, onde opera desde 2013.

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=334890&sid=105

‘Mercado solar na América Latina é um dos mais dinâmicos do mundo’

“O mercado solar fotovoltaico na América Latina é considerado um dos mais dinâmicos do mundo”. É o que afirmou Rodrigo Sauaia, CEO da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica).

O executivo participou do Intersolar South America Digital Xperience - evento virtual, realizado nesta terça-feira (1), que discutiu as últimas previsões para o setor - e comentou que o segmento fotovoltaico tem altíssimo potencial na América Latina por vários fatores.

“Primeiro, porque são países que estão localizados na região dos trópicos e que, portanto, possuem recursos solares de excelente qualidade. Segundo, porque são países jovens, com economias ainda em desenvolvimento, assim como as suas populações, ainda também em fase de crescimento populacional”, explicou Sauaia...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/noticias/item/1311-mercado-solar-na-america-latina-e-um-dos-mais-dinamicos-do-mundo

O Grupo Capitale anunciou que está investindo na Lemon Energy, startup de alternativa renovável para suprimento de energia elétrica a consumidores do varejo. A proposta é usar tecnologia para viabilizar a oferta de produtos para clientes de menor porte, apontando caminhos para uma atuação qualificada de ambas as empresas na comercialização varejista, após a abertura total do mercado livre, prevista para 2024.

A startup usa ambiente digital para conectar os agentes na geração compartilhada, sem precisar instalar placas solares fotovoltaicas ou outro tipo de sistema de geração em seus estabelecimentos. Atua em Minas Gerais e no Distrito Federal com uma cartela de geradores que somam 300 MW e busca expandir seu serviço para outras regiões, estimando atender 10 áreas diferentes de concessão em 2021

O requisito para a modalidade é que o consumidor produza sua energia no mesmo local do consumo, ou que componha um consórcio associado a uma usina renovável de pequeno no porte conectada na mesma distribuidora do consumidor, conhecida como geração compartilhada…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53156641/grupo-capitale-investe-em-startup-mirando-mercado-varejista

Integração do gás do pré-sal com setor elétrico ainda precisa melhorar, diz executivo

A integração entre o gás natural da camada pré-sal e o setor elétrico ainda precisa de novos aperfeiçoamentos. Em painel realizado na última quarta-feira, 2 de dezembro, na Rio Oil and Gas, o Gerente Geral de Novas Energias da Shell, Guilherme Perdigão, que implanta a UTE Marlim Azul (RJ – MW), revelou que embora tenha sido possível viabilizar a térmica através de uma combinação ótima que envolveu uma série de fatores, ela tem uma estrutura diferencial de suprimento existente, por meio da rota 2. “Para uma nova rota, seria muito difícil a Shell tomar a decisão de investir em um nova rota como Marlim Azul”, afirma.

A UTE Marlim Azul (RJ – 565 MW) vai ser a primeira a usar o gás da camada pré-sal. A planta, parceria da Shell com a Pátria Investimentos e a Mitsubishi, foi viabilizada no leilão de 2017, está em construção e deve entrar em operação em 2023. O contrato de longo prazo tornou-se um fator fundamental para a viabilização da usina, já que ele ancora 80% do volume da planta. Perdigão explica que o volume de gás de Marlim Azul de 2,4 milhões m³ de gás não seria suficiente para ancorar uma rota. Além disso, há aperfeiçoamento regulatórios necessários para melhorar a participação de termelétricas em leilões…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://canalenergia.com.br/noticias/53156610/integracao-do-gas-do-pre-sal-com-setor-eletrico-ainda-precisa-melhorar-diz-executivo

Engie lança E-conomiza para facilitar aquisição de energia incentivada no mercado livre

A Engie lançou recentemente o E-conomiza para estender os benefícios do mercado livre de energia entre empresas de pequeno e médio portes. A solução garante até 15% de economia na fatura mensal e elimina a burocracia do processo de migração para o Ambiente de Contratação Livre (ACL). Outra vantagem está na possibilidade de adquirir energia incentivada, a partir de fontes renováveis – solar e eólica, o que agrega sustentabilidade às operações do cliente.

O E-conomiza tem como foco empresas com consumo de até 1 MWm – o que equivale a faturas de energia que se aproximem dos R$ 40 mil mensais, mesmo que somando o consumo de diferentes unidades da empresa.

Na visão da Engie, empresas que consomem energia em grande escala têm na escolha de uma fonte de energia renovável um bom ponto de partida para contribuir com a descarbonização. Dessa forma, optar por fontes energéticas que causem menos impactos ambientais está ao alcance de organizações de diferentes portes e setores, que podem utilizar o Mercado Livre de Energia para essa finalidade…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/incentivos-a-energia-solar/engie-lanca-e-conomiza-para-facilitar-aquisicao-de-energia-incentivada-no-mercado-livre.html