03/12/2021

CPFL Soluções fecha venda de I-RECs para Ascenty

A CPFL Soluções fechou a venda de Certificados Internacionais de Energia Renovável (I-REC) com volume total de 368.018 para a Ascenty, empresa de infraestrutura de Data Centers. Os certificados atenderão as unidades de Hortolândia, Sumaré, Vinhedo, Osasco, Rio de Janeiro, Jundiaí, Maracanaú, Campinas e Paulínia.

A certificação atesta que a energia utilizada em suas unidades, de janeiro a dezembro de 2020, é limpa e rastreável, proveniente de fonte renovável. O I-REC é uma das opções oferecidas pela CPFL Soluções, em parceria com o Instituto Totum e International REC Standard. Cada certificado equivale a 1MWh de energia renovável consumida e é possível adquirir certificados na mesma quantidade de energia que a empresa consome.

“Nosso objetivo é oferecer as melhores soluções de baixo carbono para os clientes que querem participar da transição energética para uma matriz mais limpa”, diz Flávio Souza, diretor comercial da CPFL Soluções.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53195332/cpfl-solucoes-fecha-venda-de-i-recs-para-ascenty

Começa a 10ª edição do Citeenel, o maior congresso sobre inovação do setor elétrico

Os desafios da digitalização, descentralização e descarbonização no setor elétrico marcaram os primeiros debates da décima edição do Congresso de Inovação Tecnológica e Eficiência Energética no Setor Elétrico – Citeenel. O evento acontece hoje (2/12) e amanhã (3/12), promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL e, neste ano, organizado pela CPFL Energia. Veja a programação completa em citeenel.aovivo.digital/.

Na sessão solene de abertura, na manhã desta quinta-feira (2/12), a ANEEL ressaltou iniciativas de vanguarda, e hoje realidade, frutos de projetos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D). Entre elas, estão a implantação de usinas híbridas, a expansão de recursos energéticos distribuídos e o avanço das renováveis. “Atualmente os investimentos anuais decorrentes da Lei nº 9.991 de 2000, a qual criou o programa de incentivo à inovação regulado pela ANEEL, encontram-se na ordem de R$ 750 milhões em P&D e outros R$ 675 milhões em Eficiência Energética. Estamos falando de 1 bilhão e 400 milhões de reais, todos os anos, destinado à inovação no setor elétrico”, ressaltou o diretor-geral da ANEEL, André Pepitone.

A abertura do congresso contou, ainda, com o discurso do Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, do CEO do grupo CPFL, Gustavo Estrella e do presidente do conselho de administração do grupo CPFL, Wen Bo...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://bit.ly/3IgjI4N

ANEEL conclui privatização da CEEE-T pela CPFL Cone Sul em cerimônia em São Paulo (SP)

A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) assinou nesta quinta-feira (2/12), em São Paulo (SP), o Termo Aditivo ao Contrato de Concessão nº 4/2021, que formaliza a transferência de controle societário da Companhia Estadual de Transmissão de Energia Elétrica (CEEE-T) para a CPFL Comercialização de Energia Cone Sul Ltda. Participaram da solenidade de assinatura o diretor-geral da ANEEL, André Pepitone, e o presidente da CPFL, Gustavo Estrella.

“É uma enorme satisfação ver a nossa atuação regulatória, com regras claras, respeito aos contratos e previsibilidade, mais uma vez resultar em investimento privado e na construção de ambiente seguro para negócios no setor elétrico nacional”, afirmou o diretor-geral da Agência.

O leilão de privatização da CEEE-T foi realizado em 16/7/2021, em São Paulo, com proposta de R$ 2,67 bilhões apresentada pela CPFL. O controle da transmissora era anteriormente detido pela Companhia Estadual de Energia Elétrica Participações (CEEE-Par). Além da operação das subestações e de mais de 5 mil km de linhas em operação, a transferência também contempla o contrato assinado em 31/3/2021, e atualmente em implantação, com previsão de R$ 192 milhões em novos investimentos e geração de 550 empregos diretos.

A anuência prévia para a troca de controle foi concedida pela ANEEL em 30 de setembro deste ano, por meio do Despacho nº 3.043.

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://bit.ly/3Ir67YP

Regras para usinas híbridas tornam eólica e solar mais competitivas

Os projetos de usinas eólica e solar vão ficar ainda mais competitivos com a nova regulamentação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para o funcionamento de centrais híbridas. Embora permita a combinação de várias fontes, incluindo hidrelétricas e termoelétricas, a regra beneficia sobretudo as energias renováveis, com o aumento da produtividade.

Para cada 1 megawatt (MW) de energia eólica instalado é possível colocar até 35% de capacidade solar, segundo a desenvolvedora de projetos Casa dos Ventos. Isso porque as duas fontes são complementares. Enquanto o pico de produção da eólica é à noite, a solar gera durante o dia. Mas o parque eólico paga o uso do sistema de transmissão pela capacidade total. Com a regra, a inclusão de uma solar, por exemplo, poderia ocupar parte da capacidade da rede durante o período de baixa geração da eólica.

Além dos projetos novos, que já vão nascer híbridos, muitos parques em operação poderão instalar outras fontes em suas áreas. Só a Casa dos Ventos acredita que pode incrementar seus parques eólicos, de mais de 2,8 mil MW, com 650 MW de energia solar. Outras empresas também já estão com estudos avançados para novos projetos híbridos e para adaptar plantas já existentes, como a Enel, que já tem uma usina híbrida em Pernambuco. “O modelo permite usar de forma mais eficiente a mesma conexão”, diz Roberta Bonomi, da Enel Green Power Brasil…

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=343481&sid=105

Setor de Energia debate a adoção de fontes alternativas e tecnologias para aumentar a eficiência energética

Os principais líderes empresariais e especialistas do mercado de Energia estarão reunidos no dia 8 de dezembro no 5×5 TEC Summit 2021 para debaterem – 20 anos depois do último apagão, em 1992 – as novas tecnologias e seu impacto no segmento, que precisou se adaptar para responder à pandemia e se preparar para a crescente retomada das atividades em todos os setores em meio a uma forte escassez de chuvas, o que leva o governo a acionar as termelétricas, enquanto que a sociedade exige mais investimentos em matrizes renováveis.

A pior seca dos últimos 91 anos, o aumento constante das tarifas e a aplicação de bandeiras tarifárias acendem alerta geral, levando representantes deste mercado fortemente regulado a debaterem alternativas e medidas práticas para acelerar as inovações e aumentar a eficiência energética.

Por sua vez, a adoção de fontes de energia alternativas – como a como eólicas e solar – vem se fortalecendo no Brasil e este será um dos temas principais do 5×5 TEC Summit 2021, que acontece online de 6 a 10 de dezembro, e que irá reunir representantes das principais concessionárias, líderes empresariais e especialistas, com a finalidade de chegar ao fim do encontro com um balanço do cenário energético brasileiro e como as inovações tecnológicas podem auxiliar na redução dos riscos e elevar a capacidade nacional de entrega dos recursos energéticos necessários para manter a economia em funcionamento…

Fonte: Abinee - TI Inside

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=343493&sid=105

ABNT cria comissão de estudo para regulamentar e normatizar setor solar

Foi instalada nesta terça-feira (30), a Comissão de Estudo Especial de Energia Solar (ABNT/CEE-253), que tem como objetivo elaborar normas técnicas que deverão fortalecer o processo de diversificação da matriz energética brasileira.

Segundo a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), o trabalho na nova Comissão de Estudo compreenderá projeto, instalação, inspeção e manutenção de sistemas de energia solar fotovoltaica e solar térmica; módulos fotovoltaicos; coletores solares; painel solar térmico; reservatórios termossolares; elementos construtivos e de sustentação; sistemas de controle e segurança; sistemas de gerenciamento e aspectos ambientais, no que concerne à terminologia, requisitos, métodos de ensaio e generalidades.

A ABNT/CEE-253 acompanhará os trabalhos do comitê internacional ISO/TC 180 (Solar energy) e terá coordenação da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica).

Para Rodrigo Sauaia, o CEO da associação, a evolução rápida e dinâmica das diferentes tecnologias solares traz oportunidades estratégicas de aprimoramento das normas técnicas utilizadas pelo setor e pelo mercado, como forma de melhorar e padronizar processos, produtos e serviços...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/abnt-cria-comissao-de-estudo-para-regulamentar-e-normatizar-setor-solar/