03/05/2021

Investimentos em energias limpas ganham fôlego

A geração distribuída solar ganha destaque no Estado, que hoje é um dos líderes desse segmento, com forte crescimento no país nos últimos anos. Um exemplo recente é do Grupo Gazin. Em parceria com a empresa Domínio Solar, a rede de lojas de varejo tem investido cerca de R$ 20 milhões em duas frentes de projetos de usinas solares de geração distribuída solar: a implantação de duas grandes usinas solares, instaladas em Jaciara (MT) e Nova Alvorada do Sul (MS) e dezenas de miniusinas instaladas em suas unidades.

Juntas, essas usinas são capazes de abastecer mais de 60% das 296 lojas de varejo do grupo. Além de redução da conta de luz, há ganhos ambientais. A energia limpa, proveniente da luz do sol e 100% renovável, evita a emissão de 750 toneladas de carbono para a atmosfera. Por conta das usinas solares, também não são emitidos 1.500 toneladas de CO2 na atmosfera por ano, o que equivale ao trabalho de 3.000 árvores no meio ambiente...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=338108&sid=105

75% of US households have smart meters – report

The report, which can be considered as a reliable indicator of the market amid various different sets of figures, states that 99 million smart meters had been installed as of the end of 2019.

Results from the Institute’s survey and approved plans lead to the 2020 year-end figure of 107 million. Further 115 million smart meter deployments are projected by the end of 2021.

The data indicates that more than half of the states, particularly across the southern portion of the US, have achieved a rollout greater than 50% and 58 investor-owned utilities have fully deployed smart meters.

The findings also indicate that electricity companies are using smart meter data to provide customer solutions, to enhance grid resiliency and operations and to support electric company planning, rate design and distributed energy resource integration...

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/smart-meters/75-of-us-households-have-smart-meters-report/

No 1º trimestre de 2021, 2W Energia passa por um aumento de 215% no lucro bruto da divisão de varejo

No primeiro trimestre do ano, em comparação com o resultado dos últimos três meses de 2020, a 2W Energia passou por um aumento de 215% no lucro bruto da divisão de varejo. Conforme as plataformas de energia renovável, foram verificados R$ 23 bilhões no período, ao passo que, no exercício anterior, foram calculados apenas R$ 7 bilhões.

Em setembro de 2020, a plataforma de varejo da 2W foi criada, quando foi inaugurado o Programa Agentes Autônomos da empresa, que finalizou o ano com 111 agentes. Esse número chegou a 212 agentes no primeiro trimestre de 2021, correspondendo a um aumento de 90% em relação ao trimestre anterior, com uma adição aproximada de 42 agentes por mês.

Segundo a 2W Energia, a migração de pequenas e médias empresas de todo o território nacional para o mercado livre é estimulada por essa força de venda. Com contratos de prazo médio de 5,7 anos, a divisão de varejo conquistou um total de 14,9 MWm de energia vendida...

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/empresas-de-energia-solar/no-1o-trimestre-de-2021-2w-energia-passa-por-um-aumento-de-215-no-lucro-bruto-da-divisao-de-varejo.html

No Brasil, 30% da capacidade instalada operacional das fontes solar e eólica é representada pelo mercado livre

De acordo com levantamento da Clean Energy Latin America (Cela), 30% da capacidade instalada operacional das fontes solar e eólica é representada por empreendimentos elaborados no mercado livre de energia. A Cela, consultoria estratégica em energias renováveis e companhia de assessoria financeira, divulgou uma pesquisa mapeando os 70 PPAs solares e eólicos no Ambiente de Contratação Livre (ACL), com volume que corresponde a 1.7 GW médios contratados.

A consultoria aponta que, em matéria de capacidade instalada, são cerca de 6,5 gigawatts (GW) de empreendimentos eólicos e solares fotovoltaicos. “Em 2020 e 2021 a atuação do setor eólico e solar se tornou muito mais madura, e as empresas cada vez mais preparadas para desenvolver e negociar esses PPAs”, relatou Camila Ramos, diretora geral da Cela.

“As condições dos PPAs, como prazo e preço, evoluíram bastante, as condições de financiamento se tornaram mais competitivas e especialmente o perfil dos offtakers dessa energia se diversificou para abranger cada vez mais consumidores finais”, destacou Camila…

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/blog-solar/energia-renovavel/no-brasil-30-da-capacidade-instalada-operacional-das-fontes-solar-e-eolica-e-representada-pelo-mercado-livre.html

Light define membros do Conselho de Administração

A Light (RJ) informou em comunicado ao mercado nestas sexta-feira, 30 de abril, a nova formação do seu Conselho de Administração. Abel Alves Rochinha, Ana Amelia Campos Toni, Carlos Vinicius de Sá Roriz, Firmino Ferreira Sampaio Neto, Hélio Paulo Ferraz, Lavinia Rocha de Hollanda, Vanessa Claro Lopes, Wilson Martins Poit e Yuiti Matsuo Lopes fazem parte do Conselho.

No comunicado, a empresa define os escolhidos como pessoas com competências complementares e experientes, que serão valiosas na agenda de construção de valor para a Light e seus acionistas nos próximos anos. A empresa também escolheu novos membros para o seu Conselho Fiscal, que passou a ter a seguinte composição: Luiz Paulo de Amorim, Sergio Xavier Fortes e Ary Waddington são membros efetivos e Natalia Carneiro de Figueiredo, Edgar Jabbour e Marcelo Souza Monteiro são suplentes.

Também foi aprovada a distribuição de dividendos mínimos obrigatórios no valor de R$ 164.331.478,67. O valor é equivalente a R$ 0,44109282 por ação ordinária de emissão. Os dividendos serão pagos seguindo as posições acionárias existentes no encerramento do pregão da B3 no dia 29 de abril de 2021.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53171412/light-define-membros-do-conselho-de-administracao

Limp é eleito para presidência da Eletrobras

O ex-secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia Rodrigo Limp do Nascimento foi eleito pelo Conselho de Administração da Eletrobras como presidente da empresa. A indicação para o cargo foi confirmada em reunião realizada nesta sexta-feira, 30 de abril. Limp vai substituir Wilson Ferreira Junior, que deixou a empresa para assumir a presidência da BR Distribuidora.

A posse do executivo está marcada para a próxima sexta-feira, 7 de maio, às 11h, em solenidade que será transmitida ao vivo pela estatal. Limp já havia sido aprovado como membro do CA da empresa, em Assembleia Geral Ordinária de Acionistas realizada na última terça-feira, 27. A eleição como conselheiro era necessária para que ele assumisse a presidência.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53171394/limp-e-eleito-para-presidencia-da-eletrobras

Bandeira para o mês de maio é vermelha patamar 1

A bandeira tarifária acionada para o mês de maio será vermelha patamar 1, com custo de R$4,169 para cada 100kWh consumidos. Abril marcou o fim do período de transição entre as estações úmida e seca nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN). O balanço hidrológico do período úmido 2020-2021 resultou no pior aporte hidráulico da história do SIN, medido desde 1931.

Em maio, inicia-se o período seco, com os principais reservatórios apresentando estoques reduzidos para essa época do ano. Essa conjuntura sinaliza patamar desfavorável de produção pelas hidrelétricas e elevada necessidade de acionamento do parque termelétrico, pressionando os custos relacionados ao risco hidrológico (GSF) e o preço da energia no mercado de curto de prazo (PLD). A conciliação desses indicadores levou ao acionamento do patamar 1 da Bandeira Vermelha. O PLD e o GSF são as duas variáveis que determinam a cor da bandeira a ser acionada...

Fonte: Aneel 

Leia mais em:

https://bit.ly/3vwX0hF

Leilão de energia para Sistemas Isolados garante R$ 355,5 milhões em investimentos

A ANEEL e a CCEE realizaram nesta sexta-feira (30/4) leilão de energia para suprimento dos Sistemas Isolados, negociando 54,7 MW de energia anual média para atender regiões do Acre, Amazonas, Pará, Rondônia e Roraima. Os contratos firmados, que somam R$ 355,5 milhões em investimentos, preveem fornecimento de eletricidade a partir de 1º de abril de 2023, se estendendo até 180 meses, a depender de cada localidade.

O certame, realizado de forma 100% virtual pela primeira vez, seguiu as diretrizes da Portaria MME n°. 341, de 11 de setembro de 2020, e ofertou projetos para usinas a biodiesel, gás natural e óleo diesel.

Quatro dos oito participantes se sagraram vencedores do leilão, por oferecerem o menor preço de venda da energia. O deságio médio foi de 19,4%.

Os vencedores terão prazo de dois anos para entregar as 23 centrais geradoras das 5 soluções de suprimento que propuseram para o abastecimento das localidades, ofertando carga diretamente para as distribuidoras que atendem o consumidor final...

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://bit.ly/3vKKfAv