02/08/2021

Conheça o projeto energia eólica de Unipar e Atlas Renewable Energy

Maior produtora de cloro, soda e PVC na América do Sul, a Unipar deu um passo importante para manter seu compromisso de crescer com sustentabilidade. Em parceria com a Atlas Renewable Energy, companhia internacional líder em energia renovável, a empresa controlada por Frank Geyer Abubakir anunciou o investimento de 850 milhões de reais na construção, prevista para o final de 2021, de um parque eólico em Pirapora, no norte de Minas Gerais.

Quando entrar em operação, em junho de 2022, o sistema de placas fotovoltaicas vai gerar até 239 MW solares para as duas unidades industriais operadas pela Unipar no Brasil, equivalente ao abastecimento de aproximadamente 261.000 residências, conforme o consumo médio das famílias brasileiras.

Por privilegiar uma energia limpa, a iniciativa ainda vai evitar a emissão de aproximadamente 40.500 toneladas métricas de dióxido de carbono (CO₂) por ano. Seria como se a cidade de São Paulo tivesse 16.200 veículos a menos poluindo o ar...

Fonte: Exame

Leia mais em:

https://exame.com/negocios/conheca-o-projeto-energia-eolica-de-unipar-e-atlas-renewable-energy/

O Brasil poderia incluir quase uma nova Belo Monte no sistema elétrico nacional apenas com obras de melhorias em algumas hidrelétricas existentes. Atualmente, o País tem um parque hídrico de 109 mil megawatts (MW), composto por 1.495 usinas, muitas delas com idade superior a 50 anos. Se em 51 delas houvesse troca e renovação de alguns equipamentos, a expansão na capacidade instalada poderia chegar a 10 mil MW, segundo um estudo da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Ou seja, o potencial em todo o parque pode ser ainda maior.

Chamado de repotenciação, o processo implica substituição de peças, reforma de equipamentos ou instalação de novas turbinas para aumentar a potência ou melhorar a eficiência da usina. Em tempos de crise energética, com risco de racionamento por causa da baixa nos reservatórios, se o País tivesse equipamentos mais eficientes em algumas unidades antigas, quase centenárias, o aproveitamento da água seria maior, afirmam especialistas...

Fonte: Uol

Leia mais em:

https://economia.uol.com.br/noticias/estadao-conteudo/2021/08/01/retrofit-de-hidreletrica-daria-uma-belo-monte.htm

A The Smarter E South America, que reúne as três principais feiras do segmento de energia renovável, acontecerá em São Paulo no período de 18 e 20 de outubro de 2021.

O evento integra a Intersolar South America, maior feira e congresso para o setor solar da América Latina; a ees South America, que traz tudo sobre baterias e sistemas de armazenamento de energia; e a Eletrotec+EM-Power South America, que reúne infra-estrutura elétrica e gestão de energia.

Neste ano, a organização do evento espera a participação de 300 expositores e mais de 25 mil visitantes. Diversas empresas já confirmaram presença e estão otimistas quanto às expectativas do evento.

“Estamos dedicados para realizar uma exposição em perfeitas condições, nossa expectativa para esta edição da Intersolar está mais alta do que nunca, principalmente porque não tivemos o evento no ano passado”, afirma Marcelo Taborda, gerente comercial da BYD...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/intersolar-deve-receber-mais-de-300-expositores/

STF: partidos de oposição entram com ADI contra lei que permite privatização da Eletrobras

PT, PDT, PSB, PSOL, PC do B e Rede entraram com nova Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal por conta da lei 4.182/2021, que trata de privatização da Eletrobras. De acordo com os partidos de oposição, foram aprovadas diversas emendas no Congresso Nacional que resultam em modificações substanciais no planejamento energético brasileiro, inteiramente dissociadas da medida provisória encaminhada pelo Poder Executivo. Entre elas, a exigência de contratação obrigatória de energia proveniente de pequenas centrais hidrelétricas e de usinas termoelétricas a gás natural.

A alegação é que se trata de uma matéria que foge ao escopo da Medida Provisória pelo Poder Executivo. A MP modificaria a matriz energética brasileira, criando reservas de mercado adotadas sem o devido planejamento técnico.

Os partidos argumentam também que a lei, ao prever o início imediato das obras do Linhão de Tucuruí, uma vez concluído e apresentado o Plano Básico Ambiental-Componente Indígena, dispensa a emissão de parecer pela Funai e pelo Ibama acerca da construção da linha de transmissão que passa pelo território indígena Waimiri-Atroari…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53182229/stf-partidos-de-oposicao-entram-com-adi-contra-lei-que-permite-privatizacao-da-eletrobras

Leilão de privatização da Celg T será no dia 14 de outubro

A Celgpar enviou comunicado ao mercado nesta sexta-feira, 30 de julho, anunciando a publicação do edital de privatização da Celg Transmissão, que será realizado no dia 14 de outubro, às 14h, na sede da B3, em São Paulo. O valor mínimo é de R$ 1.097.713.000,00. O leilão estava previsto para 13 de maio, mas em abril foi adiado para que os interessados tivessem mais tempo para analisar a operação.

De acordo com a Celgpar, a entrega dos documentos pelos interessados no leilão está agendada para o dia 7 de outubro de 2021, de 9h às 12h, na B3. O edital está disponível neste link.

A Celg GT terminou o ano passado com lucro líquido de R$ 165,6 milhões, parte por efeito contábil não recorrente, porém 133% acima do registrado em 2020. O Ebitda ficou em R$ 244,7 milhões e a Receita Operacional Líquida em R$ 278,4 milhões.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53182160/leilao-de-privatizacao-da-celg-t-sera-no-dia-14-de-outubro

RenovaBio impulsiona a cogeração

A capacidade instalada de geração elétrica por biomassa chegou a crescer 67,3% entre 2010 e 2015, saltando de 7.927 para 13.259 megawatts, passando a representar 9,4% da capacidade total no país, contra 7,0% no início daquele período. Mas, entre 2015 e o ano passado, o avanço ficou limitado a 16,1%, atingindo 15.396 MW.

A fatia da biomassa na geração total retrocedeu para 8,8%, segundo dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O crescimento médio entre 2016 e 2020, segundo Helder Gosling, diretor comercial e de logística da São Martinho, “não passou de 2,0% ao ano”. Ele lembra que há grande espaço para crescimento da bioeletricidade, considerando que somente 60% das usinas sucroenergéticas venderam excedentes de energia para a rede integrada no ano passado...

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=340491&sid=105

Hidrelétricas reforçam papel como base de segurança do sistema

As hidrelétricas perderão participação na matriz de geração elétrica, mas ainda permanecerão por muito tempo como principal fonte de energia e poderão vir a assumir novas funções para ampliar a segurança do sistema na transição energética. De acordo com o último Plano Decenal de Energia, as hidrelétricas reduzirão em dez pontos percentuais a participação entre 2020 (59%) e 2030 (49%).

As térmicas também cairão de 20% para 16%, enquanto a eólica passará de 9% para 14%; e a solar, de 2% para 3%. Sendo que, na modalidade de geração distribuída, as renováveis saltarão de 6 % para 14; e a geração distribuída não renovável permanecerá em 3%.

Detentor de uma das cinco maiores disponibilidades de geração hídrica do mundo, com cerca de 10% dos recursos globais, o Brasil possui cerca de 70% desse potencial na região Norte…

Fonte: Abinee - Valor Econômico

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=340494&sid=105