01/06/2022

Minas Gerais lidera geração de energia solar no Brasil

Com mais de 2,4 GW de potência instalada em energia solar, sendo 1,7 GW em GD (geração distribuída) e cerca de 730 MW em GC (geração centralizada), o estado de Minas Gerais lidera o ranking nacional. Os dados são da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Atualmente, o estado conta com incentivos para a expansão da fonte fotovoltaica no território mineiro. Um destes incentivos é o Projeto Sol de Minas, que tem o objetivo alavancar o protagonismo do estado no setor de energia solar.

Segundo o Governo de Minas Gerais, a iniciativa visa à diversificação da matriz energética a partir do aumento de projetos de geração de energia fotovoltaica e da atração de empresas fornecedoras de bens e serviços para o setor.

Ao aumentar a capacidade instalada de geração de energia elétrica e fortalecer a cadeia produtiva, o projeto já teve como resultado uma adesão de 852 dos 853 municípios mineiros à GD solar, o que representa mais de 99%. Já as gerações centralizadas estão mais concentradas em parques solares e usinas situadas, na maioria dos casos, em cidades do Norte de Minas...

Fonte: Canal Solar

Leia mais em:

https://canalsolar.com.br/minas-gerais-lidera-geracao-de-energia-solar-no-brasil/

A guerra e a transição energética

A invasão da Ucrânia pela Rússia completa três meses sem sinal de acordo para um cessar-fogo por parte de Vladimir Putin, com consequências desastrosas em termos de vidas perdidas, cidades destruídas e uma economia devastada, com alguns dos maiores polos industriais e portuários ainda nas mãos dos russos. Para a economia mundial, o principal resultado do conflito tem sido a explosão das cotações de petróleo, com preços sustentadamente acima de US$ 100 pressionando a inflação e levando a reflexões acerca da redução no ritmo da transição energética e a um consequente aumento nas emissões de carbono.

Se antes da eclosão da guerra analistas projetavam o fim da era do petróleo em 30 anos, o avanço nos preços do barril no mercado internacional tem sido um incentivo para a retomada de leilões em diversos países. Reportagem do Estadão mostrou que 15 licitações para exploração de petróleo e gás devem ser realizadas ao longo deste ano em países como Indonésia, Malásia, Angola e Estados Unidos, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Para ter uma ideia, houve apenas seis leilões em 2021 – dois deles no Brasil...

Fonte: Abinee - O Estado de SP

Leia mais em:

http://www.clipping.abinee.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=346711&sid=105

A Eneva apresentou na segunda-feira, 30 de maio, oferta para a compra da Centrais Elétricas de Sergipe (CELSEPAR) junto à New Fortress Energy (NFE) e à Ebrasil Energia. Pelo acordo, a Eneva irá adquirir 100% das participações acionárias da Usina de Porto de Sergipe com 1,6 GW de potência instalada por R$ 6,1 bilhões. A empresa havia negado que tivesse assinado um acordo na própria segunda-feira pela manhã.

Como parte da transação, a Eneva concordou em adquirir além da usina o pipeline adicional de 3,2 GW de projetos de expansão. De acordo com os termos da transação, a Eneva assumirá a dívida atual da Celse, subsidiária 100% detida da CELSEPAR, de R$ 4,1 bilhões. Com o montante desembolsado somado à dívida, o valor da empresa adquirida chega a R$ 10,2 bilhões.

Localizada em Barra dos Coqueiros (SE), a central movida a GNL tem capacidade equivalente a 15% da demanda de energia da região Nordeste e estando integralmente contratada no ambiente regulado até dezembro de 2044...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53213598/eneva-compra-ute-porto-do-sergipe-por-r-61-bilhoes

EDP Goiás inicia obras de ampliação e modernização da SE de Águas Lindas

Com investimento de R$ 10 milhões, a EDP Goiás iniciou as obras de ampliação e modernização da Subestação de Águas Lindas. A modernização deve contribuir para aumentar a confiabilidade do sistema elétrico no leste goiano e impulsionar as atividades econômicas na região, inclusive com a geração de cerca de 50 empregos diretos e indiretos com as obras.

De acordo com a companhia, ao todo, a modernização da subestação de Águas Lindas de Goiás deve beneficiar cerca de 300 mil pessoas em três municípios. A conclusão da obra e energização do empreendimento estão previstas para dezembro de 2022.

Em março deste ano, a companhia já havia anunciado a ampliação e modernização da subestação Itapaci, com investimento de R$ 50 milhões. Até o final de 2023, a empresa pretende investir R$ 200 milhões no Estado em dez obras, proporcionando melhorias para a infraestrutura de energia da região e desenvolvimento econômico.

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53213537/edp-goias-inicia-obras-de-ampliacao-e-modernizacao-da-se-de-aguas-lindas

German grid operators Schleswig Holstein Netz AG and Bayernwerk Netz GmbH have commissioned Siemens Energy to inspect approximately 4,000km of high-voltage overhead lines. The inspection will be conducted by a helicopter equipped with a high-tech multi-sensor system using the ‘SIEAERO’ service concept.

Developed by Siemens Energy, the system collects all the necessary data during the flight, which can later be evaluated with the help of artificial intelligence (AI) and analysed by other software tools.

In the near future, this kind of holistic inspection of overhead power lines can also be performed with large drones.

Helicopters and AI

For the inspection, Siemens Energy attaches SIEAERO’s multi-sensor system to the underside of a helicopter.

Equipped with 19 cameras and 3D laser scanning sensors, Siemens touts the system’s capability to captures all relevant inspection data in a single flight over the power line, resulting in up to 12,000 images and detailed 3D data per kilometre of power line…

Fonte: Smart Energy

Leia mais em:

https://www.smart-energy.com/industry-sectors/energy-grid-management/siemens-energys-ai-and-multi-sensor-kitted-helicopter-to-inspect-german-power-lines/

Enel lança empresa para mobilidade elétrica

A Enel lança no Brasil sua nova linha global de negócios totalmente dedicada à mobilidade elétrica e sustentável: a Enel X Way. O foco da nova plataforma de inovação do grupo é o desenvolvimento da eletrificação por meio da mobilidade elétrica, da recarga de veículos elétricos e de tecnologias e soluções para melhorar a experiência dos usuários.

De acordo com o responsável pela Enel X Way Brasil, Paulo Roberto Maisonnave, o objetivo é revolucionar a mobilidade pela eletrificação. Segundo ele, hoje a Enel vende muito mais do que soluções de recarga, atuando como uma empresa focada em tecnologia e serviços para impulsionar a mobilidade elétrica. Para ele, a Enel é um grupo que olha para o futuro e entende a importância de investir em inovação como ferramenta de combate as mudanças climáticas e de apoio à descarbonização...

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53213545/enel-lanca-empresa-para-mobilidade-eletrica

CTG Brasil inaugura planta solar piloto de módulos bifaciais em Florianópolis (SC). Com investimentos na ordem de R$ 7,2 milhões, o projeto foi desenvolvido no âmbito de Pesquisa & Desenvolvimento da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a UNESP Ilha Solteira e o SENAI, por meio do Instituto SENAI de Inovação em Energias Renováveis (ISI-ER).

A Planta Solar está localizada no laboratório de energia solar fotovoltaica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e irá contribuir para o desenvolvimento do setor de energia no Brasil por meio da avaliação de desempenho da tecnologia fotovoltaica em diferentes condições de solo e clima brasileiro.

“Com este projeto, damos mais um passo na direção de dominar a tecnologia e otimizar o desempenho daquela que já é a fonte de geração de energia elétrica que mais cresce em todo o mundo”, explica o Prof. Ricardo Rüther, da UFSC. “Os avanços tecnológicos e a redução de preços experimentados pela geração solar nos últimos 10 anos tornaram esta tecnologia muito competitiva…

Fonte: Canal Energia

Leia mais em:

https://www.canalenergia.com.br/noticias/53213532/ctg-brasil-inaugura-planta-solar-bifacial

G7 estabelece meta de setor elétrico predominantemente descarbonizado até 2035

Os países do G7 se comprometeram com um setor elétrico predominantemente descarbonizado até 2035 e em encerrar o financiamento internacional para combustíveis fósseis até o final de 2022.

Uma declaração conjunta, assinada por ministros do Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos, foi divulgada ao final do encontro de dois dias realizado em Berlim, na última sexta-feira (27/05).

O documento ainda sinalizou a intenção de descarbonizar o transporte de maneira significativa até 2030 e reafirmou o compromisso de acabar com subsídios para combustíveis fósseis até 2025, assinalando que a existência desses incentivos são incompatíveis com as metas do Acordo de Paris.

O G7 também se comprometeu a dobrar o financiamento climático para países em desenvolvimento até 2025 e anunciou que uma conferência sobre a proteção da biodiversidade ocorrerá em 2022, após ter sido adiada diversas vezes em razão da pandemia de covid-19.

Fonte: Portal Solar

Leia mais em:

https://www.portalsolar.com.br/noticias/mercado/internacional/g7-estabelece-meta-de-setor-eletrico-predominantemente-descarbonizado-ate-2035

A ANEEL realizará, nesta quinta-feira (2/6), às 15h, a solenidade de posse dos diretores Hélvio Guerra e Ricardo Tili. Promovida na sede da ANEEL, a cerimônia será transmitida ao vivo pelo canal da Agência no YouTube.

Tili seguirá na diretoria da ANEEL até maio de 2025, na vaga decorrente do término do mandato de Sandoval Feitosa como diretor. Já a recondução de Guerra inicia nesta quinta com mandato até maio de 2024. Os Decretos foram publicados na Sessão 2 do Diário Oficial da União de 18 de abril.

Ricardo Tili é advogado especialista em Direito de Energia, e em Comercialização de Energia Elétrica. Foi diretor de Regulação e Comercialização da Centrais Elétricas do Norte do Brasil (Eletronorte), gerente de Mercado e Contratação de Energia da Eletrobras Distribuição Rondônia e gestor do Plano de Recuperação de Créditos do Fundo Setorial (CCC) para empresas de distribuição do grupo Eletrobras.

Guerra é Engenheiro Eletricista graduado pela Escola Federal de Engenharia de Itajubá - EFEI (1979), Mestre em Engenharia Elétrica também pela EFEI (1981) e Doutor em Planejamento de Sistemas Energéticos pela Unicamp (2001). Entre 2019 e 2020 ocupou o cargo de secretário adjunto da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia (MME). Entre 2001 e 2019 trabalhou na ANEEL ocupando as superintendências de Estudos e Informações Hidrológicas, de Licitações e Controle de Contratos, de Concessões e Autorizações de Geração e de Fiscalização dos Serviços de Geração. Entre 2006 e 2010 foi Presidente da Comissão Especial de Licitações da ANEEL, responsável pelos leilões de energia e linhas de transmissão…

Fonte: Aneel

Leia mais em:

https://www.gov.br/aneel/pt-br/assuntos/noticias/2022/diretores-da-aneel-tomam-posse-na-quinta-feira-2-6